PRESTIGE (II)

13 Novembro, 2003 at 8:52 am 1 comentário

.Às 15:15 do dia 13 de Novembro de 2002, o petroleiro .Prestige., que navegava junto à costa da Galiza, lançava um S. O. S., alertando sobre as suas grandes dificuldades. À deriva durante seis dias, acabou por afundar-se, originando uma catástrofe ecológica e social sem precedentes na nossa história.

Um ano depois, continuamos à espera que se demitam os responsáveis públicos que, com as suas decisões inapropriadas, converteram o acidente numa tragédia para um país.

Este .blogue. não esquece os culpados do desastre, nem compartilha do discurso triunfalista das autoridades, e está consciente de que o governo não adoptou ainda nenhuma medida que possa evitar que algo de semelhante volte a acontecer.

Continuaremos exigindo responsabilidades.

Nunca Mais..

Martin Pawley

..E tal dia fez um ano.. Costuma dizer-se assim para encomendar ao esquecimento os acontecimentos a que damos uma importância desmesurada. Imagino que ao longo destes trezentos e sessenta e cinco dias, os políticos envolvidos no desastre do Prestige repetiram essa sentença com a esperança de conseguir para as suas responsabilidades um esconderijo seguro.

E esta semana completa-se o primeiro aniversário deste acontecimento, um dos mais trágicos da nossa história, que eles converteram em inesquecível com a sua incompetência e sua soberba. Pior seria para nós se fosse cumprido o desejo que o seu negro coração oculta de não sabermos tirar aprendizagem e experiência do que aconteceu.

Agora sabemos que não temos .Estadinho., que a sua autonomia e o seu estatuto são apenas mais uma forma de nos manter submetidos e de anular a nossa capacidade de decisão e de reacção: que ninguém faça nada, porque isto é para se tratar em Madrid, parece ter dito alguém com muito mando. Podem ir caçar, insistiu. E os de cá (que são os mesmos de lá) foram obedientes .a corcear., como diria Ánxel Fole, que quem paga é o .El Corte Inglés..

Mas também aprendemos que não temos Estado. Que aquele ao qual pertencemos por imperativo legal tampouco não serve para nada além de andar com o navio de cima para abaixo soltando merda como quem caga num ventilador. Enquanto uns tantos caçavam e os outros olhavam para o lado, assobiando para o ar.

Naquele momento soubemos de uma vez por todas que o nosso só terá saída se formos capazes de agarrar o futuro com as nossas mãos. Que são as nossas mãos nuas o único instrumento com que contamos para sermos alguém. Que nada podemos esperar de uns políticos mentirosos e falsários que nem se atreviam a vir, porque além disso são cobardes e estúpidos.

E comprovamos com tristeza mas com orgulho como soavam mais de duzentas mil vozes em coro no Obradoiro; como se uniam as mãos das crianças galegas para encadear esta tragédia com um futuro mais esperançoso. Como crescia a indignação enquanto se descobria a indignidade que os cobria e cobrirá. Como as janelas e varandas se enchiam de gritos em branco e negro, enquanto o seu coração remoía ódio e rancor ao contemplar que não aparecia em nenhum lado a resignação e a submissão que esperavam.

E assim, aprendizagem após aprendizagem, fomos construindo uma experiência nova, que vale tanto como dizer, um conhecimento da realidade que nos aproxime um pouco a fazermo-nos donos do nosso futuro. A dizer-lhes que não podemos confiar em ninguém senão em nós mesmos, porque nos demonstraram que nos desprezam tanto quanto são capazes, como de facto fizeram, de insultar e blasfemar impunemente. Dizer-lhes que sabemos que no fundo sabem como grande foi o nosso sofrimento, mas ignoram como é grande agora o nosso conhecimento. Provocaram-nos um grande dano, mas proporcionaram-nos o poder de vislumbrar o caminho da sabedoria: os sábios são livres.

Também nos deixaram um rosário de tristes palavras: .fiozinhos de plasticina., .fuel que se converterá em pedra., .só sabemos que não sabemos.. E outras pérolas das quais só quero destacar mais uma: .cães que ladram nas esquinas., porque na Costa da Morte se diz que os cães que ladram em vésperas de Natal fazem isso para avisar que chegam os esbirros de Herodes para degolar os inocentes.

Haverá quem me diga que não aprecia tais aprendizagens na realidade de hoje, mas quero dizer a quem assim o pense, que as mudanças que se produzem nos corações demoram para se manifestar na sociedade. Por isso me atrevo agora a dizer que faz um ano que começou para muitíssimos galegos um tempo novo e, com a sua força, já NUNCA MAIS nada vai ser como antes..

Xabier P. Docampo
Novembro 2003

P. S. Não pretendendo imiscuir-me em questões do foro interno espanhol, não quis deixar de apresentar o texto (em cuja tradução para português colaborei), tendo em consideração a sua vertente de protesto contra a catástrofe do Prestige, que .não se pode repetir. NUNCA MAIS!

P. S. 2 – Xabier P. Docampo recebeu o Prémio Nacional de Literatura Infantil e Juvenil em 1995.

P. S. 3 – Estes textos estão editados, em 8 línguas (galego, castelhano, catalão, euskera, português, francês, inglês e italiano), numa página que nos apela a não esquecer a tragédia.

[579]

Entry filed under: Sociedade.

UNIÃO EUROPEIA – 1968 PRESTIGE (III)

1 Comentário

  • 1. unknown user  |  13 Novembro, 2003 às 2:16 pm

    Acho vergonhoso… mas se me permites, não acho que seja uma questão “interna” de Espanha, pelo menos a irresponsabilidade dos dirigentes atingiu Portugal quando tentaram “empurrar” o prestige para águas portuguesas. Além disso, um desastre desta natureza/grandeza, ultrapassa o foro interno de um país, já para não falar dos efeitos reais igualmente trágicos que se fizeram sentir também na costa portuguesa.


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.


%d bloggers like this: