Posts filed under ‘Tomar’

O Pulsar do Campeonato – 7ª Jornada

O pulsar do campeonato - 2018-19 - 7jornada

(“O Templário”, 08.11.2018)

Tendo sido atingido o primeiro quarto da competição, será, necessariamente, prematuro estar a fazer projecções definitivas sobre o desenrolar do Campeonato Distrital da I Divisão. Não obstante, a 7.ª jornada, disputada no passado fim-de-semana, pode ter sido reveladora quanto à afirmação dos candidatos ao título, em especial daqueles que se impuseram em reduto alheio, casos do U. Almeirim, Coruchense e Cartaxo.

Destaques – O destaque maior desta ronda vai para o U. Almeirim, autor da maior façanha, ao vencer categoricamente no “derby” almeirinense, nas Fazendas, por 3-0, frente a um Fazendense que vinha, precisamente, de um empate em Coruche (depois de ter já vencido o Cartaxo). Este triunfo – quarto consecutivo, por agora um “record” da prova – possibilitou à turma comandada por Mário Nélson ascender à 2.ª posição, continuando um único ponto abaixo da formação do Sorraia.

Também o Coruchense esteve em evidência, ganhando, pese embora a dificuldade que o marcador (3-2) indicia, em Ourém, perante o At. Ouriense. Tendo cedido já dois empates em casa (com o U. Santarém e Fazendense), onde apenas ganhou ainda uma vez, o emblema do Sorraia vem-se mostrando – à imagem do que o Mação conseguira na época transacta – muito eficaz em terreno adversário, tendo averbado a quarta vitória, em outros tantos desafios na condição de visitante (tendo passado já, por exemplo, por Ferreira do Zêzere e Samora Correia).

Quanto ao Cartaxo, depois de dois deslizes (derrota nas Fazendas de Almeirim e igualdade caseira ante o At. Ouriense), cumpriu, ganhando por 2-0, tendo imposto ao Marinhais o quarto desaire no seu terreno, noutras tantas partidas aí realizadas.

Sem que tal belisque a sua capacidade e firmeza na disputa dos lugares cimeiros, o U. Santarém não conseguiu, desta feita, melhor que o nulo na deslocação a Alcanena, baixando ao 3.º posto, a dois pontos do agora líder isolado, Coruchense.

Confirmações – Numa jornada sem grandes surpresas, porventura o desfecho menos expectável terá sido a igualdade a zero consentida pelo U. Tomar na recepção ao Torres Novas. Mas, se os torrejanos confirmaram a sua extrema dificuldade em marcar, ficando em branco pela 10.ª vez em onze encontros nesta temporada, mostram também que a sua defesa é relativamente segura (apenas U. Santarém, U. Almeirim e Amiense sofreram menos golos até à data).

A equipa tomarense, algo ansiosa por marcar cedo, denotou alguma precipitação nos lances ofensivos, não tendo conseguido superar a barreira contrária, para o que, por curiosidade, viria a dispor da melhor ocasião precisamente no derradeiro lance da contenda. Com apenas seis golos marcados (foi a quarta vez que os unionistas ficaram a zero, num grande contraste com a verve goleadora exibida na época anterior), repetindo o nulo da jornada precedente, com o Amiense, o União – que, noutra perspectiva, somou o quinto jogo sucessivo sem derrota no campeonato – foi, no entanto, ultrapassado, exactamente pelo grupo de Amiais de Baixo.

Pela segunda jornada sucessiva, a equipa da Glória do Ribatejo insiste em procurar mostrar que a sua organização defensiva estará a melhorar, perdendo, outra vez, por marca tangencial – sem prejuízo de ter acumulado o sexto desaire consecutivo –, com o Amiense a ganhar mercê de um solitário golo.

Por fim, em Samora Correia, os donos da casa colocaram termo a um ciclo de quatro desafios sem vencer, tendo batido o Ferreira do Zêzere por 2-1, recuperando algum “fôlego” na tabela, onde Marinhais e Glória repartem agora a “lanterna vermelha”, tendo o Torres Novas imediatamente acima (um ponto) e o Alcanenense a dois pontos.

II Divisão Distrital – A Norte, as goleadas sucedem-se: o Abrantes e Benfica, que soma quinto triunfo em cinco jornadas, goleou a U. Atalaiense por rotunda marca de 8-0, enquanto o Tramagal bateu a frágil equipa do Sardoal por 7-1. Menos expectável seria a amplitude da vitória do Pego (4-0) no terreno do Aldeiense. Com o Ortiga (vencedor do U. Tomar “B” por 1-0) e Riachense (2-1 ao Caxarias), os vencedores da ronda serão os principais candidatos aos três lugares de apuramento para a fase final, de apuramento do Campeão e de promoção.

A Sul, o Moçarriense realizou boa operação, vencendo em Benavente (2-1) e beneficiando do desaire caseiro do Forense (0-2) ante o Rio Maior, ascendendo à liderança isolada.

Campeonato de Portugal – Foi bem negativa a 10.ª jornada para os clubes do Distrito: o Fátima surpreendeu com o desaire (0-1) caseiro ante o Peniche, caindo para o grupo dos 10.º a 12.º classificados (com O. Hospital e Caldas); o Mação ainda começou por dar algum sinal de inconformismo, inaugurando o marcador em Alcains, mas não eviraria a oitava derrota, perdendo por 1-2, afundando-se no último lugar, agora já a quatro pontos da “linha de água” e com a agravante do concorrente imediatamente acima estar já a nove pontos…

Antevisão – Na 8.ª ronda do principal escalão do futebol distrital, merecem realce os confrontos entre Cartaxo e U. Tomar, em que os tomarenses – a iniciar um ciclo de enorme dificuldade, em que defrontarão também o Coruchense e o U. Almeirim – procurarão contrariar o favoritismo dos cartaxeiros; e entre U. Almeirim e At. Ouriense, no qual os almeirinenses terão de continuar a mostrar a sua solidez, sob pena de poderem vir eventualmente a ser surpreendidos.

O U. Santarém não esperará facilidades na recepção ao Samora Correia, sendo, não obstante, expectável o triunfo dos escalabitanos, assim como se prevê a vitória do Coruchense ante o Marinhais. Em Ferreira do Zêzere, o Fazendense terá um forte desafio às suas capacidades.

Na II Divisão Distrital destacam-se os seguintes encontros: Caxarias- Abrantes e Benfica, Pego-Tramagal, U. Tomar “B”-Riachense, Moçarriense-Salvaterrense e Pontével-Forense.

No Campeonato de Portugal, o Fátima desloca-se a Oleiros, para defrontar uma equipa que empreendeu espectacular recuperação (segue com quatro vitórias consecutivas), tendo subido já até ao 7.º lugar, pelo que se afigura difícil a missão dos fatimenses; já o Mação, recebendo o Loures (integra o grupo do 13.º ao 16.º posto), terá mais uma oportunidade de “quebrar o enguiço” e chegar enfim à vitória, de que está arredado desde a ronda inicial.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 8 de Novembro de 2018)

Anúncios

11 Novembro, 2018 at 12:00 pm Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – 6ª Jornada

O pulsar do campeonato - 2018-19 - 6jornada

(“O Templário”, 01.11.2018)

Numa edição do Distrital da I Divisão que, à partida, se antecipava como uma das mais disputadas das últimas épocas, os quatro empates registados na 6.ª jornada vêm, por agora, confirmar essa tendência, com os seis primeiros da pauta classificativa escalonados num intervalo de apenas quatro pontos de diferença, tendo a liderança voltado a ser partilhada por Coruchense e U. Santarém.

Por curiosidade, numa ocasião de “números redondos” do U. Tomar, depois das 100 vitórias de Lino Freitas (em Marinhais) e dos seus 200 desafios como responsável técnico (frente ao Tramagal), o clube tomarense completou (ante o Amiense) o jogo n.º 2.200 do seu historial – em Campeonatos Nacionais (1.139) e Distritais (899), Taça de Portugal (94), Taça do Ribatejo (64) e Supertaça Dr. Alves Vieira (4) –, com um balanço de 908 vitórias (41,3%), 468 empates (21,3%) e 824 derrotas (37,4%) e um “score” global de 3.254 golos marcados e 3.037 sofridos.

Destaques – O primeiro destaque da ronda vai para o Fazendense, que impôs um nulo em Coruche, frente ao guia, com a formação do Sorraia a ceder pontos no seu reduto pela segunda vez, depois da igualdade ante o U. Santarém. Não fora a derrota sofrida nas Fazendas com o U. Tomar e o Fazendense, com excelente campanha, integraria agora também o grupo de líderes.

Por seu lado, o Cartaxo continua igualmente a vacilar, não tendo conseguido, nesta jornada, melhor do que o empate (1-1) na recepção ao bem organizado conjunto do At. Ouriense, com os dois clubes a continuar separados por um único ponto na classificação, ocupando, respectivamente, o 5.º e o 8.º posto. Os cartaxeiros, anunciados candidatos ao título, mantêm-se, após seis encontros já disputados, em igualdade pontual com os tomarenses…

Realce ainda para outra igualdade, também a uma bola, entre Torres Novas e Marinhais, com as seguintes particularidades: os torrejanos conseguiram, enfim – ao nono jogo da temporada –, marcar o seu primeiro golo; mas tal não foi suficiente para somar os três pontos, uma vez que a turma do município de Salvaterra, que perdeu todas as três partidas disputadas no seu terreno, somou o terceiro empate noutros tantos jogos realizados fora de casa; em qualquer dos casos, um desfecho que não agradará inteiramente a nenhuma das equipas, que se mantêm com a condição de “lanterna vermelha”, num terceto, agora a par do Glória do Ribatejo.

Confirmações – Nos outros quatro desafios, não houve surpresas, com os favoritos U. Almeirim, U. Santarém e Ferreira do Zêzere a imporem-se, com maior ou menor dificuldade, enquanto U. Tomar e Amiense repartiram os pontos.

O U. Almeirim, batendo por categórico 4-1 o Samora Correia, afirma-se como um dos principais candidatos aos lugares de topo, actual 3.º, somente a um ponto do duo da frente.

Na capital do Distrito, o U. Santarém recebeu e ganhou à Glória do Ribatejo por 2-0, porventura aquém das expectativas, mas cumprindo com o essencial das aspirações dos escalabitanos.

Em Ferreira do Zêzere, os ferreirenses somaram segundo triunfo sucessivo, com tangencial 1-0 ante o Alcanenense, que baixou a posição delicada, somente um ponto acima do trio da cauda.

Por fim, em Tomar, num embate entre duas equipas que “encaixaram” quase por completo, pese embora tivesse sido o Amiense a assumir a iniciativa em larga fase da metade inicial, com o União a procurar reagir na etapa complementar, praticamente não houve oportunidades flagrantes de golo… à excepção de uma incrível ocasião desperdiçada pelo grupo de Amiais de Baixo, já mesmo no final do encontro. Não obstante, poder-se-á dizer que este foi um daqueles casos em que nenhuma equipa merecia perder, pelo que o desfecho se afigura de justiça.

II Divisão Distrital – O Abrantes e Benfica foi finalmente colocado à prova, na deslocação ao Pego, onde chegou a estar a perder, operou a reviravolta no marcador, concedeu o empate a três bolas, para acabar, já mesmo no limite do tempo de jogo, por conseguir o golo do triunfo, por 4-3, numa empolgante partida. Os abrantinos continuam a somar por vitórias os jogos já disputados (quatro), tendo agora o Riachense (vencedor na Atalaia, por 2-0) a três pontos.

Menção ainda à boa campanha do U. Tomar “B” (3.º classificado, a par do Pego), que foi ganhar a Caxarias por 2-1, com a curiosa particularidade de Ricardo Natividade continuar a ser o autor de todos os (5) golos até agora apontados pela sua equipa.

A Sul, no “derby” concelhio, a goleada de 6-0 do Moçarriense aos Empregados do Comércio indicia que os “Caixeiros” não terão, esta época, equipa para disputar os lugares da frente, agora partilhados por Benavente e Forense, para além do grupo da Moçarria (com um jogo a mais).

Campeonato de Portugal – Já na sua 9.ª ronda, os clubes do Distrito deram continuidade ao que vem sendo o seu desempenho na prova: o Fátima alcançou um positivo empate (1-1) em Nogueira do Cravo, repartindo, precisamente com o Nogueirense, um tranquilo 8.º lugar (já a sete pontos do 2.º classificado, mas com oito de vantagem sobre a “linha de água”); ao invés, o Mação, batido no seu terreno pelo B. C. Branco (0-1), somou o sétimo desaire, tendo caído para a preocupante posição de “lanterna vermelha” (não obstante, apenas a três pontos de tal linha).

Antevisão – Já depois da 2.ª jornada da fase de grupos da Taça do Ribatejo, agendada para o feriado de 1 de Novembro, na 7.ª ronda do Distrital da I Divisão, a disputar no Domingo, o jogo de maior cartaz é o “derby” almeirinense, entre Fazendense e U. Almeirim, um jogo de “tripla”.

O Coruchense terá também uma difícil deslocação a Ourém, enquanto o U. Santarém poderá ter, em teoria, menos dificuldades para levar de vencida o Alcanenense (em Alcanena), assim como o Cartaxo é favorito em Marinhais, sendo expectável que este possa perder em casa pela quarta vez… Em Tomar, no maior clássico do futebol distrital, o União recebe o Torres Novas, no 91.º confronto entre ambos, esperando-se que os nabantinos possam retomar a senda dos triunfos.

Na II Divisão Distrital destacam-se os seguintes encontros: Abrantes e Benfica-U. Atalaiense, Aldeiense-Pego, Ortiga-U. Tomar “B” e Benavente-Moçarriense.

No Campeonato de Portugal, o Fátima recebe o Peniche (penúltimo classificado), sendo expectável a vitória dos fatimenses; o Mação procurará pontuar na deslocação a Alcains (14.º).

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 1 de Novembro de 2018)

4 Novembro, 2018 at 12:00 pm Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – 5ª Jornada

O pulsar do campeonato - 2018-19 - 5jornada

(“O Templário”, 25.10.2018)

Confirmou-se a possibilidade que aqui alvitrara na passada semana: com o triunfo do U. Tomar em Marinhais – terceiro consecutivo no campeonato –, foi estabelecido mais um marco histórico para o clube, com o treinador Lino Freitas a alcançar a 100.ª vitória como responsável técnico unionista, em 199 jogos disputados, desde a temporada de 2012-13 (o jogo n.º 200 realizou-se esta quarta-feira, com a recepção ao Tramagal, em partida em atraso da Taça do Ribatejo).

Para além da centena de êxitos agora assinalada, o treinador do União tem ainda um registo de 39 empates, tendo perdido em 60 ocasiões. Naqueles cem triunfos, os tomarenses marcaram 267 golos, tendo sofrido apenas 59, destacando-se as goleadas de 8-0 (aos Empregados do Comércio, em Santarém), 6-0 ao Benavente, 5-0 (quatro vezes), 4-0 e 3-0 (oito vezes cada) – 58 vitórias foram obtidas sem sofrer golos –, 5-1 e 4-1 (duas vezes cada).

As vitórias foram averbadas em casa (57), em terreno alheio (42) e em campo neutro (uma, na Final da Taça do Ribatejo). Os clubes mais vezes derrotados foram: Amiense (oito vezes) – curiosamente o próximo adversário –, At. Ouriense, Benavente, Empregados do Comércio e Moçarriense (seis vezes cada), Fazendense, Torres Novas e U. Abrantina (cinco vezes cada).

Na lista de treinadores mais vitoriosos do U. Tomar, a Lino Freitas seguem-se Eduardo Fortes, actual técnico do Ferreira do Zêzere (87 triunfos em 206 jogos), Vítor Esmoriz (79 vitórias em 147 jogos) e Artur Santos, antigo Campeão Europeu pelo Benfica (50 triunfos em 93 jogos).

Destaques – Atingindo-se a 5.ª jornada do Distrital da I Divisão, há a destacar o desempenho de Coruchense e U. Almeirim, ambos vencedores em reduto contrário, respectivamente em Samora Correia (2-1) e Alcanena (3-1), com a turma do Sorraia a isolar-se no comando da prova, tendo os almeirinenses ascendido ao 3.º lugar, que repartem com o vizinho Fazendense.

