Archive for Agosto, 2004

A ARTE DE VAN GOGH (II)

VanGogh-WheatFieldWithCrowsNatureza Morta, flores e campos: Novamente, como nos Retratos (e especialmente Auto-retratos), Vincent, em parte devido às suas dificuldades financeiras, preferiu pintar uma tigela de fruta, um vaso de flores ou um par de sapatos, ao invés de pintar modelos vivos.

Girassóis: A série de Girassóis é característica da obra de van Gogh, sendo imediatamente reconhecida em qualquer parte do mundo. A maioria da série foi pintada em 1888 em Arles, enquanto aguardava a chegada de Paul Gauguin, na famosa “Casa Amarela”. Nessas obras, ao contrário de tantas outras, o artista revela uma sensação de felicidade, explorando a sua cor favorita, o amarelo.

Período da Provença: Vincent passou quase dois anos na Provença, tendo realizado alguns dos seus melhores trabalhos: “O Terraço de Café no Fórum”, “O Café Nocturno em Lamartine” e a clássica “Noite Estrelada”. Neste período, ao mesmo tempo que o brilho artístico de Vincent deslumbra, o seu estado físico e mental degradam-se de forma significativa.

Asilo em St.-Rémy: Durante a convalescença no asilo em St.-Rémy, van Gogh dedicou algum do tempo ao estudo de pintores que admirava. Alguns dos seus melhores trabalhos podem ser vistos depois dos estudos sobre o pintor Millet: “Meio-dia”, “Descanso do Trabalho” ou “Primeiros Passos”.

O Fim: Os trabalhos finais de van Gogh são um paradoxo o que, provavelmente, nenhum outro trabalho mostrará melhor do que “Campo de Trigo com Corvos” . Muitos sentem que os céus dramáticos e tempestuosos, como também o campo de trigo, agitando-se, com os corvos que fogem, poderão constituir uma reflexão clara do próprio estado mental de Vincent nos seus últimos dias.

[1671]

31 Agosto, 2004 at 7:18 pm

JOGOS OLÍMPICOS – 2004 – ATENAS (III)

Sobre o jogo com a Costa Rica – selecção cujo real valor ficou patente no jogo dos 1/4 final com a Argentina (derrota 0-4) – é também dificilmente compreensível um descalabro desta natureza (nova derrota, também por 2-4!).

A selecção portuguesa de futebol foi, nesta competição, uma equipa que pareceu nunca assumir a 100 % (para lá das palavras…) o “objectivo Jogos Olímpicos”.

Desde o início, sofrendo muitas pressões externas, começando pela “reclamação” do Manchester United (relativamente à convocatória de Cristiano Ronaldo) e pela “indignação” do FC Porto (por ter 6 convocados), passando pela mal explicada ausência de Quaresma (um dos jogadores do FC Porto com melhor desempenho na pré-época, não convocado por, supostamente, não se encontrar em condições físicas…), culminando com as “dispensas” de Hélder Postiga e Tiago.

Os três jogadores com mais de 23 anos, permitidos pelo regulamento da prova, acabaram por não se traduzir no reforço esperado: Frechaut, “vítima” das indefinições tácticas; Boa Morte, expulso no primeiro jogo, não voltaria a jogar; Fernando Meira, com um auto-golo no jogo com a Costa Rica, que, culminando uma “mão-cheia” de falhas defensivas, “acabou” com a equipa portuguesa, sempre desconcentrada, jogando muito numa base individualista, esquecendo que o futebol é um jogo colectivo, “de equipa”!

Mas, o pior de tudo foi a (falta de) atitude e carácter olímpico (inclusivamente ao nível do comportamento disciplinar, bastante negativo). Não houve a personalidade, nem sequer a calma ou serenidade, para evitar sucessivas advertências disciplinares, que se viriam a revelar decisivas, nos casos das expulsões de Boa Morte (no jogo com o Iraque) e de João Paulo (contra a Costa Rica).

Quando, aos 5 minutos da 2ª parte, a Costa Rica empatou o jogo, pensou-se que a qualificação iria ser perdida. Ainda assim, a jogar apenas com 10, Portugal assumiu o “jogo pelo jogo”, procurando o ataque, conseguindo alcançar o 2-1 que, aparentemente, lhe deveria dar alguma (relativa) tranquilidade.

…Até cerca dos 70 minutos, altura em que a defesa portuguesa cometeu “hara-kiri” por duas vezes, “entregando” a vitória ao adversário!

Potugal tentaria ainda, “mais com o coração que com a cabeça” (teve 2 ou 3 oportunidades para empatar o jogo a 3-3 e poder qualificar-se), mas a Costa Rica teria também 2 bolas nos postes… antes de, já em período de descontos, chegar ao 4-2, que lhe dava a qualificação para os 1/4 final, eliminando Portugal e Marrocos (que, com o resultado em 3-2, e vencendo no seu jogo o Iraque por 2-1, se encontrava “qualificado”).

Estádio Olímpico - Final Futebol

Uma palavra final para destacar o justíssimo Campeão Olímpico: a Argentina – nem sempre as melhores equipas triunfam, mas a equipa argentina mostrou estar a grande distância competitiva de todas as restantes: 6 jogos, 6 vitórias, 17-0 em golos (8 da nova estrela, Carlos Tevez), com o “requinte” de ganhar ao vice-campeão da Europa de sub-23 (a Sérvia), por 6-0 e de, nas 1/2 finais, bater o Campeão da Europa (Itália), por 3-0!

A Final acabaria por ser o jogo menos “exuberante”, com a Argentina a vencer o Paraguai por 1-0. Num “triste” jogo de apuramento do 3º lugar, a Itália venceria também o Iraque, igualmente por 1-0.

Argentina que, assim, voltava a conquistar – 52 anos depois – nova medalha de ouro na sua história olímpica; no mesmo dia, conseguiria uma outra medalha de ouro, no Basquetebol, frente à Itália, acabando assim por sagrar-se Campeã Olímpica das duas modalidades desportivas mais profissionalizadas (Futebol e Basquetebol).

[1670]

31 Agosto, 2004 at 5:14 pm

JOGOS OLÍMPICOS – 2004 – ATENAS (II)

Estádio Heraklion

No que respeita à organização do Torneio Olímpico de Futebol, a competição “ficou a léguas” do EURO 2004.

Quando decidi deslocar-me à Grécia para, juntando à visita turística, acompanhar os Jogos Olímpicos, ia numa perspectiva de “reviver” / prolongar a “grande festa” que tinha sido o EURO 2004…

Contudo, “festa” foi uma coisa que quase sempre esteve ausente deste torneio – independentemente da má carreira da equipa portuguesa de futebol.

Cenários “desoladores”, com estádios quase vazios, completa “falta de ambiente”; quase chegou a ser deprimente ver os jogos decorrer sem qualquer entusiasmo nas bancadas, quase uma “competição clandestina”: 6 000 espectadores no Portugal-Iraque, 7 500 no Portugal-Marrocos; 11 000 no Portugal-Costa Rica; um único jogo com números “condignos”, na meia-final entre a Argentina e a Itália – as duas melhores equipas da prova – com 30 000 espectadores a comporem a lotação do Estádio do Olympiakos em Atenas.

Depois da (infeliz) estreia na cidade de Patras, o segundo jogo da selecção portuguesa seria disputado em Heraklion – capital da ilha de Creta -, frente a Marrocos.

Na cidade de Heraklion, não era visível qualquer referência ao torneio olímpico de futebol (!), nem (no centro da cidade), uma única indicação da direcção do Estádio (Pankritio) – um bonito Estádio, construído expressamente para os Jogos Olímpicos, com capacidade para cerca de 26 000 espectadores, confinando com a praia de Ammoudara – era possível ver (por entre as aberturas de acesso às bancadas, as ondas a chegar à praia…).

Não havia um esquema devidamente organizado de transporte para o Estádio; ao invés, um bom esquema de transporte para o centro da cidade, no final dos jogos (cerca de 5 minutos de percurso), com sucessivos autocarros, a “carregar” e a “arrancar”.

Um bom esquema de segurança ao nível de acesso aos Estádios (todas as entradas com portas com detectores de metais e tapetes para inspecção “raio-x”!).

Assistente Estádio HeraklionMuitos (mas mesmo muitos…) “assistentes” (voluntários, com os seus bonitos uniformes); em excesso, relativamente ao número de espectadores.

Bastante polícia dentro e nas imediações do Estádio. Praticamente nenhuma no centro da cidade! Alguma “insegurança” latente, com a polícia sempre “inquieta” (e bastante vigilante) perante as manifestações de apoio dos adeptos, temendo/receando eventuais confrontos que dificilmente se proporcionariam, perante assistências (no que respeita a adeptos dos países contendores) que raramente terão ultrapassado as 500 pessoas.

