Archive for 25 Junho, 2004

EURO 2004 – 1/4 FINAL – 1/2 FINAIS – FINAL

     1/4 FINAL               1/2 FINAIS              FINAL

PortugalInglaterra2-2 PortugalVencedor do Suécia-Holanda--- SuéciaHolanda--- Vencedor do .............-.............-


FrançaGrécia0-1 Vencedor do .............-.............- GréciaVencedor do R. Checa-Dinamarca--- R. ChecaDinamarca---

[1479]

25 Junho, 2004 at 11:28 pm

EURO 2004 – 1/4 FINAL – FRANÇA – GRÉCIA

FrançaGrécia0-1

“Crónica de uma derrota anunciada”: Depois da Espanha, Itália, Alemanha e Inglaterra, tive hoje oportunidade de assistir ao vivo (na primeira deslocação ao novo e bonito Estádio José de Alvalade, no Complexo Alvalade XXI) à queda de mais um “colosso” do futebol europeu e mundial, também a “ficar pelo caminho”; das tradicionais “grandes selecções” da Europa, resistem apenas a Holanda e a R. Checa.

Foi um jogo bastante fraco o que opôs a França e a Grécia, com os gregos apostados sobretudo em defender, ensaiando, aqui e ali, tímidos contra-ataques e com os franceses, sem “chama”, sem garra, com um futebol muito estereotipado, denunciado, previsível, porque, acima de tudo, muito lento. Que diferença para o “nosso” jogo de ontem!

A espaços largos, a equipa francesa fez lembrar a incapacidade revelada também pela Alemanha para impor o seu futebol; os jogadores denotaram estar, praticamente todos, bastante “fora de forma”; o sempre esforçado e empreendedor Zidane não chegou para disfarçar a apatia generalizada, porque também ele desinspirado.

Depois, falhou também, na frente de ataque, a dupla ofensiva, com Trezeguet “transparente” em todos os jogos (praticamente não se deu por ele) e com Henry (considerado o melhor jogador do mundo na presente época, ao serviço do seu clube, o Arsenal de Londres) muito distante do seu real valor.

Com problemas também na defesa (como compreender que o lateral direito Thuram jogasse sempre a central, e que o central, Gallas, ocupasse sempre a posição de lateral direito?), a França acabaria por ser eliminada por um golo resultante de uma rápida jogada de contra-ataque dos gregos (que, em toda a partida, não teriam disposto de mais de 1 ou 2 ocasiões de perigo).

Perante a apatia geral do jogo, a animação viria da “bancada grega” e dos adeptos portugueses e ingleses, que chegariam a ter um momento de “reposição” dos cânticos de ontem, procurando animar o Estádio.

A perder a partir dos 65 minutos, a França teria ainda, teoricamente, bastante tempo para responder, mas, a determinada altura, chegou a parecer que os jogadores, sem motivação, “não se importariam de ir para casa mais cedo” (!?) – no final, do jogo, ver-se-ia que os jogadores “sentiram a eliminação”, no segundo revés consecutivo dos “bleus”, depois da paupérrima campanha no Mundial de 2002, em que não haviam marcado um único golo.

O “canto do cisne” surgiria aos 87 minutos, com Henry a rematar forte, “a rasar o poste” – melhor oportunidade francesa em toda a partida -, numa jogada em que Nikopolidis estava completamente batido, sem hipótese de defesa.

A França acaba por “passar ao lado” deste Campeonato; à parte os primeiros 40 minutos do jogo inaugural com a Inglaterra, nunca conseguiu “passear a sua classe”.

Os gregos – bastante apoiados por um bom núcleo de adeptos (perto de 10 000) fizeram a sua grande festa, atingindo – para já – uma surpreendente e absolutamente inesperada posição no pódio.

O seu futebol não é bonito, pouco procuram o ataque, defendem sem cerimónia, mas, até agora, têm conseguido ser eficazes. E, para quem estranhara a derrota portuguesa no jogo de abertura, ficou agora a prova de que, em futebol, (quase) tudo é possível!

