Posts tagged ‘Benfica’

Liga dos Campeões – 6ª Jornada – Maccabi Haifa – Benfica

Maccabi Haifa – Joshua Cohen, Yosef Raz Meir (63m – Omer Atzili), Abdoulaye Seck, Sean Goldberg, Pierre Cornud (85m – Sun Menachem), Mohammad Abu Fani, Neta Lavi, Ali Mohamed (77m – Ofri Arad), Din David (63m – Mavis Tchibota), Tjaronn Chery e Frantzdy Pierrot (77m – Nikita Rukavytsya)

BenficaBenfica – Odysseas Vlachodimos, Alexander Bah, António Silva (88m – Lucas Veríssimo), Nicolás Otamendi, Alejandro “Álex” Grimaldo, Florentino Luís, Fredrik Aursnes (32m – Francisco “Chiquinho” Machado), David Neres (82m – Diogo Gonçalves), Rafael “Rafa” Silva (82m – Henrique Araújo), João Mário e Gonçalo Ramos (32m – Petar Musa)

0-1 – Gonçalo Ramos – 20m
1-1 – Tjaronn Chery (pen.) – 26m
1-2 – Petar Musa – 59m
1-3 – Alejandro “Álex” Grimaldo – 69m
1-4 – Rafael “Rafa” Silva – 73m
1-5 – Henrique Araújo – 88m
1-6 – João Mário – 90m

Cartões amarelos – Mohammad Abu Fani (85m), Sun Menachem (89m) e Omer Atzili (90m); David Neres (45m)

Árbitro – Anthony Taylor (Inglaterra)

Para ser franco as expectativas para este jogo eram singelas: tentar ganhar, esperando por um deslize (pelo menos o empate) do Paris Saint-Germain em Turim.

Sabia-se que o Maccabi tinha derrotado a Juventus e que até tinha começado por estar em vantagem ante a equipa francesa, e que acalentava ainda esperanças de qualificação para a Liga Europa, pelo que, incentivado pelo seus adeptos, não seria um adversário fácil. Isto, conjugado com outros factores, tal como a logística de uma deslocação longa, a par de ter sido batido nas duas anteriores viagens a Israel, alertava para a necessidade de o Benfica estar ao seu melhor nível.

Depois de um primeiro susto sofrido logo aos cinco minutos, a equipa portuguesa demonstraria boa atitude, procurando assenhorear-se da bola, vindo a inaugurar o marcador aos 20 minutos (num bom cabeceamento de Gonçalo Ramos), já depois de, cerca dos 10 minutos, ter rematado ao poste da baliza contrária.

Porém, tal como sucedera frente à Juventus, seria de muito curta duração essa vantagem, com o Maccabi, um pouco contra a “corrente”, a empatar de pronto, beneficiando de uma grande penalidade, devido ao facto de a bola ter embatido no braço de Bah.

A formação israelita tinha uma atitude bastante aguerrida e viril, e Roger Shmidt logo se viu impelido a duas substituições, por problemas físicos, de Aursnes e Gonçalo Ramos, estava decorrida apenas meia hora de jogo.

Até final da primeira metade o jogo foi algo incaracterístico, com pouca fluidez e sem claro domínio de qualquer das partes. Ao intervalo, registava-se resultado idêntico nos dois campos: duas igualdades a um golo.

Tudo mudaria na última meia hora da partida, a partir do segundo tento dos encarnados (num notável mergulho de Musa) – numa altura em que, continuando as equipas empatadas em Itália, o Benfica assumia (por escassos minutos) a liderança do grupo.

O terceiro golo, numa soberba execução de um livre directo, por Grimaldo, a fazer a bola sobrevoar a barreira, sentenciou o desfecho do encontro. A turma israelita conformou-se com o seu destino (eliminação das provas europeias), não conseguindo suster o turbilhão gerado pela aceleração de jogo por parte do Benfica.

Só que, entretanto, pouco antes desse terceiro golo benfiquista, o Paris Saint-Germain se recolocara novamente em vantagem frente à Juventus, pelo que voltava a liderar o grupo. Pelo que, faltando jogar 20 minutos, não seria crível que – mantendo uma vantagem de três golos na diferença global de golos – fosse possível vir a perder essa posição, isto, claro, no pressuposto de que mantivesse a condição de vencedor nesse encontro.

Mesmo com o 4-1, somente mais quatro minutos volvidos (com Rafa a “picar” a bola sobre o guardião), a situação não parecia ter-se alterado substancialmente. Faltavam ainda dois golos, e poucos acreditariam numa reviravolta. Até porque não seria do conhecimento geral a globalidade dos critérios de desempate, pelo que se terá porventura pensado que poderiam ser ainda necessários mais três golos para ultrapassar os franceses.

E, de facto, nunca se sentiu uma ansiedade (no sentido de uma pressão negativa) do Benfica por marcar, mantendo a mesma toada de jogo, agora sim, claramente dominadora, mas sem “pressas”, nunca jogando de forma atabalhoada, ou por qualquer tipo de recurso a “chuveirinhos”.

A chama da crença só se acendeu efectivamente quando, a dois minutos do termo do tempo regulamentar o Benfica chegou ao 5-1, por Henrique Araújo (logo depois de Diogo Gonçalves ter rematado ao poste). Aí sim, a equipa sentiu que era determinante marcar mais um golo.

O que viria mesmo a ocorrer – já depois de Vlachodimos trer evitado o que teria sido o 5-2… – num bela conclusão de João Mário (remate de meia distância, colocado e rasteiro), no segundo de três minutos de período de compensação. De imediato, o próprio soltou uma interrogação que ficará na memória: «Dá?» – manifestando a disposição para, se necessário, ir ainda à procura de um golo extra.

Mas, nessa altura, já Roger Schmidt estava perfeitamente conhecedor do 7.º factor de desempate (alínea g) do regulamento), privilegiando a equipa com maior número de golos marcados fora de casa em toda a fase de grupos.

