…26 DIAS – CUBA

18 Julho, 2004 at 9:05 pm

Os primeiros povoadores da ilha, grupos aborígenes, oriundos do coração do continente americano, da zona amazónica, autodenominaram-se “Taínos”.

Em 27 de Outubro de 1492, Cristóvão Colombo desembarcava na Baía de Bariay, a leste. Seguir-se-ia, no final de 1510, o desembarque da expedição de Diego Velázquez, que viria a fundar a cidade de Nuestra Señora de la Asunción en Baracoa.

Em 1514, seriam fundadas as cidades de San Salvador de Bayamo, Puerto Príncipe y Santiago de Cuba. Avançando para ocidente, seguiram-se as cidades de Santísima Trinidad, Sancti Spíritus y San Cristóbal de La Habana.

Em 1762 La Habana seria tomada pelos ingleses, que a ocupariam durante 11 meses, aumentando significativamente a mão-de-obra escrava; no final do século XVIII, Cuba convertia-se no primeiro produtor mundial de cana-de-açúcar.

Em 1892 José Martí funda o Partido Revolucionário Cubano; em 1895, iniciava-se a guerra contra os ocupantes espanhóis. A 20 de Maio de 1902, era instaurada a República.

Em 26 de Julho de 1953, dá-se o ataque ao Quartel Moncada, na província de Santiago de Cuba, por um grupo de jovens comandado por Fidel Castro. Apesar de derrotados, o “movimento de libertação nacional” contra a ditadura sofreria grande impulso.

Em Dezembro de 1956, desembarcavam na ilha 82 expedicionários vindos do México, liderados por Fidel Castro, Ernesto Che Guevara, Camilo Cienfuegos e Raúl Castro, que se refugiariam nas montanhas da Sierra Maestra, criando o “Exército Rebelde”.

A 1 de Janeiro de 1959, o presidente Fulgencio Batista (que contava com o apoio dos Estados Unidos, que até então dominavam a ilha, nela marcando grande presença) abandonava o país, ao mesmo tempo que entravam triunfais em La Habana as tropas do “Exército Rebelde”, dirigidas por Fidel Castro que, ainda nesse ano, promulgaria a primeira lei de reforma agrária, repartindo a terra com os camponeses.

Em Abril de 1960, chegava à baía de La Habana o primeiro navio soviético carregado de petróleo. Cuba passava a integrar a “órbita” soviética. Logo em Julho, os EUA impunham um bloqueio económico e comercial à ilha. Em 1961, Fidel Castro proclamava o carácter socialista da Revolução. No ano seguinte, em Outubro, dá-se a crise dos mísseis de Cuba, que poderia ter desencadeado uma catástrofe nuclear.

A partir de 1980, o governo de Fidel Castro permite finalmente que alguns cubanos abandonem o país, emigrando para os EUA.

Em 1982, o Centro Histórico de La Habana Vieja é declarado Património da Humanidade pela UNESCO.

A queda do bloco socialista na Europa a partir de 1989 resultaria numa grave crise da economia cubana. O bloqueio económico americano seria finalmente condenado pela ONU em 1992. Em 1994, milhares de pessoas tentam abandonar o país, a bordo de “balseros”, frágeis embarcações, procurando alcanças a costa dos EUA (Florida, visando juntar-se à vasta comunidade cubana de Miami).

Em 1995, a União Europeia aprovou um programa para financiar programas de saúde pública. Três anos depois, o Papa João Paulo II seria recebido em apoteose pelo povo cubano, com a presença de Fidel Castro e dos mais altos representantes do governo e da igreja.

Há 1 ano no Memória Virtual – Bárbara e o serviço público

[1569]

Entry filed under: Sociedade.

EINSTEIN (VI) EINSTEIN (VII)


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.


%d bloggers like this: