Posts filed under ‘Tomar’

O Pulsar do Campeonato – 23ª Jornada

Pulsar - 23

(“O Templário”, 23.03.2017)

No “jogo do título”, Coruchense e Riachense acabaram por se “anular” mutuamente, o que, não obstante, não deixa de favorecer mais as aspirações do turma do Sorraia, que continua a necessitar somente de mais um triunfo para confirmar o título, não obstante os adversários que o calendário lhe reservou para as três rondas finais não sejam dos mais fáceis…

Destaques – O principal destaque da 23.ª ronda terá de ir necessariamente para esse confronto em Coruche, no qual se defrontaram o líder e o vice-líder, os quais, no termo dos noventa minutos, não conseguiram desfazer o nulo inicial, pese embora tenham sido os homens da casa a procurar de forma mais afirmativa o golo, num desafio em que, porém, era ao Riachense que competiria, em primeira análise, buscar a vitória, que lhe permitisse ainda acalentar esperanças.

Realce também para a goleada imposta pelo União de Tomar na recepção ao Benavente, ganhando por 6-0, igualando assim o “record” desta edição do campeonato, que o Coruchense alcançara, logo na jornada inaugural, na Ribeira de Santarém, ante os “Caixeiros”. Apesar disso, os unionistas desperdiçaram uma oportunidade soberana de atingir uma marca histórica, tal a debilidade evidenciada desta feita pelo “lanterna vermelha”.

O triunfo dos tomarenses possibilitou-lhes ascender ao 4.º posto da tabela, e só não atingiram já uma posição no pódio, devido ao desaire sofrido pelo Mação, derrotado (1-2) no seu reduto por uma formação do Samora Correia que, continuando a surpreender pela positiva, obteve notável triunfo, o que lhe permitiu isolar-se de novo no 3.º lugar. De notar que, até este jogo, os maçaenses apenas haviam sido batidos no seu terreno pelo Riachense e pelo Torres Novas.

Surpresas – Poderá talvez dizer-se, com maior propriedade, que se terá tratado de duas “meias-surpresas”, as registadas no Cartaxo e em Ourém…

Por um lado, a vitória do Cartaxo na recepção ao U. Almeirim, por 3-1, assim colocando termo a uma sucessão de quatro derrotas sucessivas, num desfecho crucial para encetar a necessária recuperação, que possa tirar os cartaxeiros da parte abaixo da “linha de água”, agora somente a um escasso ponto do Pego.

Por outro, porventura mais imprevisto, o triunfo do At. Ouriense sobre o Amiense, por 2-0, tendo nomeadamente em atenção os maus resultados que o conjunto de Ourém vinha registando, sofrendo mesmo algumas pesadas goleadas, não esquecendo, contudo, que tinha ganho também, no anterior encontro em casa, ao Samora Correia, precisamente por igual marca.

Confirmações – Nas restantes duas partidas, o Fazendense confirmou o favoritismo na recepção aos Empregados do Comércio, pese embora tenho vencido por tangencial 1-0, enquanto o Torres Novas, ganhando no Pego por 2-1, prossegue na senda dos resultados positivos (tendo ascendido à 7.ª posição), vindo, paralelamente, confirmar a tendência descendente dos pegachos (terceira derrota consecutiva, somando oito desaires nas últimos dez jornadas, em que obteve uma única vitória, em Benavente).

De facto, para além de ter visto reduzida à expressão mínima a sua vantagem sobre o Cartaxo (na segunda volta somou somente quatro pontos, ou seja, apenas metade dos obtidos pelos cartaxeiros), o Pego vê ampliar-se já para cinco pontos o seu atraso em relação ao At. Ouriense. Na hipótese de poderem vir a ser três os clubes a despromover ao segundo escalão, parecem estar encontrados os que acompanharão o Benavente… Pego ou Cartaxo (em princípio, apenas um deles) só se “salvarão” desde que o Alcanenense se mantenha no Nacional.

II Divisão Distrital – Na ronda inaugural da fase de disputa do título de Campeão e, adicionalmente, das três vagas de promoção ao principal escalão do futebol distrital, as três formações visitadas fizeram impor a sua lei, triunfando face aos adversários, com destaque para o Marinhais, que bateu a U. Atalaiense por 3-1, no único jogo entre clubes que haviam disputado diferentes séries na primeira fase. Nos outros dois encontros, vitórias pela margem mínima: 2-1 no caso do Moçarriense, que recebeu o rival U. Santarém; e 1-0 no U. Abrantina-Ferreira do Zêzere, com os abrantinos a pretender confirmar o 1.º lugar alcançado na sua série.

Campeonato de Portugal – Na série de promoção, o Fátima voltou às vitórias, na recepção ao anterior líder, Praiense, tendo ganho por 2-1, tendo igualado este mesmo adversário a nível pontual, partilhando ambos agora a 2.ª posição, somente a um ponto do novo guia, o Torreense, numa série muito equilibrada, na qual, após a disputa de seis jornadas, os seis primeiros classificados se concentram num intervalo de apenas três pontos.

Por seu lado, na série de disputa da manutenção, o Alcanenense obteve novo triunfo, no seu terreno, ganhando por 2-0 ao V. Sernache, repartindo agora também o 2.º posto com o Caldas; contudo, mantém-se inalterada a vantagem de quatro pontos em relação ao 6.º classificado, que define a fronteira da “linha de água” (os clubes classificados nessa posição no final terão de disputar um “play-off” de manutenção). Nesta ronda, destaque para a retumbante goleada (14-1) com que o Mafra “atropelou” o histórico clube da Naval 1.º de Maio, da Figueira da Foz!

Antevisão – No próximo fim-de semana os campeonatos distritais estarão em pausa, para disputa dos 1/4 de final da Taça do Ribatejo, que compreende os seguintes alinhamentos: U. Almeirim-Coruchense, o “jogo-grande” desta ronda, sem um favorito definido; Cartaxo-Amiense e At. Ouriense-Torres Novas, em que, sendo os visitantes, em ambos os casos, favoritos, os “donos da casa” poderão, contudo, surpreender; por fim, a única formação do escalão secundário ainda em prova, U. Santarém, recebe a visita do Mação, em eliminatória que se antevê possa ser também equilibrada.

No Campeonato de Portugal, atingindo-se já a derradeira jornada da primeira volta desta fase final, o Fátima desloca-se a Loulé, para defrontar o histórico Louletano, para já 7.º (penúltimo) classificado, existindo expectativa de um desfecho positivo para os fatimenses; o Alcanenense vai também de viagem, até às Caldas, precisamente o clube com o qual partilha o 2.º lugar.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 23 de Março de 2017)

26 Março, 2017 at 11:00 am Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – 22ª Jornada

Pulsar - 22

(“O Templário”, 16.03.2017)

Com os dois primeiros classificados a confirmar o favoritismo, nas partidas que disputaram frente aos dois últimos da tabela, o União de Tomar deu continuidade ao excelente triunfo averbado ante o guia, posicionando-se agora a um único ponto de um lugar no pódio.

Destaques – O grande destaque da 22.ª ronda vai precisamente para a vitória do União de Tomar, pela entusiasmante marca de 4-3, no sempre difícil terreno de Amiais de Baixo, reduto do Amiense, onde, até agora, apenas o líder conseguira vencer.

Com uma entrada muito assertiva, que surpreendeu os visitados, cedo os unionistas se colocaram em vantagem, mercê de um tento de Fábio Vieira. Mas o melhor ainda estava para vir: perante uma formação da casa algo atónita com o desenrolar dos acontecimentos, os tomarenses, continuando a controlar o jogo, chegariam ao intervalo a vencer por categórico 3-0.

No segundo tempo, apesar do desnível no marcador, era expectável a reacção do Amiense; talvez não se esperasse era que conseguisse marcar tão cedo, dando reforçado ânimo aos seus jogadores. A formação da casa assumiu a iniciativa do jogo, obrigando o União a recuar no terreno, na expectativa do aproveitamento de lances de contra-ataque, de que viria a surgir o quarto golo dos unionistas (destacando-se os dois tentos apontados por Nuno Rodrigues). Com o marcador em 4-1, pensou-se que tal faria desanimar os homens da casa; contudo, nunca se entregando, voltariam a marcar, para, praticamente em cima do final do tempo regulamentar, reduzirem para a desvantagem mínima, de 3-4.

Os oito minutos de compensação foram jogados mais com o “coração do que com a cabeça”, então com o União a procurar preservar a vantagem, enquanto o conjunto de Amiais buscava ainda o golo que consumaria uma extraordinária recuperação. No final, uma preciosa vitória que coloca os nabantinos a um escasso ponto do duo formado por Amiense e Samora Correia, que repartem agora o 3.º posto, portanto, com tudo em aberto para as quatro jornadas finais.

Na outra partida, também de cariz determinante nessa disputa de um lugar no pódio, o Samora Correia impôs-se na recepção ao Fazendense (agora com três pontos de desvantagem), tendo ganho por 2-0, interrompendo assim um ciclo de quatro jogos sem derrota do seu opositor.

Realce ainda para os (imprevistos) números (4-0) que assinalaram a goleada dos Empregados do Comércio sobre o At. Ouriense – resultado que, aliás, se registava já ao intervalo –, o que permite aos “Caixeiros” praticamente a garantia da tranquilidade, que só não é ainda absoluta, dada a incerteza que subsiste sobre se serão duas ou três as equipas a despromover.

Surpresa – Destacada já a vitória do União em Amiais de Baixo, não há particulares surpresas a assinalar nesta jornada, sendo apenas de notar a dificuldade que o líder, Coruchense, sentiu no terreno do “lanterna vermelha”, Benavente – que, com o desfecho registado, confirmou já matematicamente a sua despromoção à II Divisão –, para vencer por “apertado” 3-2, depois de ter esbanjado uma vantagem de dois golos que relativamente cedo obtivera (repetindo o que, curiosamente, sucedera já, também, no confronto ante o Cartaxo), o que indicia que o líder estará a atravessar uma fase menos boa, antes de um desafio que poderá ser o do “título”.

Confirmações – Nos restantes três jogos, o U. Almeirim não se deixou surpreender pelo Pego, ganhando por 1-0, enquanto o Riachense apenas teve dificuldade até quebrar pela primeira vez a barreira defensiva do Cartaxo, finalizando com um confortável 3-0; por seu lado, em Torres Novas, o Mação averbou o seu terceiro empate consecutivo na prova, repetindo o marcador registado em Riachos há quinze dias (1-1), depois do nulo na recepção ao U. Almeirim.

II Divisão Distrital – Já com tudo decidido na Série A quanto aos três apurados para a fase de disputa do título e da promoção (U. Abrantina, Ferreira do Zêzere e U. Atalaiense), destaque para as vitórias da U. Abrantina na Atalaia (3-1), confirmando a vitória na série, acabando por ser inconsequente a goleada imposta pelo Ferreira do Zêzere em Caxarias (5-2).

Na série B, no jogo decisivo para atribuição da última vaga de apuramento, o Benfica do Ribatejo necessitava ganhar ao Marinhais, mas, ao invés, acabaria por ser desfeiteado no seu terreno por 0-2, pelo que o vencedor de série, U. Santarém, é acompanhado pelo Moçarriense e pelo Marinhais. Nesta derradeira ronda, menção ao raro desfecho de 6-3 no Forense-Barrosense.

Campeonato de Portugal – Na série de promoção, o Fátima sofreu segundo desaire sucessivo, tendo perdido, na deslocação a Sacavém, ante o Sacavenense, por 0-2, caindo para o 4.º lugar da classificação, a três pontos do novo líder, Praiense, e a dois do duo Torreense e Sacavenense.

Na série de disputa da manutenção, o Alcanenense conseguiu voltar à senda dos triunfos, com um claro 3-0 sobre o Oleiros, subindo à 3.ª posição, a par do Vilafranquense, agora com quatro pontos de vantagem em relação ao 6.º classificado, precisamente o opositor que derrotou.

Antevisão – Na próxima ronda da I Divisão, teremos o que poderá ser já o “jogo do título”, caso o Coruchense consiga vencer, no seu reduto, o Riachense, beneficiando ainda da confortável vantagem (sete pontos) que um eventual empate lhe continuará a garantir, para as três rondas finais. Ao invés, caso o grupo de Riachos consiga triunfar, poderá vir ainda a animar essa fase derradeira, uma vez que, nesse cenário, os dois primeiros ficariam separados por apenas quatro pontos. O U. Tomar recebe o último classificado, Benavente – num jogo em que, contudo, não deverá esperar facilidades –, na expectativa que Amiense (em Ourém) e Samora Correia (em Mação) possam ter algum deslize, para em caso de vitória, ascender ao 3.º lugar.

Na II Divisão, na jornada inaugural da fase de disputa do título e dos três lugares de acesso ao principal escalão, teremos os seguintes encontros, todos de interesse: Moçarriense-U. Santarém, U. Abrantina-Ferreira do Zêzere e Marinhais-U. Atalaiense.