De forma absolutamente inédita, em 30 anos da competição, dois clubes concluíam esta fase rigorosamente igualados: 14 pontos (“record” do Benfica na prova), 4 vitórias e dois empates para cada; empate nos dois jogos entre as duas equipas, em Lisboa e em Paris, e ambos por 1-1; mesma diferença global de golos (9); mesmo número total de golos marcados (16); mesmo número total de golos sofridos (7). O Benfica marcara 9 golos fora de casa, face a apenas 6 do Paris Saint-Germain…

Em Haifa o árbitro dera por findo o jogo, mas, em Turim, ainda se jogariam mais dois a três minutos, com sensações diametralmente opostas: desolada, a equipa francesa acabara de perceber, contra todas as expectativas, que perdera o 1.º lugar do Grupo; em Israel, o Benfica aguardava apenas a confirmação do final dessa outra partida, para, enfim, dar largas a uma explosão de alegria, bem estampada no rosto de todos, técnicos, jogadores e adeptos.

De forma absolutamente meritória, com um final de jogo épico, o Benfica das “grandes noites europeias” sagrava-se, invicto nos seis jogos disputados (acrescendo aos quatro das eliminatórias de qualificação), vencedor de um Grupo que integrava dois “colossos” como o Paris Saint-Germain ou a Juventus!

2 Novembro, 2022 at 10:53 pm Deixe um comentário

Liga dos Campeões – 5ª Jornada – Benfica – Juventus

BenficaBenfica – Odysseas Vlachodimos, Alexander Bah (81m – Gilberto Moraes), António Silva, Nicolás Otamendi, Alejandro “Álex” Grimaldo, Florentino Luís, Enzo Fernández, João Mário (90m – Francisco “Chiquinho” Machado), Fredrik Aursnes, Rafael “Rafa” Silva (87m – Petar Musa) e Gonçalo Ramos (87m – David Neres)

Juventus – Wojciech Szczęsny, Danilo Silva, Leonardo Bonucci (60m – Alex Sandro), Federico Gatti, Juan Cuadrado (60m – Fabio Miretti), Weston McKennie, Manuel Locatelli, Adrien Rabiot, Filip Kostić (70m – Samuel Iling-Junior), Dušan Vlahović (70m – Matías Soulé) e Moise Kean (45m – Arkadiusz Milik)

1-0 – António Silva – 17m
1-1 – Moise Kean – 21m
2-1 – João Mário (pen.) – 28m
3-1 – Rafael “Rafa” Silva – 35m
4-1 – Rafael “Rafa” Silva – 50m
4-2 – Arkadiusz Milik – 77m
4-3 – Weston McKennie – 79m

Cartões amarelos – Enzo Fernández (84m); Danilo Silva (62m)

Árbitro – Srđan Jovanović (Sérvia)

Tal como sucede noutras ocasiões é difícil destrinçar a análise de um jogo face ao seu resultado final. A verdade é que, neste caso em concreto, o desfecho acaba por ser bastante “mentiroso”, não traduzindo de modo nenhum a flagrante superioridade exercida pelo Benfica – pelo menos até aos 75 minutos -, em função do que o “placard” podia muito bem ter atingido números absolutamente históricos.

A golear por 4-1 aos 50 minutos, a contagem final poderia ter sido ampliada, pelo menos, até aos sete golos, sem que tal surpreendesse minimamente quem teve oportunidade de assistir a esta magnífica exibição do Benfica!

Depois, sofrendo dois golos em apenas dois minutos, seria impossível não vacilar – mesmo sabendo que o empate era o bastante para consumar o objectivo do apuramento para os 1/8 de final da “Champions” (e tal até poderia ter acontecido, mesmo a findar a partida…).

Isto na que terá sido, porventura, a melhor exibição de Rafa ao serviço do Benfica, fazendo “gato-sapato” da defesa da Juventus – mas desperdiçando, só à sua conta, pelo menos dois “golos feitos” (teriam sido o 5-1… ou, mais tarde, o 5-3) –, beneficiando da liberdade concedida pelo equilíbrio e solidez que Aursnes proporcionou ao meio-campo encarnado, e potenciando a sua velocidade, que, a dada altura, fez com que parecesse estar “por todo o lado”.

O primeiro quarto de hora do jogo até nem faria suspeitar da aceleração que viria a ter, com as duas equipas como que algo expectantes, não obstante a maior iniciativa benfiquista, com ambas as formações a procurar pressionar alto.

O golo inaugural, na estreia de António Silva a marcar (numa boa antecipação de cabeça), foi o desbloqueador perfeito para uma partida de alta intensidade. Mas não haveria muito tempo para saborear a vantagem, dado que a Juventus restabeleceria a igualdade apenas quatro minutos volvidos.

Pelo que a oportunidade de, sete minutos depois, voltar a posição de superioridade – na conversão de uma grande penalidade – constituiria determinante catalisador dos níveis de confiança e do acreditar que a vitória era bem plausível. A equipa italiana acusou o toque, e o ritmo imposto pelo Benfica fez com que nunca mais conseguisse organizar-se, incapaz de acompanhar e de encontrar antídoto face à alta rotação do adversário.

Começava então o “festival Rafa”, a ampliar a contagem, logo aos 35 minutos, para 3-1, numa excelente execução técnica, com um toque de calcanhar. E, a abrir a segunda metade, sentenciando a qualificação, a alargar ainda mais a vantagem benfiquista, “picando” a bola sobre o categorizado guardião contrário.

Frente a uma equipa desorientada, mesmo “perdida” dentro de campo, o mesmo Rafa, num lance de “baliza aberta”, mas de elevado grau de dificuldade, a receber uma bola que saíra algo alta, tentou, de primeira, fazer um desvio subtil, que, contudo, saiu ligeiramente por alto, gorando-se o que teria sido um fantástico “hat-trick”… e o 5.º golo do Benfica, estavam decorridos 75 minutos.

Aliás, já antes, à passagem da hora de jogo, também Gonçalo Ramos desfrutara de duas boas ocasiões para marcar, uma delas salva por instinto pelo guarda-redes, tendo, no outro caso, a bola saído ligeiramente ao lado.

Quando se pensava que Massimiliano Allegri tinha “entregue os pontos”, conformado com a derrota, fazendo entrar em campo dois “meninos” de 19 anos, Matías Soulé e Samuel Iling-Junior, em especial este último tiraria partido de alguma fadiga de Bah, para criar jogadas de grande perigo, que, num ápice – apenas dois minutos depois do tal desperdício de Rafa -, converteram a goleada num resultado tangencial.

