Posts filed under ‘Eleições EUA – 2020’

Eleições Presidenciais EUA – Resultados actualizados

Dez dias após a data das eleições, são finalmente conhecidos os resultados finais a nível de votantes para o Colégio Eleitoral, tendo Joe Biden assegurado 306 “votos”, face a 232 de Donald Trump (precisamente o inverso do resultado que obtivera em 2016):

Em relação à projecção que aqui havia apresentado no dia das eleições (290 vs. 248), o único desvio foi a vitória averbada por Biden na Georgia (16 “Grandes Eleitores”), um Estado onde os candidatos democratas não venciam há 28 anos. Já no que respeita às tendèncias das sondagens, a única falha relevante registou-se na Florida (não obstante a vantagem ténue que era atribuída ao candidato democrata).

13 Novembro, 2020 at 8:40 pm Deixe um comentário

Eleições Presidenciais EUA – Resultados provisórios (Act.)

Eram 11h24 de Sábado (16h24 pela hora de Portugal continental) quando, depois de uma longa demora, a CNN fez, enfim, o anúncio que todos esperavam há dias: Joe Biden foi eleito o 46.º Presidente dos EUA!

A situação tinha-se vindo a clarificar, logo desde a manhã de quarta-feira, com a declaração da vitória do candidato democrata nos Estados do Wisconsin, e, de seguida, do Michigan – que, juntamente com as vantagens que ia registando no Arizona e no Nevada, praticavam selavam a vitória nestas eleições.

Mas, entretanto, na quinta-feira, ao mesmo tempo que, sucessivamente, iam chegando notícias esperançosas da Pennsylvania e – onde era menos provável – da Georgia, Biden começava a perder vantagem no Arizona, enquanto, em paralelo, a contagem no Nevada parecia… congelada.

Ontem, com a ultrapassagem consumada na Pennsylvnia e na Georgia, já não subsistiam dúvidas sobre o desfecho destas eleições, faltando apenas o anúncio “oficial”, confirmando a hora de sucessão na “Casa Branca” – porém, ainda não reconhecida pelo candidato derrotado.

É a seguinte a posição actualizada, que decorre dos resultados (ainda) provisórios, Estado a Estado:

7 Novembro, 2020 at 5:30 pm Deixe um comentário

Eleições Presidenciais EUA – Resultados provisórios

Não foi por falta de aviso, mas os resultados (provisórios) apurados não deixam, ainda assim, de surpreender, sobretudo pela resistência demonstrada por Trump (a revalidar, em termos substanciais, a sua base de apoio eleitoral de 2016), com Biden a ver significativamente reduzidas as vantagens que as tendências das sondagens pareciam apontar (tendo mesmo já confirmada a derrota na Florida).

Não obstante o desfecho destas eleições esteja ainda pendente da conclusão da contagem em três Estados cruciais (Pennsylvania, Michigan e Wisconsin – vencerá quem ganhar dois destes Estados), o resultado até poderá acabar por vir a ser aquele que aqui tinha projectado: 290-248, a favor de Biden.

Todavia, aproveitando a oportunidade que estes resultados provisórios lhe concedem – dispondo, no início da manhã, de vantagem em todos aqueles Estados – Trump declarou já a abertura de uma disputa jurídica, com recurso ao Supremo Tribunal, reclamando a suspensão da contagem dos votos antecipados, alegando nomeadamente que não deverão ser considerados os votos recebidos após a data da eleição (ao invés do previsto em termos legais, que consiste na aceitação dos votos com carimbo do correio até essa data).

É a seguinte a posição que decorre dos resultados provisórios, Estado a Estado:

Não tendo sido ainda definitivamente atribuída a vitória nos Estados do Maine, Arizona, Nevada, Alaska, Georgia e Carolina do Norte, os três primeiros deverão ser conquistados por Biden, sendo que Trump deverá vencer os restantes três.

4 Novembro, 2020 at 10:30 am Deixe um comentário

Eleições Presidenciais EUA – 2020 (X)

Eis-nos chegados ao “Dia D” das eleições presidenciais nos EUA, com o candidato Joe Biden a perfilar-se como favorito, mas ainda com todas as possibilidades em aberto.

