Archive for 27 Novembro, 2003

"OUTONO NA BLOGOSFERA"

No espaço de dois dias, dois “blogues” de relevo (Cataláxia e Espigas ao Vento) anunciaram o seu fim

Diz o Cataláxia:

“Estava há muito decidido terminar este blogue, assim ele registasse 20.000 visitas, o que hoje sucedeu.

Esta decisão, do conhecimento de alguns poucos amigos, foi difícil, dolorosa, mas necessária. Porque, como com qualquer paixão e vício, terminar um blogue faz pena. Aqui, ao longo dos últimos quatro meses, fomos debitando, a ritmo quase diário, opiniões, confissões, efabulações, chateando uns, implicando com outros, embora sempre tentando evitar ataques pessoais a quem quer que fosse. Mas, um homem livre deve combater o vício e dominar as paixões. E é, precisamente, o que estamos a tentar fazer”.

E, hoje, o Espigas ao Vento:

“O “Espigas ao Vento” surgiu a 4 de Fevereiro de 2003. O seu período de vida não chegou aos dez meses, mas serviu para tomar o pulso a um mundo excitante. O dos blogs.

Entretanto, o tempo começou cada vez mais a escassear, a vontade de dialogar com outros blogs desvaneceu-se, e o espigas transformou-se num apêndice das críticas que escrevo para o c7nema, com mais um ou outro post para disfarçar um aspecto que agora se tornou claro para mim: não sinto mais aquela vontade de blogar, aquela excitação dos primeiros tempos, as discussões de idéias. Logo, não faz sentido continuar um blog em piloto automático, copy-paste dos meus textos para outros sítios”.

Breve reflexão sobre o tema:

“Isto” é de facto muito exigente em termos psicológicos.

É um vício “tramado”: começamos – como sempre – na brincadeira, depois “tomamos-lhe o gosto” (começam a vir os links, as palavras simpáticas de incentivo, cada vez mais visitantes, …, uma autêntica bola de neve) e, sem darmos por isso, perdemos o “controlo”: o “blogue” deixa de “nos pertencer”, porque, inevitavelmente, experimentamos um condicionamento por sabermos que somos lidos e – não é possível negá-lo, sejamos sinceros… – acabamos, em maior ou menor escala, por ser conduzidos a escrever sobre “temas de interesse” (não necessária ou prioritariamente para nós, mas também para os outros) e, naturalmente, gera-se um cansaço…

Tudo isto já sem falar das exigências de disponibilidade de tempo para escrever e para ler “blogues”; é que é preciso não esquecer que “isto” não passa de um “hobby”, à margem / em “sobreposição” da / à nossa “vida real” de todos os dias (que estava – já antes dos “blogues” – “atarefadíssima” e “completamente preenchida”).

Uma solução “menos radical” será a de reduzir a intensidade: escrever apenas e exclusivamente “se e quando me apetecer”, sem constrangimentos de calendário ou “agenda” temática. Será uma opção exequível?

P. S. Entretanto, acabo de descobrir que o Martin Pawley pretende acabar também com o Dias Estranhos! (Neste caso, devido a comentários menos “próprios” sobre ideias defendidas pelo autor relativamente à sua terra-mãe). Mas, o que é que está a acontecer? “Não posso ficar sem a minha janela para a Galiza!…”

[652]

27 Novembro, 2003 at 6:07 pm 3 comentários

OUTRA ORDEM APARENTEMENTE OCIDENTAL (IV)

.Na segunda metade do século XIX, enquanto se desenvolviam os impérios coloniais, a Europa viveu um período de guerras, de realinhamentos de fronteiras e redefinições de fidelidades, da unificação da Itália e da Alemanha e da formação dos impérios centrais.

.

Mas foi também um período de guerras no resto do mundo, que continuou pelo século XX. Começou com a Guerra dos Bóeres (1889-1902), com a Russo-Japonesa (1904-1905), mas também com o assassínio do Rei Alexandre I da Sérvia (1903) e com a constante perturbação nos Balcãs: independência da Bulgária (1908), crise da Bósnia (1908-1909), Guerra Ítalo-Turca (1911-1912), Primeira e Segunda Guerra dos Balcãs (1912 e 1913) e o assassínio do príncipe herdeiro austro-húngaro Francisco Fernando e de sua esposa em Sarajevo, a 28 de Junho de 1914, origem da Grande Guerra.

Como consequência desta última, desapareceram os impérios centrais: o Império Austro-Húngaro e o Império Otomano, porque se desagregaram; o Império Alemão, porque passou a república, em Novembro de 1918, e já tinha perdido todas as colónias no ano anterior. Simultaneamente, por ter rebentado a Revolução Russa e ter sido proclamada a república, também este império desapareceu, em 16 de Março de 1917.

.

Assim, sobreviveram à Grande Guerra apenas os impérios marítimos europeus e o Império Nipónico..

“Outra ordem aparentemente ocidental” (António Emílio Ferraz Sacchetti) . Notícias do Milénio

[651]

27 Novembro, 2003 at 8:56 am

UNIÃO EUROPEIA – 1976

Em Abril, entra em vigor a Convenção CEE – ACP, assinada em Lomé em 28 de Fevereiro de 1975.

Em Julho, no Conselho Europeu de Bruxelas, concretiza-se o acordo quanto ao número e à distribuição de mandatos no Parlamento, que passará a ser eleito por sufrágio universal directo.

O Conselho nomeia Roy Jenkins Presidente da Comissão.

[650]

27 Novembro, 2003 at 8:12 am

1976 – EANES PRESIDENTE

“Com nova Constituição em vigor, o general Ramalho Eanes é eleito Presidente da República, com o apoio do PS, PPD e CDS. Será reeleito em 1980”.

[649]

27 Novembro, 2003 at 8:11 am

1976 – MARTE

“O primeiro grande passo na conquista do espaço, depois da chegada do homem à Lua, dá-se com a primeira descida, com êxito, de uma nave espacial americana, a “Viking I”, em Marte”.

[648]

27 Novembro, 2003 at 8:10 am


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.