A equipa portuguesa surgiria neste segundo jogo bastante intranquila, “com a bola a queimar nos pés” (à semelhança do verificado no Portugal – Rússia no EURO 2004…).

E com um sintoma claramente notório: em todas as bolas “divididas”, os portugueses nunca arriscavam a “meter o pé”, procurando acima de tudo evitar qualquer eventual lesão nesta fase de início de época nos seus clubes.

Depois, no contra-ataque, os marroquinos surgiam sempre bastante mais velozes! Valeu a evidente superioridade técnica e física da equipa portuguesa que, ainda assim, depois de chegar aos 2-0, não conseguiria evitar o sofrimento nos 5 minutos finais, quando Marrocos reduziu a desvantagem para 1-2.

[1669]

31 Agosto, 2004 at 12:40 pm

JOGOS OLÍMPICOS – 2004 – ATENAS (I)

Chegaram ao termo os Jogos da XVIII Olimpíada, realizados entre os dias 11 e 29 de Agosto, em cinco cidades gregas: Atenas, Salónica, Heraklion, Patras e Volos.

Até final da semana, aqui ficará um balanço desta edição dos Jogos Olímpicos, com os seus principais campeões, assim como uma breve análise ao comportamento de alguns dos participantes portugueses.

E, começando pelo mais negativo, sobre a desastrada presença da selecção portuguesa de futebol neste Torneio Olímpico, é importante reter que não se trata de “uma campanha para esquecer”, mas antes de “uma campanha para relembrar… e não repetir!”.

Tal como no EURO2004, Portugal termina os Jogos Olímpicos como segunda melhor equipa da Europa (apenas atrás da Itália… e, desta vez, “à frente” da Grécia!); porém, sem qualquer glória e com muito pouca honra (entre os 16 participantes, Portugal, Grécia e Sérvia terminariam nos três últimos lugares da prova!).

Não deixa de ser irónico que o Paraguai, a quem Portugal bateu clamorosamente na semana anterior aos Jogos Olímpicos (por rotundos 5-0) tenha atingido a Final da competição, sagrando-se Vice-Campeão Olímpico! Portugal desperdiçou claramente esta medalha…

Em termos mais gerais, os fracos resultados das selecções europeias não deveriam deixar de constituir base de reflexão por parte da FIFA e da UEFA, nomeadamente sobre a forma de disputa da prova (equipas “sub-23” anos), uma vez que a mesma acabaria por resultar em (muito) fracas assistências (sobretudo justificadas pela reduzida mobilização de espectadores dos países participantes, o que automaticamente retira parte do “colorido à festa”).

Dado encontrar-me em viagem de Atenas para Creta, não tive oportunidade de acompanhar a estreia da equipa portuguesa, contra o Iraque.

De qualquer forma, parece evidente que a selecção portuguesa, com os “pergaminhos” que tem a defender (uma equipa que, para atingir os Jogos Olímpicos, teve de afastar, sucessivamente, grandes potências como a Inglaterra, França e Alemanha – sempre com vitórias no terreno do adversário!) e com o grau de profissionalismo que a caracteriza (com jogadores das melhores equipas da Europa, como o Manchester United, Chelsea, Stuttgart, para além de FC Porto, Sporting e Benfica) “não pode” sofrer 4 (!) golos de uma desconhecida e “amadora” selecção do Iraque…

E as coisas até tinham começado bem, com o golo logo nos primeiros 15 minutos, marcado pelo adversário na própria baliza. Mas foi “sol de pouca dura”: rapidamente os iraquianos “deram a volta ao resultado”.

Tendo alcançado o empate a 2 golos ainda antes do intervalo, é dificil compreender o “descalabro” da segunda parte; entrando já avisada que as coisas não iriam ser fáceis, a equipa portuguesa não soube ter a necessária serenidade para impor o seu melhor futebol, acabando por “entregar-se” com a expulsão de Boa Morte.

Embora nada estivesse ainda perdido, o resultado final de 2-4 não augurava nada de bom…

Há 1 ano no Memória Virtual – Os blogues na vida académica

[1668]

31 Agosto, 2004 at 8:05 am 1 comentário

A ARTE DE VAN GOGH (I)

VanGogh-Sunflower.bmp O estilo de van Gogh: nem impressionista, nem expressionista… o artista definiu a sua própria forma de pintar; as suas pinceladas praticamente “falavam” sobre o que estava a sentir e pensar. Desta forma, pode ser considerado um pintor pós-impressionista ou pré-expressionista!

