Posts filed under ‘Mundial 2006’

ITÁLIA TETRA-CAMPEÃ DO MUNDO

     1/8 FINAL         1/4 FINAL          1/2 FINAIS          FINAL

AlemanhaSuécia2-0
AlemanhaArgentina1-1
ArgentinaMéxico2-1 AlemanhaItália0-2

ItáliaAustrália1-0 Itália1
ItáliaUcrânia3-0
SuíçaUcrânia0-0


InglaterraEquador1-0
InglaterraPortugal0-0
PortugalHolanda1-0 França1

BrasilGhana3-0 PortugalFrança0-1
BrasilFrança0-1
EspanhaFrança1-3 AlemanhaPortugal3-1


1º ITÁLIA
2º França
3º Alemanha
4º Portugal


5º Brasil
6º Argentina
7º Inglaterra
8º Ucrânia


9º Espanha
10º Suíça
11º Holanda
12º Equador
13º Ghana
14º Suécia
15º México
16º Austrália


17º Coreia do Sul
18º Paraguai
19º Costa Marfim
20º R. Checa
21º Polónia
22º Croácia
23º Angola
24º Tunísia
25º Irão
25º EUA
27º Trinidad e Tobago
28º Japão
28º A. Saudita
30º Togo
31º Costa Rica
32º Sérvia e Montenegro

9 Julho, 2006 at 9:40 pm 1 comentário

MUNDIAL 2006 – FINAL – ITÁLIA – FRANÇA

ItáliaFrança1-1 (5-3 g.p.)

Itália Gianluigi Buffon, Gianluca Zambrotta, Fabio Cannavaro, Marco Materazzi, Fabio Grosso, Gennaro Gattuso, Andrea Pirlo, Mauro Camoranesi (86m – Alessandro Del Piero), Simone Perrotta (61m – Vincenzo Iaquinta), Francesco Totti (61m – Daniele de Rossi) e Luca Toni

França Fabien Barthez, Willy Sagnol, William Gallas, Lilian Thuram, Eric Abidal, Patrick Vieira (56m – Alou Diarra), Claude Makelelé, Frank Ribéry (100m – David Trézeguet), Florent Malouda, Zinedine Zidane e Thierry Henry (107m – Sylvain Wiltord)

0-1 – Zinedine Zidane – 7m (g.p.)
1-1 – Marco Materazzi – 19m

Desempate por pontapés da marca de grande penalidade
1-0 – Andrea Pirlo
1-1 – Sylvain Wiltord
2-1 – Marco Materazzi
David Trézeguet remata à trave
3-1 – Daniele de Rossi
3-2 – Eric Abidal
4-2 – Alessandro Del Piero
4-3 – Willy Sagnol
5-3 – Fabio Grosso

A Final da XVIII edição do Campeonato do Mundo de Futebol apenas tivera início há cinco minutos, ainda sem predominância definida, quando Materazzi se “encostou” a Malouda na área italiana, que, sentindo o contacto, caiu, beneficiando da grande penalidade.

Na conversão, Zidane, num remate “à Panenka” (ou “à Hélder Postiga” no EURO 2004), levando a bola a embater na face interior da trave e cair dentro da baliza, inaugurava o marcador.

De imediato, os franceses deram ideia de se irem remeter à defesa, procurando eventualmente explorar o contra-ataque.

A Itália, não desarmando, com uma boa dinâmica, assumiu as “despesas” da partida… e seria recompensada, pouco mais de 10 minutos depois, com o golo do empate, por Materazzi, com uma fulgurante entrada de cabeça, dando sequência a um canto apontado por Andrea Pirlo. Estava reposta a justiça no marcador.

Nos minutos imediatos, as equipas como que se reagruparam, adoptando maiores cautelas, mas, gradualmente, a Itália voltaria a assumir predomínio, expresso num remate de cabeça de Luca Toni, a embater com estrondo na barra da baliza de Barthez.

Na segunda parte, de alguma forma surpreendendo – e não obstante a substituição forçada por lesão, do poderoso Patrick Vieira -, a França pareceu surgir com mais reservas físicas, assumindo o controlo do jogo, com a Itália a não conseguir mais do que algumas situações de contra-ataque, não obstante continuasse a dominar em termos de tempo de posse de bola.

Apesar da maior iniciativa francesa no segundo tempo, o equilíbrio continuava a ser a nota dominante; o prolongamento acabaria por ser o desfecho lógico desta Final.

No prolongamento, seria a França a criar a primeira grande ocasião de perigo, aos 100 minutos, com Ribéry a rematar ligeiramente ao lado da baliza de Buffon… para, 3 minutos depois, o guarda-redes italiano corresponder com uma espectacular defesa a um excelente remate de cabeça de Zidane!

