Archive for 26 Junho, 2004

EURO 2004 – 1/4 FINAL – 1/2 FINAIS – FINAL

     1/4 FINAL               1/2 FINAIS              FINAL

PortugalInglaterra2-2 PortugalHolanda--- SuéciaHolanda0-0 Vencedor do .............-.............-


FrançaGrécia0-1 Vencedor do .............-.............- GréciaVencedor do R. Checa-Dinamarca--- R. ChecaDinamarca---

[1482]

26 Junho, 2004 at 11:59 pm

EURO 2004 – 1/4 FINAL – SUÉCIA – HOLANDA

SuéciaHolanda0-0 (4-5 g.p.)

O Suécia-Holanda não foi também um bom jogo, caracterizando-se, particularmente nos 90 minutos de tempo regulamentar, por uma toada .morna., com o jogo concentrado essencialmente a meio-campo, sem grandes oportunidades de golo, não obstante alguma predomínio holandês.

A Holanda entrou melhor no jogo, assumindo o controlo da partida, que dominaria na primeira parte (58 % / 42 %, em termos de .posse de bola.), embora com um ataque previsível.

Na segunda parte, o jogo mudaria algo de cariz, com a Suécia a surgir mais perigosa, logo nos primeiros 10 minutos, com possibilidade de marcar, não fora Cocu a .salvar. sobre a linha de baliza.

A Holanda ainda procuraria ripostar mas, à entrada do último quarto de hora, a Suécia podia, novamente, ter também chegado ao golo.

O prolongamento seria bem mais interessante, desde logo com os holandeses a terem oportunidade de marcar aos 3 minutos, surgindo Robben a rematar ao poste. Ainda antes do termo da primeira parte do prolongamento, novas oportunidades, uma para cada lado.

Se a primeira parte fora de alguma forma controlada pela Holanda (tal como a 1ª parte do tempo regulamentar), também a Suécia viria a chamar a si, na segunda parte do prolongamento, o domínio do jogo, com Larsson a rematar à trave (112m) e Ljunberg ao poste (116m), quando o guarda-redes holandês estava já batido.

Já próximo do final, a Suécia desperdiçava portanto duas grandes oportunidades para evitar os penalties, o que não conseguiria; quando, na marcação dos pontapés de grande penalidade, Ibrahimovic rematou por alto, pensou-se que a Holanda tinha a eliminatória ganha; contudo, Cocu (tal como em anterior prova de âmbito internacional) viria a falhar; a selecção apurada para defrontar Portugal nas ½ finais apenas seria conhecida quando Mellberg . no primeiro pontapé após a série inicial . falhou a sua conversão; logo de seguida, Robben colocava, com algum felicidade, os holandeses (uma equipa sempre muito poderosa) .no caminho. de Portugal, afastando a .maldição dos penalties. (que lhes haviam provocado sucessivas eliminações nos Europeus de 1992, 1996 e 2000 e no Mundial de 1998).

A caminho da Final, tem a palavra Portugal!

Suécia Andreas Isaksson, Mikael Nilsson, Olof Mellberg, Andreas Jakobsson, Fredrik Ljungberg, Tobias Linderoth, Alexander Ostlund, Anders Svensson (80m – Kim Kallström), Mattias Jonson (65m – Christian Wilhelmsson), Zlatan Ibrahimovic, Henrik Larsson

Holanda Edwin van der Saar, Jaap Stam, Frank De Boer (35m – Wilfred Bouma), Gio van Bronckhorst, Michael Reiziger, Clarence Seedorf, Edgar Davids (62m – John Heitinga), Philip Cocu, Andy van der Meyde, Arjen Robben, Ruud van Nistelrooy (86m – Roy Makaay)

“Grandes penalidades”

1-0 – Kallstrom
1-1 – Van Nistelrooy
2-1 – Larsson
2-2 – Heitinga
Ibrahimovic remata por cima
2-3 – Reiziger
3-3 – Ljunberg
Cocu remata, com estrondo, ao poste
4-3 – Wilhelmsson
4-4 – Makaay
Mellberg permite a defesa de Van der Sar
4-5 – Robben

“Melhor em campo” – Ruud van Nistelrooy

Amarelos – Zlatan Ibrahimovic (57m) e Alexander Ostlund (88m); Frank De Boer (30m), Andy van der Meyde (48m) e Roy Makaay (115m)

Árbitro – Lubos Michel (Eslováquia)

Estádio do Algarve – Faro – Loulé (19h45)

[1481]

26 Junho, 2004 at 11:58 pm

DECISÃO DIFÍCIL, DECISÃO FÁCIL

De forma completamente inesperada, o Presidente Jorge Sampaio vê-se confrontado com a “mais difícil” decisão que algum Presidente da República teve algum dia de tomar – pelo menos, desde o 25 de Abril.

Qualquer que seja a opção de Jorge Sampaio, ela será enormemente contestada, à “direita” ou à “esquerda”.

E, porém, a decisão de Jorge Sampaio é a “mais fácil” que algum Presidente da República teve alguma vez de tomar: a “única” opção possível! Jorge Sampaio “tem de” convocar eleições antecipadas.

Com a agora provável ida do Primeiro-Ministro português, Durão Barroso, para Bruxelas, para assumir a Presidência da Comissão Europeia, todos os pressupostos subjacentes às eleições em que os portugueses lhe confiaram o mandato de Primeiro-Ministro deixam de se verificar.

Não sendo as eleições legislativas formalmente personalizadas numa individualidade, em termos práticos e efectivos, quando os portugueses foram chamados às urnas, sabiam que estavam a optar entre Durão Barroso e Ferro Rodrigues para chefiar o governo.

Não me parece “legítimo” que, agora, se designe (mais ou menos “oficiosamente”, de forma interna, mesmo que no seio do partido então mais votado), um substituto. Em democracia, “as coisas não funcionam assim”…

[1480]

26 Junho, 2004 at 1:06 am 3 comentários


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

  • RT @carmoafonso: o dia virá em q publicar capas assim arrasará quem o faz e não os visados. 10 hours ago
  • RT @RSolnado: De quem escolheu Roberto, do mesmo autor de Artur em vez de Oblak, chega... Helton, que ele quis dispensar, em vez de Odyssea… 10 hours ago
  • RT @bfarialopes: O Chega, por exemplo, conseguiu a proeza de em 12 horas votar três vezes de forma diferente a mesma norma do Novo Banco: A… 12 hours ago

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.