Efectivamente, apenas contactou com os pintores impressionistas em 1886, quando já era um artista consumado; apesar da aproximação a Toulouse-Lautrec, Paul Signac e Georges Pierre Seurat, o seu caminho foi sempre muito singular.

Para facilitar o entendimento das obras de van Gogh, elas são geralmente classificadas de acordo com diferentes formas de as interpretar, sendo a classificação a seguir apresentada apenas uma das categorizações possíveis.

Os primeiros trabalhos: Os desenhos e pinturas tendem a centrar-se nas vidas de camponeses e trabalhadores pobres, além das paisagens desertas nas quais viviam. Vincent teve uma grande admiração pelos trabalhadores do campo, o que retratou nas suas telas. O uso das cores mais escuras pode sugerir uma atmosfera melancólica (“Os Comedores de Batatas”).

Período em Paris: A ida de Vincent para Paris em 1886 provocou uma profunda mudança, aproximando-o de outros artistas: Monet, Renoir, Degas, entre outros.

Os “japoneses”: O período durante o qual Vincent pintou no estilo japonês tradicional foi bastante breve.

Os Retratos e Auto-Retratos: Vincent pintou muitos retratos ao longo da carreira, nomeadamente, os Auto-retratos, quando não podia dispor de modelos. Entre os retratos, encontra-se o famoso “Retrato de Doutor Gachet” (a tela mais cara do mundo). Dos Auto-Retratos, destaca-se o “Auto-retrato Sem Barba”, de 1889, que, em Novembro de 1989, entrou para a galeria dos cinco quadros mais caros do mundo.

Há 1 ano no Memória Virtual – Blogues africanos

[1667]

30 Agosto, 2004 at 5:10 pm 2 comentários

…1 DIA – VICTORIA FALLS

As Victoria Falls – maiores cataratas do mundo – gigantesca garganta de basalto, com 3,8 km de extensão e cerca de 100 metros de altura, situadas na fronteira da Zâmbia com o Zimbabwe, foram também declaradas pela UNESCO como Património da Humanidade.

Foram descobertas no século XIX por David Livingstone, que as baptizou com o nome de Victoria Falls, decorrendo da imponente queda do Zambeze, um dos mais importantes cursos de água africanos, cuja nascente surge a norte da Zâmbia, num local onde confluem países como o Zaire e Angola.

O Zambeze cruza a Zâmbia, seguindo na direcção da Namíbia, onde engrossa a massa de água que alimenta a zona de Caprivi, fazendo fronteira com Angola, onde recebe as águas do rio Chobe. No seu caminho para o Oceano Índico, num percurso de 2 700 km, atravessa ainda Moçambique.

Um rio onde se pode navegar à descoberta de hipopótamos ou crocodilos, ao mesmo tempo que se pode aproveitar para descer os rápidos ou, num momento de rara adrenalina, dar um “salto no vazio”, da Cleveland Bridge (a ponte que une os dois países fronteiriços), um local privilegiado para o bungee jumping.

O projecto de ligar o Cairo (Egipto) à Cidade do Cabo (África do Sul) por caminho-de-ferro foi imaginado por Cecil Rhodes (nunca vindo a ser concretizado), dele fazendo parte integrante a ponte metálica sobre a fenda onde o Rio Zambeze atravessa as Victoria Falls, unindo o Zimbabwe e a Zâmbia. A Cleveland Bridge foi construída em Inglaterra e enviada para Victoria por barco e depois de comboio, peça por peça, onde acabou de ser montada em 1905.

Na região, a visitar também o Zambezi National Park, local privilegiado para a realização de safaris.

Desejo a todos (os que tiverem essa oportunidade…) umas óptimas férias!

[1666]

12 Agosto, 2004 at 12:05 am 4 comentários

JOGOS OLÍMPICOS – 2004 – ATENAS

Atenas - 2004

A Grécia foi o berço das Olimpíadas originais da antiguidade, tendo celebrado também os primeiros Jogos Olímpicos da Era Moderna, em 1896.

108 anos depois, os Jogos Olímpicos “regressam a casa”, com a realização dos Jogos da XVIII Olimpíada, depois de Atenas ter conseguido suplantar as candidaturas de Buenos Aires, Cape Town, Roma e Estocolmo.

Ao longo de 16 dias (entre 13 e 29 de Agosto – efectivamente, com o torneio de Futebol a ter início hoje), em 28 modalidades desportivas, serão disputadas 301 provas, com mais de 10 500 atletas, representando 201 Comités Olímpicos Nacionais.

