Posts filed under ‘Tomar’

O Pulsar do Campeonato – 14ª Jornada

o pulsar do campeonato - 2018-19 - 14jornada

(“O Templário”, 17.01.2019)

Com “choques de titãs” a sucederem-se a cada jornada, e múltiplas cambiantes entre o quarteto da frente, o desfecho da presente edição do campeonato distrital afigura-se imprevisível. Sairá vencedor o Coruchense que, de imediato, recuperou o comando, por via de uma goleada? Impor-se-á o U. Almeirim, que, nas duas jornadas já disputadas no ano de 2019, goleou dois líderes? No final, acabará o U. Santarém por voltar a superiorizar-se sobre a “linha de meta”, como sucedeu no termo da primeira volta? Será o Amiense capaz de protagonizar nova senda de invencibilidade, que o catapulte novamente para o topo? E o Cartaxo, poderá ainda “renascer”?

Destaques – O primeiro destaque da ronda de abertura da segunda volta vai, de novo, para o U. Almeirim, que depois de ter triunfado categoricamente em Coruche, goleou também o Amiense, por 4-1. Um registo tanto mais assinalável quanto a turma de Amiais de Baixo – que não perdia há 14 jogos (onze no campeonato e três na Taça) – tinha consentido, em toda a primeira metade da prova, somente seis tentos, continuando, aliás, a ter a defesa menos batida. Os almeirinenses ascenderam à 2.ª posição, a par do U. Santarém, um único ponto abaixo da formação do Sorraia.

No Cartaxo, num empolgante desafio, o U. Santarém chegou a dispor de vantagem de 3-0, o que teria constituído um golpe fatal nas aspirações dos cartaxeiros, ao mesmo tempo que poderia ter alimentado a confiança dos escalabitanos, que, desse modo, se teriam isolado na frente; não obstante, os “donos da casa” revelariam ainda uma notável capacidade de reacção, acabando por alcançar a igualdade a três bolas, conseguindo assim “ressuscitar” para o campeonato, pese embora se tenham voltado a atrasar ligeiramente, agora a sete pontos do guia.

Confirmações – Nos restantes quatro jogos – o Torres Novas-Glória foi adiado, devido a trabalhos no Estádio Dr. Alves Vieira, de preparação para jogo internacional da selecção feminina –, confirmaram-se as expectativas, seja no caso dos empates entre At.Ouriense-Fazendense e Marinhais-Samora Correia, como nos triunfos de Coruchense e U. Tomar.

O agora novamente líder, Coruchense, que vinha de dois desaires sucessivos, “desforrou-se” no Ferreira do Zêzere, aplicando uma expressiva goleada, por 6-0 – como que a querer afirmar bem alto: “contem connosco” –, aproveitando também alguma fragilidade que vem sendo denotada pelos ferreirenses, sofrendo sexta derrota em oito partidas disputadas na condição de visitante.

Em Ourém, At. Ouriense e Fazendense, tranquilamente instalados na primeira metade da tabela, reeditaram o que tem constituído, de certa forma, um “resultado padrão” nesta época, empatando a uma bola – foi a quinta igualdade dos visitados e sexta dos forasteiros em 14 jornadas do campeonato, quinta consecutiva dos homens das Fazendas de Almeirim (incluindo o jogo da Taça), que ostentam agora o ciclo mais longo de invencibilidade (seis jornadas).

Ainda não foi desta que o Marinhais se estreou a vencer na presente edição da prova, registando sétimo empate, não conseguindo desfazer o nulo no marcador, na recepção ao Samora Correia, mantendo-se em zona delicada da pauta classificativa, em igualdade pontual com o Alcanenense, apenas à frente do “lanterna vermelha”, Torres Novas (com um jogo em atraso).

O U. Tomar, notoriamente mais capacitado que o seu adversário, tendo assumido desde o começo a iniciativa do jogo, voltou a experimentar dificuldades para inaugurar o marcador frente a uma bastante inexperiente formação do Alcanenense, tendo acabado por superiorizar-se, com naturalidade, com dois golos apontados já no segundo tempo, repetindo o 2-0 da passada semana. Com as duas vitórias averbadas nas duas jornadas realizadas em 2019, atingiu os 20 pontos, um importante patamar de tranquilidade, mantendo-se somente a três pontos do “candidato” Cartaxo (e, paralelamente, do 5.º lugar). Por curiosidade, na época passada, por esta altura, os unionistas estavam a 8 pontos do líder, sendo actualmente a distância de 10 pontos.

II Divisão Distrital – Com mais uma goleada (5-0 no Sardoal), somando a 12.ª vitória em outras tantas partidas, o Abrantes e Benfica garantiu já, matematicamente – ainda com seis rondas por disputar –, o apuramento para a fase final, de disputa do título de Campeão e da promoção. Também o Pego deu passo determinante para tal, ganhando ao Riachense por 3-1, dispondo agora de onze pontos de vantagem sobre o 4.º classificado. A terceira vaga mantém-se em aberto, com forte concorrência (Riachense, Ortiga, U. Tomar “B”, U. Atalaiense, Caxarias e Tramagal estão separados por oito pontos, quando subsistem em disputa 18 pontos).

A Sul, o Moçarriense obteve também importante vitória, por 3-0, sobre o Forense, ampliando para oito pontos a vantagem em relação ao 4.º classificado. Tal como o guia, Rio Maior, parece bem encaminhado, com a vaga restante em disputa entre Forense, Pontével e Benavente.

Campeonato de Portugal – O Fátima reagiu positivamente ao desaire caseiro da jornada anterior, concluindo a primeira volta com um bom triunfo, em Alcains, por 2-0, o que lhe proporcionou subir a um posto a meio da tabela (9.º lugar), com oito pontos de vantagem em relação à “linha de água”. Por seu lado, o Mação continua a perder (0-2, na recepção ao Sintrense), na sétima derrota em casa em nove jogos, onde não fez melhor que dois empates; mantém, assim, a “lanterna vermelha” (a par do Alcains), já a dez pontos da “salvação”, no que se vai começando a parecer cada vez mais uma “missão impossível”.

Antevisão – Sem pausas para “respirar” na disputa entre os primeiros, a próxima jornada tem mais um desafio de grande cartel, colocando frente a frente os candidatos U. Santarém e Coruchense; enquanto o U. Almeirim terá uma saída difícil a Ferreira do Zêzere. Por seu lado, o Amiense recebe o At. Ouriense, com a expectativa de ver como reagirá ao desaire sofrido.

Outros encontros de interesse serão o Glória do Ribatejo-Cartaxo, com os cartaxeiros sem margem de erro, assim como o Samora Correia-U. Tomar. Em Alcanena, defrontam-se os dois últimos classificados, com o Alcanenense a receber o Torres Novas, dois históricos do Distrito.

Na II Divisão, subsiste a curiosidade de saber se o Abrantes e Benfica conseguirá vencer todos os jogos da prova, enfrentando o que será o adversário com maior potencial, o vice-líder, Pego. A Sul, as eventuais aspirações do Pontével serão colocadas à prova na recepção ao Rio Maior.

No Campeonato de Portugal, a abrir a segunda volta, o Fátima terá a visita do Santa Iria, dispondo de boa oportunidade para se distanciar da zona perigosa, enquanto o Mação recebe o Alverca, esperando poder repetir o triunfo da ronda inaugural, estreando-se a vencer em casa.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 17 de Janeiro de 2019)

Anúncios

20 Janeiro, 2019 at 12:00 pm Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – 13ª Jornada

o pulsar do campeonato - 2018-19 - 13jornada

(“O Templário”, 10.01.2019)

Os resultados da derradeira ronda da primeira volta da prova provocaram um reagrupamento no topo da classificação, com os quatro primeiros agora separados por apenas dois pontos, uma situação de extremo equilíbrio que não se registava já há quatro épocas. Tal como então (por via dos Empregados do Comércio), também agora a liderança é pertença de clubes do município de Santarém: U. Santarém (que, sobre a “linha de meta”, se alcandorou a tal posição) e Amiense.

Destaques – O grande realce vai para a notável vitória do U. Almeirim no reduto do anterior guia, Coruchense, por categórica marca de 3-0. Vindo de um ciclo de dois desaires caseiros, intercalados pela eliminação da Taça, os almeirinenses reagiram da melhor forma, aplicando ao seu adversário idêntica “receita”: também a turma do Sorraia sofre segunda derrota sucessiva, depois de ter perdido em Amiais de Baixo, cedendo assim a liderança, que ostentou durante toda a primeira metade do campeonato (chegou a ter cinco pontos de avanço, até há apenas três jornadas!), tendo baixado mesmo ao 3.º posto, um único ponto acima da equipa de Almeirim.

Noutro jogo de grande cartaz, disputado nas Fazendas de Almeirim, Fazendense e Amiense não desfizeram o nulo inicial, mantendo assim as respectivas séries de invencibilidade: no caso dos visitados, foi o sétimo desafio sem perder; já o conjunto liderado por Jorge Peralta segue há 14 encontros (incluindo na Taça) sem ser batido! Conforme referido, tal proporcionou à formação de Amiais de Baixo continuar a partilhar o comando, agora com o grupo da capital do Distrito.