No Campeonato de Portugal, o Fátima recebe precisamente o líder, Praiense, em desafio de grande importância para a definição do seu futuro na prova. O Alcanenense defronta, também em casa, o V. Sernache, actual penúltimo classificado, podendo consolidar a sua posição.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 16 de Março de 2017)

19 Março, 2017 at 11:00 am Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – 21ª Jornada

Pulsar - 21

(“O Templário”, 09.03.2017)

O título estará entregue, mas o Coruchense não pode ainda “desligar” da competição, é o que decorre da segunda vitória do União de Tomar sobre a formação do Sorraia, que possibilitou ao Riachense reduzir de dez para sete pontos o seu atraso face ao guia. Mas, numa ronda marcada por uma grande surpresa, parecem começar a definir-se também posições na cauda da tabela, com o Cartaxo cada vez mais em apuros, prestes a ficar à beira de uma inacreditável descida ao segundo escalão do futebol distrital depois de, na época anterior, ter sido vice-campeão!

Destaques – O principal destaque da 21.ª jornada vai para o segundo desaire do Coruchense ante o União de Tomar, que assim soma o pleno de pontos nos jogos com o líder: depois de ter ganho por 2-1 em Coruche, os tomarenses voltaram a vencer, agora por 1-0.

Numa partida que cedo se anteviu de elevado grau de dificuldade para os visitantes, os unionistas, bastante personalizados, enfrentando o poderoso adversário “olhos nos olhos”, nunca deixaram de procurar o golo. E, desta feita, ao contrário do que tem sucedido noutros jogos, o tempo ia correndo a favor dos tomarenses. Num jogo repartido, talvez numa fase em que o Coruchense – que vinha de uma excelente série de oito triunfos consecutivos – procurava arriscar mais em busca do golo, o União acabaria por vir a ser mais feliz, chegando ao tento da vitória, por Diogo Moreira, assim se relançando na disputa de um lugar no pódio.

Outro resultado de realce foi a vitória do At. Ouriense face ao Samora Correia (2-0), somando três pontos cruciais visando alcançar uma posição de maior tranquilidade na pauta classificativa, dispondo agora já de uma margem de segurança de seis pontos em relação ao Cartaxo.

Surpresa – Foi precisamente no Cartaxo que se registou a grande (enorme) surpresa desta ronda. Não é que os cartaxeiros, a fazer uma campanha irreconhecível, se revelassem imbatíveis; o que, de todo, não se esperaria é que o Benavente fosse interromper o seu terrível ciclo de dez desaires sucessivos precisamente numa partida jogada em reduto alheio (embora, afinal, tenha sido nessa condição, de visitante, que obteve os seus dois únicos triunfos na prova).

Mantendo-se a doze pontos do antepenúltimo classificado, a cinco jornadas do final, a vitória agora obtida (2-1) em nada alterará a situação dos benaventenses; ao invés, poderá ter comprometido as esperanças do Cartaxo, apesar de tudo ainda com possibilidades de evitar o destino que parece vir a traçar-se, dado registar um atraso de quatro pontos em relação ao Pego.

Confirmações – Nos restantes quatro jogos, resultados dentro das expectativas. Desde logo, dois nulos, a atestar situações de grande equilíbrio, em partidas certamente repartidas, entre Mação e U. Almeirim e entre Fazendense e Torres Novas (com os torrejanos a conseguir travar uma série de três vitórias sucessivas do oponente). Deste modo, mantém-se um pelotão de seis concorrentes, concentrado num intervalo de cinco pontos, entre o 4.º e o 9.º lugar, ocupados precisamente pelos conjuntos de Fazendas de Almeirim e de Torres Novas.

Por seu lado, o Riachense, porventura já conformado com o 2.º lugar, cumpriu a sua parte em ordem à manutenção dessa posição, indo vencer ao difícil terreno do Pego, por 3-1, no que constitui apenas a sua segunda vitória nos oito jogos disputados na segunda volta do campeonato. Um resultado que volta a empurrar os pegachos para a zona de maior risco da tabela, isto numa altura em que parece começar a suscitar-se a dúvida se virão a ser despromovidos dois ou três clubes à II Divisão Distrital (dependendo do Alcanenense).

Por fim, o Amiense ganhou por tangencial 1-0 aos Empregados do Comércio, o que reflecte as dificuldades sentidas perante um agora motivado grupo, que já não perdia há seis jogos.

II Divisão Distrital – Na série A, para além da esmagadora goleada imposta pelo novo líder, U. Abrantina, na recepção ao histórico Tramagal (9-0), o destaque vai para a vitória da U. Atalaiense em Rio Maior (1-0), o que, ainda com uma jornada por disputar, deixou já tudo definido quanto às equipas apuradas para a fase de disputa do título de Campeão e de promoção à I Divisão: U. Abrantina, Ferreira do Zêzere e, precisamente, a U. Atalaiense.

Na série B, com U. Santarém e Moçarriense também já qualificados, o realce vai para o desaire do Benfica do Ribatejo no reduto do Vale da Pedra (1-3), o que obriga os “benfiquistas” a ganhar ao Marinhais, na última jornada, para garantir a última vaga de acesso a tal fase.

Campeonato de Portugal – Esta foi uma ronda muito negativa para as equipas representativas do Distrito… Na série de promoção, o Fátima, recebendo o Farense, foi batido por 0-2, vendo quebrada uma invencibilidade caseira de cerca de dois anos (!), repartindo agora o 2.º posto com os algarvios e com os açorianos do Praiense, todos a um ponto do guia, Torreense.

Pior, na série de disputa da manutenção, o Alcanenense foi inesperadamente derrotado na Figueira da Foz, pela Naval (0-1), com os figueirenses a obter, ao fim de 22 jogos no campeonato, o seu primeiro triunfo nesta temporada! Um desfecho que arrasta a formação de Alcanena – agora no 4.º lugar da sua série – para a zona perigosa da classificação, dado ter visto reduzir-se somente a dois pontos a sua vantagem em relação ao 6.º classificado, que delimita a “linha de água” (apenas os cinco primeiros terão a manutenção automaticamente garantida).

Antevisão – Na próxima ronda da I Divisão, o “jogo grande” será o que se realiza em Amiais de Baixo, entre Amiense e União de Tomar, em que os unionistas, em caso de vitória, poderão reduzir para um único ponto a diferença em relação ao 3.º classificado; uma partida determinante na definição de uma posição no pódio, tal como o será também o Samora Correia-Fazendense. Na luta pela manutenção, no Empregados do Comércio-At. Ouriense a repartição de pontos poderá não desagradar por completo a nenhum dos contendores. Os extremos tocam-se: os dois primeiros defrontam os dois últimos, com o Coruchense a deslocar-se a Benavente, enquanto o Riachense recebe o Cartaxo; o favoritismo vai todo para as duas equipas do topo.

Na II Divisão, na derradeira jornada desta fase, a Norte, no U. Atalaiense-U. Abrantina disputa-se o 1.º lugar, a que o Ferreira do Zêzere poderá também ainda chegar, caso vença em Caxarias e desde que a turma de Abrantes seja derrotada. A Sul, para além da definição do vencedor da série (entre U. Santarém e Moçarriense, com vantagem para os escalabitanos em caso de igualdade pontual), mais importante será o Benfica do Ribatejo-Marinhais, onde só uma vitória servirá aos visitados, que abordam este decisivo desafio com desvantagem de três pontos.

