Archive for 16 Março, 2005

CARTA DE PÊRO VAZ DE CAMINHA (VIII)

“E despois moveu o capitão para cima, ao longo do rio, que anda sempre a carão da praia, e ali esperou um velho que trazia na mão uma pá d’almadia. Falou, estando o capitão com ele perante todos nós, sem o nunca ninguém entender nem ele a nós, quanto a cousas que lhe homem perguntava d’ouro, que nós desejávamos saber se o havia na terra. Trazia este velho o beiço tão furado, que lhe caberia pelo furado um grande dedo polegar.

E trazia metido no furado uma pedra verde, ruim, que çarrava por fora aquele buraco. E o capitão lha fez tirar e ele não sei que diabo falava e ia com ela para a boca do capitão para lha meter. Estivemos sobre isso um pouco rindo então enfadou-se o capitão e deixou-o. E um dos nossos deu-lhe pela pedra um sombreiro velho, não, por ela valer alguma cousa, mas por mostra.

E despois, a houve o capitão creio para com as outras cousas a mandar a Vossa Alteza. Andámos por aí vendo a ribeira, a qual é de muita água e muito boa. Ao longo dela há muitas palmas, não muito altas, em que há muito bons palmitos. Colhemos e comemos deles muitos. Então tornou-se o capitão para baixo, para a boca do rio, onde desembarcámos.

E além do rio andavam muitos deles, dançando e folgando uns ante outros, sem se tomarem pelas mãos, e faziam-no bem. Passou-se então além do rio Diogo Dias, almoxarife que foi de Sacavém que é homem gracioso e de prazer, e levou consigo um gaiteiro nosso, com sua gaita, e meteu-se com eles a dançar, tomando-os pelas mãos. E eles folgavam e riam e andavam com ele mui bem, ao som da gaita. Despois de dançarem, fez-lhes ali, andando no chão, muitas voltas ligeiras e salto real, de que se eles espantavam e riam e folgavam muito.

E, conquanto os com aquilo muito segurou e afagou, tomavam logo uma esquiveza como monteses. E foram-se para cima. E então o capitão passou o rio com todos nós outros e fomos pela praia, de longo, indo os batéis assim a carão de terra. E fomos até uma lagoa grande d’água doce, que está junto com a praia, porque toda aquela ribeira do mar é apaulada por cima e sai água por muitos lugares.

E depois de passarmos o rio, foram uns sete ou oito deles andar entre os marinheiros que se recolhiam aos batéis. E levaram dali um tubarão que Bartolomeu Dias matou e levava-lho e lançou-o na praia. Abasta (que até aqui, como quer que se eles em alguma parte amansassem, logo duma mão para a outra se esquivavam, como pardais de cevadoiro, e homem não lhes ousa falar de rijo por se mais não esquivarem.

E tudo se passa como eles querem por os bem amansar. Ao velho, com que o capitão falou, deu uma carapuça vermelha e com toda a fala, que com ele passou, e com a carapuça, que lhe deu, tanto que se espediu, que começou de passar o rio, foi-se logo recatando e não quis mais tornar do rio para aquém.

Os outros dous, que o capitão teve nas naus, a que deu o que já dito é, nunca aqui mais apareceram, de que tiro ser gente bestial e de pouco saber e por isso são assim esquivos. Eles, porém, com tudo, andam muito bem curados e muito limpos e naquilo me parece ainda mais que são como aves ou alimárias monteses que lhes faz o ar melhor pena e melhor cabelo que às mansas, porque os corpos seus são tão limpos e tão gordos e tão formosos, que não pode mais ser.”

[2147]

16 Março, 2005 at 6:11 pm

LÍNGUAS MINORITÁRIAS NA EUROPA (XIII)

O Occitano ou “língua de Oc”, também conhecido por Provençal, é falado numa área que cobre cerca de 1/3 da França, em todo o sul do país (principalmente nas regiões da Provença, Languedoc-Roussillon e Midi-Pyrénées), e também no principado do Mónaco, nos vales alpinos das províncias italianas de Torino e Cuneo e no vale de Aran, em Espanha.

É anunciado como a “maior minoria da Europa”, com 2 milhões de falantes em França, Espanha e Itália e 6 dialectos principais, falados de Nice a Bayonne e de Limoges a Foix (em verdade, poderão ascender a cerca de 3 milhões as pessoas que compreendem a língua – de qualquer forma, com uma substancial redução face aos mais de 10 milhões estimados nos anos 40):

L’occitan es: la minoritat mai granda d’Euròpa. 2 milions de locutors en França, Espanha e Itàlia. 6 dialèctes màgers parlats de Niça a Baiona, de Lemòtges a Fois.”

O Occitano (tradicionalmente referido como “langue d’oc”) é uma língua românica, resultado da evolução do latim, após a queda do Império Romano, como o francês, o espanhol, o italiano, o português, o catalão, o sardo, o romeno e o romanche (Suíça).

Esta evolução foi influenciada pelas línguas faladas antes da chegada dos romanos: o gaulês (língua céltica) no norte da Occitânia, a língua da Aquitânia (língua dos antepassados dos bascos) no sudoeste e o ligurio no sudeste. As evoluções propagaram-se de seguida, tendo as diferenças sido parcialmente atenuadas.

É portanto uma língua intermediária entre as línguas românicas do sul como o italiano ou o castelhano (sendo estes bastante conservadoras), e o francês, que sofreu profundas transformações após as invasões germânicas do IV ao VI séculos. É bastante próxima do catalão; efectivamente, numerosos cientistas consideram-nos mesmo como dois dialectos de uma mesma língua occitano-catalã.

A Occitânia é meramente a zona onde se fala um dos dialectos do occitano: provençal, languedociano, gascão, auvernhês, limousan e provençal alpino. Nunca foi politicamente unificada, mas a intercompreensão entre os vários dialectos, tal como um forte conjunto de similaridades culturais (cozinha, mentalidades, arquitectura, …) criaram uma unidade própria.

Alguns meios académicos pretenderam, contra qualquer rigor científico, que o Occitano não seria mais que um “patois”, um “francês deformado”. O que não corresponderá à verdade; o Occitano e o francês são duas línguas que evoluíram separadamente do latim.

Links a consultar:
http://europa.eu.int/comm/education/policies/lang/languages/langmin/euromosaic/fr7_en.html
http://www.languesdefrance.com/index.php

[2146]

16 Março, 2005 at 8:29 am


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Março 2005
S T Q Q S S D
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.