O grupo das Fazendas esteve, aliás, também em evidência, ao derrotar o Cartaxo, um candidato ao título que vacila pela segunda vez, ocupando, nesta altura, o 5.º posto, a par do… U. Tomar.

Em Marinhais, os tomarenses, denotando um grupo coeso, procurando superar as dificuldades que têm atravessado, controlaram o jogo praticamente de início a fim, não permitindo veleidades aos donos da casa. Com o central Allan Peixoto e o capitão Nuno Rodrigues uma vez mais em realce, apontando os dois golos, ao mesmo tempo que constituem esteios da equipa, esta terá sido a vitória (2-0) mais categórica da temporada.

Confirmações – Nos restantes encontros confirmaram-se as expectativas, com o nulo no Amiense-U. Santarém – num desafio de toada repartida – a atestar, por um lado, a dificuldade que é vencer no reduto de Amiais de Baixo e, por outro, que os escalabitanos são mesmo candidatos aos lugares cimeiros, pese embora tivessem, por agora, deixado escapar o líder.

O At. Ouriense venceu o Torres Novas por 2-0, ampliando para incríveis oito jogos a seca de golos dos torrejanos, que ainda não conseguiram marcar esta época! Em função disso, não tendo conseguido melhor que dois empates, partilham agora a “lanterna vermelha” com o Marinhais.

Por fim, na Glória do Ribatejo, com a goleada alcançada pelo Ferreira do Zêzere (4-0), vem confirmar-se também a grande fragilidade dos visitados (somam já 17 golos sofridos no campeonato) e, em paralelo, que os ferreirenses começaram a recuperar posições na tabela.

II Divisão Distrital – Pelos resultados obtidos nas três jornadas iniciais, ao líder Abrantes e Benfica, esta primeira fase do campeonato, na série mais a Norte, parece apresentar-se-lhe como que um “passeio”. De facto, a inclemente goleada de 9-1 alcançada frente ao Sardoal patenteia o grande desequilíbrio de forças. Menção ainda à vitória (2-1) do Pego em Riachos, que possibilitou aos pegachos subir à 2.ª posição, por troca, precisamente, com o Riachense. A equipa “B” do U. Tomar registou uma igualdade a dois tentos, na recepção à U. Atalaiense, com a particularidade de Ricardo Natividade ter apontado todos os golos até agora obtidos.

A Sul, a surpresa foi protagonizada pelo Forense, ao bater o Moçarriense por 3-1, ascendendo assim ao comando da série, partilhado com o Benavente (goleou o Salvaterrense por 4-0) e com a turma da Moçarria, mas esta com um jogo a mais que os seus dois concorrentes.

Taça de Portugal – O Campeonato de Portugal esteve em pausa no passado fim-de-semana, para disputa da 3.ª eliminatória (1/32 de final) da Taça de Portugal, fase em que entraram em prova os clubes da I Liga. O Fátima, que era o último clube “resistente” do Distrito, foi impotente para travar o Boavista, do principal escalão, perdendo por 1-4 (1-2 ao intervalo).

Antevisão – Na 6.ª ronda do Distrital da I Divisão, o “jogo grande” será o Coruchense-Fazendense (entre 1.º e 3.º classificados), no qual a formação da casa – que vem afirmando a sua posição – será favorita, mas em que uma eventual surpresa poderá estar à espreita…

O actual vice-líder, U. Santarém, deverá ter uma tarde tranquila, face à Glória do Ribatejo. Por seu lado, U. Almeirim (recebe o Samora Correia) e Cartaxo (que terá a visita do At. Ouriense), perfilam-se também como candidatos a somar mais três pontos, desde que não “facilitem”.

O U. Tomar recebe o Amiense, num desafio que se antevê de tendência equilibrada, podendo o factor casa assumir relevância. Em Ferreira do Zêzere, os ferreirenses pretenderão aproveitar a embalagem da vitória alcançada na Glória, em contraponto à quebra evidenciada pelo Alcanenense. Por fim, o Torres Novas poderá enfim quebrar o seu jejum, frente ao Marinhais.

No segundo escalão, a Norte, teremos um interessante Pego-Abrantes e Benfica, com a curiosidade de avaliar até que ponto o grupo abrantino poderá ter efectiva concorrência nesta série. O U. Tomar “B” desloca-se ao terreno do Caxarias, conjunto em que, na época passada, alinharam alguns dos seus jogadores. A Sul, temos um “derby” concelhio, entre Moçarriense e Empregados do Comércio, enquanto o Forense se desloca ao terreno do Espinheirense.

No Campeonato de Portugal, o Fátima não esperará facilidades na deslocação a Nogueira do Cravo, onde defronta o Nogueirense, clube que reparte com os fatimenses o 8.º posto. O Mação volta a jogar em casa, recebendo o actual 4.º classificado, Benfica e Castelo Branco, na expectativa de poder estrear-se a vencer no seu terreno nesta temporada.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 25 de Outubro de 2018)

28 Outubro, 2018 at 12:00 pm Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – 4ª Jornada

O pulsar do campeonato - 2018-19 - 4jornada

(“O Templário”, 18.10.2018)

À quarta jornada do Distrital da I Divisão, os principais candidatos à disputa dos lugares do pódio “instalaram-se” já na parte cimeira da tabela, sendo de assinalar a ascensão do U. Almeirim ao grupo dos 4.º classificados (integrando também Amiense e Fazendense), somente a três pontos do duo que continua a partilhar a liderança. Notas especiais também para a segunda vitória sucessiva do U. Tomar e, pela negativa, para o Torres Novas, que, ao fim de sete jogos já disputados na presente temporada, subsiste em branco, não se tendo ainda estreado a marcar!

Destaques – O principal destaque da ronda vai para o triunfo do U. Santarém em Ferreira do Zêzere (2-0), continuando firme no comando (a par do Coruchense), confirmando que são bem credíveis as suas aspirações. Ao invés, os ferreirenses, tendo somado o quarto desaire em outras tantas partidas, continuam isolados na indesejada condição de “lanterna vermelha”, mas é preciso ter em atenção que, com um calendário muito difícil até agora, defrontaram já os dois guias (no seu terreno), para além do Amiense e U. Almeirim (fora de casa).

Outra nota de realce vai para o Fazendense, vencedor em Torres Novas, por igual marca de 2-0. Em contraponto ao preocupante desempenho dos torrejanos (pese embora tenham sofrido apenas três golos), a turma das Fazendas de Almeirim reagiu muito bem à adversidade da derrota caseira ante o U. Tomar – única equipa que, até à data, desfeiteou a sua baliza em jogos do campeonato (com dois tentos sofridos, o Fazendense regista a defesa menos batida da prova).

Em Marinhais, confirmou-se a tendência dos visitados para conseguir melhores resultados em terreno alheio que em casa, tendo voltado a perder (1-3) no seu reduto – depois de terem sido também batidos pelo Fazendense –, ante uma equipa do Amiense, a dar boa conta de si nesta fase inicial do campeonato.

Confirmações – Nos restantes encontros não há particulares surpresas a anotar, merecendo, não obstante, menção especial o triunfo do U. Tomar ante o At. Ouriense (outra vez por 2-1, tal como sucedera na época anterior, marcador que, aliás, se regista pela quarta vez consecutiva, nas últimas quatro vitórias averbadas pelos unionistas).

Perante um adversário muito bem organizado e de bom potencial, num desafio repartido e que poderia ter “caído” para qualquer um dos lados, os tomarenses tiveram de apelar a uma grande solidariedade e espírito de equipa para salvaguardar a vantagem que, com grande eficácia, alcançaram (salientando-se a excelente execução do central Allan Peixoto, na conversão de um livre, a apontar o segundo golo). Com os seis pontos somados nas duas últimas partidas, o União ascendeu à primeira metade da pauta classificativa, somente a três pontos do 3.º lugar.

