Archive for Agosto, 2004

CAMPEÕES / RECORDISTAS OLÍMPICOS – ATLETISMO (M)

100 m – Maurice Green – EUA / Donovan Bailey – Canadá – 9.84 (1996)
200 m – Konstantinos Kenteris – Grécia / Michael Johnson – EUA – 19.32 (1996)
400 m – Michael Johnson – EUA / Michael Johnson – EUA – 43.49 (1996)
800 m – Nils Schumann – Alemanha / Vebjørn Rodal – Noruega – 1.42.58 (1996)
1 500 m – Noah Ngeny – Quénia / Noah Ngeny – Quénia – 3.32.07 (2000)
5 000 m – Millon Wolde – Etiópia / Saïd Aouita – Marrocos – 13.05.59 (1984)
10 000 m – Haile Gebrselassie – Etiópia / Haile Gebrselassie – Etiópia – 27.07.34 (1996)
Maratona – Gezahng Abera – Etiópia / Carlos Lopes – Portugal – 2:09:21 (1984)
110 m barreiras – Anier Garcia – Cuba / Allen Johnson – EUA – 12.95 (1996)
400 m barreiras – Angelo Taylor – EUA / Kevin Young – EUA – 46.78 (1992)
3 000 m obstáculos – Reuben Kosgei – Quénia / Julius Kariuki – Quénia – 8.05.51 (1988)
Estafeta 4 x 100 m – EUA / EUA – 37.40 (1992)
Estafeta 4 x 400 m – EUA / EUA – 2.55.74 (1992)
20 Km marcha – Robert Korzeniowski – Polónia / Robert Korzeniowski – Polónia – 01:18:59 (2000)
50 km marcha – Robert Korzeniowski – Polónia / Vyacheslav Ivanenko – URSS – 03:38:29 (1988)
Salto em altura – Sergey Kliugin – Rússia / Charles Austin – EUA – 2,39 (1996)
Salto em comprimento – Ivan Pedroso – Cuba / Bob Beamon – EUA – 8,90 (1968)
Salto à vara – Nick Hysong – EUA / J. Galfione – França; I. Trandenkov – Rússia; A. Tivontchik – Alemanha – 5,92 (1996)
Triplo-salto – Jonathan Edwards – Grã-Bretanha / Kenny Harrison – EUA – 18,09 (1996)
Lançamento do peso – Arsi Harju – Finlândia / Ulf Timmermann – RDA – 22,47 (1988)
Lançamento do disco – Virgilijus Alekna – Lituânia / Lars Riedel – Alemanha – 69,40 (1996)
Lançamento do martelo – Szymon Ziolkowski – Polónia / Sergey Litvinov – URSS – 84,80 (1988)
Lançamento do dardo – Jan Zelezny – R. Checa / Jan Zelezny – R. Checa – 90,17 (2000)
Decatlo – Erki Nool – Estónia / Daley Thompson – Grã-Bretanha – 8 847 p. (1984)

[1661]

10 Agosto, 2004 at 7:22 pm

CAMPEÕES / RECORDISTAS OLÍMPICOS – ATLETISMO (F)