Resumem-se, no mapa abaixo, as tendências apontadas pelas sondagens, Estado a Estado, classificadas em quatro escalões de probabilidade (vitória praticamente segura de um dos candidatos; forte probabilidade de vitória; ligeira vantagem; situação de “empate”):


Click the map to create your own at 270toWin.com

 

De forma esquemática, e recuperando os cenários que, semana a semana, aqui fui apresentando, resume-se de seguida a evolução de tais tendências, ao longo das últimas dez semanas:

A evolução dos números relativos a Donald Trump centra-se sobretudo no reforço (4.ª semana) ou retrocesso (3.ª e 5.º semanas) da sua posição no Estado do Ohio (18 “Grandes Eleitores”) – tendo mantido constante (125) o somatório de votos “seguros” e/ou de forte probabilidade de vitória.

Quanto a Joe Biden, começou por reforçar posições na Florida (29) – 2.ª e 6.ª semanas – e Arizona (11), registando-se retrocesso na Florida na 5.ª e 8.ª semanas.

Na 7.ª semana (13 de Outubro) o candidato democrata parecia ter, pela primeira vez, a vitória “assegurada”, ao reforçar posições determinantes em três dos Estados nos quais apresentava ainda vantagens relativamente frágeis: Arizona (11), Wisconsin (10) e Nevada (9). Em paralelo, o candidato republicano cedia no Iowa (6).

Na 8.ª semana – a duas semanas das eleições -, e para além do caso da Florida, Biden parecia ceder também terreno na Pennsylvania (20) e, novamente, no Arizona (11) – apesar de ter reforçado no Colorado (9).

Na semana passada as sondagens apontavam para a recuperação do Estado da Pennsylvania (20) por parte de Biden (reforçando também a posição no New Hampshire), o que voltava a colocar o candidato democrata em posição privilegiada para a vitória final.

Nesta derradeira semana, Biden parece ter ganho, de novo, ténue vantagem na Florida (29), enquanto a Carolina do Norte (15) voltava a situação de empate. Por seu lado, o Iowa (6) parece pender para Trump.


Em síntese, Biden terá a vitória dependente da confirmação da vantagem nos “Grandes Lagos” – fundamentalmente do desfecho na Pennsylvania: ganhando aí (sendo previsível que possa somar, pelo menos, 273 votos no Colégio Eleitoral, portanto, acima da fasquia mínima de 270), poderia até perder no Nevada, podendo dispensar, também, o Arizona e a Florida (Estados em que se perfila com vantagens mais frágeis) -, isto mesmo que Trump consiga vencer nos restantes battleground states (Ohio, Georgia e Carolina do Norte), como será, porventura, mais expectável.

Caso viesse a claudicar na Pennsylvania, as contas poderiam complicar-se: nessa circunstância Biden necessitaria – para além de triunfar no Michigan, Minnesota e Wisconsin, Estados “críticos” para o cômputo final – de ganhar igualmente no Arizona, o que não é, de todo, seguro (ou, ainda menos provável, na Florida).

Para Trump, a possibilidade de vitória nestas eleições passará, necessariamente, por ganhar na Pennsylvania (para além, claro, da Florida, Ohio, Georgia e Carolina do Norte), e, adicionalmente, ainda um outro dos Estados em que parece registar desvantagem com alguma significância (Arizona, Nevada ou Minnesota).

A eventualidade de um cenário de hipotético empate (269-269) subsiste também (por exemplo, se Biden, ganhando na Pennsylvania, viesse a perder no Arizona e no Minnesota; ou, alternativamente, caso Biden perca na Pennsylvania e numa das circunscrições do Nebraska).

Em qualquer caso, não será muito provável que Biden venha a ultrapassar os 300 “Grandes Eleitores”, como decorreria da conjugação de todas as situações em que parece dispor de alguma vantagem nas sondagens. Ao invés, em relação a Trump, será expectável que, para além da sua base de apoio “segura” e dos Estados em que apresenta vantagens menos significativas, venha a atingir, pelo menos, 219 (ou 248) votos no “Colégio Eleitoral”, pelo que a incerteza subsistirá, possivelmente, durante toda a noite eleitoral.

