Posts tagged ‘Ciclismo’

Geraint Thomas vence “Tour de France”

A 105.ª edição do “Tour de France”, ensombrada – ainda antes do seu arranque – pelo regresso dos “fantasmas” do doping, em especial no que respeita às dúvidas que subsistem relativamente ao vencedor da prova nos últimos anos, Christopher Froome, acabou por ter no seu companheiro de equipa, o galês Geraint Thomas, um absolutamente inesperado vencedor.

O antigo Campeão do Mundo e Olímpico (2008) de pista – por curiosidade, vencedor da Volta ao Algarve em 2015 e em 2016, prova em que foi 2.º classificado na edição deste ano) -, vencedor do Paris-Nice em 2016 e do “Dauphiné” em 2018, tinha como melhor resultado na Volta a França o 15.º lugar, averbado em 2015 e em 2016.

Este ano, desde cedo tendo assumido a liderança, envergando a “camisola amarela” – tendo vencido duas etapas consecutivas nos Alpes (11.ª e 12.º), entre elas a do Alpe D’Huez -, conseguiu resistir a todos os ataques adversários, acabando mesmo por manter a superioridade relativamente ao seu “chefe-de-fila”.

Para além de Froome, este ano relegado para o lugar mais baixo do pódio, destaque para Tom Dumoulin, com uma excelente 2.ª posição, assim como, ainda, para os repetentes no “top ten”, relativamente ao ano anterior: Romain Bardet (baixando de 3.º para 6.º lugar), Mikel Landa (de 4.º para 7.º) e Daniel Martin (de 6.º para 8.º). Também abaixo das expectativas ficou Nairo Quintana, apenas 10.º classificado, pese embora ter vencido uma das principais etapas de montanha.

Classificação geral final:

1.º Geraint Thomas (Grã-Bretanha) – Team Sky – 83h 17′ 13”
2.º Tom Dumoulin (Holanda) – Team Sunweb – a 01′ 51”
3.º Christopher Froome (Grã-Bretanha) – Team Sky – a 02′ 24”
4.º Primož Roglič (Eslovénia) – Team Lotto NL – Jumbo – a 03′ 22”
5.º Steven Kruijswijk (Holanda) – Team Lotto NL – Jumbo – a 06′ 08”
6.º Romain Bardet (França) – AG2R La Mondiale – a 06′ 57”
7.º Mikel Landa Meana (Espanha) – Movistar Team – a 07′ 37”
8.º Daniel Martin (Irlanda) – UAE Team Emirates – a 09′ 05”
9.º Ilnur Zakarin (Rússia) – Team Katusha Alpecin – a 12′ 37”
10.º Nairo Quintanta (Colômbia) – Movistar Team – a 14′ 18”

É a seguinte a lista completa dos vencedores da maior prova de ciclismo mundial:

  • 5 vitórias – Jacques Anquetil (1957, 1961, 1962, 1963 e 1964), Eddy Merckx (1969, 1970, 1971, 1972 e 1974), Bernard Hinault (1978, 1979, 1981, 1982 e 1985) e Miguel Indurain (1991, 1992, 1993, 1994 e 1995);
  • 4 vitórias – Christopher Froome (2013, 2015, 2016 e 2017)
  • 3 vitórias – Philippe Thys (1913, 1914 e 1920), Louison Bobet (1953, 1954 e 1955) e Greg Lemond (1986, 1989 e 1990)
  • 2 vitórias – Lucien Petit-Breton (1907 e 1908), Firmin Lambot (1919 e 1922), Ottavio Bottecchia (1924 e 1925), Nicolas Frantz (1927 e 1928), André Leducq (1930 e 1932), Antonin Magne (1931 e 1934), Sylvère Maes (1936 e 1939), Gino Bartali (1938 e 1948), Fausto Coppi (1949 e 1952), Bernard Thévenet (1975 e 1977), Laurent Fignon (1983 e 1984) e Alberto Contador (2007 e 2009);
  • 1 vitória – Maurice Garin (1903), Henri Cornet (1904), Louis Trousselier (1905), René Pottier (1906), François Faber (1909), Octave Lapize (1910), Gustave Garrigou (1911), Odile Defraye (1912), Léon Scieur (1921), Henri Pélissier (1923), Lucien Buysse (1926), Maurice De Waele (1929), Georges Speicher (1933), Romain Maes (1935), Roger Lapébie (1937), Jean Robic (1947), Ferdi Kubler (1950), Hugo Koblet (1951), Roger Walkowiak (1956), Charly Gaul (1958), Federico Bahamontes (1959), Gastone Nencini (1960), Felice Gimondi (1965), Lucien Aimar (1966), Roger Pingeon  (1967), Jan Janssen (1968), Luis Ocaña (1973), Lucien Van Impe (1976), Joop Zoetemelk (1980), Stephen Roche (1987), Pedro Delgado (1988), Bjarne Riis (1996), Jan Ullrich (1997), Marco Pantani (1998), Oscar Pereiro (2006), Carlos Sastre (2008), Andy Schleck (2010), Cadel Evans (2011), Bradley Wiggins (2012), Vincenzo Nibali (2014) e Geraint Thomas (2018).