O U. Almeirim não teve dificuldades, goleando (4-0) o Glória do Ribatejo – equipa que vem denotando grandes fragilidades a nível defensivo (acumula já 13 golos sofridos em quatro jornadas, a que se soma a “débacle” dos 6-0 sofridos em casa no encontro da Taça) –, ao contrário do Cartaxo (que mantém a 3.ª posição, na peugada dos líderes, um único ponto abaixo), que se impôs ao Samora Correia por tangencial 1-0. Em Coruche, o guia venceu por 3-1 (regista o melhor ataque, com 11 golos), ante uma equipa do Alcanenense que só conseguiu vencer na ronda inaugural (o U. Tomar), do que resultou uma queda até ao 10.º lugar.

II Divisão Distrital – A Norte, o Abrantes e Benfica voltou a golear, agora por 4-0, num “derby”, no terreno do Tramagal. Também o Riachense parece afirmar o seu potencial, tendo ganho no Sardoal por categórica marca de 3-0, partilhando a liderança da série com os abrantinos. Por seu lado, a equipa “B” do U. Tomar não pôde contrapor aos superiores argumentos do Pego, a jogar no seu reduto, tendo os pegachos vencido por 2-0. A Sul, merece destaque o empolgante desafio entre Moçarriense e Pontével, com sucessivas cambiantes e reviravoltas no marcador, com os donos da casa a ganhar por 4-3, isolando-se na frente.

Campeonato de Portugal – Atingindo-se já a 8.ª jornada, o Fátima voltou aos triunfos, batendo o Caldas por 2-0, ocupando lugar tranquilo na primeira metade da tabela, já com uma boa margem de segurança (sete pontos) em relação à “linha de água”. Ao contrário, o Mação, pese embora tenha conseguido enfim interromper a série de seis desaires sucessivos que acumulava, não foi além do nulo na recepção ao “lanterna vermelha”, Peniche, pelo que se mantém em posição indesejável (antepenúltimo classificado), não obstante o atraso face à tal linha de “sobrevivência” no Nacional seja de apenas três pontos, mas com um sinal de alerta decorrente do facto de a distância ser já notoriamente superior para os lugares imediatamente acima.

Antevisão – Neste fim-de-semana, no Distrital da I Divisão, realce para três jogos que concentram as atenções, começando pelo “derby” Amiense-U. Santarém, sendo que os outros dois ocupantes dos lugares do pódio terão também missões de elevado nível de exigência: o Coruchense viaja até Samora Correia, enquanto o Cartaxo visita Fazendas de Almeirim.

Mas há mais motivos de interesse: o U. Almeirim terá também uma difícil saída, até Alcanena, enquanto se espera que o U. Tomar possa dar continuidade aos resultados positivos na deslocação a Marinhais, num jogo em que se poderá estabelecer mais um marco histórico para o clube, caso os unionistas consigam vencer. Em Ourém, o Torres Novas, visando quebrar o “jejum”, não deverá ter tarefa fácil perante um adversário bastante capacitado, podendo, por seu lado, o Ferreira do Zêzere marcar o(s) primeiro(s) ponto(s) na Glória do Ribatejo.

Na divisão secundária, a Norte destaca-se o confronto entre Riachense e Pego, com o U. Tomar “B” a receber a U. Atalaiense. Quanto ao líder, Abrantes e Benfica, terá a visita do Sardoal. A Sul, o líder, Moçarriense, desloca-se ao terreno do Forense.

O Campeonato de Portugal estará em pausa, para disputa da eliminatória correspondente aos 1/32 de final da Taça de Portugal, na qual o Fátima é o único representante do Distrito ainda em prova, tendo-lhe calhado em sorteio receber o histórico Boavista, da I Liga, campeonato em que ocupa actualmente o 11.º lugar. A festa está garantida; poderá haver “tomba-gigantes”?

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 18 de Outubro de 2018)

21 Outubro, 2018 at 11:00 am Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – 3ª Jornada

O pulsar do campeonato - 2018-19 - 3jornada

(“O Templário”, 11.10.2018)

Num desafio de cariz histórico, que traduziu a estreia absoluta em jogos oficiais da equipa “B” do União de Tomar (integrada na disputa do Campeonato Distrital da II Divisão), os unionistas ganharam por 1-0 (com o golo inaugural deste novo grupo a ser apontado por Ricardo Natividade), acompanhando o triunfo igualmente obtido pela formação principal do clube, na deslocação às Fazendas de Almeirim, assim somando os primeiros pontos da época.

Destaques – O primeiro realce da 3.ª ronda do Distrital da I Divisão vai, precisamente, para a vitória dos tomarenses no terreno do Fazendense, por 2-1, terceira consecutiva nas últimas temporadas, com a turma nabantina a conseguir dar a melhor sequência aos sinais positivos que patenteara já no jogo da Taça de Portugal, na semana anterior.

Tendo começado por inaugurar o marcador logo na fase inicial da partida, num lance muito contestado pelos visitados, reclamando de contacto irregular sobre o guardião, na altura da marcação de um pontapé de canto, os unionistas viriam a consentir a igualdade, antes de se recolocarem em vantagem, num remate de excelente execução, que viria a fixar o resultado final, interrompendo, portanto, a prolongada seca de golos da turma “rubro-negra”, que há quase um mês não marcava, desde a vitória em Idanha-a-Nova, em encontro da Taça de Portugal.

No desafio que concitava as principais atenções da jornada, o recém-promovido U. Santarém confirmou as suas credenciais, impondo-se, pese embora por tangencial 1-0, ao candidato U. Almeirim. Depois do empate em Coruche, os escalabitanos conseguem outro excelente resultado, que, para já, lhes confere a liderança da prova, precisamente a par do Coruchense.

A destacar, ainda, a vitória obtida pelo Cartaxo, na deslocação a Alcanena, por 2-1, após ter operado reviravolta no marcador. Apenas com três jogos disputados, portanto ainda numa fase muito prematura da competição, os lugares do pódio são já ocupados por três dos principais favoritos, tendo os cartaxeiros ascendido ao 3.º posto, enquanto, ao invés, os almeirinenses estão, por agora, bastante mais para trás, pese embora somente a três pontos do duo da frente.

Surpresa – Depois da goleada obtida na Glória do Ribatejo – e, também, após o empate na estreia no campeonato, em Samora Correia –, o Marinhais volta a surpreender pela positiva, tendo empatado em Ourém, a uma bola, ante o At. Ouriense. Não obstante, não tendo ainda vencido, somando apenas dois pontos, ocupa… o penúltimo lugar.

Confirmações – Nos outros encontros, vitórias expectáveis do Amiense sobre o agora “lanterna vermelha”, Ferreira do Zêzere (única equipa a somar três desaires, em todas as partidas até agora disputadas no campeonato), por convincente 3-0, numa boa desforra da derrota sofrida para a Taça do Ribatejo, perante o mesmo oponente, no reduto ferreirense; assim como do líder, Coruchense, na Glória do Ribatejo (4-1).

Tal como não surpreende o nulo registado em Samora Correia, na recepção ao Torres Novas, equipa que, a par de registar a defesa menos batida do campeonato (um tento sofrido), ampliou para seis desafios – o que se traduz já em nove horas de futebol – a sua série sem se conseguir ainda ter estreado a marcar na presente época (três jogos no campeonato, dois na Taça de Portugal e um na Taça Ribatejo), pelo que segue na classificação, por ora, a par do Marinhais.

II Divisão Distrital – A par da curiosidade da estreia a vencer do U. Tomar “B”, num projecto de transição entre os escalões de formação e o plantel principal, o destaque maior da ronda inaugural da prova vai para a goleada (6-0) imposta pelo centenário Abrantes e Benfica (no regresso do clube ao futebol senior, na sequência da fusão com a U. Abrantina), frente ao Aldeiense, assim como, na série mais a Sul, os triunfos na condição de forasteiros, de Benavente (2-0, na Ribeira de Santarém, ante os recém-despromovidos Empregados do Comércio) e do Moçarriense (2-1, em Rio Maior).

Noutro plano, perdurará a memória do jovem João Laranjeiro, de apenas 30 anos, que partiu na passada semana, vítima de doença prolongada, homenageado pelo triunfo (3-1) do último clube que representou, Riachense, na estreia no regresso a este escalão, ante o histórico Tramagal.