No Campeonato de Portugal, o Fátima desloca-se a Sacavém, para defrontar o Sacavenense (actual 5.º classificado); por seu lado, o Alcanenense, a necessitar de “arrepiar caminho”, recebe o Oleiros (também no 5.º lugar da respectiva série), sendo determinante o regresso às vitórias.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 9 de Março de 2017)

12 Março, 2017 at 11:00 am Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – 20ª Jornada

pulsar-20

(“O Templário”, 02.03.2017)

O Coruchense “soma e segue”, acumulando já um ciclo de oito vitórias sucessivas, tendo agora praticamente garantido, ainda com seis rondas por disputar, o título de Campeão Distrital da I Divisão e consequente promoção ao Campeonato de Portugal, o que poderá consumar matematicamente dentro de três jornadas. Se ainda subsistissem algumas dúvidas, elas foram dissipadas, não só pela forma categórica como a turma do Sorraia venceu o seu desafio, mas, sobretudo, por novo deslize do vice-líder, que, de forma incrível, nos sete encontros da segunda volta, continua a registar um único triunfo!

Destaques – O principal destaque da 20.ª ronda vai para novo sucesso do Fazendense – depois, de na semana imediatamente anterior ter imposto a primeira derrota em 17 jogos ao Riachense –, ao conseguir ser a primeira formação a ir vencer ao terreno do U. Almeirim, precisamente no “derby” local, e por clara marca de 2-0.

No interessante confronto entre 3.º e 4.º classificados, também o Samora Correia continua a mostrar as suas credenciais, tendo desta feita ganho ao Amiense, igualmente, por 2-0, do que resultou que ambos os clubes repartem agora a 3.ª posição, a cinco pontos do grupo de Riachos.

Realce ainda para a goleada do líder, Coruchense, na recepção ao Cartaxo, vencendo por 5-2, depois de – tendo passado por um período de alguma desconcentração, no qual permitiria ao adversário a recuperação de dois golos de desvantagem – voltar a acelerar o ritmo na fase final do encontro, como que a demonstrar que tem, não só este jogo em particular, como o próprio campeonato, perfeitamente controlado.

Surpresa – Poderemos talvez afirmar, com maior propriedade, que se terá tratado de duas “meias-surpresas”, ocorridas na Ribeira de Santarém, e em Riachos.

De facto, o União de Tomar sabia já, de antemão, que iria enfrentar um difícil obstáculo, quer pela necessidade de pontos que mantém ainda, em ordem a escapar à zona de risco da pauta classificativa, quer pelo facto de os “Caixeiros” virem de um ciclo de cinco jogos sem perder, assim como pelas próprias particularidades do terreno de jogo.

Apesar de tudo, os tomarenses encararam de forma bastante afirmativa estes desafios, impondo o seu superior potencial, dominando o jogo durante a sua primeira metade, mas, como vem sendo repetido em várias ocasiões, claudicando na finalização, para o que contribuiu também uma excelente exibição do guardião contrário. Todavia, contra a “corrente do jogo”, uma vez mais, seriam os Empregados do Comércio a inaugurar o marcador, mesmo a findar o primeiro tempo, dificultando ainda mais a tarefa unionista.

Na etapa complementar, os “Caixeiros” cedo começaram a procurar gerir a vantagem, e à medida que o tempo ia decorrendo, o União viria a decrescer de rendimento, vindo a sofrer o segundo tento, quase que numa repetição do que sucedera na metade inicial, já a findar a partida. O triunfo dos Empregados do Comércio por 2-0 acaba por ser mais um penalizador desfecho para os unionistas, que, não obstante, se mantêm a quatro pontos do 3.º lugar, mas tendo de enfrentar um difícil calendário, começando já na próxima ronda…

Por seu lado, o Riachense, recebendo o Mação, uma equipa sólida, bastante regular – agora a repartir o 6.º posto com o União de Tomar –, não conseguiria ir além do empate a uma bola, como que num definitivo “baixar de braços” em relação a quaisquer aspirações que pudessem ainda ter no que respeita à disputa do 1.º lugar.

Confirmações – Em Torres Novas, os torrejanos ainda começaram por ser surpreendidos pelo At. Ouriense, tendo chegado a pairar o espectro de um eventual terceiro desaire sucessivo; mas, agora bem mais tranquilo na classificação, o conjunto da casa acabaria por operar a reviravolta, ganhando por clara margem de 3-1, igualando assim o U. Almeirim na 8.ª posição, somente a dois pontos de tomarenses e maçaenses.

Em Benavente, o Pego aproveitou o desânimo do Benavente para se desforrar do desaire sofrido na primeira volta, ganhando também por 3-1, num ansiado regresso aos triunfos, depois de um prolongado jejum de dez jornadas sem conseguir somar os três pontos. Por curiosidade, para a equipa condenada a carregar a “lanterna vermelha”, este foi o décimo desaire consecutivo.

II Divisão Distrital – Na série A, o principal realce vai para o triunfo da U. Abrantina em Caxarias (2-0), que lhe proporcionou enfim saltar para o 1.º lugar (depois de ter chegado a registar atraso de sete pontos) – praticamente garantindo o apuramento para a fase final –, também em função do inesperado desaire do Ferreira do Zêzere, perdendo 1-2 ante o Aldeiense, numa disputa ainda a cinco (incluindo U. Atalaiense, Rio Maior e Caxarias), pelas três vagas. Na série B, menção ao empate do Marinhais em Santarém, frente ao União local, a uma bola.

Campeonato de Portugal – Na série de promoção, o Fátima obteve um bom resultado, ganhando em Massamá, ao Real (1-0), isolando-se na liderança, portanto, nesta altura (ainda prematura, dado faltarem disputar 11 rondas) em posição de subida automática à II Liga. Ao invés, na série de disputa da manutenção, o Alcanenense concedeu um desconsolado nulo na recepção ao Carapinheirense, mantendo cinco pontos de vantagem em relação à “linha de água”.

Antevisão – Na próxima ronda da I Divisão, destaque para o U.Tomar-Coruchense (poderão os unionistas repetir o êxito da primeira volta?), Fazendense-Torres Novas e At. Ouriense-Samora.

Na II Divisão, já na penúltima jornada da primeira fase, a Norte, o Rio Maior-U. Atalaiense poderá ser definidor em relação às ambições não só destes clubes, como também do Caxarias (a quem apenas o empate nesse desafio permitirá continuar a “sonhar”). A Sul, a atenção centra-se no Vale da Pedra-Benfica do Ribatejo, onde os “benfiquistas” não poderão perder pontos.

No Campeonato de Portugal, o Fátima recebe o Farense, com a noção de que não haverá jogos fáceis nesta fase; quanto ao Alcanenense apresenta-se como claro favorito na Figueira da Foz.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 2 de Março de 2017)

5 Março, 2017 at 11:00 am Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – 19ª Jornada

Coruche com vista para o título

(“O Templário”, 23.02.2017)

A conjugação de uma excelente série de sete triunfos consecutivos, face a apenas uma vitória do Riachense nos seis jogos disputados na 2.ª volta do campeonato, culminando com o desaire da turma de Riachos em Fazendas de Almeirim, resultou no ampliar do avanço do líder Coruchense para oito pontos, o que, a sete jornadas do final da prova, aparenta ser já uma barreira intransponível, pelo que a turma do Sorraia poderá começar a pensar em encomendar as faixas de Campeão, sendo previsível que venha a repetir o título alcançado há dois anos.

Destaques – O principal destaque desta 19.ª ronda vai precisamente para a derrota imposta pelo Fazendense ao Riachense (2-1, depois de ter chegado ao intervalo já a vencer por duas bolas), afinal a confirmação de que algo não estará bem com o grupo de Riachos, que, em cerca de quinze dias, se vê afastado da Taça, e, agora, do objectivo principal, que seria a conquista do título e consequente promoção. Poderá, aliás, ter de começar a preocupar-se mais com a manutenção da 2.ª posição, dado ter o Amiense agora a quatro pontos.

De facto, a turma de Amiais de Baixo, recebendo o Torres Novas, não vacilou, impondo segundo desaire sucessivo aos torrejanos, ganhando pela margem mínima (1-0), e beneficiando também do facto de o seu mais directo perseguidor, Samora Correia, não ter conseguido vencer.

Surpresa – A surpresa da jornada corresponde à estreia do U. Almeirim a vencer em terreno alheio, não só pelo triunfo em si, mas, sobretudo, pela improvável marca com que foi consumado, com uma goleada de 4-0, em Ourém, face ao At. Ouriense, que, estranhamente, sofre dez golos em apenas dois jogos, assim dando um passo atrás na recuperação que vinha empreendendo, somando terceira derrota nas últimas quatro jornadas.

Confirmações – Os desfechos dos restantes quatro desafios da ronda seriam mais ou menos expectáveis, mas nem todos eles foram “evidentes”.

Desde logo, o provável futuro Campeão não foi além de um tangencial 1-0 na deslocação ao Pego, uma vitória “quanto baste”, mas a atestar algumas dificuldades sentidas.

Situação idêntica se viveu em Tomar, com o espectro do empate a subsistir até ao minuto 93, altura em que, desta vez, com a tal “pontinha de sorte”, o União conseguiria enfim chegar ao tento do triunfo, frente a um adversário que se tem revelado bastante difícil de ultrapassar para os nabantinos, apesar se não conseguir abandonar o penúltimo classificado, Cartaxo.

Como habitualmente, desde cedo assumindo a iniciativa do jogo, em busca do golo, a verdade é que continua a subsistir a pecha da ineficácia na concretização por parte do União de Tomar, e, tal como sucedera, por exemplo, nos encontros com a U. Abrantina (para a Taça) e com o Pego, em que, inclusivamente, foram os adversários a chegar primeiro ao golo, também neste caso, à medida que o cronómetro ia avançando, e o Cartaxo ia ganhando confiança, ia-se tornando mais ameaçador. O risco assumido pelos unionistas na fase final do jogo, em busca da vitória, nunca deixando de acreditar, acabaria por ser recompensado, o que mantém a equipa na disputa dos lugares da frente da tabela, agora a um ponto do Samora Correia, e a quatro pontos do Amiense.

Na Ribeira de Santarém, os “Caixeiros” deixaram escapar a vitória, concedendo o golo do empate do Samora Correia, também já mesmo ao “cair do pano”, fixando-se o resultado em 1-1.

Por fim, o Mação não teve efectivamente dificuldades para bater o “lanterna vermelha”, Benavente, por 3-0, tendo inclusivamente afrouxado o ritmo depois de chegar a tal marcador.

Temos agora um “pelotão” constituído por seis clubes, entre o 3.º e o 8.º lugares, separados por apenas seis pontos, com o Torres Novas em posição intermédia face à zona de perigo, três pontos mais abaixo em relação a tal grupo. Na parte baixa, com o Benavente já “condenado”, quatro pontos separam os Empregados do Comércio do Cartaxo, intervalados pelo At. Ouriense e Pego, sendo que sairá deste quarteto o outro clube a despromover ao escalão secundário.

II Divisão Distrital – Na série A, o principal destaque vai para o empate entre Rio Maior e Caxarias (1-1), um resultado que não foi o ideal para nenhuma das equipas, agora, respectivamente a três e a quatro pontos do 3.º classificado, U.Abrantina (3-0 ao Espinheirense), com o duo Ferreira do Zêzere (que folgou) e U. Atalaiense (2-0 ao Tramagal) a partilhar a liderança, com um ponto a mais que os abrantinos.

Na série B, Moçarriense (ganhando 2-0 na Barrosa) e U. Santarém (1-0 no terreno do Vale da Pedra) confirmaram desde já, ainda com três jornadas por disputar, o apuramento para a fase final, com a terceira vaga a decidir entre Benfica do Ribatejo (3-1 ao Forense) e Marinhais (surpreendido no “derby”, ante o Glória do Ribatejo, perdendo por 0-1), curiosamente dois clubes que disputarão como que uma “final” na derradeira ronda desta primeira fase.

Campeonato de Portugal – Na 2.ª jornada, na série de promoção, o Fátima obteve um resultado positivo, um nulo em Torres Vedras, partilhando a liderança com o Sacavenense e o Farense. Na série de disputa da manutenção, o Alcanenense, derrotado em V. Franca de Xira, mantém, não obstante, os cinco pontos de vantagem em relação à “linha de água”.

Antevisão – Na próxima ronda da I Divisão, destaque para os seguintes confrontos, envolvendo quatro dos seis primeiros da tabela: Riachense-Mação e Samora Correia-Amiense. Realce ainda para o “derby” U. Almeirim-Fazendense. Por seu lado, o guia, Coruchense, recebe o Cartaxo, enquanto o U. Tomar visita a Ribeira de Santarém, onde defrontará os “Caixeiros”.

Na II Divisão, a Norte, um desafio que deverá ser decisivo nas contas finais, com o Caxarias a receber a U. Abrantina, com o Ferreira do Zêzere com difícil saída, para jogar com o Aldeiense. A Sul, o destaque vai para o U. Santarém-Marinhais, com os visitantes a necessitar pontuar.

