Archive for 4 Julho, 2004

EURO 2004 – PORTUGAL

Portugal

VICE-CAMPEÃO EUROPEU

4 Julho, 2004 at 11:10 pm 3 comentários

EURO 2004 – 1/4 FINAL – 1/2 FINAIS – FINAL

     1/4 FINAL               1/2 FINAIS              FINAL

PortugalInglaterra2-2 PortugalHolanda2-1 SuéciaHolanda0-0 Portugal0


FrançaGrécia0-1 Grécia1 GréciaR. Checa1-0 R. ChecaDinamarca3-0

[1510]

4 Julho, 2004 at 11:05 pm

EURO 2004 – FINAL

PortugalGrécia0-1

Este “blogue” volta a ser actualizado, ainda hoje.

Para dizer algumas coisas:

1. Foi uma festa linda!
2. Estou muito orgulhoso de ser português.
3. Portugal é Vice-Campeão da Europa – a melhor classificação de sempre!
4. Foi enorme a decepção que sofremos hoje.
5. Infelizmente, só conseguimos ser os Campeões das “vitórias morais”.
6. Não sei se a vitória da Grécia é injusta; provavelmente sim… mas tenho que dizer que, a uma equipa que ganha a Portugal (2 vezes!), à França e à R. Checa, temos que reconhecer-lhe o mérito de potenciar os seus pontos fortes.
7. Provavelmente, vou ter dificuldade em dormir esta noite, pelo que vou ficar por aqui a escrever, fazendo o balanço desta magnífica prova.

Antes de “entrar na matéria” propriamente dita, uma palavra para a magnífica “cerimónia de encerramento”; já tive oportunidade de a rever na televisão, mas posso garantir-vos que, “ao vivo”, no Estádio, foi das coisas mais bonitas que já vi: magnífica a “calçada portuguesa”, muito boa a coreografia da entrada de Nelly Furtado, com a música oficial do EURO (“Com uma Força”) e interessante a ideia da “caravela futurista” a saír de dentro da “bola gigante”. Verdadeiramente emocionante!

Também seria linda a cerimónia da entrega da Taça, com o colorido azul e branco e o fogo de artifício (fico a imaginar como teria sido estrondosamente bela se as cores fossem o verde e o vermelho… “que pena”!).

Sobre o jogo, nenhuma surpresa; tudo aconteceu como “esperado”: Portugal a tomar a iniciativa do jogo, a ser a única equipa a procurar o ataque; a Grécia, sempre na expectativa, à espera do “milagre” que haveria de resultar do erro do adversário.

E assim – exactamente com a mesma estratégia, táctica e forma de jogar -, a Grécia vencia sucessivamente os grandes “colossos” França, R. Checa e Portugal.

É que, inevitavelmente, o erro surge sempre… e os gregos não se fizeram rogados a aproveitá-los, sempre que a oportunidade surgiu.

Uma equipa matreira, implacavelmente traiçoeira. Tal como no jogo com a R. Checa, bastou uma desatenção num canto, para ganharem… e se sagrarem Campeões da Europa.

É verdade que, a partir do meio da primeira parte – à medida que se via que os gregos estavam a “levar a água ao seu moínho” -, a equipa portuguesa começou a revelar sintomas de intranquilidade, baixando bastante de produtividade.

Até final da primeira parte, a ideia que a equipa portuguesa transmitia começava a ser bastante similar à que os checos haviam dado: a equipa começava a denotar falta de frescura física… e psicológica. Os jogadores-chave da equipa (Deco, Maniche, Cristiano Ronaldo, Figo) haviam sido submetidos a um imenso desgaste nos jogos anteriores (com a Espanha, Inglaterra e Holanda) e já não dispunham de muitas reservas…

Jogava bastante lento, e sem soluções para penetrar na organizada “barreira” formada pelos gregos.

E, nas bancadas, os 10 000 gregos começavam já a fazer a festa: chegar à meia-hora de jogo com 0-0 era já uma vitória!… para uma equipa que parece ter uma concepção do futebol como um jogo em que, acima de tudo, o principal não é marcar, mas sim “não sofrer”.

Na segunda parte, Portugal entrou bastante melhor, acelerando o ritmo, com uma boa dinâmica, fazendo renascer a esperança.