Zidane, que, iam decorridos 110 minutos, encerraria a sua carreira de futebolista da pior maneira: perdendo a cabeça, na sequência de uma troca de palavras com Materazzi – que aparentava, de início, ser “amigável” -, daria uma cabeçada no peito do adversário, sendo expulso!

A tensão era enorme e não parecia haver já serenidade para jogar futebol, e procurar, nos derradeiros minutos, evitar o desempate da marca de grande penalidade, não obstante a superioridade numérica da equipa italiana.

Praticamente na última jogada do prolongamento, Wiltord conseguia escapar-se pelo flanco direito, mas, sem ângulo, remataria muito por alto e desenquadrado da baliza.

Depois da bela partida das 1/2 Finais entre a Itália e a Alemanha, e mesmo, do competitivo encontro entre a França e Portugal, a Final acabaria por ficar um pouco aquém das expectativas (após a prometedora primeira parte), de qualidade inferior ao jogo de atribuição do 3º e 4º lugares.

Os pontapés da marca de grande penalidade tornar-se-iam uma “inevitabilidade”; pela segunda vez na história (e, novamente, com a presença da Itália, tal como na Final que perdera em 1994 frente ao Brasil), o Campeão do Mundo seria apurado desta forma!

Com 5-3, a Itália é CAMPEÃ DO MUNDO pela quarta vez na sua história, depois das vitórias em 1934, 1938 e 1982!


Foto – Associated Press

Melhor jogador – Andrea Pirlo

Amarelos – Gianluca Zambrotta (5m); Willy Sagnol (12m), Alou Diarra (76m), Florent Malouda (111m)

Vermelho – Zinedine Zidane (110m)

Árbitro – Horacio Elizondo (Argentina)

Berlin (19h00)

9 Julho, 2006 at 9:39 pm 1 comentário

MUNDIAL 2006 – 1/8 FINAL – 1/4 FINAL – 1/2 FINAIS – FINAL

     1/8 FINAL         1/4 FINAL          1/2 FINAIS          FINAL

AlemanhaSuécia2-0
AlemanhaArgentina1-1
ArgentinaMéxico2-1 AlemanhaItália0-2

ItáliaAustrália1-0 Itália
ItáliaUcrânia3-0
SuíçaUcrânia0-0


InglaterraEquador1-0
InglaterraPortugal0-0
PortugalHolanda1-0 França

BrasilGhana3-0 PortugalFrança0-1
BrasilFrança0-1
EspanhaFrança1-3 AlemanhaPortugal3-1

8 Julho, 2006 at 9:59 pm 1 comentário

MUNDIAL 2006 – 3º/4º LUGAR – ALEMANHA – PORTUGAL

AlemanhaPortugal3-1

Alemanha Oliver Kahn, Marcell Jansen, Christoph Metzelder, Jens Nowotny, Philipp Lahm, Sebastien Kehl, Bastian Schweinsteiger (79m – Thomas Hitzlsperger), Bernd Schneider, Torsten Frings, Lukas Podolski (71m – Mike Hanke) e Miroslav Klose (65m – Oliver Neuville)

Portugal Ricardo, Paulo Ferreira, Fernando Meira, Ricardo Costa, Nuno Valente (69m – Nuno Gomes), Costinha (46m – Petit), Maniche, Cristiano Ronaldo, Deco, Simão Sabrosa e Pauleta (77m – Figo)

1-0 – Bastian Schweinsteiger – 56m
2-0 – Petit (p.b.) – 60m
3-0 – Bastian Schweinsteiger – 78m
3-1 – Nuno Gomes – 88m

No jogo de “(des)consolação”, em que ficou privado de Ricardo Carvalho (devido ao cartão amarelo que lhe foi exibido na partida das 1/2 Finais) e de Miguel (lesionado no mesmo jogo), e também, por opção, sem Figo de início, Portugal entrou no jogo com uma boa disposição, assegurando o domínio da posse de bola nos primeiros minutos.

Até que, aos 4 minutos, a Alemanha, na primeira jogada de ataque, rematou com perigo à baliza portuguesa, com a bola possivelmente a ser desviada da sua trajectória pelo braço de Nuno Valente; as três repetições televisivas não foram inequívocas sobre a existência de falta para grande penalidade, que os alemães reclamaram.

Aos 8 minutos, Nuno Valente a deixar-se ultrapassar mais uma vez, e nova jogada de perigo para a baliza portuguesa.