O Benfica precisava de manter a serenidade, procurar recompor-se desse abalo, e preservar a vitória, nos derradeiros dez minutos. Só então Roger Schmidt mexeria na equipa, fazendo entrar de imediato, Gilberto, para procurar estancar a torrente imprimida por Iling-Junior, tendo as restantes substituições tido já mais por objectivo a quebra de ritmo de jogo.

Ainda assim, Federico Gatti ficaria, já em período de compensação, a escassos centímetros de chegar ao que seria um absolutamente incrível 4-4…

Antes disso já Rafa tivera, na sua derradeira acção no jogo, numa rápida transição, o tal “5-3” nos pés, depois de correr com a bola, de área a área, cerca de 70 metros, surgindo isolado frente a Szczęsny, mas, infeliz, rematando de forma excessivamente enquadrada, ao poste. Teria sido o culminar de uma noite brilhante a nível individual, em mais uma das históricas “grandes noites” europeias do Benfica.

Com o apuramento garantido, fica ainda em aberto, para a última jornada, a definição do vencedor do grupo, para o que o Benfica – igualado em pontos, mas com menor diferença de golos – necessitará fazer melhor resultado em Israel do que o que o Paris Saint-Germain fizer na deslocação a Turim (com a Juventus ainda em compita com o Maccabi Haifa pela vaga de consolação na Liga Europa).

25 Outubro, 2022 at 9:52 pm Deixe um comentário

Liga dos Campeões – 4ª Jornada – Paris Saint-Germain – Benfica

Paris Saint-Germain Paris Saint-Germain – Gianluigi Donnarumma, Danilo Pereira, Marcos Corrêa “Marquinhos”, Sergio Ramos, Achraf Hakimi, Vítor Ferreira “Vitinha” (85m – Fabián Ruiz), Marco Verratti, Juan Bernat (85m – Nordi Mukiele), Pablo Sarabia (74m – Hugo Ekitiké), Kylian Mbappé (90m – Carlos Soler) e Neymar Júnior

BenficaBenfica – Odysseas Vlachodimos, Alexander Bah (63m – Gilberto Moraes), António Silva, Nicolás Otamendi, Alejandro “Álex” Grimaldo, Florentino Luís (77m – Diogo Gonçalves), Fredrik Aursnes, Enzo Fernández, João Mário (90m – Francisco “Chiquinho” Machado), Rafael “Rafa” Silva (77m – Julian Draxler) e Gonçalo Ramos (77m – Rodrigo Pinho)

1-0 – Kylian Mbappé (pen.) – 40m
1-1 – João Mário (pen.) – 62m

Cartões amarelos – Nicolás Otamendi (21m), João Mário (43m), Florentino Luís (45m), Enzo Fernández (69m) e Gilberto Moraes (83m); Pablo Sarabia (29m) e Marco Verratti (61m)

Árbitro – Michael Oliver (Inglaterra)

Se a exibição e o resultado já tinham sido positivos em Lisboa, o Benfica reafirmou em Paris o seu estatuto de “grande” europeu, com uma equipa personalizada, a enfrentar o poderoso Paris Saint-Germain “olhos nos olhos”, com capacidade de reacção à adversidade, confiante, não se conformando com a desvantagem.

Privado de Neres, por lesão, o técnico alemão apostou em Aursnes, que teve papel importante de forma a suster – em zonas avançadas do terreno – as investidas adversárias, num encontro bastante mais “táctico” do que o da semana passada, mais fechado e sem grandes oportunidades de golo (do outro lado, também Messi ficou na bancada…).

O jogo começou repartido, tendo o Benfica tido até a primeira finalização, aos 17 minutos, com Rafa a rematar por cima. À passagem da meia hora, Donnarumma, pressionado por Gonçalo Ramos, teve de afastar a bola para fora. Do lado contrário, Vlachodimos apenas seria chamado a intervir aos 34 minutos, a remate fraco de Sarabia.

Porém, poucos minutos volvidos, surgiria o lance que originaria a sanção com “penalty”, de que resultou o tento inaugural da formação francesa: António Silva chegou atrasado para evitar uma incursão de Bernat na área, e o contacto faltoso foi inevitável.

Não parecendo acusar o toque, o Benfica teve nova investida, ainda antes do intervalo, outra vez com Rafa a não dar a melhor sequência. Em paralelo, Mbappé, ameaçador, obrigaria ainda a nova intervenção do guardião benfiquista.

No recomeço, com cinco minutos decorridos, Rafa fez cruzamento largo, para Aursnes, que não conseguiu finalizar da forma pretendida. Logo depois, outra vez Mbappé, a rematar em arco, com a bola quase a rasar o poste.

Contrariamente ao que poderia supor-se, o Benfica não se “escondeu” e passou a ser mais efectivo na saída de bola para o ataque. Aos 55 minutos, Gonçalo Ramos, a centro de João Mário, desviou de cabeça, mas com a bola a sair ao lado da baliza parisiense.

E, pouco depois da hora de jogo, seria Verratti a pisar Rafa, quando esta até inflectia para fora da grande área. Com a assistência do “VAR”, foi validada a grande penalidade, que proporcionaria ao Benfica restabelecer a igualdade, com João Mário a manter excelente grau de acerto.

Já depois de um arranque de Mbappé ter sido bem travado por Florentino, estavam decorridos 65 minutos, Roger Schmidt procurou refrescar a equipa, preparando-a para uma expectável ofensiva final do clube de Paris, mas seria ainda o Benfica a criar perigo, já nos derradeiros dez minutos, com Draxler, com boa iniciativa, mas pouco lesto no remate, a fazer a bola embater contra o corpo de Marquinhos, bloqueando o que poderia ter sido o tento da vitória benfiquista.

Este desfecho, conjugado com o surpreendente desaire da Juventus em Israel, deixa o Benfica a um empate, em casa, na partida frente à “vechia signora”, do apuramento (no pressuposto de que o Maccabi Haifa não vá ganhar a Paris…).

No pior cenário, mesmo em caso de “deslize” que pudesse adiar a decisão para a última ronda, também uma eventual igualdade em Israel poderia chegar, desde que a Juventus não batesse o PSG, ou, mesmo ganhando, salvo se tivesse também vencido na Luz por mais de um golo (se a Juventus triunfar em Lisboa por um golo, teria de, simultaneamente, derrotar os franceses por, pelo menos, três golos…).