Contudo, aos 57 minutos, na sequência de um canto, a Grécia acabava com as nossas aspirações. Um rude golpe, como costuma dizer-se, um autêntico “balde de água fria”.

Logo aí, receou-se o pior; a espaços, Portugal daria ainda a ilusão de que seria capaz de chegar ao golo, mas à medida que o tempo avançava (a “grande velocidade”), a equipa pareceu começar a descrer, até se chegar a um momento em que eram sempre os gregos os mais rápidos, os primeiros a chegar às bolas divididas.

À entrada do último quarto de hora, a “vontade de vencer” dos gregos parecia ser maior que a dos portugueses; com a extrema motivação que lhes proporcionava o golo de vantagem, os gregos aplicavam-se a fundo em todas as lutas pela posse de bola.

Portugal teria ainda, quase em cima da hora, uma excelente oportunidade para empatar, mas o remate de Figo saíu a centímetros do poste.

No final, um claro domínio em termos de posse de bola – pela primeira vez presente numa Final, Portugal assumia claro favoritismo para a vitória e conquista do título de Campeão Europeu -; soube assumir esse favoritismo, partindo “sem complexos” para o ataque, tomando a iniciativa do jogo, sabendo que era a equipa a quem competia procurar o golo.

Como em todos os jogos realizados pela Grécia neste Europeu, a sensação de que Portugal foi (tal como os restantes adversários dos gregos) claramente superior, mas, mais uma vez, o resultado final a não traduzir essa superioridade.

As estatísticas do jogo (praticamente todas favoráveis a Portugal) são bem elucidativas: 17-4 em remates; 5-1 em remates à baliza; 10-1 em cantos (o dos gregos resultaria em golo!…); 58 % / 42 % em termos de posse de bola…

Conclusão: a Grécia, muito bem orientada, perita em defender (como diz Rui Costa, não deixa de ser “irónico” que a equipa mais defensiva da prova se sagre campeã…), seguiu “à risca” o seu plano, esperou pelos adversários e, quando a oportunidade surgia, ganhava o jogo… por 1-0.

A Grécia é Campeã da Europa, depois de ter realizado a seguinte carreira nesta prova (em 14 jogos, 10 vitórias: 7 por 1-0 (!); 2 por 2-0; e 1 por 2-1):

Grécia – Espanha – 0-2
Ucrânia – Grécia – 2-0
Grécia – Arménia – 2-0
I. Norte – Grécia – 0-2
Espanha – Grécia – 0-1
Grécia – Ucrânia – 1-0
Grécia – Arménia – 1-0
Grécia – I. Norte – 1-0
………………………………..
Portugal – Grécia – 1-2
Espanha – Grécia – 1-1
Rússia – Grécia – 2-1
Grécia – França – 1-0
Grécia – R. Checa – 1-0
Portugal – Grécia – 0-1

Portugal Ricardo, Miguel (43m – Paulo Ferreira), Ricardo Carvalho, Jorge Andrade, Nuno Valente, Costinha (60m – Rui Costa), Figo, Deco, Maniche, Cristiano Ronaldo, Pauleta (74m – Nuno Gomes)

Grécia Antonis Nikopolidis, Giourkas Seitaridis, Traianos Dellas, Mihalis Kapsis, Costas Katsouranis, Panagiotis Fyssas, Angelos Basinas, Stelios Giannakopoulos (76m . Stylianos Venetidis), Theodoros Zagorakis, Zisis Vryzas (81m – Dimitrios Papadopoulos), Angelos Charisteas

0-1 – Charisteas – 57m

“Melhor em campo” – Zagorakis (Grécia)

Amarelos – Costinha (11m) e Nuno Valente (93m); Basinas (45m), Seitaridis (62m), Fyssas (67m) e Papadopoulos (84m)

Árbitro – Markus Merk (Alemanha

Estádio da Luz – Lisboa (19h45)


.Filme do jogo.:

3m . Pauleta é travado à entrada da área, mas o árbitro não sanciona

5m . Cristiano Ronaldo combina bem com Deco, mas o remate embate na defesa grega

8m . Figo em drible na área, depois tem de sair, segurando a bola, acabando por ganhar o primeiro canto da partida; na sequência, Nikopolidis a antecipar-se a Pauleta