A competição não se disputou nas épocas das duas Guerras Mundiais (1915 a 1918 e 1940 a 1946). Foram anuladas as classificações (7 vitórias) de Lance Armstrong nas edições de 1999 a 2005.

Anúncios

29 Julho, 2018 at 10:23 pm Deixe um comentário

4.ª vitória de Christopher Froome no “Tour”

Se a prova do ano passado havia sido já bastante equilibrada, a deste ano – 104.ª edição da mais importante competição velocipédica mundial – caracterizou-se por um extremo equilíbrio, com os três primeiros separados por menos de 30 segundos até ao derradeiro contra-relógio, ontem disputado, situação porventura inaudita.

Não obstante, controlando toda a corrida – sabedor da sua vantagem em tal especialidade do contra-relógio, em relação aos seus mais directos concorrentes -, o ciclista britânico Christopher Froome garantiu o triunfo pela quarta vez na Volta a França em Bicicleta (sendo agora o único a deter tal registo, superado por apenas quatro “mitos” do ciclismo), terceira consecutiva, confirmando o seu actual domínio a nível do panorama mundial da modalidade, apenas por uma vez tendo falhado a vitória nos últimos cinco anos (devido a queda, em 2014).

Numa prova em que alguns dos principais nomes cedo ficariam afastados, na sequência de quedas, casos de Richie Porte, Alejandro Valverde (respectivamente 5.º e 6.º classificados há um ano), Geraint Thomas ou Mark Cavendish (para além do líder da classificação por pontos e vencedor de cinco etapas, Marcel Kittel), a grande desilusão foi o colombiano Nairo Quintana (3.º lugar no ano passado e 2.º do “Giro” em 2017), apenas 12.º na geral final. Ao invés, destaque, pela positiva, para o seu compatriota, Rigoberto Uran, surpreendente vice-líder, enquanto Romain Bardet, que, até ao penúltimo dia, mantinha o 2.º lugar (que alcançara na edição precedente), salvava uma posição no pódio… por um segundo.

Nesta edição apenas um português integrou o pelotão do “Tour”, Tiago Machado, registando uma discreta posição, pese embora na primeira metade da tabela classificativa, não obstante todo o trabalho que, quase diariamente, desenvolveu na frente da corrida, procurando apoiar o seu colega Alexander Kristoff, que, contudo, acabaria por ver goradas as suas ambições de poder chegar à vitória numa etapa.

Classificação geral final:

1º Christopher Froome (Grã-Bretanha) – Team Sky – 86h 20′ 55”
2º Rigoberto Uran (Colômbia) – Cannondale Drapac – a 00′ 54”
3º Romain Bardet (França) – AG2R La Mondiale – a 02′ 20”
4º Mikel Landa (Espanha) – Team Sky – a 02′ 21′
5º Fabio Aru (Itália) – Astana – a 03′ 05′
6º Daniel Martin (Irlanda) – Quick Step Floors – a 04′ 42”
7º Simon Yates (Grã-Bretanha) – Orica – Scott – a 06′ 14”
8º Louis Meintjes (África do Sul)) – UAE – Team Emirates  – a 08′ 20”
9º Alberto Contador (Espanha) – Trek – Segafredo – a 08′ 49”
10º Warren Barguil (França) – Team Sunweb – a 09′ 25′

74º Tiago Machado (Portugal) – Team Katusha Alpecin – a 02h 43′ 36”