11 Outubro, 2022 at 9:54 pm Deixe um comentário

Liga dos Campeões – 3ª Jornada – Benfica – Paris Saint-Germain

BenficaBenfica – Odysseas Vlachodimos, Alexander Bah, António Silva, Nicolás Otamendi, Alejandro “Álex” Grimaldo, Florentino Luís, Enzo Fernández (78m – Fredrik Aursnes), David Neres (90m – Rodrigo Pinho), João Mário, Rafael “Rafa” Silva e Gonçalo Ramos (78m – Julian Draxler)

Paris Saint-Germain Paris Saint-Germain – Gianluigi Donnarumma, Danilo Pereira, Marcos Corrêa “Marquinhos”, Sergio Ramos, Achraf Hakimi, Vítor Ferreira “Vitinha” (87m – Fabián Ruiz), Marco Verratti, Nuno Mendes (66m – Juan Bernat), Lionel Messi (81m – Pablo Sarabia), Kylian Mbappé e Neymar Júnior

0-1 – Lionel Messi – 22m
1-1 – Danilo Pereira (p.b.) – 41m

Cartões amarelos – Enzo Fernández (45m) e Gonçalo Ramos (70m); Fabián Ruiz (90m), Neymar Júnior (90m) e Marco Verratti (90m)

Árbitro – Jesús Gil Manzano (Espanha)

Não se poderá dizer, com plena propriedade, que o Paris Saint-Germain seja um clube “histórico” do futebol europeu; fundado há 52 anos, é apenas o 32.º do ranking global histórico das competições europeias, 20.º do ranking agregado da Liga dos Campeões e Taça dos Campeões Europeus, mas já o 11.º no ranking da Liga dos Campeões (desde a época de 1992-93).

Mas o Paris Saint-Germain está, hoje por hoje, entre os clubes mais “ricos” do Mundo, ombreando a par e par com os maiores colossos, como Real Madrid, Barcelona, Bayern, Liverpool, Chelsea, Manchester United… ou Manchester City.

Dispõe, muito especialmente, de um tridente ofensivo, que reúne três dos melhores jogadores mundiais: Messi, Mbappé e Neymar. Tendo, em paralelo, a curiosidade, de alinhar, no seu “onze” habitual, com três jogadores portugueses, entre eles os jovens Nuno Mendes e Vitinha!

Isto dito, não terá deixado de surpreender a forma personalizada como o Benfica encarou este jogo, mais do que “olhos nos olhos”, com uma intensíssima pressão em zona bastante avançada do terreno – João Mário, Neres, Rafa e Gonçalo Ramos eram os “primeiros defesas”, logo à saída da área contrária –, colocando, desde início, sérios problemas ao adversário.

Ao longo de vinte minutos, o Benfica assumiu a iniciativa do jogo e podia ter marcado, logo aos 8 minutos, por Gonçalo Ramos, a conseguir isolar-se, não fosse Donnarumma ter dado início a uma noite a grande altura, a estirar-se e a defender com o pé esquerdo. A situação como que se repetiria à passagem do quarto de hora, desta feita com maior facilidade para o guardião.

E, de imediato, com Neres, também a surgir frente-a-frente com o italiano, a tentar “picar a bola” (num remate potente, ainda assim), a que o guarda-redes se opôs com soberba intervenção, desviando a bola com uma palmada, com a “ponta dos dedos”.

Até que surgiu o génio de Messi: do “nada” – mas, lá está, depois de uma combinação (de uma fracção de segundo!), que envolveu também Mbappé e Neymar –, tira um “coelho da cartola”, com um remate, em arco, tão subtil quão letal, com a bola muito colocada, sem hipóteses para Vlachodimos.

O Benfica “acusou” o golo e retraiu-se. Sob a batuta de Verrati e Vitinha, a equipa francesa tomou o controlo da bola, instalando-se no meio campo contrário. A oposição era conduzida por um João Mário ao seu melhor nível.

Procurando, sobretudo, jogar nas costas da defesa parisiense, aproveitando um bom nível de recuperação de bolas, num lançamento em profundidade, seria António Silva, no “coração da área”, a poder ter marcado, não fosse a concentração do guardião italiano.

E, como se diz que “a sorte protege os audazes”, o Benfica chegaria mesmo ao empate, num cruzamento de Enzo do lado esquerdo, com a bola a sobrevoar a pequena área, à qual Gonçalo Ramos não conseguiu chegar, mas com Danilo a fazer um desvio infeliz, para as suas próprias redes.

É verdade que, no segundo tempo, houve muito mais PSG, com uma entrada forte desde o recomeço. Neymar remataria aos ferros da baliza, depois de Vlachodimos se opor bem a remate de Hakimi. O mesmo marroquino teria nova tentativa à passagem da hora de jogo, com um forte remate, com boa oposição do “keeper”. O grego teria, já aos 68 minutos, ainda mais uma fantástica defesa face a Mbappé, também num remate em arco, mais em jeito que em força, com o guarda-redes a emular a intervenção de Donnarumma face a Neres.

O meio-campo benfiquista, extenuado à medida que o relógio avançava, vinha denotando grandes dificuldades em suster o “carrocel mágico” e os avançados surgiam muitas vezes em superioridade junto da algo desamparada defesa benfiquista.

A formação francesa acabaria por pagar por alguma sobranceria que demonstrara na primeira metade – confiante de que o golo acabaria por chegar, mais cedo ou mais tarde – e até poderia ter tido maior castigo, se Rafa (beneficiando de esforçada recuperação de bola de João Mário a meio-campo), depois de, em corrida, com bola, se ter desembaraçado de Sergio Ramos e Marquinhos, tivesse conseguido desfeitear Donnarumma, já nos últimos dez minutos do desafio; o guarda-redes defendeu com o peito, Rafa ainda ensaiou a recarga, mas a bola sairia ligeiramente por cima.

Num balanço global, mesmo tendo em consideração o maior domínio adversário, o empate acaba por se justificar – como, aliás, o reconheceram ambos os treinadores –, numa muito boa exibição do Benfica, em mais uma grande noite europeia, frente a um dos mais poderosos conjuntos da Europa. O desfecho podia ter sido idêntico, mas com bastantes mais golos, de parte a parte (um 3-3 não “escandalizaria”), não tivessem os guarda-redes das duas equipas estado em grande evidência.