11m . Seitaridis “desce” pelo corredor direito; Costinha obrigado a travá-lo em falta, vendo o cartão amarelo; livre sem perigo

13m . Miguel remata cruzado, à entrada da área, com muito perigo, obrigando Nikopolidis a desviar para canto com dificuldade

15m . Charisteas a isolar-se, na sequência de uma combinação com Vryzas, com Ricardo a .safar. com os pés, com alguma dificuldade

16m . Pauleta a rematar de longe, fácil para Nikopolidis; apesar de ter “largado” para a frente, teve espaço para recuperar

18m . Deco é novamente travado em falta (para “amarelo”), mas o árbitro não sanciona Charisteas

18m . Cristiano Ronaldo perde-se em dribles na área, acabando por permitir o desarme

21m . Pauleta e Miguel na área grega, tentam ambos ir à bola, acabando por “chocar” um com o outro

24m . Deco a cruzar do lado direito, ganha o terceiro canto para Portugal; marcado por Deco, com a bola a chegar a Maniche, que rematou forte, ligeiramente ao lado

27m . Jogada de algum perigo da Grécia, com Vryzas a cruzar, mas a bola a chegar às mãos de Ricardo

28m . Livre para a Grécia, com Giannakopoulos a marcar, novamente para as mãos de Ricardo

29m . Bola lançada em profundidade para a área da Grécia, com Pauleta a tentar ganhar a Nikopolidis, mas sem conseguir

32m . Deco combina bem com Cristiano Ronaldo, com a bola quase a sobrar para Pauleta, que se isolava perigosamente, mas acabaria por se perder a oportunidade

33m . Miguel lesiona-se; seria substituído alguns minutos depois, já depois de ter sido “longamente” assistido

33m . Livre apontado por Figo, com a bola a sair por alto e sem que surgisse o desvio

37m . Vryzas imita Figo, driblando à entrada da área; acabaria por perder a bola

44m . Nuno Vaente a cair dentro da área, mas provavelmente sem falta

45m . Basinas corta a bola com a mão, numa jogada de contra-ataque de Portugal; vê o amarelo

48m . Charisteas a libertar-se de Nuno Valente, a cruzar para a área, onde não apareceu nenhum grego

49m . Cristiano Ronaldo a abrir bem, com Pauleta a entrar na área, tentando passar por um adversário, mas a rematar contra a “barreira” grega

51m . Jogada perigosa de Deco, que passa por 3 gregos, sendo travado em falta quando entrava na área, mas o árbitro nada assinala

52m . Deco a rematar de longe, por alto e ao lado

55m . Deco a cair novamente dentro da área, com o árbitro a mandar seguir

57m . Seitaridis, depois de, em esforço, conseguir dominar a bola dentro das quatro linhas, e perante a oposição de Cristiano Ronaldo, ganha o primeiro canto (seria o único…) para a Grécia; Basinas a marcar, com Charisteas a surgir a desviar de cabeça para o golo

58m . A Grécia a levar novamente o perigo à área portuguesa, mas Ricardo a antecipar-se, a evitar o cabeceamento

59m . Cristiano Ronaldo ganha espaço, remata forte, obrigando Nikopolidis a uma defesa difícil, “a soco”

60m . Deco marca um livre; a bola bate na malha lateral… do lado de fora

61m . Rui Costa, recém-entrado, a fazer um “slalom” magnífico, por entre 3 gregos, mas a não encontrar ninguém para finalizar, dando seguimento ao centro

63m . Livre de Deco, com a bola a sair muito por cima

64m . Na sequência de uma boa iniciativa, remate de Figo, já dentro da área, mas com Nikopolidis a defender com segurança

67m . Figo marca um livre, para as mãos de Nikopolidis

69m . Portugal desaproveita mais três (!) cantos

72m . Nuno Valente dentro da área, a centrar. directamente para as mãos de Nikopolidis

73m . Rui Costa tenta a sorte de longe, mas a bola a passar ligeiramente ao lado

75m . Rui Costa num magnífico passe, a isolar Cristiano Ronaldo, que, “na cara” do guarda-redes, remata já em esforço, por cima, perdendo a maior oportunidade de Portugal chegar ao golo

79m . Nuno Valente a cruzar, mas Nikopolidis a interceptar

81m . Nova combinação entre Rui Costa e Cristiano Ronaldo, que remata contra o corpo de Dellas, ganhando o canto

82m . Ricardo Carvalho, numa boa iniciativa, aparece a rematar com força, com Nikopolidis a defender mais uma vez a soco, para a frente, não surgindo ninguém para a recarga que daria o golo

85m . Um adepto irrompe pelo campo, para atirar uma camisola do Barcelona à cara de Figo; passariam 2 minutos até o jogo ser retomado

88m . Figo combina com Nuno Gomes, ganhando mais um canto; na sequência, Maniche é apanhado em .fora de jogo.