Campeonato de Portugal – Na 7.ª ronda, os dois representantes do Distrito foram desfeiteados. Se não constituirá grande surpresa o desfecho averbado pelo Fátima, batido em Sintra, pelo líder, Sintrense (que, até agora, cedeu apenas um empate), por tangencial 2-1 – no que, aliás, constitui a primeira derrota dos fatimenses –, já o sexto desaire consecutivo do Mação (goleado em Oleiros por contundente 0-4, perante um adversário que, antes deste jogo, se posicionava imediatamente acima na pauta classificativa) começa a ser motivo de forte preocupação para os maçaenses, pela impotência que vêm denotando em se afirmar neste patamar competitivo.

Antevisão – Na próxima jornada do Distrital da I Divisão, perspectivam-se de especial interesse os embates entre Coruchense e Alcanenense, com favoritismo do grupo do Sorraia; do Cartaxo com o Samora Correia, também com os donos da casa com maior probabilidade de vencer; assim como do Ferreira do Zêzere perante o U. Santarém, num desafio que se antevê de elevada importância para ambos os contendores, pelas tendências que poderá apontar para o futuro.

Também de teórico equilíbrio se perfilam os confrontos U. Tomar-At. Ouriense e Torres Novas-Fazendense, em que os visitados terão de se aplicar a fundo em ordem a atingir o visado triunfo.

No escalão secundário, realce para o Tramagal-Abrantes e Benfica, num reencontro de dois emblemas de longa tradição no futebol distrital, enquanto o U. Tomar “B” terá uma difícil deslocação até ao Pego. A Sul, destaca-se o Moçarriense-Pontével.

Por fim, no Campeonato de Portugal, o Fátima recebe o Caldas, equipa com a qual, por curiosidade, reparte actualmente a 10.ª posição (sendo que os fatimenses continuam a ter um jogo em atraso), esperando-se que possa retomar a senda dos resultados positivos, de forma a integrar a parte superior da tabela. Quanto ao Mação, recebendo a visita do “lanterna vermelha”, Peniche, terá uma boa oportunidade, que não deverá desperdiçar, de somar pontos ao seu até agora magro pecúlio, sob pena de agudizar severamente a sua crise de resultados.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 11 de Outubro de 2018)

14 Outubro, 2018 at 11:00 am Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – Taça de Portugal / Taça do Ribatejo

O pulsar do campeonato - 2018-19 - TPortugal-TRibatejo

(“O Templário”, 04.10.2018)

Repescado da 1.ª eliminatória, o Fátima foi uma das cinco equipas que mais se evidenciaram na 2.ª ronda da Taça de Portugal, a par de Pedras Salgadas, Águeda, Sacavenense e Limianos, tendo eliminado, respectivamente, os seguintes clubes da II Liga: Oliveirense, Académica, Famalicão, Varzim e Mafra. Por seu lado, na jornada inaugural da Taça Ribatejo, o Marinhais averbou, na Glória do Ribatejo, um resultado que ficará para a história de ambas as formações.

Destaques – Recebendo um adversário de escalão superior, o Fátima impôs-se à turma de Oliveira de Azeméis – o que nunca antes conseguira, nas quatro ocasiões em que se haviam cruzado na II Liga, nas épocas de 2009-10 e 2010-11 –, mercê de um solitário tento, o suficiente para passar a ser o único representante do Distrito entre os 64 clubes apurados para a próxima fase da Taça de Portugal, fase a partir da qual entrarão em cena as equipas primodivisionárias.

Na Taça do Ribatejo, no “derby” salvaterrense, entre dois recém-promovidos à divisão principal, de valia sensivelmente aproximada – que, aliás, haviam repartido triunfos por margem tangencial nos jogos que disputaram na época precedente –, o conjunto da Glória do Ribatejo foi desfeiteado, no seu próprio reduto, pela vizinha equipa de Marinhais, sofrendo um desfecho de todo imprevisível, uma rotunda goleada de 6-0, um resultado que, por boas e más razões (consoante a perspectiva…), certamente não será esquecido durante muitos anos.

Merecem ainda referência, pela robusta expressão do “placard”, as vitórias do Cartaxo, também no município de Salvaterra de Magos, ante o Salvaterrense (7-0), assim como do Pego, na recepção ao Aldeiense (5-0), ou do Coruchense (4-0 ao Espinheirense). Por outro lado, é igualmente de assinalar o empate (1-1) imposto pelo Moçarriense, face ao favorito U. Almeirim.

Confirmações – Quanto aos outros dois clubes do Distrito, que agora se despediram da Taça de Portugal, confirmaram-se as dificuldades já antecipadas, no confronto perante grupos de escalão e argumentos superiores: no caso do Torres Novas, foi também goleado, por 4-0, no seu terreno, pelo Maria da Fonte; tendo o U. Tomar sido igualmente batido, por 0-3, pelo Vilafranquense.

Sem, de todo, se questionar a justiça do resultado, este foi um desfecho pesado face ao que ambos os conjuntos apresentaram dentro das quatro linhas, com os tomarenses a registar a sua melhor exibição da temporada, encarando o adversário “olhos nos olhos”, assumindo a iniciativa, sem recear o superior potencial do oponente, nem se refugiar em tácticas defensivas.

Aliás, ao longo dos primeiros 45 minutos, e, à medida que o relógio avançava, e o grupo ia ganhando confiança – perante uma formação vilafranquense que sempre denotou respeitar o adversário – várias vezes a imagem que transpareceu foi a de que este terá sido o jogo no qual o U. Tomar se sentiu porventura mais “confortável” a explanar o seu fio de jogo, mais consentâneo face ao tipo de futebol praticado no escalão superior àquele em que milita. Assim, num encontro bastante repartido, sem que tivesse havido registo de soberanas oportunidades de golo, o nulo que se registava ao intervalo era um bom prémio ao esforço de todos os unionistas.

Para a segunda metade, era expectável que o conjunto de Vila Franca de Xira entrasse mais pressionante e a colocar maior intensidade no jogo. Não obstante, acabou por ser algo fortuita a forma como, ainda cedo, antes do quarto de hora, chegou ao tento inaugural, numa transição rápida, a “queimar” a linha de fora-de-jogo. Apesar da situação de desvantagem, o União não se ressentiu, prosseguindo a sua boa actuação, pese embora o guardião Nuno Ribeiro tenha sido, então, chamado a duas ou três notáveis intervenções, em salvaguarda da sua baliza, enquanto, na zona nevrálgica do terreno, o capitão Nuno Rodrigues ia pautando o jogo da sua equipa.

A quatro minutos do final, os nabantinos dispuseram de uma flagrante oportunidade para igualar o marcador, com a bola, com um efeito caprichoso, a “desviar-se” milimetricamente das redes contrárias. No lance imediato, outra vez muito rápido, e, também, a suscitar eventuais dúvidas sobre a sua regularidade, os visitantes ampliavam para 2-0, sentenciando a eliminatória. O terceiro golo, apontado em cima dos 90 minutos foi já castigo excessivo para o labor unionista, que, dentro das suas condicionantes, perdeu (bem) o jogo, mas terá ganho uma equipa…

Surpresas – Para além das proezas já antes referidas em relação à Taça de Portugal, que resultaram na eliminação de cinco equipas da II Liga (a que acresce o apuramento, perante equipas do Nacional, de Vila Real e Silves, ambos a militar nos Distritais), a principal surpresa da Taça do Ribatejo foi o empate do Ortiga frente ao U. Santarém (1-1), com os escalabitanos a evitar o desaire apenas já na fase derradeira do encontro.

De assinalar, ainda, igual desfecho no Benavente-Fazendense. Em relação ao 2-0 com que o Pontével derrotou os Empregados do Comércio – grupo recém-despromovido da I Divisão – só mais adiante será possível aquilatar se se terá tratado efectivamente de uma surpresa.

Antevisão – Neste fim-de-semana estão de regresso os campeonatos, com as atenções focadas num “clássico” entre dois históricos do futebol distrital, U. Santarém-U. Almeirim, de prognóstico reservado; assim como, em paralelo, no Fazendense-U. Tomar, com os tomarenses, em mais um difícil desafio, ansiando por colocar termo à “seca” de golos, assim como retomar o rumo dos resultados positivos, procurando colocar termo a uma prolongada série de desaires, já de quatro partidas (antes disso, agendado para o feriado de 5 de Outubro, os tomarenses disputarão o jogo que foi adiado da jornada inicial da Taça do Ribatejo, recebendo o Tramagal).