100 m – Marion Jones – EUA / Florence Griffith Joyner – EUA – 10.62 (1988)
200 m – Marion Jones – EUA / Florence Griffith Joyner – EUA – 21.34 (1988)
400 m – Cathy Freeman – Austrália / Marie José Perec – França – 48.25 (1996)
800 m – Maria Lurdes Mutola – Moçambique / Nadezhda Olizarenko – URSS – 1.53.43 (1980)
1 500 m – Nouria Merah-Benida – Argélia / Paula Ivan – Roménia – 3.53.96 (1988)
5 000 m – Gabriela Szabo – Roménia / Gabriela Szabo – Roménia – 14.40.79 (2000)
10 000 m – Derartu Tulu – Etiópia / Derartu Tulu – Etiópia – 30.17.49 (2000)
Maratona – Naoko Takahashi – Japão / Naoko Takahashi – Japão – 2:23:14 (2000)
100 m barreiras – Olga Shishigina – Cazaquistão / Yordanka Donkova – Bulgária – 12.38 (1988)
400 m barreiras – Irina Privalova – Rússia / Deon Hemmings – Jamaica – 52.82 (1996)
Estafeta 4 x 100 m – Bahamas / RDA – 41.60 (1980)
Estafeta 4 x 400m – EUA / URSS – 3.15.17 (1988)
20 km marcha – Liping Wang – China / Liping Wang – China – 01:29:05 (2000)
Salto em altura – Yelena Yelesina – Rússia / Stefka Kostadinova – Bulgária – 2,05 (1996)
Salto em comprimento – Heike Dreschsler – Alemanha / Jackie Joyner-Kersee – EUA – 7,40 (1988)
Salto à vara – Stacy Dragila – EUA / Stacy Dragila – EUA – 4,60 (2000)
Triplo-salto – Tereza Marinova – Bulgária / Inessa Kravets – Ucrânia – 15,33 (1996)
Lançamento do peso – Yanina Karolchik – Bielorrussia / Ilona Slupianek – RDA – 22,41 (1980)
Lançamento do disco – Ellina Zvereva – Bielorrussia / Martina Hellmann – RDA – 72,30 (1988)
Lançamento do martelo – Kamila Skolimowska – Polónia / Kamila Skolimowska – Polónia – 71,16 (2000)
Lançamento do dardo – Trine Hattestad – Noruega / Trine Hattestad – Noruega – 68,91 (2000)
Heptatlo – Denise Lewis – EUA / Jackie Joyner-Kersee – EUA – 7 291 p. (1988)

[1660]

10 Agosto, 2004 at 6:48 pm

JOGOS OLÍMPICOS – 2000 – SIDNEY

Sidney - 2000

As Olimpíadas mais concorridas de sempre: 10 651 atletas, de 199 países, disputando 300 provas, entre 15 de Setembro e 1 de Outubro de 2000.

A atleta norte-americana Marion Jones conseguiu ser a primeira mulher de sempre a obter 5 medalhas na mesma Olimpíada (Campeã Olímpica dos 100m, 200m e estafeta 4 x 400m, alcançando ainda 2 medalhas de bronze, nas provas de salto em comprimento e estafeta 4 x 100m).

O remador Steven Redgrave tornou-se no primeiro a conquistar quatro medalhas de ouro, em 5 Olimpíadas.

O jovem nadador australiano Ian Thorpe, de apenas 17 anos, venceu três medalhas de ouro e uma de prata.

Birgit Fischer, ao vencer duas medalhas de ouro em provas de Canoagem tornou-se a primeira mulher da história a conseguir ganhar medalhas com um intervalo de 20 anos.

O judoca Ryoko Tamura, depois de perder as finais das provas de Barcelona e Atlanta, conseguiria vencer o título olímpico em Sidney.

Portugal participou com 61 atletas, conseguindo mais duas medalhas de bronze, por intermédio de Fernanda Ribeiro (10 000 m) e Nuno Delgado, na prova de Judo (- 81 kg).

A dupla de voleibol de praia, Miguel Maia e João Brenha repetiria o 4º lugar da Olimpíada anterior; Álvaro Marinho e Miguel Nunes terminariam em 5º lugar a prova de Vela (Classe 470), depois de terem chegado a ocupar “posições medalháveis”.

No cômputo geral, no somatório de todas as suas participações olímpicas, os atletas portugueses conseguiram conquistar 3 medalhas de ouro, 4 de prata e 10 de bronze.

No quadro final de medalhas, os países com mais medalhas obtidas foram os seguintes:
(mais…)

10 Agosto, 2004 at 6:02 pm 4 comentários

…3 DIAS – TAHITI E BORA BORA

O Tahiti localiza-se no Oceano Pacífico, a mais de 17 000 km do território continental da França, ficando a 8 000km do Chile, 6 200 km da Califórnia e 5 700 km da Austrália, estendendo-se as suas ilhas por uma região com a superfície de 4 milhões de km2, equivalente à da Europa. Repartem-se por 5 arquipélagos (Société, Tuamotu, Gambier, Marquises e Australes), compreendendo um total de 118 ilhas de origem vulcânica.

Tahiti

As principais ilhas são as de Tahiti, Bora Bora, Moorea, Huahine e Raiatea, sendo bastante montanhosas e cercadas por recifes, formando lagoas de um azul transparente, uma imagem do “Paraíso”.