Surpresa – Não se poderá afirmar que tenha sido uma grande surpresa o facto de um emblema que ainda não venceu na competição (Marinhais) não ter conseguido derrotar o Alcanenense, saldando-se o embate por uma igualdade a um golo. Não obstante, atendendo à trajectória da equipa de Alcanena (tendo acumulado oito derrotas nas dez jornadas precedentes), antevia-se que esta seria uma boa oportunidade para os visitados se estrearem a vencer, o que acabou por não se concretizar, mantendo-se ambos em posição muito periclitante na tabela.

Confirmações – Nas restantes partidas imperou a lógica, com os favoritos a confirmar os seus superiores argumentos potenciais.

Começando pelo novo comandante, U. Santarém, não foi sem dificuldades que acabou por arrancar o triunfo em Torres Novas (2-1, com o tento da vitória obtido já na última fase do jogo), num encontro em que se cruzaram os dois extremos da classificação; com um dos piores desempenhos de sempre do seu rico historial, os torrejanos concluem a metade inicial do campeonato num impensável último lugar, ainda sem ter conseguido vencer uma única vez!

No Cartaxo, os donos da casa superiorizaram-se ao Ferreira do Zêzere, vencendo por 2-0, reduzindo para seis pontos a distância face aos líderes. De forma porventura já algo inesperada, o anunciado candidato ao título parece reentrar na luta por tal objectivo, uma candidatura que será objecto de confirmação já no próximo fim-de-semana.

Em Ourém, o At. Ouriense, que vinha de uma sensacional vitória em Almeirim, prosseguiu a senda de bons resultados, ganhando, mesmo que por tangencial 3-2, ao Samora Correia, partilhando a 5.ª posição com os cartaxeiros, também a seis pontos dos líderes.

O União de Tomar conseguiu, enfim, quebrar o enguiço, voltando aos triunfos no campeonato, após uma “travessia no deserto” de sete jornadas (nas quais somou cinco empates). Recebendo a turma da Glória do Ribatejo, começou por denotar alguma ansiedade em chegar rapidamente ao golo – com um intenso caudal atacante, mas alguma precipitação no momento da finalização –, o que só viria a suceder já na segunda metade do desafio, vindo a chegar ainda, com naturalidade, ao tento da tranquilidade.

Um resultado positivo, com impacto bem relevante: não só possibilitou a subida ao 8.º lugar (a cinco pontos do 5.º), como ampliou para onze pontos a margem em relação à “linha de água”, conferindo plena confiança para encarar a segunda metade da época de forma mais ambiciosa, começando já pela próxima ronda, em que terá boa oportunidade de somar novo triunfo.

II Divisão Distrital – Abrantes e Benfica, a Norte, mantendo o pleno de vitórias (11, após o 2-0 na recepção ao Tramagal) e Rio Maior, a Sul (triunfo por 3-1 ante o Espinheirense) – já com vantagens significativas, respectivamente de 15 pontos e 8 pontos, em relação ao 4.º classificado de cada uma das séries correspondentes – encaminham-se para a fase final de disputa do título de Campeão. O mesmo se poderá aplicar também ao Pego (2.º da série Norte, com oito pontos de avanço sobre o Ortiga), vencedor em Tomar, frente ao U. Tomar “B”, por 2-1.

Campeonato de Portugal – Depois de o Fátima, em jogo antecipado, ter perdido em casa com o Oliveira do Hospital (0-2), também o Mação foi desfeiteado, goleado nas Caldas por 3-0. Mais uma ronda negativa para as equipas do Distrito, a suscitar cada vez mais fortes motivos de preocupação, perante a ameaça de despromoção: os maçaenses voltaram à condição de “lanterna vermelha” (a par do Alcains), a sete pontos da “linha de água”; quanto aos fatimenses, ocupam actualmente o 10.º lugar, ainda cinco pontos acima de tal linha. Porém, os sinais que vêm sendo transmitidos não são nada tranquilizadores, antecipando-se “nuvens sombrias” no horizonte.

Antevisão – No arranque da segunda volta, a I Divisão Distrital apresenta um cartaz de grande aliciante, com destaque para os embates entre Cartaxo e U. Santarém e U. Almeirim e Amiense (envolvendo, novamente, quatro dos cinco primeiros classificados), em que se poderá começar a definir algo mais a nível do que se antevê venha a ser uma acesa disputa pelo título, até final.

Uma jornada em que o Coruchense – caso cumpra a sua parte, de vencer uma bem organizada equipa do Ferreira do Zêzere – poderá colher alguns “dividendos”. Na parte mais baixa da pauta classificativa, o Torres Novas-Glória do Ribatejo poderá ser crucial para uma esperada recuperação torrejana. Em Tomar, o União, recebendo o Alcanenense, pensará certamente em rectificar a má estreia no campeonato, na partida disputada em Alcanena.

No escalão secundário, realce para o confronto entre o Pego e Riachense, em que uma eventual vitória dos pegachos lhes proporcionará praticamente a garantia de apuramento para a fase final. A Sul, as atenções estarão centradas no Moçarriense-Forense.

No Campeonato de Portugal, na última ronda da primeira volta, o Fátima desloca-se a Alcains, podendo aproveitar para pontuar, enquanto o Mação recebe o Sintrense, clube ainda de olhos postos nos lugares de topo da tabela (actual 4.º classificado, a quatro pontos dos líderes).

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 10 de Janeiro de 2019)

13 Janeiro, 2019 at 12:00 pm Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – Taça do Ribatejo – 1/8 de final

O pulsar do campeonato - 2018-19 - TRibatejo-1-8final

(“O Templário”, 27.12.2018)

Pela sexta vez nas últimas dez temporadas, o União de Tomar garantiu o apuramento para os quartos-de-final da Taça do Ribatejo, registo apenas superado pelo Amiense (com sete presenças em tal fase da competição, durante esse período). Numa ronda (1/8 de final) marcada por quatro igualdades a um golo (nos oito desafios disputados), é de assinalar ainda a eliminação do U. Almeirim, menos eficaz no desempate da marca de grande penalidade, permitindo ao Marinhais seguir em frente na prova.

Destaques – No encontro de maior cartaz dos 1/8 de final, o U. Tomar afastou o Fazendense, clube com o palmarés mais recheado de entre todas as formações do Distrito, sendo recordista de títulos na competição, com quatro troféus conquistados (três dos quais na última década).

Numa partida em que o equilíbrio foi nota dominante, tendo rareado as oportunidades de golo, o grupo das Fazendas de Almeirim começaria por chegar à vantagem no marcador logo aos cinco minutos, na sequência de um pontapé de canto, o que, nos minutos seguintes, provocou algum abalo de confiança dos unionistas, tendo experimentado, no decurso do primeiro tempo, dificuldades na construção de lances que pudessem levar perigo até junto da área contrária.

Na metade complementar, os tomarenses, assentando o seu jogo, foram persistindo, não abdicando nunca de procurar chegar ao empate, o que viriam a conseguir por volta da passagem da hora de tempo decorrido, numa boa combinação, a que João Pedro Nascimento deu a melhor sequência. Até final, a assinalar apenas mais uma boa ocasião para os donos da casa, já à entrada dos derradeiros dez minutos, mas sem eficácia na concretização, tendo subsistido o 1-1 no marcador até ao termo do tempo regulamentar (noventa minutos, sem prolongamento).

No desempate da marca de grande penalidade, o Fazendense falhou primeiro, com um remate ao poste, tendo, de seguida, os tomarenses permitido também a defesa do guardião contrário. Já depois de nova tentativa desperdiçada por parte dos homens das Fazendas, a explosão de júbilo dos unionistas surgiria com a defesa do seu jovem guarda-redes, Mahal Miranda, a deter o quinto remate do adversário, o que, com o marcador em 3-2, dispensou, desde logo, o que seria o último pontapé dos visitados.

Para além das surpresas desta ronda, de seguida referenciadas, realce igualmente para o bom desempenho evidenciado pelo Pego, vice-líder da série A da II Divisão, que impôs também um empate a uma bola, na recepção ao U. Santarém – que tem ocupado idêntica posição na tabela classificativa, mas no principal escalão –, vindo a baquear apenas no desempate da marca de grande penalidade, impedido o culminar do que teria sido o desfecho teoricamente mais imprevisto da eliminatória.

Surpresas – Nos outros dois jogos que se saldaram por empates (1-1), a principal surpresa foi a eliminação do U. Almeirim, que, pela segunda vez nesta época não conseguiu vencer em Marinhais (depois da igualdade ali registada, pela mesma marca, em encontro do campeonato), tendo os almeirinenses acabado por vir a ser desfeiteados por via da já referida fórmula de desempate.