Se tivesse de fazer uma aposta – inevitavelmente falível -, seria nos 290-248, a favor de Joe Biden, com o seguinte detalhe (ordenando os Estados por grau decrescente de probabilidade de vitória de cada um dos candidatos):

3 Novembro, 2020 at 10:30 am 1 comentário

Eleições Presidenciais EUA – 2020 (IX)

A uma semana das Eleições Joe Biden parece voltar a ter a vitória “nas mãos”, em função da recuperação apontada pelas sondagens no Estado da Pennsylvania, em que volta a ter vantagem relevante. Com os 20 “Grandes Eleitores” desse Estado, o total de votos “seguros” e/ou prováveis no Colégio Eleitoral passa a ascender a 279, o suficiente para garantir a eleição.

Em relação à posição da semana anterior, o candidato democrata reforça ainda a sua vantagem no New Hampshire, que parece agora “garantido” a seu favor.

Resume-se no mapa abaixo a actualização das tendências apontadas pelas sondagens, a seguir detalhadas:


Click the map to create your own at 270toWin.com

 

  • Joe Biden – Claro favoritismo em 18 Estados, num total correspondente a 216 “Grandes eleitores”: California (55); New York (29); Illinois (20); New Jersey (14); Virginia (13); Washington (12); Massachussetts (11); Maryland (10); Colorado (9); Connecticut (7); Oregon (7); New Mexico (5); Hawaii (4); New Hampshire (4); Rhode Island (4); Delaware (3); Maine (3, do total de 4); e Vermont (3); para além do District of Columbia (3).
  • Donald Trump – Claro favoritismo em 17 Estados, num total correspondente a 109 “Grandes eleitores”: Indiana (11); Tennessee (11); Alabama (9); Carolina do Sul (9); Kentucky (8); Lousiana (8); Oklahoma (7); Arkansas (6); Kansas (6); Mississippi (6); Utah (6); West Virginia (5); Idaho (4); Nebraska (4, do total de 5); Dakota do Norte (3); Dakota do Sul (3); e Wyoming (3).

Considerando outros Estados, em que parece forte a probabilidade das respectivas vitórias, Biden somaria mais 63 “Grandes eleitores” (Pennsylvania – 20; Michigan – 16; Minnesota – 10; Wisconsin – 10; Nevada – 6; a que acresce 1 do Nebraska); enquanto Trump alcançaria outros 16 “Grandes eleitores” (Missouri – 10; Alaska – 3; e Montana – 3).

Neste cenário, os restantes 7 Estados, correspondendo a um total de 134 “Grandes eleitores”, apenas seriam influentes desde que Donald Trump conseguisse subtrair a Biden algum dos 23 Estados em que actualmente lidera com vantagens importantes (sendo que não lhe chegaria retomar apenas o Nevada – necessitando, no mínimo, de vencer no Wisconsin ou Minnesota):

  • Actualmente com ligeira tendência a favor do candidato democrata – 2 Estados, num total correspondente a 26 “Grandes eleitores”:
    • Carolina do Norte (15)
    • Arizona (11)
  • Actualmente com ligeira tendência a favor do candidato republicano – 1 Estado, num total correspondente a 38 “Grandes eleitores”:
    • Texas (38)
  • Actualmente em situação de “empate” – 4 Estados, num total correspondente a 69 “Grandes eleitores” (a que acresce 1 “Grande Eleitor” no Estado do Maine):
    • Florida (29)
    • Ohio (18)
    • Georgia (16)
    • Iowa (6)

27 Outubro, 2020 at 9:15 am Deixe um comentário

Eleições Presidenciais EUA – 2020 (VIII)

Com a contagem decrescente a aproximar-se do “Dia D” – faltando agora somente duas semanas para a data das Eleições -, a evolução registada na última semana parece ter sido desfavorável para Joe Biden, que cede algum terreno em Estados charneira para o resultado global, casos da Pennsylvania (20 “Grandes eleitores”) e do Arizona (11), reduzindo assim o seu total de votos praticamente “garantidos”, de 290 para 259, o que (ainda) não chegaria para assegurar a vitória.

Isto, apesar de ter reforçado posições no Colorado (9), que passa de “forte probabilidade” para “seguro”, e na Carolina do Norte, que passa de situação de “empate” para ligeira tendência a favor do candidato democrata; ao invés, na Florida, baixa também de escalão, passando de ligeira tendência favorável a situação de empate – em qualquer destes três casos, sem efeito a nível da contagem anterior (aplicável exclusivamente a Estados em que dispõe de claro favoritismo ou forte probabilidade de vitória).