No Campeonato de Portugal, o Fátima tem nova saída, a Massamá, defrontando o Real; o Alcanenense recebe o Carapinheirense, na expectativa do triunfo que o afaste da zona de risco.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 23 de Fevereiro de 2017)

26 Fevereiro, 2017 at 11:00 am Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – 18ª Jornada

pulsar-18

(“O Templário”, 16.02.2017)

Como que a confirmar que a lógica do futebol é, muitas vezes, ilógica, o Riachense, que acabara de ser eliminado da Taça do Ribatejo, no seu próprio reduto, pelo Torres Novas, desforrou-se no At. Ouriense, com uma soberba (e inesperada) goleada; enquanto, ao invés, os torrejanos viam quebrar-se o magnífico ciclo de invencibilidade que mantinham há já 14 jogos (incluindo três na Taça), surpreendentemente batidos, no seu terreno, pelos “Caixeiros”.

Destaques – A nível das equipas do topo da tabela, o principal destaque desta 18.ª ronda vai para a goleada imposta pelo Riachense na recepção ao At. Ouriense, ganhando por 6-1, assim colocando termo a uma série de quatro jogos sem vencer no campeonato, mantendo portanto a distância face ao líder, em cinco pontos.

E isto porque o Coruchense, recebendo um difícil adversário, Mação, se impôs por tangencial 2-1, somando assim o sexto triunfo consecutivo no campeonato. Aliás, tem sido o seu desempenho na 2.ª volta da prova que lhe permitiu distanciar-se na liderança, dado que, face aos 15 pontos obtidos em cinco jornadas, se regista a particularidade de nada menos de dez clubes concorrentes (todos os classificados entre o 2.º e o 11.º lugares!) terem somado apenas sete ou oito pontos no mesmo período, num curiosíssimo equilíbrio.

Por fim, é de realçar o retorno do Samora Correia às vitórias, a expensas do União de Tomar, vencendo por 3-1, uma marca excessivamente pesada face à exibição de ambas as equipas, mas em que se sobrepôs a grande eficácia dos samorenses, em contraponto a um União perdulário, que, não tendo entrado bem no jogo, reagiu de forma muito assertiva ao tento sofrido ainda antes da passagem do quarto de hora, podendo também ter marcado igual número de golos, assim tivesse tido mais concentração, eficácia e uma pontinha de sorte. Um desfecho que deixa os unionistas ligeiramente mais longe do pódio (agora a quatro pontos do 3.º classificado), integrando um compacto lote de cinco perseguidores, entre a 5.ª e a 9.ª posições, separados por apenas dois pontos.

Surpresa – A grande surpresa da jornada foi o desaire caseiro do Torres Novas, desta vez falho de argumentos para superar a barreira defensiva dos Empregados do Comércio, acabando mesmo por ser surpreendido por um golo dos “Caixeiros”, que lhes proporcionou um tão inesperado quão saboroso triunfo, que, não obstante, ainda não lhes permite respirar com grande tranquilidade, dado disporem apenas de três pontos de vantagem sobre a “linha de água”.

Por outro lado, também de alguma forma surpreendente terá sido o desfecho do Cartaxo-Pego, com os cartaxeiros a não conseguirem suplantar um opositor directo, que parecia vir em progressiva queda de rendimento, com quatro derrotas sucessivas e sem conseguir ganhar há oito jogos. O empate registado (1-1) mantém ambos os grupos em posição bastante comprometedora, subsistindo o Cartaxo abaixo da “linha de água”, a um ponto do seu opositor do passado fim-de-semana, face ao qual, em caso de igualdade pontual, ficará em desvantagem.

Confirmações – Nas restantes duas partidas, confirmou-se a inexorável tendência de queda no “abismo” do Benavente, agora com um terrível ciclo de oito desaires consecutivos, já a praticamente insuperáveis 12 pontos de atraso da “linha de água”, a oito jornadas do final, isto depois de ter sido derrotado em casa pelo Fazendense, por tangencial 0-1.

Em Almeirim, num desafio de grande interesse, o União local viu também interrompida a sua excelente série de vitórias caseiras, tendo acabado por ceder uma igualdade (também a um golo) na recepção ao Amiense, que mantém o 3.º posto da pauta classificativa, pese embora agora já a sete pontos do Riachense… e a 12 do Coruchense.

II Divisão Distrital – Na série A, o principal destaque vai para o inesperado desaire caseiro do Caxarias, batido por 0-3 por um rival directo na disputa do acesso à fase de apuramento do Campeão, U. Atalaiense. Um passo atrás, numa caminhada que, não obstante faltarem somente quatro jornadas, tem ainda praticamente tudo por decidir, dado o equilíbrio pontual entre 2.º e 5.º classificado (agora, precisamente, a turma da Atalaia e o Caxarias, respectivamente), separados por três pontos, intercalados por U. Abrantina e Rio Maior, ainda com vários desafios envolvendo estes competidores, e com U. Abrantina e Caxarias a beneficiarem de terem um jogo a menos que os restantes. Mais tranquilo está o líder Ferreira do Zêzere, vencedor frente ao Alferrarede (3-1), agora já com uma margem de segurança de cinco pontos face ao 4.º lugar.

Na série B, Moçarriense (ganhando 1-0 ao Marinhais) e U. Santarém (2-0 na recepção ao Benfica do Ribatejo) ficaram muito bem encaminhados para o apuramento para a fase final (respectivamente com sete e seis pontos de vantagem sobre os “benfiquistas”), com a terceira vaga a decidir entre Marinhais e Benfica do Ribatejo, actualmente separados por dois pontos.

Campeonato de Portugal – As duas equipas representativas do Distrito entraram com o “pé direito” na segunda fase da competição. Na série de promoção, o Fátima ganhou ao Operário de Lagoa por 2-0, partilhando desde já a liderança com Sacavenense e Farense, todos com 3 pontos. Na série de disputa da manutenção, o Alcanenense, ganhando ao Mafra por 2-1, reparte também o comando com o Caldas e os mafrenses, todos com 10 pontos, agora com cinco pontos de vantagem em relação à “linha de água”, traçada entre V. Sernache e Carapinheirense.

Antevisão – Na próxima jornada da I Divisão, destaque para o “jogo grande” entre Fazendense e Riachense, com a turma de Riachos, na perseguição ao líder, com mais uma missão de grande dificuldade. Por seu lado, o Coruchense desloca-se ao Pego, onde não deverá também esperar facilidades, mas em que se apresenta como favorito.  De interesse será também o Amiense-Torres Novas, enquanto o U. Tomar visa regressar rapidamente aos triunfos, ante o Cartaxo.

Na II Divisão, a Norte, realce para o Rio Maior-Caxarias, partida pela qual poderá passar alguma da definição do futuro desta série; a Sul, nota especial para o “derby” Marinhais-Glória.