5 Outubro, 2022 at 9:57 pm Deixe um comentário

Liga dos Campeões – 2ª Jornada – Juventus – Benfica

Juventus – Mattia Perin, Gleison Bremer, Leonardo Bonucci, Danilo Silva, Juan Cuadrado (58m – Mattia De Sciglio), Weston McKennie, Leandro Paredes, Fabio Miretti (58m – Ángel Di María), Filip Kostić (70m – Moise Kean), Arkadiusz Milik (70m – Nicolò Fagioli) e Dušan Vlahović

BenficaBenfica – Odysseas Vlachodimos, Alexander Bah, António Silva, Nicolás Otamendi, Alejandro “Álex” Grimaldo, Florentino Luís, Enzo Fernández (81m – Fredrik Aursnes), David Neres (81m – Francisco “Chiquinho” Machado), João Mário (86m – Julian Draxler), Rafael “Rafa” Silva (86m – Diogo Gonçalves) e Gonçalo Ramos (81m – Petar Musa)

1-0 – Arkadiusz Milik – 4m
1-1 – João Mário (pen.) – 43m
1-2 – David Neres – 55m

Cartões amarelos – Fabio Miretti (42m), Mattia Perin (45m), Danilo Silva (59m) e Leandro Paredes (73m); Alexander Bah (26m), João Mário (45m) e Florentino Luís (85m)

Árbitro – Felix Zwayer (Alemanha)

O Benfica praticamente entrou a perder em Turim, tendo demorado ainda cerca de um quarto de hora a recompor-se, período em que “abanou”, mas viria a reagir de forma muito personalizada, alcançando uma vitória histórica, que poderia ter sido mesmo uma goleada épica.

A Juventus marcou logo aos 4 minutos, na sequência de um livre, com a defesa benfiquista bastante passiva, permitindo a Milik, ao primeiro poste, antecipar-se e rematar de cabeça, para o fundo da baliza.

A pressão italiana manteve-se nos minutos imediatos, com a primeira barreira do Benfica a ser ultrapassada, criando perigo a partir das laterais, podendo mesmo ter sido ampliada a vantagem, apenas cinco minutos volvidos, quando Kostić, liberto de marcação, rematou cruzado, mas ao lado.

Começando a procurar inverter o rumo dos acontecimentos, o primeiro aviso do Benfica surgiria pouco antes da meia hora, quando Gonçalo Ramos, tendo-se libertado já de Bonucci, rematou de cabeça, com a bola a sair à figura de Perin.

A equipa portuguesa, actuando como um todo, bem coordenada – com António Silva e Otamendi excelentes na marcação a Vlahović e a Milik, enquanto, na zona nevrálgica do meio-campo, Florentino e Enzo controlavam o tridente contrário –, tendo conseguido suster as iniciativas da turma de Turim, mantinha a ideia de pressão alta, agora melhor colocada em prática, recuperando a bola, o que proporcionava saídas em rápidas transições. Num desses lances, já próximo dos 40 minutos, Rafa, depois de tabela com João Mário, rematou ao poste.

Até que, praticamente a findar a primeira parte, um “pisão” de Miretti em Gonçalo Ramos, descortinado pelo “VAR”, originou a grande penalidade, de que resultaria o tento da igualdade.

No reinício a Juventus procurou retomar o domínio, tendo Milik estado perto de bisar, não fosse a apertada defesa de Vlachodimos, após a bola ter ainda desviado em João Mário.

A partir daí o Benfica, mantendo a intensidade da pressão e recuperação de bola – com Enzo a pautar os lances de ataque – assenhoreou-se do jogo, chegando, com alguma naturalidade, ao segundo golo, fruto de outra transição rápida, por Neres, numa recarga, após defesa incompleta de Perin a remate de Rafa.

Nessa fase, com o controlo da partida, um perdulário Benfica deixou escapar uma oportunidade histórica de golear a “Vecchia signora”, com pelo menos três ocasiões soberanas de marcar desperdiçadas (Rafa Silva, numa bela jogada do colectivo, e Neres, por duas vezes), salvas “in extremis” pelo guardião contrário.

Já na fase final a Juventus voltaria a ter uma ocasião de perigo, tendo Moise Kean rematado ao poste, estavam jogados 70 minutos; para, quase a terminar, provocar ainda um outro susto, quando Bremer, desmarcado por Di María, surgindo solto, rematou por alto, o que não permitiu que o resultado se traduzisse em injustiça face ao que ambas as formações tinham apresentado em campo.

No balanço geral, uma exibição notável do Benfica, numa grande noite europeia – a partir do momento em que confiou nas suas possibilidades, não se contentando com o empate, indo em busca do que se traduziria numa magnífica vitória –, com domínio em todos os aspectos: posse de bola (54/46%), remates (19-12), remates à baliza (7-3) e cantos (11-4), números esclarecedores da superioridade benfiquista.

14 Setembro, 2022 at 9:55 pm Deixe um comentário

Liga dos Campeões – 1ª Jornada – Benfica – Maccabi Haifa

BenficaBenfica – Odysseas Vlachodimos, Alexander Bah, António Silva, Nicolás Otamendi, Alejandro “Álex” Grimaldo, Florentino Luís, Enzo Fernández, David Neres (65m – Fredrik Aursnes), João Mário (79m – Francisco “Chiquinho” Machado), Rafael “Rafa” Silva (79m – Diogo Gonçalves) e Gonçalo Ramos (45m – Petar Musa)

Maccabi Haifa – Joshua Cohen, Daniel Sundgren, Dylan Batubinsika, Abdoulaye Seck (67m – Suf Podgoreanu) (79m – Sun Menachem), Sean Goldberg, Ali Mohamed (31m – Mohammad Abu Fani), Neta Lavi, Tjaronn Chery, Din David (45m – Omer Atzili), Dolev Haziza e Frantzdy Pierrot (79m – Nikita Rukavytsya)

1-0 – Rafael “Rafa” Silva – 50m
2-0 – Alejandro “Álex” Grimaldo – 54m

Cartões amarelos – Gonçalo Ramos (45m); Neta Lavi (59m) e Abdoulaye Seck (63m)

Árbitro – Andreas Ekberg (Suécia)

Poderá até considerar-se que o resultado foi melhor que a exibição, mas a verdade é que o Benfica cumpriu, com distinção, o que era pretendido para esta ronda inaugural da presente edição da “Champions League”: venceu, com naturalidade, sem especial sobressalto, e mantendo a sua baliza inviolada, um desfecho que, no imediato, lhe confere a liderança do Grupo, pese embora tal seja uma situação ainda de pouco significado, nesta fase prematura.