É a seguinte a lista completa dos vencedores da maior prova de ciclismo mundial:

  • 5 vitórias – Jacques Anquetil (1957, 1961, 1962, 1963 e 1964), Eddy Merckx (1969, 1970, 1971, 1972 e 1974), Bernard Hinault (1978, 1979, 1981, 1982 e 1985) e Miguel Indurain (1991, 1992, 1993, 1994 e 1995);
  • 4 vitórias – Christopher Froome (2013, 2015, 2016 e 2017)
  • 3 vitórias – Philippe Thys (1913, 1914 e 1920), Louison Bobet (1953, 1954 e 1955) e Greg Lemond (1986, 1989 e 1990)
  • 2 vitórias – Lucien Petit-Breton (1907 e 1908), Firmin Lambot (1919 e 1922), Ottavio Bottecchia (1924 e 1925), Nicolas Frantz (1927 e 1928), André Leducq (1930 e 1932), Antonin Magne (1931 e 1934), Sylvère Maes (1936 e 1939), Gino Bartali (1938 e 1948), Fausto Coppi (1949 e 1952), Bernard Thévenet (1975 e 1977), Laurent Fignon (1983 e 1984) e Alberto Contador (2007 e 2009);
  • 1 vitória – Maurice Garin (1903), Henri Cornet (1904), Louis Trousselier (1905), René Pottier (1906), François Faber (1909), Octave Lapize (1910), Gustave Garrigou (1911), Odile Defraye (1912), Léon Scieur (1921), Henri Pélissier (1923), Lucien Buysse (1926), Maurice De Waele (1929), Georges Speicher (1933), Romain Maes (1935), Roger Lapébie (1937), Jean Robic (1947), Ferdi Kubler (1950), Hugo Koblet (1951), Roger Walkowiak (1956), Charly Gaul (1958), Federico Bahamontes (1959), Gastone Nencini (1960), Felice Gimondi (1965), Lucien Aimar (1966), Roger Pingeon  (1967), Jan Janssen (1968), Luis Ocaña (1973), Lucien Van Impe (1976), Joop Zoetemelk (1980), Stephen Roche (1987), Pedro Delgado (1988), Bjarne Riis (1996), Jan Ullrich (1997), Marco Pantani (1998), Oscar Pereiro (2006), Carlos Sastre (2008), Andy Schleck (2010), Cadel Evans (2011), Bradley Wiggins (2012) e Vincenzo Nibali (2014).

A competição não se disputou nas épocas das duas Guerras Mundiais (1915 a 1918 e 1940 a 1946). Foram anuladas as classificações (7 vitórias) de Lance Armstrong nas edições de 1999 a 2005.

23 Julho, 2017 at 6:36 pm Deixe um comentário

Christopher Froome vence “Tour de France” pela terceira vez

Numa prova bastante equilibrada – com os dez primeiros separados por apenas cerca de sete minutos (somente cerca de três minutos entre o 2.º e o 10.º classificados!) -, o ciclista britânico (nascido no Quénia) Christopher Froome conquistou pela terceira vez a Volta a França em Bicicleta, segunda consecutiva, numa edição que controlou, de forma tranquila, praticamente desde o início até ao seu termo, acabando como seus “lugares-tenente” o francês Romain Bardet – beneficiando de uma fuga que lhe proporcionou o triunfo na antepenúltima etapa – e o colombiano Nairo Quintana, que fora 2.º classificado nos dois anos precedentes.

Em relação aos portugueses, depois de duas desistências nas duas últimas edições, Rui Costa quedou-se, na geral, no 49.º lugar, acabando, surpreendentemente, por ser o 5.º classificado na classificação do “Prémio da Montanha”; aquém da forma que o caracterizou em anos anteriores, o antigo Campeão do Mundo tentou, por três vezes, vencer etapas, protagonizando fugas, num esforço digno de realce, não conseguindo, porém, melhor do que um 2.º lugar, outro 5.º, na penúltima etapa, e um 15.º posto, no dia anterior. Por seu lado, Nelson Oliveira – que se evidenciou nos contra-relógios, com um magnífico 3.º lugar, apenas superado por Tom Dumoulin e Christopher Froome – terminou numa mais modesta 80.ª posição, depois de, no ano passado, ter finalizado nos 50 primeiros.