No Campeonato de Portugal, o Fátima desloca-se a Torres Vedras, enquanto o Alcanenense visita Vila Franca de Xira, actual 5.º classificado, apenas um ponto acima da “linha de água”..

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 16 de Fevereiro de 2017)

19 Fevereiro, 2017 at 11:00 am Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – Taça do Ribatejo – 1/8 de final

pulsar-tribatejo-1-8-final

(“O Templário”, 09.02.2017)

Logo na primeira ronda a eliminar da Taça do Ribatejo (1/8 de final), ficaram pelo caminho os dois finalistas da temporada anterior (incluindo portanto o actual detentor do troféu, Fazendense), assim como – uma vez mais infeliz nesta competição, que nunca conseguiu conquistar –, o União de Tomar, caídos, respectivamente, às mãos de Amiense, Torres Novas e Cartaxo.

Destaques – Efectivamente, o grande destaque desta eliminatória vai para o triunfo do Torres Novas no “derby”, nos Riachos, batendo o Riachense, finalista da época passada, mercê de um solitário tento, devolvendo assim (precisamente por igual marca) a derrota que sofrera na fase de grupos desta mesma competição, em mais uma cabal demonstração de que não há dois jogos iguais. Os torrejanos, com uma campanha sensacional, depois de um arranque de pesadelo, ampliaram agora já para 14 o número de jogos sem derrota, mantendo a invencibilidade desde o passado dia 16 de Outubro, perfilando-se como um dos favoritos à conquista da taça.

Outra nota de realce vai para a categórica marca com que o Amiense, recebeu e bateu o detentor do troféu, Fazendense, ganhando por 3-0, apresentando-se portanto também como sério candidato à vitória final na prova, ainda a par do Coruchense,

Surpresas – A principal surpresa veio de Benavente, onde o “lanterna vermelha” da I Divisão, a confirmar a sua péssima temporada, agora já completamente desmobilizado de qualquer objectivo, que não o da salvaguarda da dignidade, foi goleado (0-3) pelo U. Santarém, único clube do escalão secundário a seguir em frente na prova, avançando já para os 1/4 de final. Um caso em que será maior a surpresa pelos números alcançados pelos escalabitanos que, propriamente, pela turma vitoriosa, dado estarmos perante duas formações com trajectórias de sentido inverso, que, possivelmente, trocarão de divisão na próxima época.

A outra surpresa foi a eliminação do União de Tomar, uma vez mais a experimentar grandes dificuldades na deslocação ao Cartaxo, onde raramente foi feliz – a última vitória aí alcançada pelos unionistas data já de Março de 2010 –, permitindo aos cartaxeiros adiantarem-se, por duas vezes, com os tomarenses sempre a correr “atrás do prejuízo”, acabando por conseguir ainda fixar o empate a duas bolas, já próximo do final do tempo regulamentar, numa partida em que, contudo, ficaram a dever a si próprios um resultado mais positivo.

Depois, no ingrato e inglório desempate da marca de grande penalidade, as coisas até começaram bem, com o guardião unionista (João Pedro Lopes) a defender o primeiro remate, mas os unionistas acabariam por desperdiçar os dois últimos pontapés (perdendo por 3-4), assim se vendo prematuramente afastados de uma prova na qual tinham legítimas aspirações. Afinal, o reverso do que sucedera na época passada, em que, defrontando este mesmo oponente, mas, nessa ocasião, com um plantel bastante mais forte do que o deste ano, fora então o União de Tomar a ser mais feliz na marca de grande penalidade.

Confirmações – Nos restantes desafios, o líder da I Divisão Distrital goleou o Pego por inequívoca marca de 6-2, depois de ter passado por uma fase de algum “adormecimento”, em que chegou a permitir ao adversário chegar à desvantagem mínima de 3-2; por seu lado, nos três outros encontros entre equipas de escalão diferente, os conjuntos da I Divisão confirmaram o seu natural favoritismo, também com o At. Ouriense a golear o Glória do Ribatejo (6-1) – com os oureenses, com um impressionante “score” de 18 golos marcados em quatro jogos na prova –, enquanto o U. Almeirim voltou a vencer fora do seu reduto, impondo-se por 2-0 na deslocação a Abrantes, frente à U. Abrantina; por fim, o Mação recebendo o líder da II Divisão, Moçarriense, terá passado por mais dificuldades que o expectável, ganhando por tangencial 1-0.

Antevisão – No próximo fim-de-semana, regressam os campeonatos distritais, com a 18.ª ronda na I Divisão, entrando-se portanto no último terço da prova, na qual sobressai, em especial, o confronto entre Samora Correia e União de Tomar, dois clubes que repartem actualmente o 4.º posto, e com a mira ainda apontada a um lugar no pódio. Isto, porque, por outro lado, o 3.º classificado, Amiense, terá uma difícil deslocação a Almeirim, para defrontar o União local.

Quanto aos dois primeiros classificados, actuam nos respectivos terrenos, sendo favoritos, mas devendo estar de pré-aviso, perante adversários que não lhes facilitarão a tarefa: o comandante, Coruchense, recebe o Mação (6.º classificado, mas apenas um ponto abaixo de samorenses e unionistas); enquanto o Riachense terá a visita de um motivado At. Ouriense. A surpresa poderá estar à espreita, numa ronda em que a turma de Riachos procura pôr cobro a uma série de quatro jogos sem ganhar para o campeonato, e superar o trauma da eliminação caseira na Taça. Caso contrário, a formação do Sorraia, ganhando, poderia começar a encomendar as faixas…

Determinante para outras contas poderá ser o Cartaxo-Pego, em que, a haver uma equipa derrotada, ficará certamente em má condição, não apenas pontual, mas, sobretudo, anímica.

Na II Divisão, a Norte, o destaque vai, por inteiro, para o Caxarias-U. Atalaiense, dois clubes que repartem o 2.º lugar, e em que, na eventualidade de novo triunfo do Caxarias, tal poderá traduzir um decisivo passo em frente para o apuramento para a segunda fase; a Sul, realce para os embates Moçarriense-Marinhais e U. Santarém-Benfica do Ribatejo, de maior responsabilidade para este último que, em caso de derrota, pode ver escapar as suas aspirações.

O Campeonato de Portugal dá início à sua segunda fase, com os dois clubes representantes do Distrito em patamares distintos: o Fátima, a disputar a série de apuramento de promoção (e de acesso à Final, para definição do Campeão), recebe precisamente o Operário de Lagoa (2.º classificado da sua série, na fase inicial); por seu lado, o Alcanenense, integrado na série de disputa da manutenção, jogando também no seu terreno, terá uma difícil visita, do Mafra.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 9 de Fevereiro de 2017)

12 Fevereiro, 2017 at 12:00 pm Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – 17ª Jornada

pulsar-17

(“O Templário”, 02.02.2017)

Prosseguindo a sua curiosa série de empates – quarto em quatro jogos da segunda volta do campeonato –, o Riachense vai deixando escapar o líder Coruchense, que, em perfeito contraste, repetiu o ciclo de quatro vitórias que obtivera já, igualmente, no arranque da prova, em função do que ampliou para cinco pontos a distância entre os dois primeiros.

