Archive for 7 Novembro, 2003

100NADA

Ausente da “blogosfera” durante o dia, só agora tomo conhecimento da decisão da Catarina.

Custa-me bastante ficar privado das “visitas” que diariamente lhe fazia.

Desde há 4 meses, tinha-me habituado a frequentar a sua “casa” e comecei a “vê-la”, não como uma “conhecida”, mas como uma “amiga”.

Percebo perfeitamente a sua decisão.

Conforme ela escreve, os “blogues” – mesmo sem nos darmos conta disso -, estão a “influenciar” a nossa vida; acho que tal não terá necessariamente que ser uma “influência” negativa.

Mas, para quem deu tanto de si própria como a Catarina deu nos últimos 6 meses, isso torna-se desgastante e psicologicamente “violento”.

Como diz o Bruno, os “blogues” não nos dão qualquer “lucro” material; o único “ordenado” que temos é o retorno que recebemos: “o nosso pão simbólico (mails, links, citações, apreciações de amigos, impropérios, spam,..)”.

Ou, como escreve o Luís, receber uma mensagem a agradecer um post que se escreveu não é apenas um gesto, “é um cachet, um ordenado, um recibo verde livre de impostos, um prémio monetário digno de estrelas literárias”.

Gostava que a Catarina reflectisse sobre tudo isto e que, finalmente, estivesse apenas a tirar uma “licença sabática”, umas férias dos “blogues” e que voltasse um dia.

Obrigado por tudo Catarina. Bem haja. Um beijo.

P. S. A Catarina voltou!

[548]

7 Novembro, 2003 at 8:12 pm

DEBATE SOBRE A "CONSTITUIÇÃO EUROPEIA" (IV)

O acréscimo do número de países membros vem “inviabilizar” a aplicação do “histórico” direito de veto, sob pena de o processo de tomada de decisão se ver sistematicamente paralisado ou bloqueado. A regra geral deverá portanto passar a ser a da maioria qualificada, restringindo-se a necessidade de decisão unânime aos assuntos externos, segurança social e questões fiscais.

Desta forma, a perda de importância no processo de tomada de decisão (com cinco ou seis “Grandes” a conseguir somar a percentagem de votos necessária para fazer avançar os seus projectos) teria possivelmente associada uma “marginalização” dos “Pequenos”, que ficariam sem meios de fazer valer os seus interesses ou ideias.

Esta visão “individual” não deixa, infelizmente, de estar omnipresente, na maior parte das decisões mais importantes, em que, sistematicamente, se secundariza o interesse global aos interesses particulares de cada Estado, geralmente “falando mais alto” a voz dos “Grandes”.

Acresce que o facto de as posições dos “Pequenos” poderem passar a ser “irrelevantes”, tal poderá vir a ter consequências imprevisíveis na legitimidade interna do Governo de cada país, cada vez mais “amarrados” ou dependentes de decisões tomadas a um nível transnacional.

Escrevi há dias que sou um Europeísta convicto. Parece-me que o projecto europeu só faz sentido se tiver por objectivo um progresso harmonioso e equilibrado de todos os países integrantes deste espaço europeu.

Sendo claro que não nos podemos esquecer que o projecto da “construção europeia” se fez e continuará a fazer, necessariamente, à custa de cedências dos interesses individuais de cada Estado em favor do “interesse global”, parece-me que seria importante que Portugal conseguisse garantir (a par de vários outros “Pequenos”) que não passará a ser um país “irrelevante” no seio da União Europeia a 25.

[547]

7 Novembro, 2003 at 6:51 pm

SOPHIA DE MELLO BREYNER (V)

LISBOA

“Digo:
“Lisboa”
Quando atravesso – vinda do sul – o rio
E a cidade a que chego abre-se como se do meu nome nascesse
Abre-se e ergue-se em sua extensão nocturna
Em seu longo luzir de azul e rio
Em seu corpo amontoado de colinas –
Vejo-a melhor porque a digo
Tudo se mostra melhor porque digo
Tudo mostra melhor o seu estar e a sua carência
Porque digo
Lisboa com seu nome de ser e de não-ser
Com seus meandros de espanto insónia e lata
E seu secreto rebrilhar de coisa de teatro
Seu conivente sorrir de intriga e máscara
Enquanto o largo mar a Ocidente se dilata
Lisboa oscilando como uma grande barca
Lisboa cruelmente construída ao longo da sua própria ausência
Digo o nome da cidade
– Digo para ver”

[546]

7 Novembro, 2003 at 12:47 pm

THE BEATLES (II) – LOVE ME DO

LOVE ME DO

.Love, love me do.
You know I love you.
I’ll always be true.
So please, love me do.
Woh, love me do.