França Fabien Barthez, William Gallas, Claude Makelele, Lilian Thuram, Bixente Lizarazu, Olivier Dacourt (72m . Sylvain Wiltord), Robert Pires (79m . Jérome Rothen), Mikaël Silvestre, Zinedine Zidane, David Trezeguet (72m . Louis Saha), Thierry Henry

Grécia Antonis Nikopolidis, Giourkas Seitaridis, Traianos Dellas, Mihalis Kapsis, Costas Katsouranis, Panagiotis Fyssas, Angelos Basinas (85m . Vassilis Tsiartas), Theodoros Zagorakis, Georgios Karagounis, Angelos Charisteas, Themistoklis Nikolaidis (61m . Vassilis Lakis)

0-1 – Charisteas – 65m

“Melhor em campo” – Charisteas (Grécia)

Amarelos – Zidane (44m) e Saha (86m); Karagounis (6m) e Zagorakis (50m)

Árbitro – Anders Frisk (Suécia)

Estádio José Alvalade (Alvalade XXI) – Lisboa (19h45)

[1478]

25 Junho, 2004 at 11:25 pm

"DESPORTOS & LETRAS" – EXPOSIÇÃO

“Citado há mais de cem anos entre nós (Ramalho Ortigão, 1887), o foot-ball era, já em 1926, no dizer de Aquilino Ribeiro, o desporto favorito dos portugueses. Este ainda propôs (1958), por analogia com outros, que se foram nacionalizando, o vocábulo «pedibola», mas não vingou. A modalidade domina, entretanto, a actualidade, inspirando a exposição da Biblioteca Nacional, que não quis ficar-se, todavia, pelo conceito de massas subjacente ao acontecimento do Euro 2004.”

Este é parte do texto de promoção a Exposição patente na Biblioteca Nacional, de 3 de Junho a 4 de Setembro (entrada livre!), exibindo obras e iconografia (desde a banda desenhada aos álbuns de cromos) relacionada com variadas actividades desportivas, com espaço também para o Olimpismo.

[1477]

25 Junho, 2004 at 5:55 pm

"TRATADO CONSTITUCIONAL EUROPEU" (V)

No que respeita ao “Pacto de Estabilidade e Crescimento”, foi aprovada uma declaração que aponta para um objectivo “gradual” de um orçamento excedentário, para além da sustentabilidade das Finanças Públicas a longo prazo.

Por fim, é consagrado um “Direito de Iniciativa Popular”, implicando um número mínimo de um milhão de cidadãos europeus (repartidos por um número de países ainda a definir), os quais terão a capacidade para solicitar à Comissão Europeia que submeta proposta legislativa sobre determinada questão.

O Tratado Constitucional compreende ainda a “Carta dos Direitos Fundamentais” proclamada em Nice em 2000, enumerando os direitos do cidadão europeu em matéria de dignidade, liberdade e justiça.

P. S. Novo agradecimento, a O Desenvolvimento Sustentável.

[1476]

25 Junho, 2004 at 8:59 am 1 comentário

"TERRAS DO NUNCA" / "A ESQUINA DO RIO"

Há um ano, a “blogosfera” estava “em ebulição”: todos os dias surgiam novos “blogues”, enriquecendo este “admirável mundo novo”.

Era o caso, a 25 de Junho, do “Terras do Nunca” (um dos meus preferidos desde esses primeiros dias) e do “A Esquina do Rio“.

Parabéns ao João Morgado Fernandes e ao Manuel Falcão (agora um pouco “afastado” da blogosfera).

Votos de uma boa continuação no 2º ano.

P. S. Que me desculpem os “bloguistas aniversariantes do dia”, mas 25 de Junho é também – e primeiro que tudo -, dia de dar um abraço de Parabéns ao mano Pedro, pelo seu aniversário “a sério”!

[1475]

25 Junho, 2004 at 8:24 am


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.