Em Pontével, a equipa da casa alcançou o mesmo desfecho ante o Rio Maior, vindo a ser bem-sucedida da marca de grande penalidade, constituindo, a par do Abrantes e Benfica, o duo de sobreviventes na Taça, de entre os clubes da divisão secundária.

Confirmações – Nos restantes desafios, os favoritos impuseram a sua lei, vencendo com maior ou menor dificuldade.

Os dois líderes da I Divisão, Amiense e Coruchense, bateram dois adversários do escalão inferior, respectivamente, o Moçarriense (2-0, em Amiais de Baixo) e a equipa sensação da fase de grupos da Taça do Ribatejo (que afastara o Cartaxo), o Espinheirense (3-0, no Espinheiro, a favor do grupo do Sorraia).

Por seu lado, o Ferreira do Zêzere eliminou, por tangencial 1-0, o Riachense, clube também com fortes pergaminhos na competição (conta três troféus no seu palmarés).

Quanto ao líder da II Divisão, Abrantes e Benfica, voltou a ganhar, em duas semanas sucessivas, ante um mesmo opositor, tendo, desta feita, repetido a goleada, no reduto do Aldeiense: depois dos 8-1 registados na passada semana, no encontro a contar para o campeonato, venceu agora por 4-0, no confronto da Taça.

Para além da sétima presença do Amiense, e sexta do U. Tomar, nos quartos-de-final da Taça do Ribatejo, nas dez últimas edições da prova, o Coruchense obteve o seu 5.º apuramento, o U. Santarém passa a registar agora quatro, face a três do Ferreira do Zêzere e dois do Abrantes e Benfica; Marinhais e Pontével estreiam-se nesta fase da competição, no referido período.

A próxima eliminatória, agendada para 27 de Janeiro de 2019, terá o seguinte alinhamento de jogos: o encontro entre estes dois “estreantes”, Marinhais-Pontével; o “derby” municipal da capital do Distrito, U. Santarém-Amiense; o Coruchense-U. Tomar, outra vez com os nabantinos em embate do maior grau de dificuldade; e Abrantes e Benfica-Ferreira do Zêzere.

Campeonato de Portugal – Aproveitando a folga no calendário do Campeonato de Portugal, para disputa dos 1/8 de final da Taça de Portugal, o Fátima antecipou o desafio da próxima jornada (16.ª, agendada para 6 de Janeiro), tendo sido desfeiteado, no seu terreno, pelo Oliveira do Hospital (0-2), mantendo a 10.ª posição, não tendo conseguido afastar-se da “linha de água”.

Antevisão – Os campeonatos (Distritais e de Portugal) apenas terão a retoma do respectivo curso normal das jornadas já no novo ano.

Entretanto, estão agendados para o próximo fim-de-semana alguns encontros para acerto de calendário, que haviam sido adiados devido ao mau tempo: na I Divisão Distrital, o U. Almeirim-At. Ouriense (da 8.ª jornada), que poderá, em caso de triunfo dos almeirinenses, deixá-los somente a um escasso ponto do duo da liderança – a outra partida que estava em atraso, entre Glória do Ribatejo e Alcanenense, realizou-se no passado domingo, com triunfo categórico dos donos da casa, por 3-0, “afundando” ainda mais a formação de Alcanena; no escalão secundário, teremos o Salvaterrense-Espinheirense e Benavente-Rio Maior (7.ª jornada).

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 27 de Dezembro de 2018)

29 Dezembro, 2018 at 12:00 pm Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – 12ª Jornada

O pulsar do campeonato - 2018-19 - 12jornada

(“O Templário”, 20.12.2018)

Começam a faltar adjectivos para qualificar a fantástica campanha que o Amiense, sob a direcção técnica de Jorge Peralta, vem realizando na presente temporada, tendo alcançado o sexto triunfo sucessivo, o que lhe proporcionou ascender à liderança (partilhada) do Distrital da I Divisão, precisamente a par do oponente que derrotou. A formação de Amiais de Baixo alia tal desempenho colectivo ao de defesa menos batida (apenas seis golos sofridos, em doze jogos), e, ainda, ao facto de dispor de dois dos actuais melhores marcadores (Moleiro e Cristiano).

Destaques – No “tira-teimas”, entre Amiense e o anterior guia isolado, Coruchense, os visitados levaram a melhor (1-0), impondo à turma do Sorraia o primeiro desaire nesta época, igualando assim o adversário no comando, isto quando se atinge já a viragem do ano, confirmando que, aos (quatro) candidatos assumidos, haverá que somar mais um sério pretendente…

Numa jornada repleta de aliciantes embates, o grupo de Amiais de Baixo beneficiou ainda dos deslizes de U. Santarém e U. Almeirim. De facto, os almeirinenses – que tinham em curso um ciclo de seis vitórias nos últimos sete jogos disputados (tendo empatado o desafio restante) –, recebendo nesta 12.ª ronda a visita do Cartaxo, acabariam por ser surpreendidos, perdendo por 0-1, não tendo, pois, conseguido tirado benefício do confronto entre Amiense e Coruchense. Os cartaxeiros parecem estar já afastados do título (reduziram, entretanto, o atraso face aos líderes para oito pontos), mas não deixarão de ter um papel fortemente interventivo na definição dos primeiros lugares, uma vez que dispõem de potencial para “bater o pé” a qualquer opositor.

Quanto ao U. Santarém, não conseguiu desfazer o nulo na recepção ao U. Tomar, ficando muito distante do desfecho averbado no confronto entre os dois velhos rivais a contar para a Taça do Ribatejo. Num jogo com a metade inicial muito animada, seriam até os nabantinos a dispor das primeiras oportunidades para marcar, sendo de anotar que também Nuno Ribeiro protagonizou grande exibição na defesa da sua baliza, impedindo que os escalabitanos chegassem ao golo; a divisão de pontos ajusta-se ao que ambas as equipas apresentaram em campo, num encontro que faria maior jus ao labor de ambos os grupos caso o “placard” tivesse ficado “colorido”.

Foi o quinto empate dos tomarenses nas sete últimas jornadas, nas quais não conseguiram triunfar, o que penaliza deveras a sua posição na pauta classificativa, partilhando agora o 9.º posto com o Ferreira do Zêzere, somente a dois pontos do 7.º lugar, mas já a cinco do 5.º e 6.º.

Realce ainda para o triunfo averbado pelo At. Ouriense em Alcanena, agudizando ainda mais a crise de resultados do conjunto Alcanenense (sem vencer há onze jogos), que terá de melhorar bastante o seu rendimento se almeja libertar-se da zona perigosa da classificação.

Surpresa – A demonstrar à sagacidade que “não há dois jogos iguais”, tivemos mais um cabal exemplo no Glória do Ribatejo-Marinhais. Depois de, entre clubes do escalão secundário, termos tido, em semanas sucessivas, dois jogos entre Abrantes e Benfica e Riachense, pese embora, em ambos os casos, com triunfos dos abrantinos, primeiro por 7-0 (para a Taça), e, depois, por tangencial 1-0 (em Riachos), a formação da Glória do Ribatejo teve agora o ensejo de se “desforrar” da goleada sofrida ante o Marinhais no desafio da Taça (0-6), derrotando o seu rival (2-1), no “derby” do município de Salvaterra de Magos, voltando enfim aos triunfos, de que se encontrava arredada desde a jornada inaugural, o que lhe possibilitou, para já, transpor a “linha de água”, abaixo da qual caiu o Alcanenense (para além de Torres Novas e Marinhais).

Confirmações – Em Samora Correia, com os donos da casa a receberem o Fazendense, assistiu-se também a uma partida de grande interesse, entre dois conjuntos equilibrados, a qual se saldou por uma igualdade a três bolas, num encontro de toada de “parada e resposta”, sem que nenhum dos contendores se tivesse deixado conformar com a evolução do marcador.

Por fim, o Ferreira do Zêzere voltou às vitórias, por convincente marca de 4-2, ante uma equipa do Torres Novas que, não obstante a mudança de treinador, não conseguiu, no imediato, inverter a tendência de resultados negativos, com este clube histórico do futebol distrital a atingir a 12.ª jornada sem ter conseguido ainda estrear-se a vencer (tal como o Marinhais), partilhando assim com o grupo do sul do Distrito a indesejada posição de “lanterna vermelha” do campeonato.

II Divisão Distrital – Agora com o calendário em dia, o Abrantes e Benfica prossegue o seu percurso perfeito, com dez triunfos em outras tantas jornadas, somando o pleno de trinta pontos, depois de ter obtido mais uma retumbante goleada (8-1) no terreno do Aldeiense. Na série mais a Norte, menção ainda à vitória (1-0) do Riachense no Tramagal, retomando o 3.º lugar, beneficiando do empate (1-1) cedido pela equipa “B” do U. Tomar no Sardoal. O mesmo desfecho foi averbado pelo Pego na recepção ao Caxarias, o que não impede os pegachos de manterem, de forma destacada (cinco pontos de vantagem), a 2.ª posição.