Aos 14 minutos, Pauleta conseguiu desmarcar-se e surgir na “cara” de Kahn, que evitaria o golo português.

Aos 20 minutos, a Alemanha chegava novamente com perigo à baliza portuguesa, com Ricardo a ter uma bela intervenção, desviando para canto, com a ponta dos dedos. E, apenas 4 minutos depois, na resposta a um livre convertido por Podolski com um remate potente, Ricardo faria mais uma excelente defesa.

Aos 29 minutos – numa fase em que a equipa portuguesa, com dificuldade para suster o ataque alemão, se revelava muito faltosa –, novo livre perigoso para a Alemanha, com o remate a sair bastante por cima da trave.

Três minutos volvidos, nova falta em zona perigosa, praticamente em cima da linha de grande área, por Costinha, que viu também o cartão amarelo. O livre foi marcado de forma similar ao anterior.

Aos 35 minutos, aliviando a pressão alemã, Portugal conseguia alguns pontapés de canto; num deles, criaria perigo, com a bola a cruzar toda a área alemã, mas sem que nenhum português conseguisse fazer o desvio para a baliza.

No final do primeiro tempo, um pouco contra o pendor do jogo, Portugal dominava em termos de tempo de posse de bola.

No início da segunda parte, Portugal pareceu entrar mais tranquilo, criando duas oportunidades: primeiro, aos 50 minutos, num livre em que Simão Sabrosa fez a bola sobrevoar a barreira, para descer depois, não o suficiente para se enquadrar com a baliza; dois minutos depois, Pauleta a surgir isolado no corredor direito, a rematar para a defesa de Kahn.

Só que, aos 56 minutos, numa jogada de inspiração de Schweinsteiger, inflectindo da esquerda para o centro, rematou forte e colocado, com efeito, com a bola a fugir de Ricardo; estava feito o primeiro golo da partida.

Quatro minutos depois, nova oportunidade para a Alemanha, com Lahm a rematar cruzado, em arco, do lado esquerdo, saindo a bola por alto.

E, ainda aos 60 minutos, num livre, novamente por Schweinsteiger, de novo no flanco esquerdo, o remate saiu forte, com Petit, na área portuguesa a desviar a trajectória da bola para a nossa baliza; era o segundo golo da Alemanha. No espaço de menos de 5 minutos, Portugal entregava o jogo…

Não obstante, no minuto imediato, Portugal podia ter reduzido a desvantagem: Deco surgia a rematar com muito perigo, com uma excelente estirada de Kahn, a desviar para canto.

A equipa portuguesa arriscaria com a entrada de Nuno Gomes para o lugar de Nuno Valente e, já na fase final do jogo, Figo, provavelmente a fazer a sua despedida da selecção, substituía Pauleta.

Na primeira jogada após ter entrado em campo, Figo servia um avançado português, que não conseguiria concretizar o golo, que poderia dar alguma esperança a Portugal.

Para, no lance imediato, aos 78 minutos, a “papel químico” do primeiro golo, mais uma vez por Schweinsteiger, desta vez com a bola colocada ao poste mais longe, fazia o 3-0.

Aos 82 minutos, Metzelder, pressionado por Nuno Gomes, cabeceava para a sua própria baliza; a bola parecia ir entrar… quando tabelou em Kahn.

No minuto seguinte, Ronaldo podia mais uma vez ter chegado ao golo… Kahn negou-o novamente, não obstante a trajectória “esquisita” da bola.

Portugal conseguiria chegar ao “golo de honra” apenas a dois minutos de fim, com Nuno Gomes a corresponder da melhor forma a uma jogada ofensiva de Portugal, cabeceando em “voo”, sem hipóteses para Khan.

Ainda assim, um resultado pesado face ao que se passou em campo, não obstante a superioridade alemã, justificando a vitória.

A Alemanha conquista o 3º lugar final; Portugal vê-se relegado para a 4ª posição.

Melhor jogador – Bastian Schweinsteiger

Amarelos – Torsten Frings (7m) e Bastian Schweinsteiger (78m); Ricardo Costa (24m), Costinha (33m) e Paulo Ferreira (60m)

Árbitro – Toru Kamikawa (Japão)

Stuttgart (20h00)