89m . Dentro da área grega, Figo a conseguir fazer a rotação e a remata com a bola a .rasar. o poste, após um desvio num jogador grego, na que seria a melhor oportunidade de golo para Portugal; do canto, nada resultaria

90m . Deco a cruzar para a área, com Jorge Andrade a cabecear ao lado

94m . Paulo Ferreira a “despejar” a bola para a área grega, onde o árbitro assinala falta a Nuno Gomes; na sequência, Zagorakis a rematar de longe, com muita força, procurando afastar a bola o mais possível

95m . A Grécia é Campeã da Europa

[1509]

4 Julho, 2004 at 11:05 pm

EURO 2004 – UMA VITÓRIA

PortugalNo dia 12 de Junho, escrevi aqui: “É claro que é importante que Portugal tenha sucesso desportivo nesta prova…”, “Mas, acima de tudo, devemos consciencializar-nos que, mais importante do que a vertente desportiva (embora não completamente dissociável), a prova que .somos obrigados a vencer. é a de mostrar ao mundo a capacidade de organização de um torneio desta dimensão, com centenas de milhares de visitantes…”.

Hoje, as palavras dos responsáveis máximos da UEFA (o seu presidente, o sueco Lennart Johansson e o Director do EURO, o suíço Martin Kallen) são a confirmação do que vivemos e sentimos ao longo destas 3 semanas; este é considerado o “melhor EURO” de sempre, com um balanço “fantástico”:

– com um “retorno” três vezes maior que o anterior
– com bons jogos de futebol, muito equilíbrio e competitividade
– com uma adesão entusiástica de todos os portugueses
– com a nossa tradicional excelente hospitalidade
– com milhares de adeptos de todos os países a confraternizar, numa grande “festa”
– com 96 % dos bilhetes vendidos (1,1 milhão de bilhetes)
– com records de audiência televisiva
– com grande fair-play
– com uma final inédita, entre dois estreantes, da qual sairá o 9º país a sagrar-se Campeão da Europa (Portugal e Grécia “já ganharam”).

No mesmo texto, finalizava assim: “Trata-se de uma oportunidade singular que, provavelmente, não se repetirá no espaço de uma geração (25/30 anos). Temos portanto de .agarrá-la.! PORTUGAL precisa de sentir orgulho de .si próprio. e de voltar a .ser feliz.. Vamos mobilizar-nos (todos!) e fazer do EURO 2004 uma .grande festa.!”

No balanço que é possível já fazer, é patente que fomos capazes de “agarrar a oportunidade”, de “sentir orgulho de nós próprios” e de “ser felizes”.

Ansiamos (todos) por ver a Taça de Campeões da Europa a ser entregue a Fernando Couto e Luís Figo… e, a seguir, a Rui Costa… e aos restantes 20! A “grande festa” final espera por nós logo à noite. Portugal merece esta festa!

É com grande entusiasmo que terei o prazer de nela participar “ao vivo”, no belíssimo Estádio da Luz, a partir das 19h30, vibrar, emocionar-me e libertar a alegria esfusiante que guardámos para logo.

P. S. A classificação deste Campeonato da Europa está praticamente definida, faltando apenas apurar o Campeão e o Vice-Campeão:

3º Holanda
3º R. Checa
5º França
6º Inglaterra
7º Suécia
8º Dinamarca
9º Itália
10º Espanha
11º Alemanha
12º Croácia
13º Rússia
14º Letónia
15º Suíça
16º Bulgária

P. S. 2 – Se as coisas correrem bem, como todos esperamos (estou a lembrar-me que Pauleta, Figo e Costinha ainda não marcaram…), provavelmente, este “blogue” só voltará a ser actualizado já amanhã (depois da meia-noite!)…

[1508]

4 Julho, 2004 at 1:00 pm 2 comentários

LEONARDO (VI)

Homem VitruvianoO velho delicado e extravagante Leonardo encerrou-se na melancolia e na solidão, dedicando-se aos estudos matemáticos (sobre a quadratura do círculo), anatómicos e ópticos. Não obstante, data desta altura a segunda versão de São João Baptista (1513), última obra conservada de Leonardo.