A Sul, o Forense, pese embora não tenha conseguido também melhor que a igualdade (3-3) no “derby” com o Salvaterrense, ascendeu (à condição) à liderança, com um ponto a mais que Rio Maior (ainda com um jogo em atraso) e Moçarriense, tendo beneficiado precisamente da derrota (1-2) caseira da turma da Moçarria perante os riomaiorenses.

Campeonato de Portugal – Numa jornada positiva, o Fátima voltou a “respirar melhor”, ao vencer, em Loures, por 1-0, ampliando a sua margem de segurança, agora de seis pontos, precisamente sobre aquele opositor, actualmente a primeira equipa abaixo da “linha de água”. Quanto ao Mação, ainda não foi desta que se estreou a vencer em casa, não tendo ido além do empate (2-2) frente à formação de Santa Iria. Em função de sanção administrativa aplicada ao Alverca, os maçaenses “trespassaram” a “lanterna vermelha”, mas continuam com um importante atraso (sete pontos) em relação à zona de manutenção. Será ainda possível sonhar?

Antevisão – Os campeonatos distritais têm nova pausa, estando a disputa da derradeira ronda da primeira volta agendada apenas para o primeiro fim-de-semana de 2019, dando lugar à entrada em cena da Taça do Ribatejo, para disputa dos 1/8 de final, com jogos agendados para Sábado.

O desafio de maior cartaz será o U. Tomar-Fazendense, um “jogo de tripla”, para além do outro encontro entre equipas do principal escalão: Marinhais-U. Almeirim. Regista-se ainda a curiosidade de nova “repetição” de jogos do Abrantes e Benfica em semanas sucessivas, voltando a cruzar-se com o Aldeiense. De interesse serão também o Pego-U. Santarém e Ferreira do Zêzere-Riachense, assim como o “derby” municipal entre Amiense e Moçarriense.

O Campeonato de Portugal será também retomado já no novo ano, dando lugar, neste fim-de-semana, à disputa da eliminatória correspondente aos 1/8 de final da Taça de Portugal.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 20 de Dezembro de 2018)

22 Dezembro, 2018 at 12:00 pm Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – 11ª Jornada

O pulsar do campeonato - 2018-19 - 11jornada

(“O Templário”, 13.12.2018)

Permita-se-me começar hoje com um breve intróito pessoal, assinalando mais um “número redondo”: desta feita, as 200 edições deste “Pulsar do Campeonato”, desde o artigo inaugural desta contínua série, publicado em “O Templário” a 8 de Novembro de 2012, já lá vão seis anos.

A nível da I Divisão Distrital, quem “soma e segue” é o Amiense, que, com o seu quinto triunfo consecutivo, estabeleceu um novo “record” no presente campeonato, tendo aproveitado para se aproximar ainda mais da liderança, agora somente a três pontos.

Destaques – O primeiro destaque vai, não obstante, para o embate de maior cartaz da 11.ª jornada, que colocava frente-a-frente o comandante, Coruchense – que, por seu lado, tinha também em curso uma série de quatro vitórias sucessivas, tendo, paralelamente, vencido todos os cinco desafios até então disputados em terreno alheio –, ao auto-anunciado candidato ao título, Cartaxo, o qual se saldou por uma igualdade a um golo, no que terá constituído a derradeira oportunidade dos cartaxeiros poderem reentrar na disputa do 1.º lugar, de que, por agora, quando nos aproximamos já do final da primeira metade da competição, estão a distantes (e virtualmente inacessíveis) 11 pontos.

E isto, porque, não é apenas a turma do Sorraia que continua “demasiado longe”: também o Amiense (vencedor, por 2-1, na recepção ao Samora Correia) e U. Santarém, com o triunfo averbado ao “cair do pano”, em Marinhais, mercê de um solitário tento, continuam na peugada do líder, ambos com oito pontos a mais que o Cartaxo (apenas 6.º classificado).

Numa ronda que oferecia alguns perigos iminentes para os grupos da frente, também o U. Almeirim – igualmente com um trajecto quase irrepreensível, tendo ganho seis dos últimos sete jogos realizados – se saiu bem, com uma tão difícil quão preciosa vitória (2-1) em Torres Novas, que lhe proporciona poder aspirar a colar-se ao guia, caso vença também a partida que tem ainda em atraso, da 8.ª jornada, na qual lhe cabe receber a visita do At. Ouriense.

Por fim, de realçar ainda o empolgante desafio protagonizado por União de Tomar e Ferreira do Zêzere, com o desfecho final a fixar-se num empate a três bolas, depois de se ter chegado ao final de uma frenética primeira parte já com cinco tentos apontados. A qualidade do futebol praticado poderá não ter sido a melhor, com algumas falhas a assinalar de parte a parte, mas a emoção e incerteza no marcador final foram marca saliente, assim como a intensidade de jogo na primeira metade do encontro.

Os ferreirenses entraram praticamente a ganhar, com o golo inaugural marcado logo aos quatro minutos; não obstante, com uma excelente resposta – em que se destaca a propensão goleadora do novo reforço unionista, Rafael Santana, autor dos três tentos da sua equipa – o União, não só operaria a reviravolta no marcador, como, inclusivamente, chegaria a vantagem de 3-1, em apenas cerca de meia hora. Já a findar o primeiro tempo, o Ferreira do Zêzere reduziria para 2-3, reentrando na discussão do resultado. Na etapa complementar, os tomarenses procuraram controlar o jogo, segurando a vantagem e espreitando a possibilidade de desferir o golpe final. Porém, e já depois de Nuno Ribeiro ter defendido uma grande penalidade, os ferreirenses acabariam mesmo por restabelecer o empate, a menos de dez minutos do final da partida.

Surpresas – Com as formações do fundo da tabela a ter de “fazer pela vida”, procurando somar pontos, em ordem a poderem ainda libertar-se da ameaça de despromoção, assinalam-se duas surpresas, correspondendo a outras tantas igualdades alcançadas em reduto alheio – numa ronda com um total de quatro empates –, perante adversários mais capacitados.

Por um lado, o Alcanenense, na deslocação às Fazendas de Almeirim, chegou mesmo a dispor de vantagem no marcador, tendo acabado por ceder a igualdade a dois golos ao Fazendense.

Mais surpreendente ainda terá sido o empate (1-1), registado pelo grupo da Glória do Ribatejo em Ourém, ante um At. Ouriense a atravessar período menos positivo (obteve uma única vitória nos cinco últimos jogos), porventura ainda algo afectado pela goleada sofrida em Santarém.

Em qualquer caso, e pese embora os positivos sinais de inconformismo revelados, foi magro o pecúlio angariado pelos visitantes, mantendo-se o quarteto da cauda da tabela com um atraso entre cinco e sete pontos em relação ao 10.º classificado (Ferreira do Zêzere).

II Divisão Distrital – A Norte, a principal nota de realce vai para a goleada (4-0) do Riachense no terreno do Aldeiense, como que querendo dar “prova de vida”, após a mudança no comando técnico, ficando (a par do Ortiga, derrotado em Abrantes) a um ponto do 3.º lugar, ocupado, de forma sensacional – quando está já concluída a primeira volta da prova – pela equipa “B” do União de Tomar, vencedora de um velho clássico do futebol distrital, no Tramagal (1-0).

Abrantes e Benfica (que soma triunfos em todos os oito jogos já finalizados) e Pego começam a ter já praticamente “à vista” o apuramento para a fase final, de apuramento de Campeão.

A Sul, com o Rio Maior a folgar, Moçarriense (com vitória caseira, por 2-0, ante o Espinheirense) e Forense (ganhando por 1-0 em Benavente) aproveitaram para se destacar na frente da prova (tendo ainda os riomaiorenses um jogo em atraso). O Pontével (goleando por 3-0 em Salvaterra de Magos) mantém ainda aspirações a poder chegar aos três primeiros.

Campeonato de Portugal – Após mais uma jornada, subsistem os motivos de preocupação: o Fátima, batido em casa pelo B. C. Branco (1-2), depois de ter começado por marcar, baixou ao 10.º lugar, e, pior, viu reduzir-se para curta margem de três pontos a diferença que o separa da “linha de água”; por seu lado, o Mação, que, finalmente, se reencontrou com as vitórias, tendo ido ganhar à Sertã, também por 2-1, mantém a última posição, agora a sete pontos de tal linha.

Antevisão – No principal escalão do futebol distrital, teremos outro aliciante “tira-teimas”, com uma “embalada” equipa do Amiense a receber o guia, Coruchense, podendo, em caso de vitória da turma de Amiais de Baixo, igualar o seu oponente no comando da pauta classificativa. Mas o calendário reservou-nos uma jornada repleta de interesse, com diversos outros “pratos cheios”: U. Almeirim-Cartaxo ou U. Santarém-U. Tomar serão apenas dois dos principais exemplos.

Na II Divisão Distrital, destacam-se o Tramagal-Riachense e o Moçarriense-Rio Maior.