Love, love me do.
You know I love you.
I’ll always be true.
So please, love me do.
Woh, love me do.

Someone to love.
Somebody new.
Someone to love.
Someone like you.

Love, love me do.
You know I love you.
I’ll always be true.
So please, love me do.
Oh, love me do.

Love, love me do.
You know I love you.
I’ll always be true.
So please, love me do.
Woh, love me do.
Yeah, love me do.
Woh, love me do.
Yeah, love me do..

(Paul McCartney – John Lennon)

[545]

7 Novembro, 2003 at 8:11 am

THE BEATLES (I)

“O que pode ser dito sobre os Beatles que não tenha sido já dito ou escrito muitas vezes antes?” Esta frase é de 1977 e abre a nota de capa do disco “The Beatles – Live! At the Star Club in Hamburg, Germany; 1962”.

Os Beatles revolucionaram a música, os hábitos e costumes de uma geração, determinando novos padrões de comportamento social.

Passados 33 anos sobre a separação da banda, continua bem viva na nossa .memória colectiva..

A história dos Beatles começa em 1956, quando John Lennon conheceu Paul McCartney, que se lhe juntou na banda .Quarrymen., para, passados alguns meses, admitir também George Harrison, passando então a apresentar-se com o nome .The Nurk Twins..

Com a admissão do baterista Pete Best, o grupo mudou o nome para .Silver Beatles.; posteriormente, este viria a ser substituído por Ringo Starr, fixando-se finalmente o nome da banda em .The Beatles., em 1961, começando as gravações em Hamburgo.

“Love Me Do” foi o primeiro grande êxito, alcançando o primeiro lugar em várias listas de sucessos. Em 1963, é gravado “Please, Please Me”, que, tal como “From Me To You” e “She Loves You”, alcançam também o primeiro lugar em Inglaterra.

Em 1964, o sucesso dos Beatles ultrapassa o Atlântico e chega aos EUA, dando-se a conhecer no programa televisivo de Ed Sullivan.

Os Beatles gravam o primeiro filme “A Hard Day’s Night”, também com enorme sucesso. Em 1965, filmam “Help!”; no final do ano, foi lançado o álbum “Rubber Soul”, iniciando uma fase mais instrumental do grupo; em 1966, editam “Revolver”.

Em 1967, Os Beatles gravam “Sgt. Peppers Lonely Heart’s Club Band”, considerado o seu melhor disco; em 1968, segue-se o .Álbum Branco..

Em 1970, após os casamentos de Paul com Linda e de John com Yoko Ono, é editado o último disco, .Let It Be..

Os .Fab Four. de Liverpool (cujo nome tem origem no pássaro Liver, uma águia. símbolo do Rei John, que fundou a cidade) . Paul McCartney, John Lennon, George Harrison e Ringo Starr . criaram uma das maiores lendas do século XX, registando a seguinte discografia .oficial.: Please, Please Me; With The Beatles; A Hard Day.s Night; Beatles For Sale; Help!; Rubber Soul; Revolver; Sgt. Peppers Lonely Hearts Club Band; Magical Mystery Tour; White Album; Yellow Submarine; Abbey Road; Past Masters Vol. I; Past Masters Vol. II e Let It Be.

[544]

7 Novembro, 2003 at 7:32 am

MTV EUROPE MUSIC AWARDS – VENCEDORES

…”And the winners are” (só alguns…):

Melhor grupo . Coldplay
Melhor intérprete feminina . Christina Aguilera
Melhor intérprete masculino . Justin Timberlake
Melhor banda de rock . White Stripes
Melhor álbum . Justified . Justin Timberlake
Melhor tema . Crazy in Love . Beyonce

P. S. Os “Blind Zero” foram também premiados, como melhor banda portuguesa.

[543]

7 Novembro, 2003 at 7:23 am

1964 – BEATLES

“O grupo musical The Beatles, oriundo da cidade britânica de Liverpool, faz a sua estreia nos EUA, dando início a uma verdadeira idolatria à escala internacional”.

[542]

7 Novembro, 2003 at 7:20 am


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.