Em 1514, fez ainda uma breve viagem a Parma, Bolonha e Florença, regressando no ano seguinte a Roma; não permanecia contudo inactivo: ocupava-se com o seus .jogos geométricos. e os estudos sobre o movimento da água.

Em 1516, novamente sem patrono, aceitou o convite do novo rei da casa de Valois, Francisco I, passando a ser .primeiro-pintor. da corte, transferindo-se para França, para a sua residência privada no castelo de Cloux, em Amboise, onde realizou um leão mecânico.

[1507]

4 Julho, 2004 at 12:35 pm

1 ANO DE "MEMÓRIA VIRTUAL" – RETROSPECTIVA (XXI)

EURO 2004 – A “FESTA” VAI COMEÇAR!

É claro que é importante que Portugal tenha sucesso desportivo nesta prova (embora seja difícil definir com absoluta precisão o que se poderá entender por sucesso – necessariamente o atingir das ½ finais…), até porque a continuidade da nossa selecção em prova manterá acesa a chama da dinâmica da prova, contribuindo para o seu “êxito global”.

Porém, há que “ter os pés assentes no chão”: Portugal entra na prova na 11ª posição do ranking entre os 16 finalistas (no actual ranking da FIFA; sendo o 10º em termos de história da competição), não tendo conseguido nunca melhor do que a meta mínima a que agora se propõe (e ainda, assim, de alguma forma, com carácter “excepcional”, em 1966, 1984 e 2000); numa competição deste cariz, a eliminar, são muitas as contingências (o penalty falhado, a bola no poste, o “desacerto” de um árbitro…); objectivamente, nenhuma equipa do mundo pode garantir antecipadamente que irá ter sucesso.

PortugalGréciaEspanhaRússia

É também verdade que, numa perspectiva “minimalista”, uma selecção poderá ser campeã com apenas 1 vitória e 4 empates (o PSV Eindhoven assim conquistou uma Taça dos Campeões Europeus contra o Benfica em 1988!), podendo mesmo “dar-se ao luxo” de perder um dos jogos da primeira fase; e, portanto, beneficiando do “factor casa”, poderia “bastar-nos” não perder.

FrançaInglaterraSuíçaCroácia

Mas, acima de tudo, devemos consciencializar-nos que, mais importante do que a vertente desportiva (embora não completamente dissociável), a prova que “somos obrigados a vencer” é a de mostrar ao mundo a capacidade de organização de um torneio desta dimensão, com centenas de milhares de visitantes, dando sequência a uma “gigantesca empreitada” de construção de 10 estádios e restantes infra-estruturas (acessibilidades, hotéis, aeroportos). E que, mesmo que à “boa maneira portuguesa”, com atrasos e derrapagens orçamentais, fomos capazes de fazer (bem)!

SuéciaBulgáriaDinamarcaItália

Havendo sempre um “velho do Restelo” (todos sabemos que não eram necessários 10 estádios! – assim como conhecemos as carências que a população portuguesa experimenta nas mais variadas vertentes), nada adiantará agora contestar as opções tomadas e definitivamente assumidas, porque irreversíveis; a verdade é que, tal como com a Expo’98 ou com o Centro Cultural de Belém, as obras feitas aí estão e permanecerão para o futuro; e, por todo o mundo, o nome de Portugal será ouvido e “visto” por milhões de pessoas… e por bons motivos.

R. ChecaLetóniaAlemanhaHolanda

É também assim que os países conquistam o respeito e a admiração internacional; é também por aqui que passa um pouco do “desenvolvimento” do país.

Trata-se de uma oportunidade singular que, provavelmente, não se repetirá no espaço de uma geração (25/30 anos). Temos portanto de “agarrá-la”!