No Campeonato de Portugal, já a completar a sua primeira volta, o Fátima desloca-se a Loures (último clube acima da “linha de água”), cabendo ao Mação receber o Santa Iria (imediatamente abaixo daquela linha, pese embora com o mesmo número de pontos do emblema de Loures).

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 13 de Dezembro de 2018)

16 Dezembro, 2018 at 12:00 pm Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – 10ª Jornada

O pulsar do campeonato - 2018-19 - 10jornada

(“O Templário”, 06.12.2018)

Lino Freitas tornou-se, no passado Domingo, o treinador com mais jogos de sempre ao serviço do União de Tomar enquanto treinador da equipa senior, somando um total de 207 jogos, desde a época de 2012-13 (tendo superado a marca de Eduardo Fortes, com 206 jogos, entre 2006-07 e 2011-12). Neste período, o U. Tomar é o clube que obteve mais pontos nas várias edições do campeonato da I Divisão Distrital, registando igualmente o maior número de vitórias e de golos marcados, devendo notar-se que apenas Fazendense e Amiense são também “totalistas” em presenças no principal escalão do futebol distrital, nestas últimas sete temporadas. Em termos de média pontual, a equipa tomarense apenas foi suplantada por Fátima, Coruchense, Mação e Riachense, clubes que – a par do At. Ouriense – conquistaram os títulos de Campeão Distrital em disputa.

Destaques – O grande destaque da 10.ª ronda vai para o brilhante desempenho que o Amiense vem exibindo, tendo ampliado para seis o número de jogos em que mantém a sua baliza inviolada, após mais um notável triunfo (1-0) averbado no Cartaxo, o quarto sucessivo, continuando a partilhar a vice-liderança com o U. Santarém. Ao invés, os cartaxeiros, agora já a distantes onze pontos do guia, parecem cada vez mais arredados das suas pretensões ao título.

Por seu lado, o Coruchense prossegue também a sua marcha triunfal (regista sete vitórias nos últimos oito desafios, as últimas quatro também consecutivas), sem vacilar na liderança, mantendo um avanço de cinco pontos para os mais directos perseguidores (seis para o U. Almeirim, que, não obstante, tem ainda um jogo em atraso). Nesta jornada, começou até por ser surpreendido pelo Torres Novas, que se colocou em vantagem, mas a turma do Sorraia acabaria por conseguir operar a reviravolta no marcador, já na fase final da partida, vencendo por 2-1.

Merece também realce a vitória do Samora Correia em Alcanena (1-0), empurrando ainda mais a formação do Alcanenense para a zona delicada da tabela, integrando o quarteto da cauda da classificação, já a cinco pontos do concorrente que imediatamente o precede, o Ferreira do Zêzere, fazendo “tocar a rebate”, perante a séria ameaça de segunda despromoção sucessiva.

Surpresas – Assinalam-se duas “meias-surpresas”: por um lado, a expressão dos números (5-1) do triunfo do U. Santarém sobre o At. Ouriense, a fazer com que o grupo de Ourém tenha entretanto perdido o contacto com o pelotão da frente; por outro, a igualdade (2-2) imposta pelo Marinhais na visita a Ferreira do Zêzere, no que constitui já o quarto empate registado em cinco jogos em terreno alheio, com o conjunto do Sul do Distrito a mostrar o seu inconformismo.

Confirmações – As duas equipas do município de Almeirim confirmaram o seu favoritismo, vencendo as respectivas partidas: o Fazendense foi ganhar (2-1) à Glória do Ribatejo, mantendo a 5.ª posição, enquanto os visitados continuam na indesejada condição de “lanterna vermelha”; quanto ao U. Almeirim, recebendo o U. Tomar, triunfou por 3-1, uma vez mais com os nabantinos a oferecer boa réplica, tendo reduzido para a desvantagem mínima de 1-2, antes de sofrer o tento que sentenciou o desfecho do encontro – os almeirinenses poderão potencialmente, em caso de triunfo na recepção ao At. Ouriense, em jogo de acerto de calendário a disputar apenas no final do ano, reduzir para três pontos a diferença para o líder.

II Divisão Distrital – A Norte, o principal destaque vai para mais uma bela exibição da equipa “B” do União de Tomar, a “desforrar-se” do resultado da jornada anterior, goleando o Aldeiense por 6-1, estando agora somente a dois pontos do 3.º posto, ocupado pelo Ortiga, derrotado (0-1), no seu reduto, pelo Pego, com os pegachos a parecer serem os únicos que poderão oferecer alguma resistência ao comandante, Abrantes e Benfica. Os abrantinos, depois do 7-0 para a Taça, bisaram a vitória sobre o Riachense, desta feita em Riachos, por tangencial 1-0.

A Sul, os visitados ganharam: Rio Maior, por 3-0, frente ao Salvaterrense; Forense, por 4-1, ante os Empregados do Comércio; e Pontével, por 5-3, face ao Benavente. Tendo o Moçarriense folgado, a liderança é agora tripartida, entre o conjunto da Moçarria, Rio Maior e Forense.

Campeonato de Portugal – Na 13.ª ronda, cruzavam-se os destinos dos dois representantes do Distrito, com o Fátima a ir vencer a Mação, por 2-1, recuperando assim algum “oxigénio” para poder voltar a respirar melhor, agora com uma margem de segurança de seis pontos em relação à “linha de água”; ao invés, os maçaenses, cada vez mais submergidos no último lugar, parecem começar a ter traçado o caminho de regresso ao Distrital: com os nove pontos que registam já de atraso face a tal linha, sem ganhar há doze jornadas (nas quais foram derrotados por dez vezes), uma hipotética possibilidade de salvação pouco mais será que uma quimera.

Antevisão – Na I Divisão Distrital, o jogo grande da próxima ronda será o Cartaxo-Coruchense, em que os visitantes “queimam os últimos cartuchos”: qualquer resultado que não seja a vitória, deverá traduzir o abdicar da já algo remota esperança em poder chegar ainda ao lugar de topo no presente campeonato. Por seu lado, se for o grupo do Sorraia a não conseguir também vencer, poderá eventualmente ver reduzida a sua vantagem no comando da prova.

Não obstante, U. Santarém, com deslocação agendada a Marinhais, e U. Almeirim, que visita Torres Novas, não deverão encontrar facilidades para levar de vencida os respectivos adversários, os quais se apresentam extremamente carenciados de pontos. Mais provável se afigura a possibilidade de vitória do Amiense, na recepção ao Samora Correia.

Em Tomar, teremos como que um “derby”, com o União a receber o Ferreira do Zêzere – num embate, que, curiosamente, coloca frente-a-frente os dois técnicos que lideraram o clube nas últimas treze épocas –, esperando-se que os unionistas possam retomar os resultados positivos.

No escalão secundário, em que se atinge já o termo da primeira volta desta primeira fase do campeonato, a Norte, o Abrantes e Benfica recebe a turma da Ortiga, enquanto o U. Tomar “B” reedita um velho clássico do futebol distrital, deslocando-se ao Tramagal. A Sul, o Moçarriense recebe a “equipa sensação” da Taça, Espinheirense, visitando o Forense o reduto do Benavente; o outro guia, Rio Maior, terá mais um dia de folga.

Por fim, no Campeonato de Portugal, as perspectivas continuam a ser de dificuldades para os clubes do Distrito: efectivamente, o Fátima terá a visita do B. C. Branco, actual 3.º classificado; quanto ao Mação terá uma curta mas complexa saída, até à Sertã, para defrontar o Sertanense.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 6 de Dezembro de 2018)

9 Dezembro, 2018 at 12:00 pm Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – Taça do Ribatejo – 3ª Jornada

O pulsar do campeonato - 2018-19 - TRibatejo - 3jornada

(“O Templário”, 29.11.2018)

Concluiu-se, com a realização da 3.ª jornada da fase de grupos, a primeira etapa da Taça do Ribatejo, tendo sido qualificados para os 1/8 de final oito clubes da I Divisão Distrital e outros tantos do escalão secundário. A grande sensação foi o apuramento do Espinheirense, em detrimento do Cartaxo, equipa que, tendo assumido, desde início, a candidatura ao título no campeonato – ambição de que, por agora, surge distanciada (regista já oito pontos de atraso em relação ao líder) –, se vê também prematura e inesperadamente afastada da Taça.

Destaques – Numa série em que tudo estava já decidido a nível dos apurados para a fase seguinte, começa por destacar-se as robustas goleadas registadas, quer no desafio que definia o vencedor da série, entre Abrantes e Benfica e Riachense, com os abrantinos a derrotar um histórico do futebol distrital por 7-0 (resultado que, aliás, se verificava já ao intervalo!), quer na partida entre Torres Novas e Sardoal, na qual os torrejanos, vencendo por 9-0 (desfecho todavia “inconsequente”), saciaram a “fome” de golos que os vem assolando ao longo desta temporada.