Portugal participará com uma delegação de cerca de 80 atletas, a terceira maior de sempre.

E, à partida, embora seja necessário ter os “pés assentes na terra” quanto às hipóteses de medalhas, espera-se uma participação com um nível qualitativo elevado, com expectativas de boas classificações no Futebol (em teoria, apenas Itália e Argentina terão um potencial à altura da equipa portuguesa), Judo (Nuno Delgado e João Pina), Vela (Álvaro Marinho, Miguel Nunes, João Rodrigues, Gustavo Lima, Diogo Cayola e Nuno Barreto), Hipismo (Carlos Grave), Ginástica (Trampolim, por intermédio do “tomarense” Nuno Merino), Heptatlo (Naide Gomes), Tiro (João Costa) e Triatlo (Vanessa Fernandes).

No Atletismo, as “principais figuras” poderão ser (para além de Naide Gomes), Alberto Chaíça, Ana Dias e Helena Sampaio (Maratona), Rui Silva (1 500m), Susana Feitor (20 km marcha), Francis Obikwelu (100m e 200m) e Fernanda Ribeiro (10 000m).

Uma surpresa poderá vir ainda do Voleibol de praia (João Brenha e Miguel Maia, 4º classificados nas 2 anteriores Olimpíadas) e do Ciclismo (com Nuno Ribeiro, Sérgio Paulinho e Gonçalo Amorim procurando apoiar Cândido Barbosa). Boa sorte a todos!

P. S. Ao longo das últimas semanas, aqui fui apresentando breves resumos dos principais factos relativos a cada edição dos Jogos Olímpicos, principalmente com base na página http://www.olympic.org/uk/games/index_uk.asp (de onde provêm igualmente as imagens dos posters relativos a cada Olimpíada).

[1665]

11 Agosto, 2004 at 11:25 am 8 comentários

TORNEIO OLÍMPICO FUTEBOL

GRUPO A
11.08.04 – Mali – México
11.08.04 – Grécia – Coreia do Sul
14.08.04 – Grécia – Mali
14.08.04 – Coreia do Sul – México
17.08.04 – Grécia – México
17.08.04 – Coreia do Sul – Mali

GRUPO B
12.08.04 – Ghana – Itália
12.08.04 – Paraguai – Japão
15.08.04 – Japão – Itália
15.08.04 – Paraguai – Ghana
18.08.04 – Japão – Ghana
18.08.04 – Paraguai – Itália

GRUPO C
11.08.04 – Argentina – Sérvia e Montenegro
11.08.04 – Tunísia – Austrália
14.08.04 – Argentina – Tunísia
14.08.04 – Sérvia e Montenegro – Austrália
17.08.04 – Sérvia e Montenegro – Tunísia
17.08.04 – Argentina – Austrália

GRUPO D
12.08.04 – Iraque – Portugal
12.08.04 – Costa Rica – Marrocos
15.08.04 – Marrocos – Portugal
15.08.04 – Costa Rica – Iraque
18.08.04 – Marrocos – Iraque
18.08.04 – Costa Rica – Portugal

Acompanhe a evolução do Torneio Olímpico de Futebol, dia a dia, aqui!

[1664]