Resume-se no mapa abaixo a actualização das tendências apontadas pelas sondagens, a seguir detalhadas:


Click the map to create your own at 270toWin.com

 

  • Joe Biden – Claro favoritismo em 17 Estados, num total correspondente a 212 “Grandes eleitores”: California (55); New York (29); Illinois (20); New Jersey (14); Virginia (13); Washington (12); Massachussetts (11); Maryland (10); Colorado (9); Connecticut (7); Oregon (7); New Mexico (5); Hawaii (4); Rhode Island (4); Delaware (3); Maine (3, do total de 4); e Vermont (3); para além do District of Columbia (3).
  • Donald Trump – Claro favoritismo em 17 Estados, num total correspondente a 109 “Grandes eleitores”: Indiana (11); Tennessee (11); Alabama (9); Carolina do Sul (9); Kentucky (8); Lousiana (8); Oklahoma (7); Arkansas (6); Kansas (6); Mississippi (6); Utah (6); West Virginia (5); Idaho (4); Nebraska (4, do total de 5); Dakota do Norte (3); Dakota do Sul (3); e Wyoming (3).

Considerando outros Estados, em que parece forte a probabilidade das respectivas vitórias, Biden somaria mais 47 “Grandes eleitores” (Michigan – 16; Minnesota – 10; Wisconsin – 10; Nevada – 6; e New Hampshire – 4; a que acresce 1 do Nebraska); enquanto Trump alcançaria outros 16 “Grandes eleitores” (Missouri – 10; Alaska – 3; e Montana – 3).

Com a redução da vantagem na Pennsylvania e no Arizona, Biden não consegue alcançar a “garantia” de vitória a nível global, pelo que o resultado destas eleições seria determinado nos restantes 8 Estados, correspondendo a um total de 154 “Grandes eleitores”:

  • Actualmente com ligeira tendência a favor do candidato democrata – 3 Estados, num total correspondente a 46 “Grandes eleitores”:
    • Pennsylvania (20)
    • Carolina do Norte (15)
    • Arizona (11)
  • Actualmente com ligeira tendência a favor do candidato republicano – 1 Estado, num total correspondente a 38 “Grandes eleitores”:
    • Texas (38)
  • Actualmente em situação de “empate” – 4 Estados, num total correspondente a 69 “Grandes eleitores” (a que acresce 1 “Grande Eleitor” no Estado do Maine):
    • Florida (29)
    • Ohio (18)
    • Georgia (16)
    • Iowa (6)

20 Outubro, 2020 at 9:54 am Deixe um comentário

Eleições Presidenciais EUA – 2020 (VII)

As sondagens podem vir a revelar-se erradas – no sentido em que os resultados poderão vir a divergir de forma relevante das tendências actuais -, mas, a apenas três semanas das eleições, só uma grande reviravolta (inclusivamente maior do que a sucedida há quatro anos) poderá retirar a vitória a Joe Biden.

Com o tempo a começar a escassear para uma eventual recuperação por parte de Donald Trump – que, por agora, parece em nada ter beneficiado da situação de “COVID-19”, de que, em termos pessoais, prontamente se mostrou restabelecido -, o candidato democrata reforça posições determinantes em alguns dos Estados em que tinha uma vantagem ainda relativamente frágil, como eram os casos do Arizona (11 “Grandes Eleitores”), Wisconsin (10) e Nevada (6), para além de uma das circunscrições do Nebraska. Ao invés, Trump cede no Iowa (6), que parece estar agora em situação de “empate técnico”, vendo, pois, reduzir-se ainda mais a sua base de sustentação.

Contando com os Estados em que detém claro favoritismo, e com aqueles em que apresenta, nesta altura, vantagens relevantes, Biden somaria 290 “Grandes Eleitores”, o suficiente para garantir a eleição (sendo necessários 270 para a vitória).