Mais, o Benfica somou, sob a direcção de Roger Schmidt, a 10.ª vitória consecutiva, em outros tantos desafios disputados neste arranque de temporada, cinco a contar para a I Liga e outros tantos nesta competição europeia.

A formação israelita – considerada a menos cotada, não só do Grupo, mas de entre todos os 32 clubes participantes na fase de grupos – até começou por surpreender, prometendo não se remeter a uma defesa porfiada, de alguma forma perturbando a iniciativa benfiquista, cuja equipa se revelou, na fase inicial, algo presa de movimentos, em regime de baixa intensidade.

O Benfica dominou, claro, durante toda a primeira parte, mas foi um controlo de jogo improfícuo, reduzindo-se a uma oportunidade de golo, por Rafa, à passagem da meia hora.

No recomeço, Roger Schmidt mexeu no “onze”, fazendo entrar Musa para o lugar de Gonçalo Ramos (que vira cartão amarelo a fechar a primeira metade), procurando alterar o posicionamento e atitude da equipa. Mas seria até o Maccabi, logo no minuto inicial, a provocar o único grande calafrio, aproveitando uma falha defensiva, mas com Vlachodimos, atento, a cumprir a sua missão.

Depois, bastaram cinco minutos para selar o triunfo “encarnado”: primeiro, Rafa, muito oportuno, a desviar subtilmente para a baliza, um passe de Grimaldo. O mesmo Grimaldo teria o melhor momento da noite, com um fulminante remate de pé esquerdo, bem fora da área, a fazer anichar a bola nas redes, sem hipóteses para o guardião contrário.

Jogando pelo seguro, com os três pontos “na mão”, o técnico benfiquista fez entrar o estreante Fredrik Aursnes (de início estreara-se também, a defesa central, António Silva, aproveitando a oportunidade suscitada pela lesão de Morato), adoptando uma táctica de maior contenção, fazendo a gestão do resultado e do tempo restante, como que concedendo a iniciativa ao Maccabi – que, contudo, não conseguiria criar efectivo perigo –, procurando beneficiar de situações de transição, podendo ter ampliado a contagem, em especial, mesmo no final da partida, por Enzo Fernández, que rematou ao poste.

Um triunfo seguro e incontestado, mesmo que sem grande exuberância, mas com uma exibição serena, de uma equipa que revelou estar ciente do que deve fazer dentro de campo, respirando confiança.

6 Setembro, 2022 at 9:53 pm Deixe um comentário

Liga dos Campeões – Play-off – Benfica – D. Kyiv

BenficaBenfica – Odysseas Vlachodimos, Gilberto Moraes, Nicolás Otamendi, Felipe Silva “Morato”, Alejandro “Álex” Grimaldo, Florentino Luís (70m – Julian Weigl), Enzo Fernández (90m – Paulo Bernardo), João Mário, David Neres (70m – Diogo Gonçalves), Rafael “Rafa” Silva (70m – Henrique Araújo) e Gonçalo Ramos (52m – Petar Musa)

D. Kyiv – Heorhiy Bushchan, Tomasz Kędziora, Illia Zabarnyi, Oleksandr Syrota, Kostyantyn Vivcharenko (63m – Vladyslav Dubinchak), Oleksandr Karavayev (87m – Oleksandr Tymchyk), Serhiy Sydorchuk, Mykola Shaparenko, Volodymyr Shepelyev (87m – Anton Tsarenko), Vitaliy Buyalskiy (90m – Oleksandr Yatsyk) e Artem Besedin (63m – Vladyslav Vanat)

1-0 – Nicolás Otamendi – 27m
2-0 – Rafael “Rafa” Silva – 40m
3-0 – David Neres – 42m

Cartões amarelos – Petar Musa (85m); Mykola Shaparenko (81m)

Árbitro – Clément Turpin (França)

A eliminatória já vinha muito bem encaminhada de Lodz e rapidamente ficaria decidida, com o Benfica a revelar-se muito superior, face a uma equipa ucraniana cujas fragilidades, já denotadas na 1.ª mão, ficaram agora ainda bem mais expostas, não se encontrando, nesta fase, capacitada para disputar jogos deste nível de exigência.

O Benfica teve, sobretudo, o mérito de não “facilitar”, encarando a partida com grande seriedade, e de forma muito focada, o que lhe proporcionou aproveitar as falhas contrárias, para, num curto intervalo de cerca de um quarto de hora, marcar por três vezes.

Assumindo a iniciativa desde o começo do jogo, a equipa portuguesa remeteu o D. Kyiv para a sua zona defensiva, apenas muito timidamente na expectativa de poder lançar algum contra-ataque rápido.

Nesta perspectiva, o primeiro golo demorou até mais do que seria “normal”, atendendo ao caudal ofensivo da formação benfiquista, tendo Grimaldo rematado ao poste, e David Neres visto negar-lhe um golo por uma intervenção providencial do guardião contrário.

Revelando trabalho de casa, o marcador seria inaugurado na sequência de mais um lance de bola parada, com Neres a cruzar, numa espécie de canto mais curto, surgindo Otamendi “a dizer que sim” à bola, desviando-a para o fundo das redes.

Com o Dinamo muito recuado, um “ingénuo” passe lateral, em “zona proibida”, do defesa Syrota, foi aproveitado da melhor forma por um muito oportuno Rafa. E, apenas dois minutos volvidos, seria Neres a fechar a contagem, por curiosidade, beneficiando de uma situação de desposicionamento da defesa ucraniana.

Com a saída forçada de Gonçalo Ramos, primeiro, devido a um choque com Rafa, que seria também substituído alguns minutos depois, a par de Florentino e Neres, e com o resultado “feito”, a intensidade do jogo diminuiu com naturalidade, ainda que Musa tenha tentado deixar a sua marca, tendo Bushchan feito ainda um par de defesas.

