Archive for 22 Novembro, 2003

INGLATERRA – CAMPEÃ DO MUNDO DE RÂGUEBI

No termo de uma longa “maratona”, iniciada a 10 de Outubro (culminando com um prolongamento no jogo da final), a Inglaterra sagrou-se hoje, pela primeira vez na sua história, Campeã Mundial de Râguebi, ao vencer a Austrália por 20-17 (14-14 no final do tempo regulamentar), num “ano glorioso”, após ter já vencido o “Torneio das 6 Nações”. Esta vitória dá o título mundial, também pela primeira vez, à Europa e ao Hemisfério Norte.

No jogo de apuramento do 3º e 4º lugar, a N. Zelândia vencera a França (país que organizará o próximo Campeonato Mundial de Râguebi, a realizar em 2007).

[625]

22 Novembro, 2003 at 11:23 am 3 comentários

JFK

Passam hoje 40 anos sobre o assassinato de John Fitzgerald Kennedy, em Dallas.

.No dia 22 de Novembro de 1963, quando John Fitzgerald Kennedy desfilava no centro de Dallas, o vice-Presidente Lyndon Johnson preparava o seu discurso para essa noite durante um comício agendado para a capital do Texas, Austin. O historiador Michael Beschloss revelou num dos seus livros o que ele pretendia dizer à audiência antes de passar a palavra a JFK: «Senhor Presidente, estamos todos muito contentes por ter conseguido sair de Dallas com vida». Estava-se em plena campanha eleitoral e a mais conhecida cidade do Texas era um bastião conservador que Johnson e Kennedy precisavam de conquistar para garantirem um segundo mandato na Casa Branca.

O que sucedeu na Dealey Plaza há 40 anos gorou essa possibilidade e, desde então, sucederam-se as incógnitas, as polémicas e as teorias da conspiração que alimentaram a lenda de um magnicídio que inspirou livros, filmes e hoje merece mais de 14 milhões de entradas quando se faz uma pesquisa no Google.

O mito de Kennedy sobreviveu ao tempo e o lugar onde ele foi assassinado e o Museu no sexto andar do edifício em que Lee Harvey Oswald alvejou a limousine presidencial recebe anualmente dezenas de milhar de visitantes em busca de uma qualquer explicação. Nem que seja para justificar a revisão que a história fez ao homem que chegou ao poder com a ajuda da mafia, mas que os fez acreditar num mundo diferente, para melhor. Ou que se fazia passar por um marido e pai exemplares, quando faria Bill Clinton corar de pudor perante as suas aventuras extra-conjugais. É certo e sabido que JFK teve não só uma estagiária da Casa Branca por sua conta, Maron Beardsley, então com 19 anos, como esteve prestes a comprometer a sua carreira política em 1956, por ter participado num animado cruzeiro no Mediterrâneo quando a sua mulher Jackie estava grávida e disposta a divorciar-se.

Ao contrário do que sucedeu na América dos anos 90 e do século XXI, os vícios presidenciais não eram então escrutinados pela comunicação social e John Kennedy sempre se revelou um mago nas relações com os jornalistas. Além de ter sido um dos primeiros políticos a perceber a importância da imagem. Algo que deve ao seu pai, Joseph P. Kennedy, um empresário sem escrúplos que, aos 25 anos, se assumia, como o mais jovem banqueiro do país e seria, no final dos anos 30, nomeado embaixador dos EUA em Londres, apesar de ter enriquecido à custa de negócios pouco lícitos em Hollywood – a actriz do cinema mudo Gloria Swanson foi sua amante – e de ter consolidado o seu poder e influência durante a Lei Seca, vendendo bebidas álcoólicas, ao mesmo tempo que financiava o Partido Democrata e o Presidente Franklin Delano Roosevelt.

Um currículo que não impediu John Kennedy de chegar à Casa Branca e converter os seus compatriotas às causas da liberdade, da democracia ou dos direitos das minorias. Porque apesar dos desastres como a Baía dos Porcos e o ínicio do envolvimento dos EUA no Vietname, ele protagonizava um discurso de mudança que as novas gerações não podiam recusar. Por mais utópicas que fossem as suas propostas, o homem abatido em Dallas conseguiu pôr a América a sonhar. Em directo e quase sempre através da televisão. Como gosta de dizer Theodore Sorenson, um dos principais colaboradores de JFK, «a sua morte representou uma perda inclaculável para o futuro»..

Visão OnLine

[624]

22 Novembro, 2003 at 10:19 am

1973 – CRISE DO PETRÓLEO

“Países árabes produtores de petróleo decidem, no Koweit, reduzir exportações para os países industrializados e aumentam para o dobro o preço dos barris, provocando o agravamento da crise energética”.

P. S. Novos agradecimentos, ao Universos Críticos e ao Acanto.

[623]

22 Novembro, 2003 at 9:54 am 1 comentário


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.