11 Agosto, 2004 at 11:00 am

JOGOS OLÍMPICOS – FUTEBOL

1908 – (1º) Grã-Bretanha – (2º) Dinamarca – 2-0 / (3º) Holanda – (4º)Suécia – 2-0
1912 – (1º) Grã-Bretanha – (2º) Dinamarca – 4-2 / (3º) Holanda – (4º) Finlândia – 9-0
1920 – (1º) Bélgica – (*) Checoslováquia – 2-0 / (2º) Espanha – (3º) Holanda – 3-1
1924 – (1º) Uruguai – (2º) Suíça – 3-0 / (3º) Suécia – (4º) Holanda – 1-1 e 3-1
1928 – (1º) Uruguai – (2º) Argentina – 1-1 e 2-1 / (3º) Itália – (4º) Egipto – 11-3
1936 – (1º) Itália – (2º) Áustria – 2-1 / (3º) Noruega – (4º) Polónia -3-2
1948 – (1º) Suécia – (2º) Jugoslávia – 3-1 / (3º) Dinamarca – (4º) Grã-Bretanha – 5-3
1952 – (1º) Hungria – (2º) Jugoslávia – 2-0 / (3º) Suécia – (4º) RFA – 2-0
1956 – (1º) URSS – (2º) Jugoslávia – 1-0 / (3º) Bulgária – (4º) Índia – 3-0
1960 – (1º) Jugoslávia – (2º) Dinamarca – 3-1 / (3º) Hungria – (4º) Itália – 2-1
1964 – (1º) Hungria – (2º) Checoslováquia – 2-1 / (3º) RFA – (4º) Egipto – 3-1
1968 – (1º) Hungria – (2º) Bulgária – 4-1 / (3º) Japão – (4º) México – 2-0
1972 – (1º) Polónia – (2º) Hungria – 2-1 / (3º) URSS – (3º) RDA – 2-2
1976 – (1º) RDA – (2º) Polónia – 3-1 / (3º) URSS – (4º) Brasil – 2-0
1980 – (1º) Checoslováquia – (2º) RDA – 1-0 / (3º) URSS – (4º) Jugoslávia – 2-0
1984 – (1º) França – (2º) Brasil – 2-0 / (3º) Jugoslávia – (4º) Itália – 2-1
1988 – (1º) URSS – (2º) Brasil – 2-1 / (3º) RFA – (4º) Itália – 3-0
1992 – (1º) Espanha – (2º) Polónia – 3-2 / (3º) Ghana – (4º) Austrália – 1-0
1996 – (1º) Nigéria – (2º) Argentina – 3-2 / (3º) Brasil – (4º) Portugal – 5-0
2000 – (1º) Camarões – (2º) Espanha – 2-2 (5-3 g.p.) / (3º) Chile – (4º) EUA – 2-0

(*) Checoslováquia desclassificada por abandono do campo

[1663]

11 Agosto, 2004 at 10:05 am 2 comentários

…2 DIAS – TAILÂNDIA

Desde o confuso cosmopolitismo de Banguecoque até às praias e à natureza selvagem do Sul, a Tailândia proporciona-nos também “imagens do Paraíso”, por via das suas águas cristalinas e da sua exuberante vegetação, saindo mesmo de enormes rochas / penhascos surgindo do meio do mar.

Destacam-se as praias das ilhas Phi Phi (Phi Phi Ley e Phi Phi Don), de fina areia branca, tépidas águas transparentes e muitos corais, com inúmeras palmeiras, mais um lugar de eleição para a prática do mergulho, num cenário idílico, onde Leonardo di Caprio filmou “A Praia”.

Não muito longe, a praia de Ko Khao Phing Kan, celebrizada como a ilha de James Bond, por nela ter sido rodado o filme “007 – O Homem da Pistola Dourada”.

Estas ilhas são acessíveis através de lanchas, partindo de Phuket, a “Pérola do Sul”, maior ilha da Tailândia, no mar de Andaman, no Sudoeste da Tailândia (ligada ao continente por uma ponte), com a sua exuberante paisagem tropical, com praias rochosas.

A cultura da ilha – diferente do restante país – decorre da mistura de influências chinesas e portuguesas, combinada com a cultura dos Chao Naam, população indígena que vivia no mar, sendo de destacar as construções de arquitectura sino-portuguesa.

Em Phuket, destacam-se as estâncias turísticas de Patong, Karon e Kata. No interior, podem visitar-se plantações de borracha e fazer safaris pela selva tropical. Imperdível: um passeio de Elefante!

Banguecoque (“A Cidade dos Anjos”) é a capital da Tailândia desde 1782, sendo hoje uma das cidades mais cosmopolitas da Ásia, com uma incomparável vida nocturna.

Uma cidade que proporciona também uma viagem por traços de uma cultura milenar, patente nos seus inúmeros templos e palácios, coabitando com arranha-céus de diversos estilos.

Banguecoque é uma mega-metrópole (cerca de 10 milhões de habitantes) em que, em paralelo a uma oração a Buda, se podem “ver outros prazeres” de grande exotismo, numa das mais excitantes cidades da Ásia.

Localiza-se na leste do rio Chao Phraya, sendo dividida em duas áreas distintas pela linha ferroviária que faz a ligação Norte-Sul. A antiga Banguecoque espraia-se entre o rio e a linha férrea, albergando a maioria dos templos mais antigos e o palácio original. A nova Banguecoque encontra-se a leste da linha férrea.

Visitas imperdíveis são: o Wat Phra Kaew, o Grande Palácio e os templos Wat Pho e Wat Traimit (Templo do Buda de ouro).

[1662]

11 Agosto, 2004 at 8:55 am

Artigos Mais Antigos


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Agosto 2004
S T Q Q S S D
« Jul   Set »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.