Classificação geral final:

1º Christopher Froome (Grã-Bretanha) – Team Sky – 89h 04′ 48”
2º Romain Bardet (França) – AG2R La Mondiale – a 04′ 05”
3º Nairo Quintana (Colômbia) – Movistar Team – a 04′ 21”
4º Adam Yates (Grã-Bretanha) – Orica-BikeExchange  – a 04′ 42”
5º Richie Porte (Austrália) – BMC Racing Team – a 05′ 17”
6º Alejandro Valverde (Espanha) – Movistar Team – a 06′ 16”
7º Joaquin Oliver Rodriguez (Espanha) – Team Katusha – a 06′ 58”
8º Louis Meintjes (África do Sul)) – Lampre-Merida – a 06′ 58”
9º Daniel Martin (Irlanda) – Etixx- Quick Step – a 07′ 04”
10º Roman Kreuziger (R. Checa) – Tinkoff – a 07′ 11′

49º Rui Costa (Portugal) – Lampre-Merida – a 02h 11′ 42”
80º Nelson Oliveira (Portugal) – Movistar Team – a 03h 04′ 53”

É a seguinte a lista completa dos vencedores da maior prova de ciclismo mundial:

  • 5 vitórias – Jacques Anquetil (1957, 1961, 1962, 1963 e 1964), Eddy Merckx (1969, 1970, 1971, 1972 e 1974), Bernard Hinault (1978, 1979, 1981, 1982 e 1985) e Miguel Indurain (1991, 1992, 1993, 1994 e 1995);
  • 3 vitórias – Philippe Thys (1913, 1914 e 1920), Louison Bobet (1953, 1954 e 1955), Greg Lemond (1986, 1989 e 1990) e Christopher Froome (2013, 2015 e 2016)
  • 2 vitórias – Lucien Petit-Breton (1907 e 1908), Firmin Lambot (1919 e 1922), Ottavio Bottecchia (1924 e 1925), Nicolas Frantz (1927 e 1928), André Leducq (1930 e 1932), Antonin Magne (1931 e 1934), Sylvère Maes (1936 e 1939), Gino Bartali (1938 e 1948), Fausto Coppi (1949 e 1952), Bernard Thévenet (1975 e 1977), Laurent Fignon (1983 e 1984) e Alberto Contador (2007 e 2009);
  • 1 vitória – Maurice Garin (1903), Henri Cornet (1904), Louis Trousselier (1905), René Pottier (1906), François Faber (1909), Octave Lapize (1910), Gustave Garrigou (1911), Odile Defraye (1912), Léon Scieur (1921), Henri Pélissier (1923), Lucien Buysse (1926), Maurice De Waele (1929), Georges Speicher (1933), Romain Maes (1935), Roger Lapébie (1937), Jean Robic (1947), Ferdi Kubler (1950), Hugo Koblet (1951), Roger Walkowiak (1956), Charly Gaul (1958), Federico Bahamontes (1959), Gastone Nencini (1960), Felice Gimondi (1965), Lucien Aimar (1966), Roger Pingeon  (1967), Jan Janssen (1968), Luis Ocaña (1973), Lucien Van Impe (1976), Joop Zoetemelk (1980), Stephen Roche (1987), Pedro Delgado (1988), Bjarne Riis (1996), Jan Ullrich (1997), Marco Pantani (1998), Oscar Pereiro (2006), Carlos Sastre (2008), Andy Schleck (2010), Cadel Evans (2011), Bradley Wiggins (2012) e Vincenzo Nibali (2014).

A competição não se disputou nas épocas das duas Guerras Mundiais (1915 a 1918 e 1940 a 1946). Foram anuladas as classificações (7 vitórias) de Lance Armstrong nas edições de 1999 a 2005.

24 Julho, 2016 at 12:06 pm Deixe um comentário

Christopher Froome bisa vitória no “Tour de France”

O ciclista britânico (nascido no Quénia) Christopher Froome conquistou pela segunda vez a Volta a França em Bicicleta, bisando o triunfo alcançado há dois anos, numa prova, curiosamente, em que o 2.º classificado, o colombiano Nairo Quintana, repete igual posição obtida naquela mesma edição, com Alberto Contador, também de novo aquém das expectativas, a quedar-se pelo 5.º lugar. O vencedor do ano passado, o italiano Vincenzo Nibali não foi, desta vez, além da 4.ª posição.