Resume-se no mapa abaixo a actualização das tendências apontadas pelas sondagens, a seguir detalhadas:


Click the map to create your own at 270toWin.com

  • Joe Biden – Claro favoritismo em 16 Estados, num total correspondente a 203 “Grandes eleitores”: California (55); New York (29); Illinois (20); New Jersey (14); Virginia (13); Washington (12); Massachussetts (11); Maryland (10); Connecticut (7); Oregon (7); New Mexico (5); Hawaii (4); Rhode Island (4); Delaware (3); Maine (3, do total de 4); e Vermont (3); para além do District of Columbia (3).
  • Donald Trump – Claro favoritismo em 17 Estados, num total correspondente a 109 “Grandes eleitores”: Indiana (11); Tennessee (11); Alabama (9); Carolina do Sul (9); Kentucky (8); Lousiana (8); Oklahoma (7); Arkansas (6); Kansas (6); Mississippi (6); Utah (6); West Virginia (5); Idaho (4); Nebraska (4, do total de 5); Dakota do Norte (3); Dakota do Sul (3); e Wyoming (3).

Considerando outros Estados, em que parece forte a probabilidade das respectivas vitórias, Biden somaria mais 87 “Grandes eleitores” (Pennsylvania – 20; Michigan – 16; Arizona – 11; Minnesota – 10; Wisconsin – 10; Colorado – 9; Nevada – 6; e New Hampshire – 4; a que acresce 1 do Nebraska); enquanto Trump alcançaria outros 16 “Grandes eleitores” (Missouri – 10; Alaska – 3; e Montana – 3).

Neste novo cenário, os resultados dos 6 restantes Estados, com disputas mais “renhidas”, correspondendo a um total de 123 “Grandes eleitores”, apenas poderiam ser relevantes caso Biden não viesse a confirmar a vitória em alguns dos Estados anteriores (teria de perder, pelo menos, no Arizona e no Wisconsin – caso em que poderíamos ter um empate absoluto):

  • Actualmente com ligeira tendência a favor do candidato democrata – 1 Estado, num total correspondente a 29 “Grandes eleitores”:
    • Florida (29)
  • Actualmente com ligeira tendência a favor do candidato republicano – 1 Estado, num total correspondente a 38 “Grandes eleitores”:
    • Texas (38)
  • Actualmente em situação de “empate” – 4 Estados, num total correspondente a 55 “Grandes eleitores” (a que acresce 1 “Grande Eleitor” no Estado do Maine):
    • Ohio (18)
    • Georgia (16)
    • Carolina do Norte (15)
    • Iowa (6)

13 Outubro, 2020 at 9:30 am Deixe um comentário

Eleições Presidenciais EUA – 2020 (VI)

A 4 semanas das eleições, depois de realizado o primeiro debate entre os candidatos – estando ainda o segundo em dúvida, dada a infecção de Donald Trump pelo “COVID-19” – e sem que as sondagens possam ainda aquilatar da eventual influência de tal contágio na dinâmica de campanha, na sua recta final, parecem ser boas as notícias para Joe Biden, que reforça posições na Pennsylvania e no New Hampshire, assim como volta a ter ligeira vantagem na Florida.

Contando com os Estados em que detém claro favoritismo, e com aqueles em que apresenta, nesta altura, vantagens relevantes, Biden somaria 262 “Grandes Eleitores”, ficando a necessitar apenas mais 8 para garantir a vitória, que poderão provir do Arizona, Wisconsin, Nevada ou, no cenário actual, até da Florida (sendo que, nesse caso, lhe bastaria vencer num destes quatro Estados).

Resume-se no mapa abaixo a actualização das tendências apontadas pelas sondagens, a seguir detalhadas:


Click the map to create your own at 270toWin.com

  • Joe Biden – Claro favoritismo em 16 Estados, num total correspondente a 203 “Grandes eleitores”: California (55); New York (29); Illinois (20); New Jersey (14); Virginia (13); Washington (12); Massachussetts (11); Maryland (10); Connecticut (7); Oregon (7); New Mexico (5); Hawaii (4); Rhode Island (4); Delaware (3); Maine (3, do total de 4); e Vermont (3); para além do District of Columbia (3).
  • Donald Trump – Claro favoritismo em 17 Estados, num total correspondente a 109 “Grandes eleitores”: Indiana (11); Tennessee (11); Alabama (9); Carolina do Sul (9); Kentucky (8); Lousiana (8); Oklahoma (7); Arkansas (6); Kansas (6); Mississippi (6); Utah (6); West Virginia (5); Idaho (4); Nebraska (4, do total de 5); Dakota do Norte (3); Dakota do Sul (3); e Wyoming (3).