A par da qualificação de abrantinos e riachenses, em prejuízo do Torres Novas (desfeiteado por ambos estes conjuntos que militam na II Divisão), destaca-se também o apuramento do Moçarriense, que, no confronto directo com o primodivisionário Samora Correia, conseguiu alcançar o empate (2-2) de que necessitava para seguir em frente, assim afastando os samorenses da competição.

Por outro lado, na única série que era composta por quatro clubes do principal escalão, realce também para os desempenhos de Ferreira do Zêzere, goleando por categórica marca de 4-0 em Alcanena, e do Amiense, que continua em “maré cheia”, vencedor face ao At. Ouriense (jogo disputado em Boleiros) por 3-2, assim garantindo os ferreirenses e a turma de Amiais de Baixo a continuidade na prova.

Os restantes clubes da divisão secundária apurados – para além dos anteriormente mencionados e do caso “especial” do Espinheirense – obtiveram a qualificação perante adversários do mesmo escalão: Pego e Aldeiense (que afastaram Caxarias e U. Atalaiense, com o empate averbado pelo Aldeiense em Caxarias, por 1-1, a ser determinante) e Rio Maior e Pontével (superando Empregados do Comércio, batidos em Rio Maior por inequívocos 3-0, e Forense).

Surpresas – À margem dos feitos já acima referidos, a grande (enorme!) surpresa desta ronda foi protagonizada pelo Espinheirense que, defrontando, em terreno alheio, a poderosa formação do Cartaxo, não se deixou “intimidar”, começando mesmo por se colocar em vantagem, para – depois de os cartaxeiros terem operado a reviravolta no marcador, chegando mesmo aos 3-1 – revelar ainda uma fantástica capacidade de reacção, repondo, nos minutos finais a igualdade (3-3), o que implicou a decisão da equipa apurada por via dos pontapés da marca de grande penalidade, fórmula de desempate na qual a turma do município de Alcanena levaria a melhor.

Confirmações – As equipas do U. Santarém (vencendo no Tramagal por 1-0) e do U. Tomar, batendo o Ortiga por expressivos 4-1 – com os unionistas a dar excelente resposta ao susto por que passaram, quando, depois de se terem visto em inferioridade numérica a findar o primeiro tempo, sofreram o tento do empate logo a abrir a segunda metade, tendo jogado todo esse período, até final da partida, com um jogador a menos – confirmaram o favoritismo que lhes era atribuído, avançando para a fase seguinte da prova.

O mesmo sucedeu em encontros em que não estava já em causa a disputa do apuramento, no Fazendense-Marinhais (2-0) – ambos qualificados – e no Salvaterrense-Coruchense (0-4).

Garantiram ainda o apuramento para os 1/8 de final o U. Almeirim (que folgou, dada a desistência do Barrosense), assim como a turma do Sorraia, líder do campeonato principal.

Desde que o modelo de fase de grupos foi adoptado na Taça do Ribatejo, na época de 2008-09, subsiste um trio de clubes “totalistas”, os quais se apuraram para os 1/8 de final em todas as onze edições da prova desde então disputadas: U. Tomar, Amiense e Fazendense – sendo que o Mação apenas “falhou” na presente temporada, dado não ter disputado a competição.

Campeonato de Portugal – O Fátima aproveitou a “folga” no calendário do Campeonato de Portugal para disputar o jogo que tinha em atraso da ronda inaugural da competição, tendo perdido em Santa Iria por 1-2, vendo assim reduzir-se a margem de que dispõe sobre a “linha de água” a escassos três pontos, o que, em paralelo, colocou o Mação já a oito pontos de tal linha.

Antevisão – Na retoma dos campeonatos distritais, os desafios de maior cartaz na I Divisão são o U. Almeirim-U. Tomar, com os tomarenses a enfrentar mais um teste de elevado nível de dificuldade, e, também com especial curiosidade, o Cartaxo-Amiense, em que, caso o grupo de Amiais de Baixo consiga dar continuidade ao notável desempenho que vem evidenciando, tal poderá traduzir como que o “abdicar” das pretensões dos cartaxeiros.

Noutro patamar, o Alcanenense-Samora Correia poderá também, em caso de resultado desfavorável à equipa visitada, fazer “tocar a rebate”, perante o que constituiria uma séria ameaça a uma eventual segunda despromoção sucessiva do conjunto de Alcanena.

No Coruchense-Torres Novas poderá aquilatar-se se os torrejanos conseguirão transpor para o campeonato a verve goleadora agora descoberta na Taça, num embate no qual, não obstante, atendendo à evolução das duas equipas nesta época, o líder se perfila como lógico favorito.

Na II Divisão, a Norte, haverá oportunidade para uma espécie de “tira-teimas”, com Riachense e Abrantes e Benfica a repetirem o encontro do passado fim-de-semana, mas agora em Riachos, no qual os homens da casa procurarão rectificar a má imagem deixada na última ronda da Taça.

Outros jogos de interesse serão o Ortiga-Pego, entre dois candidatos a um lugar na fase final, assim como o U. Tomar “B”-Aldeiense e o Caxarias-Tramagal. A Sul, com o guia (Moçarriense) e a equipa sensação da Taça (Espinheirense) ambos de “folga”, realce para o Pontével-Benavente.

No Campeonato de Portugal, chegou o dia de os dois clubes representantes do Distrito se encontrarem, com o Mação a receber a visita do Fátima, num confronto com tendência teoricamente de equilíbrio, possivelmente a pender algo mais para o lado dos fatimenses.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 29 de Novembro de 2018)

2 Dezembro, 2018 at 12:00 pm Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – 9ª Jornada

O pulsar do campeonato - 2018-19 - 9jornada

(“O Templário”, 22.11.2018)

Reafirmando as suas credenciais de candidato, somando o quinto triunfo em outros tantos jogos disputados em terreno alheio, o Coruchense beneficiou ainda de deslizes dos seus mais directos concorrentes (derrota do U. Santarém e empates do U. Almeirim e Cartaxo) para se distanciar na liderança, dispondo agora de uma vantagem de cinco pontos sobre o par que reparte o 2.º posto, formado pelo sensacional Amiense e pelo U. Santarém, com almeirinenses e cartaxeiros (não obstante ambos com um jogo em atraso) já a seis e a nove pontos, respectivamente.

Destaques – A primeira nota de realce vai, necessariamente, para a vitória averbada pela formação do Sorraia na deslocação a Tomar, por tangencial 3-2, o que, em paralelo, atesta a boa réplica oferecida pelo União, mantendo a incerteza quanto ao desfecho da partida praticamente até final: a cinco minutos do termo do desafio, os nabantinos, então em desvantagem por 1-2, procuravam com insistência o golo do empate, vindo contudo a sofrer o decisivo terceiro tento; assim, o segundo golo dos “rubro-negros” acabaria por chegar já demasiado tarde…

Depois de uma fase menos positiva, de três jogos sem vencer, o Fazendense voltou aos bons resultados, batendo o U. Santarém por 3-1, no que poderá ter sido um encontro determinante para o futuro de ambos os emblemas para o que resta deste campeonato; pese embora esteja apenas disputado o primeiro terço da prova, o facto de os escalabitanos – que consentiram neste desafio tantos golos como os que haviam sofrido nas oito rondas iniciais – terem descolado da liderança poderá eventualmente vir a ter reflexos relevantes em relação às suas ambições; quanto ao conjunto das Fazendas, solidifica as suas pretensões, pelo menos, a uma posição entre os cinco primeiros da classificação.

Merece também particular destaque o Amiense, pela excelente campanha que vem realizando, impondo-se por 2-0 na recepção ao Alcanenense, o que, para já, lhe proporcionou ascender à vice-liderança (partilhada com o U. Santarém), apresentando agora a defesa menos batida do campeonato (somente cinco golos sofridos, mantendo a sua baliza inviolada há cinco jogos) – tendo também, por curiosidade, o actual melhor marcador, Moleiro, com sete golos. Um desempenho colectivo em que é bem notória a “mão” do seu responsável técnico, Jorge Peralta.

Surpresas – Registam-se duas “surpresas”, as quais, não obstante, se poderiam já, de alguma forma, entrever, dado que o perigo estava à espreita para as equipas mais credenciadas: os empates concedidos por Cartaxo (0-0, em Torres Novas) e, principalmente, do U. Almeirim (1-1, em Marinhais), assim vendo interrompido um notável ciclo de quatro vitórias consecutivas.

No que respeita aos torrejanos, confirmam a sua relativa solidez defensiva (para além do Amiense, só o U. Santarém e o U. Almeirim têm menos golos sofridos), a par da absoluta incapacidade que vêm denotando para marcar (averbam, até agora, um único tento, em 13 jogos disputados na presente temporada!). Quanto ao Marinhais, conseguiu evitar a derrota caseira pela primeira vez, à quinta tentativa, confirmando a recuperação que vem procurando encetar.

