Archive for 23 Julho, 2004

TEORIA DA RELATIVIDADE (V)

A relatividade da simultaneidade está relacionada com a relatividade do tempo; diferentes observadores medem intervalos de tempo diferentes para um determinado par de eventos. Geralmente, esses observadores não concordarão quanto à duração desses intervalos de tempo.

Supondo uma pessoa viajando num comboio, determinando o intervalo de tempo entre dois acontecimentos ocorrendo “no mesmo local”, com base num relógio electrónico, sendo os acontecimentos: ligar uma luz de uma lanterna e o tempo que demora a “voltar” o seu reflexo num espelho colocado no tecto do comboio.

Passando agora à perspectiva de um passageiro localizado na plataforma da estação, vendo o comboio em movimento (por conveniência, vamos supor que é um TGV…).

A luz propaga-se à mesma velocidade para ambos os observadores, independentemente de o acontecimento ocorrer num objecto em movimento; contudo, para o observador no exterior, a luz percorre uma distância maior (porque, quando se dá o reflexo da luz no espelho, o comboio se deslocou…).

Contudo, por definição, a velocidade da luz é constante; portanto, se o percurso foi maior, o tempo entre as duas ocorrências também terá de ser maior! Este é o princípio da dilatação do tempo.

Se fosse possível viajar num comboio em deslocação à velocidade da luz (!), o tempo seria sempre igual a zero; ou seja, não existiria! Nessa situação, não existiria envelhecimento (comparativamente a quem está fora do comboio).

O efeito da dilatação do tempo é real! Não tem a ver com questões mecânicas derivadas do movimento; decorre da própria natureza do tempo.

[1593]

23 Julho, 2004 at 6:05 pm 1 comentário

RELATÓRIO “DESENVOLVIMENTO HUMANO” (V)

Em relação a outro dos factores determinantes na classificação em análise – “Crises e Desafios de Saúde” / “Sobrevivência” – destacam-se os seguintes indicadores, respectivamente, “% de adultos infectados pelo vírus da SIDA”; “Casos de Tuberculose por 100 000 habitantes”; “% de Fumadores (Adultos)”; “Esperança de vida à nascença”; “Taxa de mortalidade infantil (por 1 000)”; “Taxa de mortalidade de crianças com menos de 5 anos (por mil)”:

– Noruega: 0,1 / 5 / 32 / 78,9 / 4 / 4
– Suécia: 0,1 / 4 / 19 / 80,0 / 3 / 3
– Austrália: 0,1 / 6 / 20 / 79,1 / 6 / 6
– Canadá: 0,3 / 5 / 25 / 79,3 / 5 / 7
– Holanda: 0,2 / 7 / 33 / 78,3 / 5 / 5
– Bélgica: 0,2 / 11 / 28 / 78,7 / 5 / 6
– Islândia: 0,2 / 3 / … / 79,7 / 3 / 4
– EUA: 0,6 / 4 / 24 / 77,0 / 7 / 8
– Japão: 44 / 33 / 81,5 / 3 / 5
– Irlanda: 0,1 / 13 / 32 / 76,9 / 6 / 6

– Portugal: 0,4 / 37 / 19 / 76,1 / 5 / 6

Nestes indicadores, merecem particular referência os valores apresentados pela Noruega, Suécia e Islândia.

Portugal continua a registar aqui importantes desafios, nomeadamente na luta contra os casos de SIDA e Tuberculose (com um acréscimo muito significativo em todos os países indicados).

Realce para os relativamente bons indicadores registados por Portugal no critério “Sobrevivência” (à excepção da esperança média de vida – indicador em que o Japão e a Suécia são os únicos países do mundo a atingir ou ultrapassar os 80 anos).

[1592]

23 Julho, 2004 at 1:35 pm 1 comentário

…21 DIAS – HAWAII

Estado dos Estados Unidos da América, com capital em Honolulu, constituído por um arquipélago vulcânico na Polinésia, isolado em pleno Pacífico Norte (cerca de 4 000 km a Sudoeste da Califórnia), o Hawaii tem cerca de 2 800 km de extensão, sendo o maior cordão de ilhas no mundo, tendo recebido o nome da pátria original do povo polinésio que lhe chamava Havaiki; o primeiro europeu a desembarcar no Hawaii, em 1779, foi o capitão Cook.

Das mais de 20 ilhas, apenas 7 são habitadas (Oahu, Molokai, Big Island, Maui, Lanai e Kauai), formando o 50º Estado norte-americano.

Dispondo de paradisíacas praias de areia fina, mar turquesa, grandiosas falésias, vales selvagens, vulcões em actividade, luxuriante vegetação de florestas virgens, e até montanhas cobertas de neve, as suas ondas gigantes transformaram o Hawaii no paraíso dos surfistas, sendo visitado anualmente por mais de 7 milhões de turistas, sendo a praia de Waikiki a de maior densidade hoteleira do mundo.

Há 1 ano no Memória Virtual – Metabloguismo

[1591]

23 Julho, 2004 at 12:00 pm 1 comentário

CARLOS PAREDES

Partiu um génio.

A música mundial está mais pobre, no momento em que perde um dos maiores guitarristas de sempre.

Carlos Paredes nasceu em Coimbra a 16 de Fevereiro de 1925, filho e neto, respectivamente, de Artur e Gonçalo Paredes, dois grandes nomes da guitarra portuguesa.

O seu estilo muito próprio viria a torná-lo, não só, num símbolo de um país, mas no símbolo do próprio instrumento – guitarra portuguesa.

Imortalizado com o seu tema mais famoso, “Verdes Anos” (1962), música tema do filme de Paulo Rocha com o mesmo nome.

Pode conhecer mais da biografia do Mestre aqui.

Discografia:

[1590]
(mais…)

23 Julho, 2004 at 7:12 am 1 comentário


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

  • RT @rfam: A precisão com que o fogo foi colocado na zona da Sertã é bastante evidente neste mapa. Na Única faixa que ainda não tinha ardido… 10 minutes ago
  • Tottenham marca nos descontos e ganha 3-2 à Juventus... 1 hour ago
  • RT @FlavioNunesPT: É muito importante que a @Libra_ seja escrutinada e analisada antes do lançamento. Mas há cada vez mais sinais de que is… 1 hour ago

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.