Considerando outros Estados, em que parece forte a probabilidade das respectivas vitórias, Biden somaria mais 59 “Grandes eleitores” (Pennsylvania – 20; Michigan – 16; Minnesota – 10; Colorado – 9; e New Hampshire – 4); enquanto Trump alcançaria outros 16 “Grandes eleitores” (Missouri – 10; Alaska – 3; e Montana – 3).

As eleições poderão, assim, decidir-se nos restantes 9 Estados, ainda de tendência algo indefinida, correspondendo a um total de 151 “Grandes eleitores”:

  • Actualmente com ligeira tendência a favor do candidato democrata – 4 Estados, num total correspondente a 56 “Grandes eleitores”:
    • Florida (29)
    • Arizona (11)
    • Wisconsin  (10)
    • Nevada (6)
  • Actualmente com ligeira tendência a favor do candidato republicano – 2 Estados, num total correspondente a 44 “Grandes eleitores”:
    • Texas (38)
    • Iowa (6)
  • Actualmente em situação de “empate” – 4 Estados, num total correspondente a 49 “Grandes eleitores” (a que acrescem 2 “Grandes Eleitores” nos Estados de Maine e Nebraska – 1 de cada):
    • Ohio (18)
    • Georgia (16)
    • Carolina do Norte (15)

6 Outubro, 2020 at 10:41 am Deixe um comentário

Eleições Presidenciais EUA – 2020 (V)

O avançar do tempo, a caminho do “Dia D” – agora a cinco semanas de distância -, não significa necessariamente que a situação se vá clarificando.

Desta vez, temos, por um lado, de alguma forma, como que uma “tendência mista”, com Joe Biden a ceder a vantagem que parecia ter na Florida, onde passa a vigorar uma situação de empate, o mesmo sucedendo no Ohio, aqui com Donald Trump aparentemente a ver enfraquecida a sua posição, num Estado que se tem revelado crucial para as vitórias dos republicanos.

Por outro – e pese embora ainda não tenha sido franqueado o limite de passagem de escalão, nestas simulações de cenários, tendo por base as tendências apontadas pelas sondagens -, Biden tem vindo a ver estreitar-se a margem de que dispõe no Arizona e New Hampshire, Estados que parecem começar também a ameaçar tender para o “empate” – onde se disputarão algumas das “batalhas” decisivas (a par com o Michigan e Wisconsin, e, sobretudo, a Pennsylvania), cuja perda poderia ser fatal para as aspirações do candidato democrata.

Resume-se no mapa abaixo a actualização das tendências apontadas pelas sondagens, a seguir detalhadas:

Click the map to create your own at 270toWin.com

  • Joe Biden – Claro favoritismo em 16 Estados, num total correspondente a 203 “Grandes eleitores”: California (55); New York (29); Illinois (20); New Jersey (14); Virginia (13); Washington (12); Massachussetts (11); Maryland (10); Connecticut (7); Oregon (7); New Mexico (5); Hawaii (4); Rhode Island (4); Delaware (3); Maine (3, do total de 4); e Vermont (3); para além do District of Columbia (3).
  • Donald Trump – Claro favoritismo em 17 Estados, num total correspondente a 109 “Grandes eleitores”: Indiana (11); Tennessee (11); Alabama (9); Carolina do Sul (9); Kentucky (8); Lousiana (8); Oklahoma (7); Arkansas (6); Kansas (6); Mississippi (6); Utah (6); West Virginia (5); Idaho (4); Nebraska (4, do total de 5); Dakota do Norte (3); Dakota do Sul (3); e Wyoming (3).

Considerando outros Estados, em que parece forte a probabilidade das respectivas vitórias, Biden somaria mais 35 “Grandes eleitores” (Michigan – 16; Minnesota – 10; e Colorado – 9); enquanto Trump alcançaria outros 16 “Grandes eleitores” (Missouri – 10; Alaska – 3; e Montana – 3).