Em relação aos portugueses, o destaque vai para nova desistência de Rui Costa, tal como sucedera na edição anterior, a ser forçado a abandonar por motivos de saúde, tendo Nelson Oliveira acabado por obter uma classificação positiva, dentro dos 50 primeiros.

Classificação geral final:

1º Christopher Froome (Grã-Bretanha) – Team Sky – 83h 19′ 15”
2º Nairo Quintana (Colômbia) – Movistar Team – a 01′ 12”
3º Alejandro Valverde (Espanha) – Movistar Team – a 05′ 25”
4º Vincenzo Nibali (Itália) – Astana Pro Team – a 08′ 36”
5º Alberto Contador (Espanha) – Tinkoff-Saxo – a 09′ 48”
6º Robert Gesink (Holanda) – Team Lotto NL – Jumbo – a 10′ 47”
7º Bauke Mollema (Holanda) – Trek Factoring Race – a 15′ 14”
8º Frank Mathias (Suíça) – IAM Cycling – a 15′ 39”
9º Romain Bardet (França) – AG2R La Mondiale – a 16′ 00”
10º Pierre Roland (França) – Team Europcar – a 17′ 30′

47º Nelson Oliveira (Portugal) – Lampre-Merida – a 02h 15′ 32”
72º Tiago Machado (Portugal) – Team Katusha – a 02h 54′ 31”
140º José Mendes (Portugal) – Bora-Argon 18 – a 04h 07′ 47”

É a seguinte a lista completa dos vencedores da maior prova de ciclismo mundial: Jacques Anquetil (1957, 1961, 1962, 1963 e 1964), Eddy Merckx (1969, 1970, 1971, 1972 e 1974), Bernard Hinault (1978, 1979, 1981, 1982 e 1985) e Miguel Indurain (1991, 1992, 1993, 1994 e 1995); Philippe Thys (1913, 1914 e 1920), Louison Bobet (1953, 1954 e 1955) e Greg Lemond (1986, 1989 e 1990); Lucien Petit-Breton (1907 e 1908), Firmin Lambot (1919 e 1922), Ottavio Bottecchia (1924 e 1925), Nicolas Frantz (1927 e 1928), André Leducq (1930 e 1932), Antonin Magne (1931 e 1934), Sylvère Maes (1936 e 1939), Gino Bartali (1938 e 1948), Fausto Coppi (1949 e 1952), Bernard Thévenet (1975 e 1977), Laurent Fignon (1983 e 1984), Alberto Contador (2007 e 2009) e Christopher Froome (2013 e 2015); Maurice Garin (1903), Henri Cornet (1904), Louis Trousselier (1905), René Pottier (1906), François Faber (1909), Octave Lapize (1910), Gustave Garrigou (1911), Odile Defraye (1912), Léon Scieur (1921), Henri Pélissier (1923), Lucien Buysse (1926), Maurice De Waele (1929), Georges Speicher (1933), Romain Maes (1935), Roger Lapébie (1937), Jean Robic (1947), Ferdi Kubler (1950), Hugo Koblet (1951), Roger Walkowiak (1956), Charly Gaul (1958), Federico Bahamontes (1959), Gastone Nencini (1960), Felice Gimondi (1965), Lucien Aimar (1966), Roger Pingeon  (1967), Jan Janssen (1968), Luis Ocaña (1973), Lucien Van Impe (1976), Joop Zoetemelk (1980), Stephen Roche (1987), Pedro Delgado (1988), Bjarne Riis (1996), Jan Ullrich (1997), Marco Pantani (1998), Oscar Pereiro (2006), Carlos Sastre (2008), Andy Schleck (2010), Cadel Evans (2011), Bradley Wiggins (2012) e Vincenzo Nibali (2014).

A competição não se disputou nas épocas das duas Guerras Mundiais (1915 a 1918 e 1940 a 1946). Foram anuladas as classificações (vitórias) de Lance Armstrong nas edições de 1999 a 2005.