Na I Divisão, menção ainda a outros confrontos de especial interesse: Alcanenense-Cartaxo, Samora Correia-Torres Novas, para além da curiosidade de Amiense e Ferreira do Zêzere se reencontrarem (agora em Amiais de Baixo), imediatamente após, no passado domingo, os ferreirenses terem ganho, em casa, por 1-0, em jogo da Taça.

A II Divisão terá a sua jornada inaugural, com a estreia absoluta da equipa “B” do União de Tomar, a receber a regressada formação do Sardoal. Por seu lado, o Riachense defronta o Tramagal, enquanto o também revindo Abrantes e Benfica (no âmbito da fusão operada com a U. Abrantina) terá a visita do Aldeiense. A Sul, destaque para o Rio Maior-Moçarriense.

Por fim, no Nacional, o Fátima terá uma difícil deslocação a Sintra, onde encontrará o líder, Sintrense, enquanto o Mação, numa curta viagem até Oleiros, procurará – entretanto já com Rui Gaivoto a substituir José Torcato – quebrar o enguiço de cinco derrotas consecutivas.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 4 de Outubro de 2018)

7 Outubro, 2018 at 11:00 am Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – 2ª Jornada

O pulsar do campeonato - 2018-19 - 2jornada

(“O Templário”, 27.09.2018)

É bem verdade que a “procissão ainda nem saiu do adro”, mas, num claro indício do grande equilíbrio de forças que se antecipa, temos, após a 2.ª jornada da I Divisão Distrital, nada menos do que sete clubes a partilhar a “liderança”! Mais, nenhum deles conseguiu vencer os dois desafios iniciais do campeonato, pelo que todos os concorrentes perderam já pontos, situação, aliás, “maximizada” pelos três grupos melhor classificados no campeonato precedente, os quais, de um total global de 18 pontos em disputa… obtiveram, até à data, um único ponto!

Destaques – No desafio de maior cartaz da ronda, entre Coruchense e U. Santarém, as duas equipas mostraram as respectivas credenciais; se é verdade que a turma do Sorraia esteve em vantagem até próximo do final, os escalabitanos – recém-promovidos do escalão secundário, recorde-se –, acabaram por impor a igualdade a uma bola como resultado final.

A outra situação de realce vai para o triunfo, pese embora por marca tangencial, do Samora Correia em Tomar, ante o União, que, assim, somou segundo desaire… e terceiro jogo sucessivo sem conseguir marcar, ocupando por agora, de forma absolutamente inesperada, a indesejada posição de “lanterna vermelha” (que reparte com o Ferreira do Zêzere).

Depois de duas categóricas goleadas aplicadas na época anterior (5-0 em Samora Correia e 5-2 em casa), os unionistas não conseguiram, desta feita, estrear-se a marcar no campeonato, não obstante terem tido uma entrada em campo bem mais afirmativa que o adversário, com um par de oportunidades para inaugurar o marcador… não concretizadas.

A partir da meia hora, o ritmo de jogo decaiu – o calor que se fazia sentir era bastante –, tendo os samorenses conseguido equilibrar a contenda. Para, tal como sucedera na semana passada, o União ser penalizado na sequência de um lance de bola parada, de que surgiu o único tento da partida.

Na segunda metade, e apesar de os visitantes terem chegado a dominar o jogo, em algumas fases, os tomarenses porfiaram, na fase final já mais com o “coração que com a cabeça”, acabando por dispor ainda de mais duas ou três soberanas ocasiões, mas que, por infelicidade, ou concentração do guardião contrário, não se materializaram, não se alterando o marcador.

De forma realista, o União terá de continuar a encarar esta época com a serenidade possível nas actuais circunstâncias, com muita paciência, na expectativa de que a qualidade do plantel possa superar, o mais rapidamente possível, a sua relativa falta de experiência…

Surpresas – Talvez não se possa considerar uma efectiva surpresa, mas, pela boa réplica que o Marinhais tinha dado na estreia, em Samora Correia, poderia porventura ser expectável que conseguisse melhor desfecho que a derrota caseira averbada (0-2) ante o Fazendense, conjunto com maiores argumentos e muito mais tarimba.

Em Torres Novas, os torrejanos, que haviam começado mal o campeonato, perdendo na Glória, voltaram a ficar em branco, desta feita na recepção ao Alcanenense, que, com um conjunto muito jovem, vem tendo bom desempenho nestas partidas iniciais, forçando um empate, o que lhe possibilita, para já, seguir na liderança do pelotão da frente.

Confirmações – Nas restantes partidas, confirmou-se o favoritismo do candidato Cartaxo, goleando a formação da Glória do Ribatejo por convincente marca de 5-1, assim como do U. Almeirim (1-0, na recepção ao Ferreira do Zêzere) e do At. Ouriense (2-1, ante o Amiense), com estes desfechos tangenciais a denotarem maiores dificuldades que o previsto, especialmente no caso dos almeirinenses.

Campeonato de Portugal – Atingindo-se já a sexta jornada desta competição, o Fátima, com um bom triunfo (3-2) ante um dos principais candidatos à subida, U. Leiria, vai trilhando o seu percurso, de forma tranquila – ainda invicto –, ocupando um posto na metade inicial da tabela (8.º classificado), podendo vir a beneficiar de ter ainda um jogo em atraso. Ao invés, o Mação, derrotado em casa pelo Torreense, por números pesados (1-4), acumula uma série muito negativa, já de cinco desaires consecutivos (depois da vitória na ronda inaugural, em Alverca), sendo actualmente penúltimo classificado.

Num campeonato que parece poder vir a “fracturar-se” em duas partes, dado o desequilíbrio que tem vindo a ser evidenciado, apesar de a “linha de água” continuar somente a um ponto, urge “arrepiar caminho” por parte dos maçaenses, de forma a evitar passar por maiores dissabores.

Antevisão – Neste fim-de-semana os campeonatos estarão em pausa, para dar entrada em cena às Taças.

Na Taça de Portugal, ainda com três representantes do Distrito (após a repescagem de Fátima e Torres Novas), a tarefa não se afigura nada fácil, não obstante – precisamente num reverso do sucedido na eliminatória inicial – todos eles actuarem nos respectivos redutos… todavia perante opositores de escalão superior.

O Fátima recebe a Oliveirense, da Liga de Honra, equipa que ocupa actualmente o 13.º posto, que reparte com outros quatro concorrentes, somente um ponto acima do “lanterna vermelha”, Arouca. A possibilidade de “haver Taça” existe, mas implicará um Fátima ao melhor nível.

O Torres Novas terá a visita do Maria da Fonte, um dos 7.º classificados da Série A do Campeonato de Portugal. Tendo em atenção o que tem sido o desempenho dos torrejanos neste arranque de temporada, seria surpreendente se conseguisse passar à eliminatória seguinte.

Por fim, o U. Tomar será anfitrião do Vilafranquense, actual vice-líder da Série C do Nacional (a mesma na qual milita o Fátima), perfilando-se-lhe uma tarefa hercúlea. Mas a Taça é festa, e, recuando à última vez que os dois clubes se cruzaram, na já distante época de 1994-95, os tomarenses causaram surpresa, empatando em Vila Franca de Xira (2-2), com os donos da casa – que terminariam esse campeonato no 2.º lugar, em igualdade pontual com o vencedor (Mafra) –  a evitar a derrota somente mercê de uma grande penalidade convertida por… Rui Vitória!