Foram descobertas pelos navegadores Maohi, vagueando pelo oceano em longas pirogas, aí se instalando. Os primeiros europeus a descobrir a região foram Wallis (em 1767), a que se seguiram Bougainville e o Capitão Cook.

Tahiti

O “Protectorado Francês” seria instaurado em 1842, sendo então designada como capital a cidade de Papeete, espraiando-se ao longo de uma vasta frente de mar.

As ilhas do Tahiti dispõem de inúmeras praias, lagos e uma grande variedade de vida marinha.

Apresentam condições ideais para a prática de mergulho – em especial em Rangiroa e Tuamotus –, com águas claras e tépidas.

É também um local de privilégio para os surfistas, com magníficas ondas, principalmente em Papenoo, Punaauia e Paea.

Outras formas de “turismo activo” são as caminhadas, escaladas de montanha, passeios a cavalo, o Parapente e Asa Delta.

A ilha de Bora Bora, 140 km a Noroeste do Tahiti, constitui mais uma imagem do “paraíso na Terra”, sendo visitada por um infindável número de casais em lua-de-mel. É rodeada de “motus” (pequenas ilhotas formadas por corais – desabitadas e com praias desertas), dando-lhe uma aparência de lagoa azul, ideal para a prática de snorkel.

A principal localidade da ilha é Vaitapé, onde se localiza o porto mais importante. A ilha de Bora Bora pode ser visitada em passeio a pé ou de bicicleta, dado que a estrada que a circunda tem apenas cerca de 30 km.

[1658]

10 Agosto, 2004 at 1:32 pm

JOGOS OLÍMPICOS – 1996 – ATLANTA

Atlanta - 1996

Os Jogos Olímpicos de Atlanta, nos Estados Unidos, comemorando o centenário das Olimpíadas da Era Moderna, prometiam ser os melhores da história da existência das Olimpíadas.

De record em record, foi ultrapassada a barreira dos 10 000 atletas; no total, 10 318 atletas, representando 197 países, disputaram 271 provas, entre 19 de Julho e 4 de Agosto de 1996.

Outro record foi o de número de países medalhados, 79 no total, com 53 países a conquistarem títulos olímpicos, também consequência do desmembramento da União Soviética, com o surgimento de novas potências desportivas, com destaque para a Rússia, Ucrânia e Bielorrussia.

O americano Carl Lewis tornou-se no único atleta a vencer a mesma prova por 4 vezes consecutivas, sendo o quarto atleta a alcançar um total de 9 medalhas de ouro. Por seu lado, o também americano Michael Johnson “esmagou” o record mundial dos 200 m, vencendo ainda, também, a prova dos 400 metros.

O turco Naim Suleymanoglu conseguiria ser o primeiro halterofilista a conquistar a terceira medalha de ouro olímpica.

Passados 68 anos, Portugal voltou a participar com uma equipa de futebol nos Jogos Olímpicos, dirigida por Nelo Vingada, Agostinho Oliveira e António Simões. A equipa portuguesa começaria por vencer a Tunísia por 2-0 (dois golos de Afonso Martins), empatando depois a 1-1 com a Argentina (golo de Nuno Gomes) e com os EUA (golo de Paulo Alves), apurando-se (juntamente com a Argentina) para a fase seguinte da prova.

Nos ¼ final, Portugal venceria a França por 2-1, com um “golo de ouro” de Calado. Nas ½ finais, Portugal voltou a encontrar a Argentina, mas, desta vez, perderia por 0-2, ficando assim afastado da Final. Na disputa da medalha de bronze, a equipa portuguesa acabaria por sofrer uma pesada derrota frente ao Brasil, por 0-5. O Campeão Olímpico viria a ser a Nigéria, no primeiro grande título de futebol para o continente Africano.

Numa boa presença olímpica, Portugal conseguiria a terceira medalha de ouro da sua história, com Fernanda Ribeiro a sagrar-se Campeã Olímpica dos 10 000 metros. A dupla Nuno Barreto / Hugo Rocha conquistaria a medalha de bronze na prova de vela, na classe 470.