PORTUGAL precisa de sentir orgulho de “si próprio” e de voltar a “ser feliz”. Vamos mobilizar-nos (todos!) e fazer do EURO 2004 uma “grande festa”!

Texto editado originalmente em 12.06.04.

4 Julho, 2004 at 11:20 am

1 ANO de "MEMÓRIA VIRTUAL" – RETROSPECTIVA (XX)

FC PORTO BI-CAMPEÃO EUROPEU

FCPorto.jpegUma final é sempre um jogo “muito especial”; as equipas transfiguram-se e dificilmente conseguem explanar o seu jogo habitual. Inevitavelmente, a tensão sobrepõe-se. O FC Porto não conseguiu “jogar o seu jogo”, mas controlou, dominou e venceu.

E, mais uma vez, impressiona a naturalidade com que o FC Porto vence os jogos; esta final “não podia” ter outro vencedor!

Parabéns ao FC Porto e a Mourinho, o maior obreiro desta vitória, que concretizou o seu sonho; é dele o trabalho de construir esta equipa, a mais sólida e solidária da Europa.

Vitor Baía, Paulo Ferreira, Jorge Costa, Ricardo Carvalho, Nuno Valente, Costinha, Deco, Pedro Mendes, Maniche, Carlos Alberto, Derlei, Alenitchev, McCarthy e Pedro Emanuel entram na história do futebol português, com o FC Porto a sagrar-se bi-Campeão Europeu.

Sem querer apropriar-me do que pertence aos portistas, saboreemos todos um pouco desta vitória que é igualmente de Portugal, com 9 jogadores portugueses (Deco incluído) no “onze” inicial – no quarto título máximo de clubes da Europa para Portugal.

Texto editado originalmente em 26.05.04.

4 Julho, 2004 at 10:15 am

1 ANO DE "MEMÓRIA VIRTUAL" – RETROSPECTIVA (XIX)

BENFICA CONQUISTA TAÇA DE PORTUGAL

Finalmente!…

Ao fim de 8 anos, o Benfica regressa às grandes vitórias!

E quem melhor para dar expressão e significado especial a esta conquista do que a grande equipa do FC Porto, a dias de poder sagrar-se Campeã Europeia?

Em “futebolês”, costuma dizer-se destes jogos, que são “rasgadinhos”, ou seja, que ambas as equipas dão tudo o que têm em busca do melhor resultado para as suas cores. Foi um jogo viril, quezilento q. b., mas sem intenção maldosa, em que os jogadores lutaram até à exaustão.

Uma demonstração de grande capacidade competitiva do Benfica, com uma entrada em jogo muito forte; poucas equipas no mundo poderão desperdiçar 3 oportunidades de golo frente ao FC Porto (que, por seu lado, também as teve…) e “sobreviver”.

O FC Porto voltou a mostrar a sua solidez e solidariedade (mesmo reduzido a 10, não se “atemorizou”); Deco fez talvez o melhor jogo da época, mostrando que os grandes jogadores dizem “presente” nas grandes ocasiões.

No prolongamento, tudo podia acontecer, mas o Benfica fez valer a superioridade numérica, perante um FC Porto que se foi como que “conformando” com o resultado, sem contudo “virar a cara à luta”.

Para a história, na sua 32ª final, o Benfica conquista pela 24ª vez a Taça de Portugal (elevando para 8-1 o seu “score” nas finais disputadas com o FC Porto).

Derlei fez 0-1 no termo da primeira parte; o grego Fyssas empatou na segunda parte; Simão marcou o golo decisivo em cima do final da 1ª parte do prolongamento, na melhor homenagem que podia ser prestada à memória de Miklos Féher e de Bruno Baião.

Texto editado originalmente em 16.05.04.

Há 1 ano no Memória Virtual – .In God We Trust.

4 Julho, 2004 at 9:10 am


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

  • RT @rfam: A precisão com que o fogo foi colocado na zona da Sertã é bastante evidente neste mapa. Na Única faixa que ainda não tinha ardido… 21 minutes ago
  • Tottenham marca nos descontos e ganha 3-2 à Juventus... 1 hour ago
  • RT @FlavioNunesPT: É muito importante que a @Libra_ seja escrutinada e analisada antes do lançamento. Mas há cada vez mais sinais de que is… 1 hour ago

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.