Confirmações – Por seu lado, eram previsíveis os triunfos caseiros do Samora Correia (3-0) sobre o Glória do Ribatejo – agora “lanterna vermelha” isolado, mantendo uma média de praticamente três golos sofridos por jogo –, e, porventura em menor escala, do At. Ouriense (3-1) na recepção ao Ferreira do Zêzere, num embate em que imperou o factor casa (com os ferreirenses a denotar dificuldades na condição de visitante, na qual somaram quarto desaire).

Em função dos resultados desta 9.ª ronda (em especial o triunfo do Samora Correia), começa a cavar-se um fosso na parte baixa da tabela, já com quatro pontos a separar o 10.º classificado, Ferreira do Zêzere, dos clubes posicionados imediatamente abaixo, Alcanenense e Torres Novas, que, com Marinhais e Glória do Ribatejo, integram o quarteto em situação “aflitiva”.

II Divisão Distrital – A Norte, o Abrantes e Benfica prossegue o seu “passeio”, somando mais uma goleada (quinta, em seis jogos concluídos), desta feita por 5-0, ante a equipa “B” do União de Tomar, que tão boa conta vem dando nesta sua estreia absoluta. De notar também o desaire sofrido pelo Riachense no terreno da Ortiga, perdendo por tangencial 0-1, vendo o seu oponente isolar-se no 3.º lugar. Tramagal e Pego (ambos com goleadas de 4-0) não tiveram dificuldades para suplantar, respectivamente, U. Atalaiense e Sardoal, afirmando as suas aspirações.

A Sul, apenas um jogo chegou ao fim, com o Pontével a aplicar também “chapa 4” na Ribeira de Santarém, perante uns irreconhecíveis Empregados do Comércio. As partidas de Salvaterra (1-0, ante o Espinheirense) e Benavente (0-2, com o Rio Maior) foram ambas interrompidas ao intervalo, com as condições climatéricas, outra vez, a deixar as suas marcas…

Campeonato de Portugal – Na 12.ª jornada, dois empates dos clubes do Distrito, que, em condições normais seriam resultados positivos (1-1 em Fátima, na recepção ao líder, Vilafranquense; 2-2 no Oliveira do Hospital-Mação), mas que, nas circunstâncias actuais, não permitem afastar os motivos de preocupação: os fatimenses viram encurtar-se para quatro pontos a sua margem de segurança em relação à “linha de água”, enquanto os maçaenses parecem dela cada vez mais afastados, mantendo o atraso de sete pontos… e o último lugar.

Antevisão – À margem de alguns encontros para acerto de calendário, agendados para meio da semana, os campeonatos distritais terão nova pausa no próximo fim-de-semana, para disputa da terceira e derradeira ronda da fase de grupos da Taça do Ribatejo.

Estando ainda metade das vagas de qualificação para os 1/8 de final em aberto, destacam-se nomeadamente os seguintes confrontos, de cariz decisivo: At. Ouriense-Amiense e Alcanenense-Ferreira do Zêzere (série 2) e Tramagal-U. Santarém e U. Tomar-Ortiga (série 3), em ambas as séries com apenas dois lugares disponíveis para quatro candidatos – para evitar ficar dependentes de terceiros, os nabantinos deverão vencer, caso em que garantem o apuramento; Rio Maior-Empregados do Comércio, Moçarriense-Samora Correia e Cartaxo-Espinheirense, em que apenas um clube de cada um destes pares poderá alcançar a qualificação.

Com o Campeonato de Portugal igualmente em suspenso, para dar lugar aos 1/16 de final da Taça de Portugal, Fátima e Mação terão direito a dia de “folga”.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 22 de Novembro de 2018)

25 Novembro, 2018 at 12:00 pm Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – 8ª Jornada

(“O Templário”, 15.11.2018)

A forte intempérie que se fez sentir no passado Domingo impediu a realização de vários jogos – resultando numa jornada incompleta, o que vem “baralhar” as contas e forçar a “horas extraordinárias”, provavelmente a meio da semana –, tendo sido adiados o Cartaxo-U. Tomar e o U. Almeirim-At. Ouriense, da I Divisão Distrital, enquanto o Glória do Ribatejo-Alcanenense foi interrompido aos 20 minutos. Igualmente, no escalão secundário, o Caxarias-Abrantes e Benfica foi também suspenso ao intervalo, na altura com vantagem dos abrantinos por 1-0; por seu lado, o Pontével-Forense não se disputou, neste caso devido a falta de policiamento…

Destaques – O principal destaque da 8.ª ronda vai para a vitória (2-1) do Ferreira do Zêzere na recepção ao Fazendense (segundo desaire sucessivo da turma das Fazendas, que não vence há três jogos), confirmando a boa recuperação dos ferreirenses (que somaram o terceiro triunfo nas últimas quatro jornadas), o que lhes possibilitou ascender já até ao 8.º posto, somente a dois pontos do par que partilha o 6.º lugar, formado precisamente por Fazendense e U. Tomar.

Também o Amiense prossegue a sua muito boa campanha, tendo vencido em Torres Novas, mercê de um solitário tento. A formação de Amiais de Baixo deu, assim, um pulo até à 4.ª posição, a três pontos do vice-líder, U. Santarém. Ao invés, os torrejanos, somando o oitavo encontro ainda sem conseguir ganhar no campeonato – e, pior ainda, ampliando para onze o número de jogos (do total de doze que disputou nesta época) em que ficou em branco –, mantém-se em zona muito delicada da pauta classificativa (antepenúltimo, um único ponto acima do duo que reparte a condição de “lanterna vermelha”, Marinhais e Glória do Ribatejo).

Confirmações – Os dois primeiros classificados, novamente o Coruchense e o U. Santarém – este, à condição, beneficiando do adiamento da partida do U. Almeirim –, que continuam separados por dois pontos, sendo as únicas equipas que subsistem invictas, confirmaram o favoritismo que lhes era atribuído nos desafios que enfrentaram no passado fim-de-semana.

O grupo do Sorraia, com maiores dificuldades do que seria expectável, ganhando por tangencial 2-1 ao Marinhais, turma que vem procurando encetar uma recuperação; por seu lado, os escalabitanos, num jogo assolado por vicissitudes várias, em especial a saída de um elemento de cada equipa, que necessitaram receber assistência médica de emergência, bateram o Samora Correia (que somou a quarta derrota em cinco rondas) por margem mais tranquila, de 2-0.

Em função dos jogos que não foi possível realizar ou completar, a percepção da tabela pontual apresenta-se algo prejudicada, ficando por saber, por ora, se U. Almeirim e Cartaxo conseguirão vencer os respectivos compromissos, de forma a manter a pressão sobre o líder. Assim como, por outro lado, se U. Tomar e At. Ouriense, caso venham a alcançar resultados positivos, se poderão chegar mais à frente, ou, noutro plano, qual a tendência que resultará do Glória do Ribatejo-Alcanenense, em que uma eventual vitória dos donos da casa “afundaria” o conjunto de Alcanena na parte mais baixa da classificação.

II Divisão Distrital – Tendo o encontro em que intervinha o Abrantes e Benfica sido interrompido, o Pego aproveitou, para já, para se aproximar, ao vencer o Tramagal por 1-0, distando, pelo menos de forma provisória, dois pontos do comandante. O grande realce da jornada, a Norte, vai, no entanto, para o excelente triunfo (2-0) da equipa “B” do U. Tomar, na recepção ao Riachense, ocupando os jovens unionistas um meritório 5.º lugar, a dois escassos pontos do clube dos Riachos e da equipa da Ortiga (vencedora no Sardoal, por 2-1).

A Sul, Moçarriense e Rio Maior, ambos com “chapa 3”, foram categóricos vencedores dos confrontos com o Salvaterrense e Empregados do Comércio, respectivamente, ocupando as duas primeiras posições da classificação, com o grupo da Moçarria com três pontos de vantagem (a qual poderá eventualmente vir a ser anulada, dado que os riomaiorenses têm um jogo a menos). Algo surpreendente terá sido a desfeita sofrida pelo Benavente no terreno do Espinheirense, perdendo por 1-2, atrasando-se assim na disputa dos lugares da frente.

Campeonato de Portugal – Na 11.ª ronda da prova, o Fátima chegou a estar em posição vantajosa em Oleiros, mas o desfecho final acabaria por ser a repartição de pontos, na sequência da igualdade a três bolas. Os fatimenses, menos afirmativos do que se ambicionaria, seguem a meio da tabela (partilham a 9.ª posição com o Sertanense e Oliveira do Hospital), com uma margem de cinco pontos em relação à “linha de água”, mas sem poder “repousar”.