Carla Sacramento (4º lugar nos 1 500 metros) e a dupla de voleibol de praia, formada por João Brenha e Miguel Maia, também relegados para o 4º lugar, perderiam ingloriamente a medalha que… esteve tão próxima.

No quadro de medalhas, os primeiros países foram os seguintes:
(mais…)

10 Agosto, 2004 at 8:00 am 1 comentário

…4 DIAS – PRAGA

Uma das mais belas capitais da Europa, conhecida como “Pérola do Oriente”, Praga sobreviveu às duas Guerras Mundiais, representando hoje um renascimento cultural, conjugando a arquitectura de catedrais góticas, palácios do barroco e edifícios de arte nova, constituindo cada bairro ou até mesmo, cada rua, uma “obra de arte”.

A capital da R. Checa é atravessada pelo rio Vltava, podendo repartir-se em cinco partes, todas próximas, e visitáveis em passeios a pé: três delas na margem direita (Josefov – Bairro Judeu; Staré Mésto – “Cidade Velha”, incluindo a zona central; e Nové Mésto – “Cidade Nova”); na margem esquerda, encontram-se Malá Strana (cujas construções são anteriores ao século XIX) e Prazský Hrad a Hradcany (onde se localiza o Castelo de Praga, local onde foi fundada a cidade).

Destacam-se alguns principais motivos de interesse:

Praça Central – O centro de Praga, constituindo o ponto de partida ideal para explorar o resto da cidade. Ponto de paragem obrigatório nos inúmeros bares e restaurantes sob as arcadas.

Josefov – Um dos mais famosos bairros de Praga, o Bairro judeu, próximo da Praça Central, reunindo 6 das mais antigas Sinagogas da Europa, como a Staronová, a mais antiga da Europa (1270).

Portão de Pólvora – Um dos mais conhecidos símbolos de Praga, na “Cidade Velha”, tendo origem numa das 13 entradas da muralha que cercava a cidade.

Ponte Carlos – Ponte gótica, com 520 metros de comprimento, cuja construção foi iniciada em 1357, por Carlos IV, é um dos principais símbolos de Praga, unindo as duas margens do rio Vltava, sendo ornamentada com estátuas de diversos santos e, nas extremidades, por torres seculares.

Igreja Tyn – Um perfeito exemplo da arquitectura gótica, cuja construção se iniciou em 1461.

Castelo de Praga – Localizado no alto de uma colina, a sua construção original data do século IX, tendo sido objecto de várias remodelações. Tratava-se de uma fortificação que dominava a região, permitindo controlar as embarcações que navegavam no rio. É praticamente uma “cidade”. Foi residência oficial do Presidente da República desde 1918. Também Franz Kafka viveu algum tempo numa das casas do Castelo.

Catedral de São Vito – Integrada no conjunto do Castelo, trata-se da principal construção da cidade, de estilo gótico, iniciada em 1344, apenas concluída no século XIX. Destaca-se a grande Capela de São Venceslau (do século XIV), compreendendo mais de 1 000 pedras semi-preciosas, a par de frescos de temas bíblicos.

Palácio Real – Antiga residência dos príncipes e reis da Boémia entre os séculos XI e XVII, abrange efectivamente três palácios sobrepostos, construídos em épocas diferentes.

Basílica de São Jorge – Igreja ligada a um convento beneditino, reunindo arte gótica, barroca e renascentista.

Praça Venceslau – Não se trata efectivamente de uma verdadeira praça, mas de uma larga avenida (60 metros de largura e 750 metros de comprimento, com um jardim na faixa central), sendo hoje o “coração da cidade”, com os principais hotéis, lojas e restaurantes; famosa por ter sido o cenário de dois dos principais eventos da história recente: o final da “Primavera de Praga” e a “Revolução de Veludo”.

Praça de Kafka – Franz Kafka viveu grande parte da vida em Praga, tendo nascido junto às ruas Maislova e U Radnice, próximo da Praça Central. Numa casa reconstruída, mantendo apenas o portal original, pode ver-se uma exposição sobre o célebre escritor.

Igreja de São Nicolau – Antiga igreja jesuíta, construída em 1755, traduzindo um dos mais perfeitos exemplos do barroco em Praga.

