Archive for 18 Novembro, 2003

PORTUGAL NA FASE FINAL DO EUROPEU ESPERANÇAS

A equipa de .Esperanças. de Portugal acaba de garantir o apuramento para a Fase Final do Campeonato da Europa da categoria em Futebol (jogadores com menos de 21 anos), ao vencer, em França, a selecção visitada, considerada uma das melhores da Europa, por 2-1.

Isto, após ter sido derrotada, no passado Sábado, em Portugal, pelo mesmo resultado.

É uma situação que considero paradigmática e reveladora da característica inerente aos portugueses: serem capazes do .melhor. e do .pior., do tradicional .8 ou 80..

E, sobretudo, do .melhor., quando as circunstâncias parecem ser as mais adversas possíveis, quando tudo parece inclinar-se contra nós (podemos recordar os exemplos da EXPO98 ou da recente construção dos Estádios para o EURO2004, em tempo .record. e ultrapassando todas os obstáculos que, quase diariamente, surgiam.).

E, ao invés, do .pior., sobressaindo a sua displicência ou .sobranceria., quando as coisas parecem ser mais fáceis de alcançar.

Acima de tudo, uma absoluta incapacidade de manter uma constância de regularidade, a um nível suficientemente elevado.

Uma incapacidade associada a uma .preguiça., a uma necessidade “inata” de factores motivadores.

A verdade é que parecemos precisar de .estímulos externos. para que nos superemos.

E gostamos tanto de deixar tudo para o último momento. (neste caso, nos penalties).

Uma questão cultural e de mentalidade.

[606]

18 Novembro, 2003 at 10:50 pm

OS IMORTAIS

O último filme de António Pedro Vasconcelos conta uma história que vai para além da guerra colonial que continua a pairar na mente de um grupo de ex-comandos, que, na Lisboa de 1985, comemoram os feitos do Ultramar, ao mesmo tempo que planeiam assaltos a bancos, reflexo de quanto a guerra condicionou a sua (re)integração na sociedade.

Nicolau Breyner tem aqui o .papel da sua vida., como inspector Malarranha, que vai cruzar-se com esse grupo de quatro guerreiros, fixando-se neles, quer por empatia com a tragédia, quer pela admiração / voyeurismo de um determinado tipo de heroísmo, ao mesmo tempo que forma, por outro lado, um comovente casal com Filó (Paula Mora), num amor triste…

P. S. Novos agradecimentos, ao The Serendipitous Cacophonies e ao Pick Pocket.

[605]

18 Novembro, 2003 at 6:29 pm

75 ANOS DO RATO MICKEY

Foi no dia 18 de Novembro de 1928, que foi exibido pela primeira vez .Steamboat Willie., em que surgiu como personagem principal Mickey Mouse (que, no entanto, aparecera já no ano anterior em duas curtas-metragens quase desconhecidas), nascendo assim um dos mais populares heróis do cinema de animação (viria a ser .protagonista. em mais de 130 filmes), logo .exportado. para a banda desenhada, na imprensa, a partir de 1930, originando, no ano seguinte, a primeira edição em livro, depois imensamente.propagada., ao longo de décadas, em incontáveis revistas.

[604]

18 Novembro, 2003 at 1:58 pm

NOVOS MEMBROS DA UNIÃO EUROPEIA – HUNGRIA (II)

Os débeis monarcas que se seguiram ao Rei Matias viriam a perder as conquistas que havia feito. Em 1526, dá-se a batalha de Mohács, em que o exército turco, de 80 000 soldados, mostrando grande superioridade, derrotou as tropas locais. O país perdeu parte importante do seu território para os turco-otomanos.

Até 1686, foi desmembrada em 3 partes: a zona central (território conquistado) foi invadida pelos turcos; a Hungria real, para cujo trono foi eleito Fernando de Habsburgo; e, na zona oriental, o Principado da Transilvânia. A Hungria converteu-se na zona de enfrentamento de duas culturas, a cristã europeia e a muçulmana turca. As fronteiras da zona central variavam constantemente.

O Principado da Transilvânia viu-se obrigado a procurar um difícil equilíbrio entre os Impérios dos Habsburgo e Otomano, tendo sempre por objectivo unir as forças da parte ocidental e oriental para expulsar os turcos e reunificar o país.

No início dos anos de 1600, o Império Otomano mostrava-se incapaz de aumentar os seus territórios europeus, tendo fracassado o ataque turco contra Viena em 1683.

Por iniciativa do Papa Inocêncio XI, o Império dos Habsburgo, a Polónia e Veneza criaram a Santa Aliança que, em 1686, libertaria Buda do domínio turco; até final do século, os turcos seriam expulsos de todo o território húngaro.

No entanto, a Hungria seria então anexada ao Império Austríaco dos Habsburgo. O despotismo imperial provocou grande resistência, culminando numa luta pela independência, de 1703 a 1711. Embora sem conseguir obter a sua independência, as leis de 1714-15 asseguraram a autonomia constitucional da Hungria.

Entre 1832 e 1848, nas Assembleias Nacionais da Reforma, a oposição defendia uma Hungria livre da tutela de Viena. A Hungria e a Transilvânia, até então tratadas como unidades separadas, nomearam um governo comum, com sede em Budapeste; apenas a figura do monarca estabelecia a relação entre o país e o Império dos Habsburgo.

[603]

18 Novembro, 2003 at 8:03 am

UNIÃO EUROPEIA – 1972

Em 22 de Janeiro, são assinados pela Dinamarca, Irlanda, Noruega e Reino Unido os Tratados de Adesão às Comunidades Europeias.

Em Março, o Presidente da Comissão (Franco Maria Malfatti) resigna, sendo substituído pelo vice-presidente Sicco Mansholt.

O Conselho adopta uma resolução, com base num resumo geral apresentado pela Comissão, sobre as condições para a realização da primeira fase da União Económica e Monetária.

É criado o mecanismo da “serpente” monetária: os .Seis. concordam em limitar a margem de flutuação entre as suas divisas para 2,25%.

Na sequência da votação negativa do referendo, o governo norueguês declara que a Noruega não submeterá ao Parlamento o projecto de lei de ratificação da adesão.

Na Cimeira de Paris, em Outubro, os Chefes de Estado e de Governo definem novos domínios de acção comunitária (referentes às políticas regional, ambiental, social, energética e industrial) e reafirmam que o ano de 1980 constitui o prazo final para a realização da União Económica e Monetária.

[602]

18 Novembro, 2003 at 7:23 am

1972 – SETEMBRO NEGRO

“Um grupo assim denominado assalta, em 5 de Setembro, o complexo olímpico de Munique e mata nove atletas israelitas. O caso assinala a radicalização do combate palestiniano. Após o conflito árabe-israelita de 1973, a violência palestiniana intensifica-se, com atentados, espectaculares desvios de aviões e ataques suicidas até final da década de 80”.

[601]

18 Novembro, 2003 at 7:21 am


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

  • RT @laligaennumeros: Y hasta aquí llegó el récord 🤷🏼‍♂️ Más partidos seguidos sin perder en competición europea: 2⃣6⃣ 🇪🇸@RCDEspanyol (2006… 2 hours ago
  • RT @SexoGratweeto: A compra da Media Capital pela Cofina provavelmente vai ser esquecida, mas daqui a uns anos quando já for impossível de… 2 hours ago
  • RT @jorgeraa: Das 28 equipas inglesas, espanholas, alemãs e italianas, só foram eliminadas da Europa até agora 3 (uma alemã e duas italiana… 3 hours ago

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.