Por seu lado, o Mação, derrotado no seu reduto, pelo Loures, por convincente marca de 3-0, terá registado um desaire que poderá vir a revelar-se um desfecho charneira neste campeonato, pela negativa, pelas implicações de que se traduz: os maçaenses não só mantêm a indesejada posição de “lanterna vermelha”, como – para além de terem somado o 10.º jogo consecutivo sem conseguir ganhar – vêem dilatar-se, já para sete pontos, o atraso face ao último concorrente acima da tal “linha”, precisamente o seu opositor do passado fim-de-semana; começa a ser uma “grande montanha” a que terão de escalar para escapar à triste sina da despromoção, que, pese embora ainda com muito campeonato pela frente, se parece ir antecipando…

Antevisão – Na 9.ª jornada da I Divisão, temos à espreita vários embates aliciantes: desde logo, o U. Tomar-Coruchense, com os nabantinos a receber o líder que, até agora, conta por vitórias todos os (4) jogos disputados em terreno alheio; a par do Fazendense-U. Santarém, que poderá revelar forte indício do que poderá esperar-se de ambos os clubes, no que falta do campeonato.

Mas também o U. Almeirim e o Cartaxo, os quais, visitando emblemas muito carenciados de pontos, respectivamente o Marinhais (que, ao invés do conjunto de Coruche, perdeu todos os quatro desafios disputados em casa) e o Torres Novas, poderão eventualmente ver-se confrontados com maiores dificuldades do que se suporia para levar de vencida tais oponentes.

No escalão secundário, o U. Tomar “B” terá um estimulante teste na visita a Abrantes, realçando-se ainda, a Norte, o Ortiga-Riachense, sendo o Pego favorito na deslocação ao Sardoal. Na série a Sul, com o guia, Moçarriense, a folgar, destaca-se o Benavente-Rio Maior.

No Campeonato de Portugal, o Fátima recebe o líder (à condição), Vilafranquense; o Mação vai de viagem até Oliveira do Hospital, em mais um encontro em que não esperará facilidades.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 15 de Novembro de 2018)

18 Novembro, 2018 at 12:00 pm Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – 7ª Jornada

O pulsar do campeonato - 2018-19 - 7jornada

(“O Templário”, 08.11.2018)

Tendo sido atingido o primeiro quarto da competição, será, necessariamente, prematuro estar a fazer projecções definitivas sobre o desenrolar do Campeonato Distrital da I Divisão. Não obstante, a 7.ª jornada, disputada no passado fim-de-semana, pode ter sido reveladora quanto à afirmação dos candidatos ao título, em especial daqueles que se impuseram em reduto alheio, casos do U. Almeirim, Coruchense e Cartaxo.

Destaques – O destaque maior desta ronda vai para o U. Almeirim, autor da maior façanha, ao vencer categoricamente no “derby” almeirinense, nas Fazendas, por 3-0, frente a um Fazendense que vinha, precisamente, de um empate em Coruche (depois de ter já vencido o Cartaxo). Este triunfo – quarto consecutivo, por agora um “record” da prova – possibilitou à turma comandada por Mário Nélson ascender à 2.ª posição, continuando um único ponto abaixo da formação do Sorraia.

Também o Coruchense esteve em evidência, ganhando, pese embora a dificuldade que o marcador (3-2) indicia, em Ourém, perante o At. Ouriense. Tendo cedido já dois empates em casa (com o U. Santarém e Fazendense), onde apenas ganhou ainda uma vez, o emblema do Sorraia vem-se mostrando – à imagem do que o Mação conseguira na época transacta – muito eficaz em terreno adversário, tendo averbado a quarta vitória, em outros tantos desafios na condição de visitante (tendo passado já, por exemplo, por Ferreira do Zêzere e Samora Correia).

Quanto ao Cartaxo, depois de dois deslizes (derrota nas Fazendas de Almeirim e igualdade caseira ante o At. Ouriense), cumpriu, ganhando por 2-0, tendo imposto ao Marinhais o quarto desaire no seu terreno, noutras tantas partidas aí realizadas.

Sem que tal belisque a sua capacidade e firmeza na disputa dos lugares cimeiros, o U. Santarém não conseguiu, desta feita, melhor que o nulo na deslocação a Alcanena, baixando ao 3.º posto, a dois pontos do agora líder isolado, Coruchense.

Confirmações – Numa jornada sem grandes surpresas, porventura o desfecho menos expectável terá sido a igualdade a zero consentida pelo U. Tomar na recepção ao Torres Novas. Mas, se os torrejanos confirmaram a sua extrema dificuldade em marcar, ficando em branco pela 10.ª vez em onze encontros nesta temporada, mostram também que a sua defesa é relativamente segura (apenas U. Santarém, U. Almeirim e Amiense sofreram menos golos até à data).

A equipa tomarense, algo ansiosa por marcar cedo, denotou alguma precipitação nos lances ofensivos, não tendo conseguido superar a barreira contrária, para o que, por curiosidade, viria a dispor da melhor ocasião precisamente no derradeiro lance da contenda. Com apenas seis golos marcados (foi a quarta vez que os unionistas ficaram a zero, num grande contraste com a verve goleadora exibida na época anterior), repetindo o nulo da jornada precedente, com o Amiense, o União – que, noutra perspectiva, somou o quinto jogo sucessivo sem derrota no campeonato – foi, no entanto, ultrapassado, exactamente pelo grupo de Amiais de Baixo.

Pela segunda jornada sucessiva, a equipa da Glória do Ribatejo insiste em procurar mostrar que a sua organização defensiva estará a melhorar, perdendo, outra vez, por marca tangencial – sem prejuízo de ter acumulado o sexto desaire consecutivo –, com o Amiense a ganhar mercê de um solitário golo.

Por fim, em Samora Correia, os donos da casa colocaram termo a um ciclo de quatro desafios sem vencer, tendo batido o Ferreira do Zêzere por 2-1, recuperando algum “fôlego” na tabela, onde Marinhais e Glória repartem agora a “lanterna vermelha”, tendo o Torres Novas imediatamente acima (um ponto) e o Alcanenense a dois pontos.

II Divisão Distrital – A Norte, as goleadas sucedem-se: o Abrantes e Benfica, que soma quinto triunfo em cinco jornadas, goleou a U. Atalaiense por rotunda marca de 8-0, enquanto o Tramagal bateu a frágil equipa do Sardoal por 7-1. Menos expectável seria a amplitude da vitória do Pego (4-0) no terreno do Aldeiense. Com o Ortiga (vencedor do U. Tomar “B” por 1-0) e Riachense (2-1 ao Caxarias), os vencedores da ronda serão os principais candidatos aos três lugares de apuramento para a fase final, de apuramento do Campeão e de promoção.

A Sul, o Moçarriense realizou boa operação, vencendo em Benavente (2-1) e beneficiando do desaire caseiro do Forense (0-2) ante o Rio Maior, ascendendo à liderança isolada.

Campeonato de Portugal – Foi bem negativa a 10.ª jornada para os clubes do Distrito: o Fátima surpreendeu com o desaire (0-1) caseiro ante o Peniche, caindo para o grupo dos 10.º a 12.º classificados (com O. Hospital e Caldas); o Mação ainda começou por dar algum sinal de inconformismo, inaugurando o marcador em Alcains, mas não eviraria a oitava derrota, perdendo por 1-2, afundando-se no último lugar, agora já a quatro pontos da “linha de água” e com a agravante do concorrente imediatamente acima estar já a nove pontos…

Antevisão – Na 8.ª ronda do principal escalão do futebol distrital, merecem realce os confrontos entre Cartaxo e U. Tomar, em que os tomarenses – a iniciar um ciclo de enorme dificuldade, em que defrontarão também o Coruchense e o U. Almeirim – procurarão contrariar o favoritismo dos cartaxeiros; e entre U. Almeirim e At. Ouriense, no qual os almeirinenses terão de continuar a mostrar a sua solidez, sob pena de poderem vir eventualmente a ser surpreendidos.

O U. Santarém não esperará facilidades na recepção ao Samora Correia, sendo, não obstante, expectável o triunfo dos escalabitanos, assim como se prevê a vitória do Coruchense ante o Marinhais. Em Ferreira do Zêzere, o Fazendense terá um forte desafio às suas capacidades.

Na II Divisão Distrital destacam-se os seguintes encontros: Caxarias- Abrantes e Benfica, Pego-Tramagal, U. Tomar “B”-Riachense, Moçarriense-Salvaterrense e Pontével-Forense.

No Campeonato de Portugal, o Fátima desloca-se a Oleiros, para defrontar uma equipa que empreendeu espectacular recuperação (segue com quatro vitórias consecutivas), tendo subido já até ao 7.º lugar, pelo que se afigura difícil a missão dos fatimenses; já o Mação, recebendo o Loures (integra o grupo do 13.º ao 16.º posto), terá mais uma oportunidade de “quebrar o enguiço” e chegar enfim à vitória, de que está arredado desde a ronda inicial.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 8 de Novembro de 2018)

11 Novembro, 2018 at 12:00 pm Deixe um comentário

Artigos Mais Antigos


Autor – Contacto

Destaques

Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Janeiro 2019
S T Q Q S S D
« Dez    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

  • Em 401 confrontos de Roger Federer em torneios do Grand Slam, foi a sua 55.ª derrota... 1 hour ago
  • O "render da guarda"... Grande Tsitsipas! 1 hour ago
  • Federer vai cair para n.º 6 (ou 7) do ranking 1 hour ago

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.