Há 1 ano no Memória Virtual – Esperanto

[1656]

9 Agosto, 2004 at 1:58 pm

JOGOS OLÍMPICOS – 1992 – BARCELONA

Barcelona - 1992

Nesta XXV Olimpíada, seria estabelecido novo record de participantes, com 9 356 atletas, representando 169 países, disputando 257 provas, entre 25 de Julho e 9 de Agosto de 1992.

Foram os jogos da abertura ao profissionalismo, com os EUA a apresentarem, no Basquetebol, um verdadeiro “Dream Team”, com Magic Johnson, Michael Jordan, Larry Bird e Charles Barkley, entre outros. A equipa americana “arrasaria” todos os competidores – com uma média de 117 pontos por jogo, nos 8 jogos disputados –, vencendo sem dificuldade a medalha de ouro.

O ginasta soviético Vitaly Scherbo – agora já em representação da denominada “Comunidade de Estados Independentes”, na sequência do colapso político da União Soviética –, conquistaria 6 medalhas de ouro, 4 delas num único dia.

A etíope Derartu Tulu, vencendo a prova de 10 000 metros, tornou-se a primeira africana negra a sagrar-se Campeã Olímpica, comemorando o título com a vice-campeã, a sul-africana branca Elana Meyer, numa volta de honra de grande simbolismo para África e para o mundo.

Portugal, apesar de participar com a maior comitiva de sempre (89 atletas), não alcançaria qualquer resultado de realce, numa presença frustrante.

Os países / equipas que conquistaram mais medalhas foram os seguintes:
(mais…)

9 Agosto, 2004 at 8:58 am

DAVID BERNABÉU VENCE VOLTA A PORTUGAL

O espanhol David Bernabéu (ao serviço da equipa portuguesa Maia – Milaneza) venceu hoje a 66ª edição da Volta a Portugal em Bicicleta.

A Maia – Milaneza venceu também a prova em termos colectivos, relegando a LA – Pecol para o 2º lugar – isto, não obstante as 5 vitórias em 10 etapas (2 de Cândido Barbosa, 2 de David Arroyo – primeiro ciclista da história a vencer ambas as etapas: da Sra. da Graça e da Torre – e uma de Sérgio Paulinho, no contra-relógio final de hoje).

O 2º e 3º lugares na classificação geral individual seriam para dois ciclistas da LA – Pecol, respectivamente o espanhol David Arroyo e Nuno Ribeiro (vencedor da edição do ano passado) – confirmando o seu estatuto de melhor ciclista português… a correr em Portugal (José Azevedo é de outra “galáxia”!).

[1654]

8 Agosto, 2004 at 7:25 pm

…5 DIAS – PATAGÓNIA

A Patagónia localiza-se na região sul da América do Sul, ocupando uma área de cerca de 800 000 km2, iniciando-se, no lado do Chile, a sul de Puerto Montt; na parte da Argentina, inicia-se a sul do Rio Colorado, incluindo Bariloche e a Península Valdes.

As partes argentina e chilena encontram-se separadas pelos Andes, num cenário caracterizado por montanhas, glaciares, lagos e florestas. A Patagónia tem o seu termo na famosa Terra do Fogo, extremo sul da América, no Cabo Horn.

A Patagónia chilena divide-se na parte Norte (onde se localiza a Laguna San Rafael e a famosa estrada Carretera Austral) e Sul (na província de Magallanes, onde se localiza o Parque Nacional Torres del Paine). A principal cidade da Patagónia chilena é a de Punta Arenas, de onde partem os cruzeiros para a Terra do Fogo e Antártida.

A Patagónia argentina – dividida em Patagónia Andina (área montanhosa), Patagónia Central (planalto) e Patagónia Atlântica (costa com penhascos) abrange cinco províncias (Tierra del Fuego, Santa Cruz, Chubut, Río Negro e Neuquén). As principais atracções localizam-se na Terra do Fogo, San Carlos de Bariloche, Parque Nacional Los Glaciares, Parque Nacional Lanín, Termas de Copahue, Parque Nacional Laguna Blanca e San Martin de Los Andes.

Com uma densidade populacional de menos de 2 habitantes/km2, a Patagónia é uma das regiões menos densamente povoadas do mundo.