26 Julho, 2015 at 5:47 pm Deixe um comentário

Vincenzo Nibali vence “Tour de France” 2014

O ciclista italiano Vinzenzo Nibali venceu a 101.ª edição do “Tour de France”, uma prova marcada pelas quedas que levaram à desistência do vencedor do ano passado (Christopher Froome) e do outro grande favorito (Alberto Contador), assim como, na perspectiva dos portugueses, pela desistência do Campeão do Mundo, Rui Costa, à entrada do último terço da prova, devido a broncopneumonia (depois de ter ocupado posições nos dez primeiros da classificação geral).

Pese embora as condicionantes referidas, o grande destaque vai necessariamente para Nibali, vencedor de quatro etapas, sem concorrência na montanha, onde afirmou de forma categórica a sua liderança, com a maior vantagem dos últimos anos face ao seu mais imediato perseguidor, culminando assim, aos 29 anos, um brilhante ciclo de vitórias nas três maiores provas etapas do Mundo: depois da “Vuelta” (2010) e do “Giro” (2013), agora o “Tour”.

De entre os portugueses, Tiago Machado chegou a ocupar o 3.º lugar na classificação geral, mas seria também vítima de uma queda, logo no dia imediato, o que o levaria a – depois de ter recebido assistência na ambulância durante mais de dez minutos, e de ter voltado à estrada –  ter um dia de enorme sacrifício, para conseguir chegar ao final da etapa, perdendo cerca de 45 minutos.

Classificação geral final:

1º Vincenzo Nibali (Itália) – Astana – 89h 59′ 06”
2º Jean-Christophe Péraud (França) – AG2R La Mondiale – a 07′ 37”
3º Thibaut Pinot (França) – FDJ – a 08′ 15”
4º Alejandro Valverde (Espanha) – Movistar – a 09′ 40”
5º Tejay Van Garderen (EUA) – BMC – a 11′ 24”
6º Romain Bardet (França) – AG2R La Mondiale – a 11′ 26”
7º Leopold Konig (R. Checa) – Team Netapp-Endura – a 14′ 32”
8º Haimar Zubeldia (Espanha) – Trek Factory – a 17′ 57”
9º Laurens Ten Dam (Holanda) – Belkin – a 18′ 11′
10º Bauke Mollema (Holanda) – Belkin – a 21′ 15”

72º Tiago Machado (Portugal) – Team Netapp-Endura – a 03h 08′ 03”
87º Nelson Oliveira (Portugal) – Lampre-Merida – a 03h 30′ 36”
89º Sérgio Paulinho (Portugal) – Tinkoff-Saxo – a 03h 36′ 33”
124º José Mendes (Portugal) – Team Netapp-Endura – a 04h 07′ 34”

27 Julho, 2014 at 6:24 pm Deixe um comentário

Rui Costa vence Volta a Suíça em bicicleta pelo 3.º ano consecutivo

O ciclista português Rui Costa, de 27 anos, sagrou-se hoje vencedor, pelo terceiro ano consecutivo, da Volta a Suíça em bicicleta, após ter vencido a etapa final da prova. Foi a seguinte a classificação geral final da prova:

1.º Rui Costa (Portugal) – Lampre-Merida – 33:08.35
2.º Mathias Frank (Suíça) – IAM Cycling – a 0.33
3.º Bauke Mollema (Holanda) – Belkin – a 0.50
4.º Tony Martin (Alemanha) – Omega Pharma-Quick Step – a 1.13
5.º Tom Dumoulin (Holanda) – Giant-Shimano – a 2.04
6.º Steve Morabito (Suíça) – BMC – a 2.47
7.º Davide Formolo (Itália) – Cannondale – a 3.00
8.º Roman Kreuziger (R. Checa) – Tinkoff-Saxo – a 3.03
9.º Janier Acevedo Calle (Colômbia) – Garmin-Sharp – a 3.20
10.º Eros Capecchi (Itália) – Movistar – a 3.46

Para além da tripla vitória na Suíça, o actual Campeão do Mundo de ciclismo ganhou também, na sua carreira, o Grande Prémio Ciclista de Montreal (2011), 3 etapas do “Tour de France” (2011 e 2013), 5 etapas na Volta a Suíça (2010, 2012, 2013 e 2014), 4 dias de Dunkerque (2009), Volta à Comunidade de Madrid (2011) e a clássica “Primavera de Amorebieta (2013), tendo sido 2.º classificado no Paris-Nice deste ano.