Destaques – O principal destaque da 17.ª jornada vai, necessariamente, para o categórico triunfo averbado pela formação do Sorraia na repetição da visita a Fazendas de Almeirim (onde fora derrotada na semana passada por 0-2, então em partida da Taça do Ribatejo), impondo-se, desta feita, por 3-1, numa clara demonstração de que não há dois jogos iguais, ainda para mais quando as competições e as circunstâncias são distintas.

O outro realce da ronda vai para a vitória do Torres Novas em Samora Correia, por 1-0, somando o sétimo resultado favorável nos últimos 11 jogos (tendo empatado os outros quatro), numa excelente fase, apenas tangencialmente superada pelo líder (com o Coruchense a somar um ponto mais que os torrejanos em igual período); apenas o Riachense mantém série invicta de maior extensão (desde a 2.ª jornada). Ao invés, os samorenses parecem, gradualmente, ir “perdendo gás” (três derrotas nas últimas cinco jornadas, em que apenas venceram por uma única vez), começando a baixar paulatinamente na pauta classificativa, repartindo agora o 4.º posto com o União de Tomar.

Por fim, noutro jogo grande do passado fim-de-semana, referência ao tal empate (1-1) entre 3.º e 2.º classificados, em Amiais de Baixo, que, para além de ter afastado ainda mais o Riachense do comando, distanciou também o Amiense, agora já com um irremediável atraso de dez pontos face ao Coruchense, mantendo-se cinco pontos abaixo do seu oponente.

Confirmações – Numa jornada em que acabou por não haver surpresas a assinalar, confirmaram-se as expectativas nos restantes desafios, desde logo com a goleada do U. Tomar sobre o Pego (4-1), grupo que somou a quarta derrota em outros tantos jogos nesta segunda volta, pese embora, uma vez mais – tal como sucedera ante a U. Abrantina – os unionistas até tenham começado por se ver em desvantagem, consentindo o tento inaugural ao adversário, mas reagindo bem, com dois golos a findar a primeira metade, para sentenciar o desfecho da partida com outros dois tentos no culminar do jogo.

Também o Mação venceu, na recepção ao Cartaxo, apesar do tangencial desfecho (2-1), agravando ainda mais os sintomas de crise nos cartaxeiros (que sofreram o sétimo desaire nos últimos nove jogos na prova), tendo a equipa vice-campeã da época anterior voltado a cair numa tão inesperada quão delicada posição, novamente abaixo da “linha de água”, carecendo urgentemente de pontos para a acesa disputa que se antecipa, entre quatro clubes (com o At. Ouriense, Empregados do Comércio e Pego), para procurar evitar um lugar de despromoção (a outra “vaga” parece, cada vez mais em definitivo, estar já reservada para o Benavente).

Precisamente, nessa luta, o At. Ouriense, ganhando por igual marca (2-1) ao Benavente, parece pretender começar a afastar-se da zona perigosa, dispondo agora de uma vantagem já de quatro pontos em relação ao Cartaxo.

Por seu lado, os “Caixeiros”, também a jogar em casa, não foram além do nulo frente ao U. Almeirim, o que, de qualquer forma, lhes proporcionou descolar ligeiramente do Cartaxo, ao mesmo tempo que igualavam o Pego na pontuação, com a aparente vantagem de virem em trajectórias de sentido inverso: os escalabitanos com um único desaire nas seis rondas mais recentes, contrariamente aos pegachos, que não conseguem ganhar desde a 9.ª jornada.

II Divisão Distrital – Na série A, a grande sensação foi a goleada imposta pela U. Abrantina (que, não obstante, se mantém no 4.º lugar), batendo o líder Ferreira do Zêzere por categórico 4-0. O mesmo marcador se registou no Rio Maior-Aldeiense, o que deve ter afastado os visitantes de eventuais aspirações que pudessem acalentar no apuramento para a fase de disputa do título e da promoção à I Divisão Distrital, agora com cinco candidatos para três vagas: Ferreira do Zêzere, ainda com três pontos de vantagem sobre Caxarias e U. Atalaiense, com a U. Abrantina um ponto atrás, e o Rio Maior, ainda outro ponto mais abaixo.

Na série B, para além dos triunfos do Moçarriense no terreno do Vale da Pedra (3-1) e do U. Santarém no campo do Forense (2-0), que lhes permitem manter os dois lugares da frente, o destaque vai para o empate (1-1) consentido por outro candidato, Benfica do Ribatejo, na recepção ao Glória do Ribatejo, a atrasar-se, agora a dois pontos do Marinhais (isto, contando que será atribuída a vitória ao clube do município de Salvaterra de Magos, numa partida que foi interrompida a escassos minutos do final, quando ganhava por 1-0 ao Porto Alto).

Campeonato de Portugal – Terminou a 1.ª fase da prova, com o Fátima, que confirmara já o 1.º lugar da sua série na ronda anterior, a ganhar, na derradeira jornada, ao Sertanense (2-1), assim afastando os sertaginenses da disputa da promoção, em prol do Operário de Lagoa (Açores). Por seu lado, o Alcanenense, empatando a zero na recepção ao Caldas, garantiu o 4.º lugar da sua série (na qual se apuraram para a fase de disputa da promoção, o Praiense e o Torreense); contudo, em função da nova regulamentação da prova, partirá para a 2.ª fase com uma margem de apenas quatro pontos em relação à “linha de água” (dado serem agora retidos somente 25% dos pontos que somara no decurso da 1.ª fase).

Antevisão – Os campeonatos distritais voltam a sofrer nova interrupção, para disputa dos 1/8 de final da Taça do Ribatejo, em que se destacam os seguintes desafios: como “cabeça de cartaz”, o “derby” Riachense-Torres Novas (um reencontro, depois de se terem defrontado já na ronda inaugural da fase de grupos, então com triunfo da turma de Riachos por 1-0); de imediato, o Amiense-Fazendense, entre dois tradicionais candidatos à presença na final; e, ainda, o Cartaxo-U. Tomar (que se defrontaram na mesma fase da competição, na época passada, em Tomar).

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 2 de Fevereiro de 2017)

5 Fevereiro, 2017 at 11:00 am Deixe um comentário

Artigos Mais Antigos


Autor – Contacto

Destaques

Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Março 2017
M T W T F S S
« Fev    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.