As eleições poderão, assim, decidir-se nos restantes 11 Estados, ainda de tendência algo indefinida, correspondendo a um total de 175 “Grandes eleitores”:

  • Actualmente com ligeira tendência a favor do candidato democrata – 5 Estados, num total correspondente a 51 “Grandes eleitores”:
    • Pennsylvania (20)
    • Arizona (11)
    • Wisconsin (10)
    • Nevada (6)
    • New Hampshire (4)
  • Actualmente com ligeira tendência a favor do candidato republicano – 2 Estados, num total correspondente a 44 “Grandes eleitores”:
    • Texas (38)
    • Iowa (6)
  • Actualmente em situação de “empate” – 4 Estados, num total correspondente a 78 “Grandes eleitores” (a que acrescem 2 “Grandes Eleitores” nos Estados de Maine e Nebraska – 1 de cada):
    • Florida (29)
    • Ohio (18)
    • Georgia (16)
    • Carolina do Norte (15)

Não obstante os números globais continuem a dar uma percepção (porventura ilusória) de ampla vantagem de Biden (289 vs. 169), volta, contudo, a suscitar-se o risco de um cenário de empate na contagem final, caso Trump, para além de confirmar a vitória nos Estados nos quais lidera actualmente, viesse a conquistar os Estados ainda de tendência indefinida… e conseguisse, adicionalmente, “resgatar” para o seu campo a Pennsylvania (isto, apesar de a sondagem mais recente voltar a atribuir maior vantagem a Biden).

29 Setembro, 2020 at 3:02 pm Deixe um comentário

Eleições Presidenciais EUA – 2020 (IV)

A seis semanas das eleições, Joe Biden parece começar a deslizar – ainda que, para já, muito ligeiramente –, registando, pela primeira vez, uma evolução desfavorável em relação à posição da semana precedente:

  • Por um lado, deixa de se apresentar como forte a sua probabilidade de vitória no Wisconsin (precisamente, o “tipping point State” das eleições precedentes, como assinala José Gomes André);
  • Por outro, Donald Trump reforça posições no Estado da Carolina do Sul (no qual deverá vencer) e no Ohio (que deixa de estar em situação de empate, passando agora a ligeira vantagem do candidato republicano).

Resume-se no mapa abaixo a actualização das tendências apontadas pelas sondagens, a seguir detalhadas:

Click the map to create your own at 270toWin.com

  • Joe Biden – Claro favoritismo em 16 Estados, num total correspondente a 203 “Grandes eleitores”: California (55); New York (29); Illinois (20); New Jersey (14); Virginia (13); Washington (12); Massachussetts (11); Maryland (10); Connecticut (7); Oregon (7); New Mexico (5); Hawaii (4); Rhode Island (4); Delaware (3); Maine (3, do total de 4); e Vermont (3); para além do District of Columbia (3).
  • Donald Trump – Claro favoritismo em 17 Estados, num total correspondente a 109 “Grandes eleitores”: Indiana (11); Tennessee (11); Alabama (9); Carolina do Sul (9); Kentucky (8); Lousiana (8); Oklahoma (7); Arkansas (6); Kansas (6); Mississippi (6); Utah (6); West Virginia (5); Idaho (4); Nebraska (4, do total de 5); Dakota do Norte (3); Dakota do Sul (3); e Wyoming (3).

Considerando outros Estados, em que parece forte a probabilidade das respectivas vitórias, Biden somaria mais 35 “Grandes eleitores” (Michigan – 16; Minnesota – 10; e Colorado – 9); enquanto Trump alcançaria outros 16 “Grandes eleitores” (Missouri – 10; Alaska – 3; e Montana – 3).

As eleições poderão, assim, decidir-se nos restantes 11 Estados, ainda de tendência algo indefinida, correspondendo a um total de 175 “Grandes eleitores”:

  • Actualmente com ligeira tendência a favor do candidato democrata – 6 Estados, num total correspondente a 80 “Grandes eleitores”:
    • Florida (29)
    • Pennsylvania (20)
    • Arizona (11)
    • Wisconsin (10)
    • Nevada (6)
    • New Hampshire (4)
  • Actualmente com ligeira tendência a favor do candidato republicano – 3 Estados, num total correspondente a 62 “Grandes eleitores”:
    • Texas (38)
    • Ohio (18)
    • Iowa (6)
  • Actualmente em situação de “empate” – 2 Estados, num total correspondente a 31 “Grandes eleitores” (a que acrescem 2 “Grandes Eleitores” nos Estados de Maine e Nebraska – 1 de cada):
    • Georgia (16)
    • Carolina do Norte (15)

22 Setembro, 2020 at 12:45 pm Deixe um comentário

Artigos Mais Antigos


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Novembro 2020
S T Q Q S S D
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.