22 Junho, 2014 at 3:43 pm Deixe um comentário

Rui Costa Campeão do Mundo de Ciclismo

Rui Costa - Campeão do Mundo de Ciclismo - 2013

(foto Reuters, via “MaisFutebol” – ver galeria aqui)

O português Rui Costa sagrou-se hoje Campeão do Mundo de Ciclismo, vencendo ao sprint, sobre a linha de meta, o espanhol Joaquim Rodriguez, no termo de uma prova extremamente exigente, com a extensão de 272 km, disputada na região da Toscânia, em Itália, com a meta em Florença.

Confirmando ser um mestre da táctica da gestão da corrida, o ciclista português deixara já para trás, a cerca de 1,5 km, os mais perigosos rivais, o italiano Vincenzo Nibali e o espanhol Alejandro Valverde (até agora seu chefe-de-fila na equipa Movistar), com os quais (juntamente com Rodriguez) formara um grupo de quatro ciclistas que se isolara na frente, na última escalada do percurso (ver “filme da corrida”, no L’Équipe).

Depois dos triunfos na Volta a Suíça nos últimos dois anos, das duas vitórias em etapas na Volta a França deste ano, Rui Costa culmina uma brilhante temporada com o maior feito da história do ciclismo português. Absolutamente fantástico!

Classificação final:

1.º Rui Costa – Portugal – 7:25:44
2.º Joaquim Rodriguez – Espanha – m.t.
3.º Alejandro Valverde – Espanha – a 00:15
4.º Vincenzo Nibali – Itália – a 00:15
5.º  Andriy Grivko – Ucrânia – 00:31
6.º  Peter Sagan – Eslováquia – a 00:34
7.º  Simon Clarke – Austrália – a 00:34
8.º Maxim Iglinskiy – Cazaquistão – a 00:34
9.º  Philippe Gilbert – Bélgica – a 00:34
10.º Fabian Cancellara – Suíça – a 00:34


Rui Costa - L'Équipe
Rui Costa - Gazzetta
Rui Costa - Marca
Rui Costa - A Bola
Rui Costa - Record

ABola-RuiCosta

Record-RuiCosta

29 Setembro, 2013 at 4:55 pm Deixe um comentário

Christopher Froome vence centésima edição do “Tour de France”

O ciclista britânico (nascido no Quénia) Christopher Froome venceu hoje a centésima edição da Volta a França em Bicicleta, uma prova em que o português Rui Costa esteve também em grande evidência, tendo vencido duas etapas, e concluindo a competição no 27.º lugar da classificação geral, tendo Sérgio Paulinho obtido posição bem mais modesta (apenas 136.º posto).

Destaque para o excelente desempenho do colombiano Nairo Quintana, que, na estreia, atinge a 2.ª posição final. A grande decepção foi o espanhol Alberto Contador, que se perfilava como um dos principais candidatos à vitória, tendo sido apenas 4.º classificado. Outros dois antigos vencedores da prova, Andy Schleck (vencedor em 2010, depois da desclassificação de Alberto Contador) e Cadel Evans (vencedor em 2011), não foram além do 20.º lugar e do 39.º lugar, respectivamente.

Classificação geral final:

1º Christopher Froome (Grã-Bretanha) – Sky Procycling – 83h 56′ 40”
2º Nairo Quintana (Colômbia) – Movistar – a 04′ 20”
3º Joaquin Rodriguez (Espanha) – Katusha – a 05′ 04”
4º Alberto Contador (Espanha) – Saxo-Tinkoff – a 06′ 27”
5º Roman Kreuziger (R. Checa) – Saxo-Tinkoff – a 07′ 27”
6º Bauke Mollema (Holanda) – Belkin Pro Cycling – a 11′ 42”
7º Jakob Fuglsang (Dinamarca) – Astana – a 12′ 17”
8º Alejandro Valverde (Espanha) – Movistar – a 15′ 26”
9º Daniel Navarro (Espanha) – Cofidis – a 15′ 52”
10º Andrew Talansky (EUA) – Garmin – Sharp – a 17′ 39′

27º Rui Costa (Portugal) – Movistar – a 54′ 34”

136º Sérgio Paulinho (Portugal) – Saxo-Tinkoff – a 03h 38′ 58”

21 Julho, 2013 at 8:46 pm Deixe um comentário

Fantástico Rui Costa bisa no “Tour”

(foto via “A Bola“)

Com um fantástico desempenho, Rui Costa entra na história do ciclismo mundial, ao conseguir vencer, na edição do “Tour de France” deste ano, duas etapas, no intervalo de apenas três dias!