Quanto à Taça do Ribatejo, que terá a sua jornada de estreia, na fase de grupos, o actual detentor do troféu (União de Tomar) teve de adiar o seu jogo ante o Tramagal, chamando a atenção os confrontos: Torres Novas-Abrantes e Benfica, Alcanenense-At. Ouriense, Ferreira do Zêzere-Amiense, Moçarriense-U. Almeirim, Benavente-Fazendense, e o “derby” Glória-Marinhais.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 27 de Setembro de 2018)

30 Setembro, 2018 at 11:00 am Deixe um comentário

União Tomar – Quadro interactivo de resultados

União Tomar - Resultados - Actualizado - Tableau

Clicar na imagem para aceder a uma nova versão, actualizada e reformulada, de quadro interactivo com todos os resultados do União de Tomar, ao longo do seu historial, em jogos oficiais a contar para Campeonatos Nacionais (I, II e III Divisão), Campeonatos Distritais (I e II Divisão), Taça de Portugal, Taça do Ribatejo e Supertaça Dr. Alves Vieira.

Os dados podem ser filtrados com base nos seguintes parâmetros:

  • Por “Época”
  • Por “Escalão” (Divisão/Prova)
  • Por jogos em “Casa”, “Fora” ou em campo “Neutro”
  • Por Vitórias, Empates ou Derrotas
  • Por “Adversário”
  • Por “Treinador”
  • Por “GM” (Golos Marcados) e “GS” (Golos Sofridos)

Nos dois quadros com cores, é apresentada a frequência de número de golos marcados (quadro à esquerda) e de golos sofridos (quadro à direita); por exemplo, clicando no segmento com a indicação de 3 golos marcados (no quadro da esquerda) e de 1 golo sofrido (no quadro da direita), serão discriminados na lista detalhada da parte inferior do grafismo todos os jogos em que o desfecho foi a vitória do União por 3-1 (sendo ainda indicado, no canto superior esquerdo, o número de ocorrências de cada resultado).

Na parte inferior do grafismo, são listados todos os jogos que correspondem a cada uma das modalidades de filtros seleccionados (por exemplo: por época, por divisão, por adversário, por treinador, ou, até, por resultado), em sequência cronológica, do mais recente para o mais antigo (deslizar o cursor na barra lateral do lado direito para aceder à lista completa).

Adicionalmente, passando o cursor sobre cada resultado (GM – GS), no lado direito dessa lista detalhada (da parte inferior do grafismo), surge a indicação, em “janela”, de um conjunto de dados relativos a cada jogo, nomeadamente a época a que respeita, o escalão/prova, a jornada, os marcadores dos golos do União, o treinador e o árbitro do desafio.

Os escalões/provas são apresentados com a seguinte codificação:

  • 1 – I Divisão
  • 2 – II Divisão
  • 3 – III Divisão
  • 4 – I Divisão Distrital
  • 5 – II Divisão Distrital
  • 1/2Liguilla I/II Divisões (manutenção/promoção)
  • 4/5 e 5/6Liguilla Distrital(entre a I/II Divisão e entre a II/III Divisão Distrital)
  • TP – Taça de Portugal
  • TR – Taça do Ribatejo
  • ST – Supertaça Dr. Alves Vieira

23 Setembro, 2018 at 12:00 pm Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – 1ª Jornada

O pulsar do campeonato - 2018-19 - 1jornada

(“O Templário”, 20.09.2018)

A ronda inaugural da 95.ª edição do Campeonato Distrital da Associação de Futebol de Santarém, disputada no passado fim-de-semana, começou já a dar as primeiras indicações do que poderá vir a ser esta época futebolística, com os dois clubes despromovidos do Nacional, Coruchense e Alcanenense, a registar expressivas vitórias, assim como, por outro lado, foi igualmente bem afirmativo o triunfo averbado pelo recém-promovido do escalão secundário, U. Santarém. Integram assim, com o surpreendente Glória do Ribatejo, o quarteto da liderança.

Destaques – O resultado alcançado pelos escalabitanos (vitória por 4-2, na recepção ao Cartaxo) é, aliás, o principal destaque da jornada, dado ter sido registado perante o teoricamente principal candidato ao título, numa partida empolgante, repleta de cambiantes e reviravoltas no marcador, em que os donos da casa, mesmo depois de se terem visto em desvantagem, não abdicaram de lutar pelo triunfo, tendo conseguido uma sensacional vitória, a prometer muito para o que poderá ser esta temporada de regresso ao principal escalão, após três anos de ausência.

O Coruchense – que conquistou o título de Campeão nas suas duas últimas participações na competição, em 2015 e em 2017 – começou da melhor forma este regresso ao Distrital, indo vencer por convincente marca de 3-1 (com dois tentos de Joel) num difícil terreno, daquela que foi a equipa sensação da época anterior, Ferreira do Zêzere (4.º classificado, somente a um ponto do vice-campeão), principiando, desde já, a marcar uma posição em termos de uma possível nova candidatura ao título.

Por curiosidade, anota-se que os três clubes melhor posicionados na última edição do campeonato, de entre os que se mantêm no Distrital (U. Tomar, Torres Novas e Ferreira do Zêzere) foram, todos eles, derrotados, nesta ronda de abertura.

Realce também, portanto, para o Alcanenense, ao bater o U. Tomar por inapelável desfecho de 3-0. Tal como sucedera na quarta-feira, na final da Supertaça Dr. Alves Vieira (com o pesado desaire de 0-4 ante o Campeão Distrital em título, Mação), os unionistas estão a pagar muito caro o preço da juventude e alguma falta de experiência da equipa, condicionante exponenciada pela lesão sofrida pela sua principal referência dentro de campo, a nível de “voz de comando”, o capitão Nuno Rodrigues, forçado a abandonar o terreno ainda numa fase prematura do desafio.

Nesta partida, os tomarenses assumiram a iniciativa, logo desde o seu início, dominando claramente durante a primeira meia hora, beneficiando de algumas ocasiões de perigo… mas sem conseguir materializar tais oportunidades em golo. Depois de uma extraordinária série de 36 jogos sempre a marcar (incluindo todos os 34 encontros disputados na época anterior, e recuando ainda à derradeira jornada da temporada de 2016-17), este foi o segundo jogo sucessivo em branco para os “rubro-negros”.

Tendo sofrido o tento inaugural mesmo ao cair do pano da primeira parte (na sequência de um canto), uma grande penalidade “desnecessária” a abrir a segunda parte praticamente sentenciou o desfecho do desafio, o que se agravou com uma expulsão sofrida, deixando o U. Tomar em inferioridade numérica, acabando por vir a ser ainda castigado com terceiro golo, já mesmo a findar o embate. Um resultado deveras penalizador, consentido perante um adversário que, pelo que exibiu neste encontro, será de nível inferior ao dos nabantinos.

Surpresas – A maior surpresa desta ronda foi protagonizada pelo Glória do Ribatejo, promovido da II Divisão, que recebeu e bateu o Torres Novas, por tangencial 1-0 – curiosamente, repetindo o triunfo (2-1) que obtivera já, perante o mesmo adversário, há cerca de três anos e meio, então em partida da Taça do Ribatejo.

Também o outro grupo do município de Salvaterra de Magos, o Marinhais, igualmente recém-promovido, de regresso ao principal escalão após uma longa ausência de 14 temporadas, conseguiu um positivo e porventura inesperado resultado, forçando o empate a duas bolas na visita a Samora Correia, teoricamente um conjunto com maiores argumentos.

Confirmações – Em Amiais de Baixo, confirmou-se a dificuldade que constitui, para qualquer opositor, a deslocação ao reduto do Amiense, com outro dos principais candidatos ao título, U. Almeirim, a não conseguir melhor que uma igualdade, também a dois tentos (com Moleiro e Persi Mamede ambos a bisar), arrancando já com atraso em relação ao Coruchense e U. Santarém, e não tendo aproveitado na plenitude os deslizes de Cartaxo, U. Tomar ou Torres Novas.

Por fim, em Fazendas de Almeirim, Fazendense e At. Ouriense não conseguiram desfazer o nulo, que persistiu até final dos noventa minutos de jogo, num desfecho de alguma forma expectável, entre duas equipas que aparentam apresentar-se de nível equilibrado.

Antevisão – Na segunda jornada da I Divisão Distrital, avulta como partida de maior cartaz o aliciante embate entre Coruchense e U. Santarém, precisamente os dois clubes que mais começaram por se evidenciar, logo na ronda inaugural da prova.