O Benfica volta a passar, com distinção, o “play-off” – desta feita, com inesperadas facilidades, ante adversários menos cotados, ganhando os quatro desafios –, selando o apuramento para a fase final da “Liga dos Campeões”. Pelo caminho ficaram, entre outros, o PSV Eindhoven (também afastado, no ano passado, pelo emblema português), Monaco e Fenerbahçe.

Desde que, a partir da época de 2018-19, passaram a ser apenas duas as vagas de qualificação para os clubes “não campeões” nacionais, o Benfica é “recordista”, com três apuramentos (juntamente com o Ajax, em 2018; o Shakhtar Donetsk, em 2021; e o Rangers, agora); os outros qualificados foram: Brugge e Olympiakos (2019); e Dynamo Kyiv e Krasnodar (2020).

23 Agosto, 2022 at 9:50 pm Deixe um comentário

Liga dos Campeões – Play-off – D. Kyiv – Benfica

D. Kyiv – Heorhiy Bushchan, Tomasz Kędziora, Illia Zabarnyi, Denys Popov (80m – Oleksandr Syrota), Vladyslav Dubinchak (63m – Kostyantyn Vivcharenko), Viktor Tsyhankov (63m – Oleksandr Karavayev), Oleksandr Andriyevskyi, Mykola Shaparenko, Volodymyr Shepelyev (74m – Anton Tsarenko), Vitaliy Buyalskiy e Artem Besedin (74m – Vladyslav Vanat)

BenficaBenfica – Odysseas Vlachodimos, Gilberto Moraes (69m – Alexander Bah), Nicolás Otamendi, Felipe Silva “Morato”, Alejandro “Álex” Grimaldo, Florentino Luís, Enzo Fernández, João Mário, Rafael “Rafa” Silva (84m – Francisco “Chiquinho” Machado), David Neres (63m – Henrique Araújo) e Gonçalo Ramos (63m – Roman Yaremchuk)

0-1 – Gilberto Moraes – 9m
0-2 – Gonçalo Ramos – 37m

Cartão amarelo – Oleksandr Andriyevskyi (40m)

Árbitro – Felix Zwayer (Alemanha)

Evidenciando uma inesperadamente flagrante superioridade face ao adversário – condicionado por ter de disputar os seus jogos na condição de visitante em terreno neutro, a par da ausência de competição interna, dada a situação de guerra que persiste na Ucrânia, invadida pela Rússia – o Benfica poderia ter resolvido, já esta noite, a eliminatória, ficando a dever a si próprio um triunfo por números bem mais expressivos. Ainda assim, averbou um resultado que oferece excelentes perspectivas de qualificação para a fase de grupos da “Liga dos Campeões”.

Foi, sobretudo na primeira metade, uma exibição categórica, assenhoreando-se por completo da iniciativa e do domínio do jogo. O Benfica beneficiou de, logo nos minutos iniciais, se ter colocado em vantagem, com João Mário, bem a pautar o jogo, a assistir um “improvável” Gilberto, que fuzilou a baliza, sem hipótese para o guardião ucraniano.

Não obstante, e ainda dentro dos primeiros dez minutos, valeria também a concentração de Vlachodimos, com duas defesas apertadas, na sequência de rápidos lances de transição, a manter as suas redes invioladas.

Já depois de João Mário ter estado muito perto de marcar, David Neres, regressado ao “onze”, voltaria a espalhar o seu “perfume”, combinando novamente com Gonçalo Ramos, com o jovem avançado benfiquista, muito eficaz, a somar o seu quarto golo em três jogos na presente edição da prova.

O mesmo Neres poderia ter também ampliado a vantagem, com um remate a sair muito próximo do poste, tendo também Rafa visto uma soberana ocasião de golo salva pelo desvio de Zabarnyi.

Dando a sensação de parecer surpreendido com tantas “facilidades”, a equipa portuguesa não conseguiria, na segunda parte, manter os níveis de intensidade, pese embora tenha sempre conservado o controlo do jogo, em zonas relativamente afastadas do seu último reduto.

Já na parte final, após as substituições operadas por Schmidt, com o D. Kyiv a não abdicar de procurar reduzir a diferença, nomeadamente por via de lançamentos em profundidade, o guarda-redes benfiquista confirmaria uma noite muito segura, com outras duas boas intervenções.

Cabe agora ao Benfica confirmar também, no Estádio da Luz, a sua superioridade, buscando não só nova vitória, como, fundamentalmente, o tão almejado apuramento.

17 Agosto, 2022 at 9:49 pm Deixe um comentário

Liga dos Campeões – 3ª Pré-Eliminatória – Midtjylland – Benfica

MidtjyllandMidtjylland – Elías Rafn Ólafsson, Henrik Dalsgaard, José “Juninho” Carlos Júnior, Mads Thychosen, Joel Andersson, Raphael Onyedika, Evander Ferreira (45m – Oliver Sørensen), Paulo Victor da Silva “Paulinho” (87m – Nikolas Dyhr), Anders Dreyer (69m – Gustav Isaksen), Pione Sisto (76m – Edward Chilufya) e Sory Kaba (70m – José Francisco dos Santos Júnior “Brumado”)

BenficaBenfica – Odysseas Vlachodimos, Gilberto Moraes (75m – Alexander Bah), Nicolás Otamendi, Felipe Silva “Morato”, Alejandro “Álex” Grimaldo, Florentino Luís, Enzo Fernández, João Mário (89m – Diego Moreira), Rafael “Rafa” Silva (45m – Henrique Araújo), Francisco “Chiquinho” Machado (78m – Diogo Gonçalves) e Gonçalo Ramos (45m – Roman Yaremchuk)

0-1 – Enzo Fernández – 23m
0-2 – Henrique Araújo – 56m
1-2 – Pione Sisto – 63m
1-3 – Diogo Gonçalves – 88m

Cartões amarelos – Raphael Onyedika (69m); Gonçalo Ramos (29m) e Rafael “Rafa” Silva (40m)

Árbitro – Srđan Jovanović (Sérvia)

Com o triunfo na eliminatória já praticamente selado em Lisboa, Roger Schmidt optou por manter o “onze” que tinha iniciado o jogo da 1.ª mão, apenas com a alteração forçada decorrente da lesão de Neres, substituído por Chiquinho, como que a mostrar a “seriedade” com que este desafio foi encarado.