Fernão de Magalhães foi o primeiro europeu a atravessar a região, em 1520. Não obstante, os primeiros a visitar a região foram Nuño Manuel e Cristóbal de Haro, numa viagem exploratória secreta, ao serviço da Coroa portuguesa. Apesar de os espanhóis apenas terem chegado dois anos depois, acabariam por tomar posse da terra que lhes pertencia de “direito”, de acordo com o Tratado de Tordesilhas; a colonização da região teria início em 1536.

Em 1832-33, no decurso da sua viagem de volta ao mundo no Beagle, Charles Darwin passou pela Patagónia, recolhendo fósseis, existindo ainda hoje a Cordilheira Darwin e o Canal Beagle, ambos na Terra do Fogo.

A Terra do Fogo é formada por um conjunto de ilhas (de que a maior é a Tierra del Fuego ou Isla Grande), entre canais e fiordes, envolvidos por altas montanhas do extremo sul da Cordilheira dos Andes, separadas do Continente pelo Estreito de Magalhães – encontra-se também dividida, desde 1881, entre a Argentina (parte leste) e o Chile. O ponto mais a sul do arquipélago, pertencente ao Chile, forma o Cabo Horn.

A capital da província (do lado argentino) é Ushuaia, a cidade mais ao sul no mundo, situada nas margens do Canal Beagle, rodeada pelos Montes Martial. A linha do “fim do mundo” (Tierra del Fuego Line) proporciona paisagens de “cortar a respiração” de montanhas cobertas de neve. Existe também um “Museu do Fim do Mundo”, dedicado à história e cultura da região. É um local ideal para praticar trekking, andar a cavalo, mountain bike, pesca e passeios pelos Canal Beagle (visitando lobos marinhos, corvos marinhos e pinguins), Cabo Horn e Antártida.

O Parque Nacional Los Glaciares foi declarado Património da Humanidade pela UNESCO. A sua maior atracção é o glacial Perito Moreno, com paredes até 60 metros de altura e mais de 500 km2 de superfície.

Há 1 ano no Memória Virtual – Carta aberta

[1653]

8 Agosto, 2004 at 1:55 pm

JOGOS OLÍMPICOS – 1988 – SEOUL

Seoul - 1988

Cerca de 8 391 atletas, de 159 países, fizeram dos Jogos de Seoul – finalmente sem boicotes – os maiores de todos os tempos, com a disputa de 237 provas, entre 17 de Setembro e 2 de Outubro.

Esta Olimpíada ficaria marcada pelo record mundial e quase imediata desclassificação de Ben Johnson, na prova de 100 metros, vindo a medalha de ouro a ser atribuída a Carl Lewis, por análise positiva de Johnson no controlo anti-doping.

A ciclista Christa Luding-Rothenburger tornar-se-ia na primeira atleta de sempre a conseguir alcançar medalhas nos Jogos de Olímpicos de Verão e de Inverno no mesmo ano (depois de ter sido já medalhada na prova de velocidade de patinagem no gelo).

No regresso do Ténis aos Jogos Olímpicos, depois de uma longa ausência, a tenista Steffi Graf, após ter ganho já os 4 torneios do Grand Slam (Austrália, Roland-Garros, Wimbledon e EUA), culminaria a época com a conquista do título olímpico.

Os americanos Matt Biondi, Greg Louganis e Florence Griffith-Joyner marcariam também esta Olimpíada, com o primeiro a alcançar 7 medalhas (5 de ouro) em provas de natação; o segundo, a conseguir repetir as duas medalhas de ouro nas provas de Saltos para a Água (tal como em 1984); e com a última a estabelecer “inacessíveis” records de velocidade em atletismo (100m e 200m).

Portugal participaria com 65 atletas, conseguindo Rosa Mota, também na prova da Maratona, conquistar a segunda medalha de ouro para Portugal, sagrando-se a primeira mulher portuguesa Campeã Olímpica.

No quadro de medalhas, os países mais bem colocados foram:
(mais…)

8 Agosto, 2004 at 10:50 am 2 comentários

Artigos Mais Antigos Artigos mais recentes


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Agosto 2004
S T Q Q S S D
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.