No que respeita aos principais candidatos que iniciaram mal as respectivas campanhas nesta época, o Cartaxo recebe a visita do Glória do Ribatejo, protagonista da principal surpresa no passado fim-de-semana, apresentando-se os visitados claramente favoritos, enquanto o U. Almeirim defronta, também no seu terreno, o Ferreira do Zêzere, conjunto que, em princípio, deverá ter dificuldades em evitar segunda derrota sucessiva, perante o potencial do oponente.

De interesse será também a partida entre Torres Novas e Alcanenense, com os torrejanos a pretender rectificar a “má imagem” deixada na estreia, mas defrontando um adversário bastante moralizado com o triunfo obtido ante os tomarenses.

Por fim, nota de realce ainda para o U. Tomar-Samora Correia, um confronto entre dois conjuntos de poderio similar, também de entre os mais cotados do Distrital, em que o factor casa poderá assumir relevância, desde que os unionistas se consigam reencontrar com os golos… e voltar a ter a necessária concentração na defesa da sua baliza.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 20 de Setembro de 2018)

23 Setembro, 2018 at 11:00 am Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – Taça de Portugal

O pulsar do campeonato - 2018-19 - TPortugal1

(“O Templário”, 13.09.2018)

Ainda antes do arranque dos campeonatos distritais, quatro clubes do Distrito participaram no passado fim-de-semana na 1.ª eliminatória da 79.ª edição da Taça de Portugal (competição iniciada na época de 1938-39, a qual não se disputou nas temporadas de 1946-47 e 1949-50): os dois únicos representantes no Campeonato de Portugal, Fátima e Mação, assim como o vencedor da Taça do Ribatejo e vice-campeão Distrital, União de Tomar, para além do 3.º classificado do campeonato distrital, Torres Novas.

Independentemente da faculdade de repescagem para a 2.ª eliminatória, por sorteio – de que acabariam por vir a beneficiar o Fátima e o Torres Novas –, num balanço muito pouco favorável, o U. Tomar foi a única equipa do Distrito que, dentro de campo, garantiu o apuramento para a fase seguinte da prova, na qual receberá a visita do Vilafranquense.

Destaque – O primeiro grande realce desta nova temporada vai para o triunfo averbado pelo U. Tomar na deslocação a Idanha-a-Nova, onde – apoiado por uma entusiasta falange de adeptos, dando corpo à “festa da Taça” – defrontou o Clube União Idanhense, 3.º classificado do distrital da Associação de Futebol de Castelo Branco (“repescado” para a Taça de Portugal, dado que os dois primeiros do respectivo campeonato, Alcains e V. Sernache, se defrontaram na final da Taça Distrital, à semelhança do que sucedeu no distrital de Santarém).

Apesar do tempo quente e abafado que se fazia sentir as duas formações entraram em campo – um bonito estádio, muito bem enquadrado na paisagem envolvente, com um relvado em boas condições – com espírito positivo e ambição, em busca do golo, logo a partir dos instantes iniciais, com oportunidades repartidas: logo a abrir, para os tomarenses, e, praticamente de imediato, para os idanhenses, isto ainda antes de decorridos os cinco minutos iniciais.

De seguida, os donos da casa procuraram afirmar a sua condição, empurrando os nabantinos para o seu meio-campo, que, durante cerca de um quarto de hora, denotaram alguma dificuldade em assentar o jogo. Por volta dos trinta minutos, a partida entraria numa toada mais lenta e de maior equilíbrio, sem predomínio claro de nenhum dos contendores.

Num período de boa eficácia, o U. Tomar teria então a felicidade de marcar – por duas vezes – em momentos capitais do desafio, o que lhe proporcionaria uma grande tranquilidade, quase até ao termo do encontro: o tento inaugural surgiria pouco depois dos 40 minutos, à beira do intervalo, na sequência de um livre, com um oportuno desvio de cabeça, de belo efeito, de Allan Santos, a anichar a bola no fundo da baliza, sem hipóteses para o guardião contrário; depois, à passagem dos dez minutos da segunda metade, seria a vez de João Pedro Nascimento, com um bom remate, ampliar a contagem, e, praticamente, definir o desfecho da eliminatória.

Não obstante, a turma do Idanhense, embora já sem a confiança anteriormente revelada, não abdicaria de procurar inverter o rumo dos acontecimentos, voltando a pressionar com insistência junto da baliza unionista, criando alguns lances de perigo, com o guardião Nuno Ribeiro e o capitão Nuno Rodrigues com atentas intervenções, fundamentais para salvaguardar a vantagem.

Após uma fase em que os visitados pareciam começar a estar já “conformados” com a sua sorte, tendo entretanto o U. Tomar voltado a dispor de alguns lances de contra-ataque, em que poderia ter “arrumado” com o jogo, a equipa da Idanha chegaria enfim ao golo, num lance de muito boa execução, num remate de meia distância, em arco, ao canto superior da baliza, sem hipóteses para o guarda-redes. Faltavam então já menos de cinco minutos para o final do tempo regulamentar, mas, somando o período de compensação, foram cerca de dez minutos de algum sofrimento e tensão para as hostes tomarenses, que poderiam ter sofrido o golo do empate, como, paralelamente, tiveram ainda nova soberana ocasião para marcar o terceiro tento.

Todavia, o marcador acabaria por não se alterar e, no final, jogadores, corpo técnico, dirigentes e adeptos unionistas extravasaram a alegria da vitória e do apuramento, importante não apenas em termos desportivos, mas também a nível financeiro: aos 3.000 euros de prémio de participação na prova, o clube soma agora 4.000 euros de prémio de qualificação para a 2.ª eliminatória (fase que não atingia desde a já distante temporada de 2000-01).

Confirmação – Com os clubes do Distrito com uma missão de grau acrescido de dificuldade, devido ao facto de, todos eles, terem actuado como visitantes, o Torres Novas (3.º classificado do Distrital) seria batido (0-2) pelo vice-campeão da Associação de Leiria, G. R. Amigos da Paz (que, na época finda, se quedou somente um ponto atrás do Campeão distrital, Peniche).

Surpresas – Menos expectáveis seriam as derrotas do Mação, e, sobretudo, do Fátima. De facto, os maçaenses, campeões distritais em título, promovidos ao Campeonato de Portugal – escalão no qual, depois de uma estreia vitoriosa, registam uma série negativa, de três desaires sucessivos, ocupando lugar (14.º) na zona perigosa da tabela – visitaram Condeixa-a-Nova, onde encontraram o vice-campeão distrital da Associação de Coimbra, que fazia a sua estreia em competição na presente temporada, vindo a ser desfeiteados por tangencial marca de 2-3.

Pior fez o Fátima, muito aquém das expectativas, tendo sido derrotado em Oleiros por 0-2, perante um adversário que milita na mesma série do Campeonato de Portugal e que, até à data, ainda não havia vencido nas quatro partidas anteriormente disputadas (tendo como melhor resultado um único empate), ocupando a posição de “lanterna vermelha” da prova. Conforme referido, os fatimenses, tal como os torrejanos, acabaram por ser bafejados com a repescagem.

Antevisão – Ainda antes do arranque da I Divisão Distrital, foi agendada, para esta quarta-feira, a disputa da Supertaça do Ribatejo, entre o Campeão, Mação, e o vencedor da Taça, U. Tomar.

No que respeita ao campeonato – que terá a sua ronda inaugural neste fim-de-semana –, antevê-se intensamente disputado, numa competição “muito aberta”, perfilando-se como formações com maiores ambições ao título as do Cartaxo (reforçada com o melhor marcador, Wemerson Silva) e do U. Almeirim, a par, porventura, dos despromovidos do Nacional, Coruchense (que, aliás, foi o Campeão nas suas duas últimas participações) e a “incógnita”, Alcanenense; talvez numa segunda linha, mas visando também intrometer-se em tal disputa, surgirão as equipas do U. Tomar e Samora Correia – isto sem esquecer outros nomes históricos do futebol distrital, como Torres Novas, Fazendense, Amiense, At. Ouriense ou o recém-promovido U. Santarém.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 13 de Setembro de 2018)

16 Setembro, 2018 at 11:00 am Deixe um comentário

Artigos Mais Antigos


Autor – Contacto

Destaques

Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Novembro 2018
S T Q Q S S D
« Out    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.