Naturalmente disputado a ritmo menos intenso, o Benfica controlou sempre o jogo, acabando por repetir a vitória, de forma relativamente tranquila.

Já depois de Gonçalo Ramos não ter conseguido êxito num cabeceamento, o argentino Enzo Fernández – após combinação com o mesmo Gonçalo – marcaria o seu terceiro golo em outros tantos encontros oficiais disputados ao serviço do clube, colocando a sua equipa em vantagem.

Os dinamarqueses, actuando em casa (ainda que “emprestada”), revelando-se mais inconformados, não abdicaram de procurar chegar ao golo, tendo beneficiado de duas ocasiões flagrantes, na sequência de falhas da defesa contrária, a primeira delas negada por Vlachodimos, tendo, depois, Evander falhado incrivelmente.

Fazendo a gestão física do plantel, o técnico benfiquista começaria, logo ao intervalo, a fazer a rotação, colocando em campo Henrique Araújo e Yaremchuk.

E seria o próprio Henrique Araújo – recente Campeão Europeu e grande figura da equipa que conquistou a “Youth League” – a ampliar a contagem, apenas cerca de dez minutos depois de entrar no jogo, dando a melhor sequência a cruzamento de João Mário. Faltava ainda mais de meia-hora para o final, mas o parcial agregado de 6-1 era clarificador.

O Benfica passou a gerir o tempo, possibilitando ao Midtjylland, para, outra vez por intermédio de Pione Sisto, marcar o seu “ponto de honra”, numa recarga, depois de um primeiro remate de Sory Kaba à trave.

O vice-campeão da Dinamarca poderia inclusivamente ter marcado de novo, mas, já próximo do termo da partida, Diogo Gonçalves, com um portentoso remate, restabeleceria a diferença de dois golos, em mais uma importante vitória para o Benfica, numa eliminatória que soube tornar bastante fácil.

Segue-se o D. Kyiv, último obstáculo a superar no trajecto para a fase de grupos da Liga dos Campeões – por curiosidade o primeiro adversário em tal fase, na edição da temporada anterior –, desta feita com a formação ucraniana a ter de realizar os seus jogos em casa na Polónia.

9 Agosto, 2022 at 10:10 pm Deixe um comentário

Liga dos Campeões – 3ª Pré-Eliminatória – Benfica – Midtjylland

BenficaBenfica – Odysseas Vlachodimos, Gilberto Moraes, Nicolás Otamendi, Felipe Silva “Morato”, Alejandro “Álex” Grimaldo, Florentino Luís, Enzo Fernández, João Mário, David Neres (86m – Francisco “Chiquinho” Machado), Rafael “Rafa” Silva (79m – Henrique Araújo) e Gonçalo Ramos (79m – Roman Yaremchuk)

MidtjyllandMidtjylland – Elías Rafn Ólafsson, Henrik Dalsgaard, Erik Sviatchenko, José “Juninho” Carlos Júnior, Nikolas Dyhr (62m – Paulo Victor da Silva “Paulinho”), Joel Andersson (67m – Mads Thychosen), Oliver Sørensen, Charles Matos (78m – Chris Kouakou), Anders Dreyer (45m – Edward Chilufya), Pione Sisto e Sory Kaba (67m – Gustav Isaksen)

1-0 – Gonçalo Ramos – 17m
2-0 – Gonçalo Ramos – 33m
3-0 – Enzo Fernández – 40m
4-0 – Gonçalo Ramos – 61m
4-1 – Pione Sisto (pen.) – 78m

Cartões amarelos – Nicolás Otamendi (22m) e Felipe Silva “Morato” (77m)

Árbitro – Alejandro Hernández (Espanha)

Para jogo de estreia da temporada, não foi nada mau… O resultado final acaba, até, por “saber a pouco”.

O Benfica defrontou um adversário com muitas limitações, que, no entanto, até começaria por surpreender com a sua postura “atrevida” em campo, podendo até ter inaugurado o marcador, ainda antes do quarto de hora de jogo, não fosse Pione Sisto, isolado, ter rematado ao lado.

Mas a dupla David Neres-Gonçalo Ramos desbloquearia algum estado de ansiedade da formação benfiquista, com o jovem avançado a dar a melhor sequência, com um remate de cabeça – com notável sentido de antecipação –, à forma como o brasileiro se desenvencilhara da defesa contrária.

Uma combinação que praticamente repetiriam, passados outros 16 minutos, desde logo proporcionando a tranquilidade que advinha da confiança de que a vitória no jogo não escaparia… assim como na eliminatória.

Tudo corria pelo melhor, o que seria exponenciado, ainda antes do final da primeira metade, com João Mário, num canto, a servir atrasado (com a bola a meia-altura) para excelente gesto técnico, de primeira, “enchendo o pé”, de Enzo Fernández, que se estreava a marcar.

Insaciável, o Benfica voltou para o segundo tempo querendo ampliar a vantagem, mas Gonçalo Ramos passaria, então, um período perdulário, falhando duas ou três oportunidades, a primeira delas, soberana, logo aos dois minutos.

Já depois de Neres ter rematado, com estrondo, à trave, Gonçalo chegaria mesmo ao “hat-trick”, noutro lance de grande craveira técnica – pese embora beneficiando de alguma passividade da defesa dinamarquesa -, recebendo a bola (assistência de Rafa) em plena área, rodando e rematando sem apelo para o fundo da baliza.

Dando alguns sinais de menor frescura nos derradeiros minutos, o Benfica concederia ao Midtjylland, na sequência de uma grande penalidade (apontada “à Panenka”), a sancionar contacto de Morato, reduzir o marcador para uma diferença que não espelha o que se passou dentro de campo, perante a notória superioridade da equipa portuguesa.

A inspiração de David Neres e Gonçalo Ramos, bem secundados por exibição segura de Enzo Fernández, terá deixado já definida a equipa que seguirá em frente, para o play-off. Ainda assim, há um jogo para disputar, e ganhar, na próxima semana, na Dinamarca.

2 Agosto, 2022 at 9:55 pm Deixe um comentário

Artigos Mais Antigos


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Dezembro 2022
S T Q Q S S D
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.