Hoje, entre Bourg-d’Oisans e Le Grand-Bornand, numa extensão de 204,5 km, com duas contagens de montanha de categoria “extra”, e outras duas de primeira categoria, a última a cerca de 13 km da meta, o português, desde cedo integrado num grupo de cerca de 20 fugitivos, aproveitou a última escalada para começar por se isolar, em perseguição do ciclista que seguia na frente, Pierre Roland, para, depois de o alcançar, atacar decididamente em direcção à vitória, que consumaria com uma temerária descida até à meta, sob intensa chuva e com a estrada bastante molhada, terminando com uma vantagem de 48 segundos sobre o 2.º classificado, Andreas Kloden, com o 1.º pelotão a chegar com 8.40 minutos de atraso.

Com uma magnífica atitude táctica e excelente leitura da corrida, Rui Costa – não sendo um “trepador nato” – conquista o triunfo nestas duas etapas, com características similares, adoptando uma táctica em que é, a nível mundial, dos melhores ciclistas, impondo-se na subida, e não dando possibilidades de recuperação na descida final.

Na classificação geral – nesta altura, de importância secundária para o português -, Rui Costa voltou a subir, até ao 24.º lugar.

Desta forma, passa a ser  de 12 o número de vitórias individuais de ciclistas portugueses em etapas da competição, depois dos triunfos de Joaquim Agostinho (4, duas das quais em 1969, e uma nas edições de 1973 e 1979, esta no mítico Alpe d’Huez – no ano de 1977 venceu também uma outra etapa, mas seria posteriormente desclassificado), Acácio da Silva (3, em 1987, 1988 e 1989 – ano em que envergou a camisola amarela da prova) e Rui Costa (3, duas este ano e uma em 2011), Paulo Ferreira (1, em 1984) e Sérgio Paulinho (1, em 2010) – tendo também José Azevedo participado em 2 vitórias em contra-relógios por equipas (em 2004, pela US Postal, e em 2005, pela Discovery Channel).

19 Julho, 2013 at 10:21 pm Deixe um comentário

Rui Costa vence etapa no “Tour de France” pela segunda vez

O ciclista português Rui Costa, de 26 anos (recente vencedor da Volta à Suíça, prova que tinha já conquistado também em 2012), ao serviço da equipa Movistar, obteve hoje em Gap – na quinta participação no Tour de France”- a sua segunda vitória em etapas, na mais importante prova velocipédica do mundo.

Aumenta assim para 11 o número de vitórias individuais de ciclistas portugueses em etapas da competição, depois dos triunfos de Joaquim Agostinho (4, duas das quais em 1969, e uma nas edições de 1973 e 1979, esta no mítico Alpe d’Huez – no ano de 1977 venceu também uma outra etapa, mas seria posteriormente desclassificado), Acácio da Silva (3, em 1987, 1988 e 1989 – ano em que envergou a camisola amarela da prova), Paulo Ferreira (1, em 1984) e Sérgio Paulinho (1, em 2010) – tendo também José Azevedo participado em 2 vitórias em contra-relógios por equipas (em 2004, pela US Postal, e em 2005, pela Discovery Channel).

(foto via)

Na etapa de hoje, entre Vaison-la-Romaine e Gap, na distância de 168 km, depois de uma primeira tentativa de fuga, logo ao km 3, neutralizada aos 30 km, o ciclista português culminaria da melhor forma uma outra longa fuga, de cerca de 130 km, integrando um alargado lote de 26 ciclistas, conseguindo, já na parte final da etapa, na subida de uma contagem de montanha de 2.ª categoria (de 10 km de extensão), destacar-se dos seus companheiros de escapada, controlando depois a vantagem na rápida descida de 10 km até Gap, vencendo, com mais de 11 minutos de vantagem sobre o pelotão, que chegaria à meta separado em diversos pequenos grupos.

16 Julho, 2013 at 3:54 pm Deixe um comentário

Artigos Mais Antigos


Autor – Contacto

Destaques

Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Novembro 2018
S T Q Q S S D
« Out    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Erro: Twitter não está a responder. Por favor espere alguns minutos e recarregue esta página.

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.