8 Julho, 2006 at 9:55 pm 2 comentários

MUNDIAL 2006 – 1/8 FINAL – 1/4 FINAL – 1/2 FINAIS – FINAL

     1/8 FINAL         1/4 FINAL          1/2 FINAIS          FINAL

AlemanhaSuécia2-0
AlemanhaArgentina1-1
ArgentinaMéxico2-1 AlemanhaItália0-2

ItáliaAustrália1-0 Itália
ItáliaUcrânia3-0
SuíçaUcrânia0-0


InglaterraEquador1-0
InglaterraPortugal0-0
PortugalHolanda1-0 França

BrasilGhana3-0 PortugalFrança0-1
BrasilFrança0-1
EspanhaFrança1-3

5 Julho, 2006 at 10:08 pm Deixe um comentário

MUNDIAL 2006 – 1/2 FINAIS – PORTUGAL – FRANÇA

PortugalFrança0-1

Portugal Ricardo, Miguel (62m – Paulo Ferreira), Fernando Meira, Ricardo Carvalho e Nuno Valente, Costinha (74m – Hélder Postiga), Maniche, Luís Figo, Deco, Cristiano Ronaldo e Pauleta (68m – Simão Sabrosa)

França Fabien Barthez, Willy Sagnol, William Gallas, Lilian Thuram, Eric Abidal, Patrick Vieira, Claude Makelelé, Frank Ribéry (72m – Sidney Govou), Florent Malouda (69m – Sylvain Wiltord), Zinedine Zidane e Thierry Henry (85m – Louis Saha)

0-1 – Zinedine Zidane – 33m

Um jogo animado, “entretido”, com as equipas a encaixarem bem uma na outra, ambas procurando a iniciativa atacante, mas jogando pelo “seguro”, com Portugal a dar a sensação de, quando imprimia velocidade ao seu jogo, poder provocar problemas à equipa francesa.

Numa jogada sem perigo eminente imediato, a França beneficiaria de uma grande penalidade, que aproveitou para se colocar em vantagem no marcador – tal como em 2000, Zidane não perdoaria.

A equipa portuguesa reagiu bem, criando quase de seguida uma jogada de perigo na área francesa, que poderia ter resultado em grande penalidade, caso o árbitro tivesse mantido o critério adoptado no lance anterior.

No recomeço da partida, a França parecia surgir mais ameaçadora, aproveitando alguma desconcentração da selecção portuguesa, que, nos primeiros 5 minutos, sentia dificuldades em conseguir acertar com as marcações.

A partir dos 50 minutos, Portugal voltava a procurar “pegar” no jogo, nomeadamente com algumas iniciativas de Cristiano Ronaldo, mas fazia-o de forma algo denunciada e não suficientemente rápida.

A França passava a aproveitar as ocasiões de que dispunha para quebrar o ritmo da partida e ir perdendo alguns “preciosos” segundos.

Por volta dos 65 minutos, Portugal aparentava ser uma equipa que começava a descrer, sem discernimento para construir jogadas ofensivas.

A substituição operada por Scolari, com Simão Sabrosa a entrar por troca com Pauleta (que, praticamente, “passou ao lado do jogo”) não parecia ser a opção mais acertada… Era Cristiano Ronaldo que avançava no terreno.

A muralha defensiva francesa parecia então intransponível.

“Remodelando” a estratégia, aos 74 minutos, entrava Hélder Postiga (bastante inoperante na partida anterior), substituindo Costinha.

Quase de imediato, Portugal cria uma jogada de perigo na área francesa; ao cruzamento de Nuno Valente, Hélder Postiga responderia lançando-se… para o chão.

E, logo de seguida, na conversão de um livre directo, Cristiano Ronaldo remata fortíssimo, obrigando Barthez a uma defesa de recurso, aliviando a bola para a frente, surgindo Figo a cabecear… por cima. Portugal perdia a sua maior oportunidade de golo na partida.

Frente a uma equipa tão sólida e consistente como a da França, a equipa nacional – acusando grande desgaste físico e mesmo, em alguns casos, dando sinais de esgotamento – não poderia ter desperdiçado as escassas oportunidades de que usufruiu.

Numa partida dominada pelo equilíbrio, não tendo também beneficiado de muitas ocasiões, denotando no campo um respeito pela equipa portuguesa – que não revelara nas declarações de alguns jogadores na véspera da partida –, a França foi efectiva, marcando o golo que lhe deu acesso à Final.

Procurando, em desespero de causa, chegar, pelo menos, ao empate, Portugal – com um remate “desastrado” de Fernando Meira, muito por alto e, até com Ricardo na área, tentando aproveitar os últimos pontapés de canto – despedia-se do sonho…


Foto – Associated Press

Parabéns a Portugal pela condigna presença neste Campeonato do Mundo, onde repete a melhor prestação da história, atingindo as 1/2 Finais!

Melhor jogador – Lilian Thuram (França)

Amarelos – Ricardo Carvalho (82m); Louis Saha (87m)

Árbitro – Jorge Larrionda (Uruguai)

Munich (20h00)


1m – Malouda a isolar-se perigosamente, a rematar ao lado

4m – Deco, num remate cruzado, de longe, a obrigar Barthez a uma defesa “apertada”, com Pauleta a chegar atrasado para a recarga

8m – Cristiano Ronaldo a combinar com Maniche que, num forte remate de meia-distância, ameaçou a baliza francesa, com a bola a subir ligeiramente

14m – Num centro de Ribéry, a bola a cruzar toda a área portuguesa, com Henry a não chegar a tempo para o desvio… por pouco

16m – Luís Figo testa Barthez, mas o remate saiu com pouca força…

21m – Thierry Henry tenta o remate, à entrada da área, mas a bola embate em Nuno Valente

28m – Ribéry procura fazer o centro, mas a bola vai directamente para as mãos de Ricardo, sem dificuldade

31m – Ricardo Carvalho, em queda, a deixar o pé tocar em Henry, que aproveitou a ocasião: grande penalidade

33m – Zidane bateu colocado, junto ao poste direito da baliza de Ricardo, que, adivinhando o lado, não conseguiria deter a bola

36m – Miguel a rematar de bastante longe, forte, com Barthez a blocar com segurança. Na sequência, Figo centra para a área, Cristiano Ronaldo sente o contacto de Sagnol (apoio das mãos nas suas costas) e cai na área (tal como fizera Henry); desta vez, o árbitro – não mantendo o critério – nada assinala…

39m – Cristiano Ronaldo, numa boa arrancada pelo lado esquerdo, remata à baliza, mas a bola é desviada para canto

44m – Ribéry não consegue “furar” o bloco defensivo português

45m – Figo remata contra a mão de um jogador francês, dentro da área

47m – Henry desmarca-se perigosamente pelo lado esquerdo, escapando a Fernando Meira em velocidade, remata cruzado, à entrada da pequena área, com Ricardo a defender com sorte, deixando a bola escapar por baixo do braço, acabando por sair pela linha de fundo, ligeiramente ao lado do poste da baliza

48m – Mais um remate perigoso, traiçoeiro, de Ribéry, a obrigar Ricardo a uma difícil intervenção

53m – Figo a desmarcar Paleta, conseguindo pela primeira vez ganhar algum espaço na área, rodou e rematou… à malha lateral

58m – Miguel tem uma arrancada pela direita, combina com Pauleta, que lhe devolve a bola, quando o lateral, exausto, já se encontrava caído no terreno. Ver-se-ia obrigado a solicitar a substituição no minuto seguinte

64m – Cristiano Ronaldo, na sequência de uma jogada de envolvência, remata, mas a bola embate na defesa francesa

77m – Na conversão de um livre directo, Cristiano Ronaldo remata fortíssimo, obrigando Barthez a uma defesa de recurso, aliviando a bola para a frente, surgindo Figo a cabecear… por cima

80m – Novo livre directo, com Figo a cruzar tenso para a “molhada” na área francesa; Vieira, o mais alto, a aliviar

82m – Contra-ataque rápido de Wiltord, com Ricardo Carvalho a desarmar com classe, mas, depois, a não conseguir desembaraçar-se da bola, e a ser obrigado a recorrer à falta, vendo o cartão amarelo… que o afasta do último jogo

92m – Fernando Meira tenta explorar o adiantamento de Barthez, mas a bola sai demasiado por alto

94m – Portugal pressiona, remetendo a França para a sua zona defensiva, beneficiando de dois pontapés de canto sucessivos; Ricardo, que saira da baliza, não consegue corresponder aos cruzamentos.

5 Julho, 2006 at 9:55 pm 5 comentários

DEIXEM-NOS SONHAR!…

5 Julho, 2006 at 4:30 pm 1 comentário

MUNDIAL 2006 – 1/8 FINAL – 1/4 FINAL – 1/2 FINAIS – FINAL

     1/8 FINAL         1/4 FINAL          1/2 FINAIS          FINAL

AlemanhaSuécia2-0
AlemanhaArgentina1-1
ArgentinaMéxico2-1 AlemanhaItália0-2

ItáliaAustrália1-0 Itália
ItáliaUcrânia3-0
SuíçaUcrânia0-0


InglaterraEquador1-0
InglaterraPortugal0-0
PortugalHolanda1-0 Vencedor do .............-.............

BrasilGhana3-0 PortugalFrança
BrasilFrança0-1
EspanhaFrança1-3

4 Julho, 2006 at 10:32 pm Deixe um comentário

Artigos Mais Antigos


Autor – Contacto

Destaques

Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Maio 2017
S T Q Q S S D
« Abr    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.