Archive for Janeiro, 2004

LOBO ANTUNES E O BENFICA

Sobre a importância “sociológica” da instituição chamada S. L. Benfica em Portugal, mais uma vez fortemente comprovada durante a semana que agora termina, aqui fica um breve excerto de uma recente entrevista de António Lobo Antunes à revista “Visão”:

“V: Ainda sonha com a guerra?

ALA: […] Apesar de tudo, penso que guardávamos uma parte sã que nos permitia continuar a funcionar. Os que não conseguiam são aqueles que, agora, aparecem nas consultas. Ao mesmo tempo havia coisas extraordinárias.
Quando o Benfica jogava, punhamos os altifalantes virados para a mata e, assim, não havia ataques.

V: Parava a guerra?

ALA: Parava a guerra. Até o MPLA era do Benfica. Era uma sensação ainda mais estranha porque não faz sentido estarmos zangados com pessoas que são do mesmo clube que nós. O Benfica foi, de facto, o melhor protector da guerra. E nada disto acontecia com os jogos do Porto e do Sporting, coisa que aborrecia o capitão e alguns alferes mais bem nascidos. Eu até percebo que se dispare contra um sócio do Porto, mas agora contra um do Benfica?

V: Não vou pôr isso na entrevista…

ALA: Pode pôr. Pode pôr. Faz algum sentido dar um tiro num sócio do Benfica?”

[960]

31 Janeiro, 2004 at 10:25 am

EQUADOR (V)

.«A Sua Majestade El-Rei D. Carlos

Do governador de S. Tomé e Príncipe e S. João Baptista de Ajudá

Meu Senhor

É com a dor de quem sabe que não Vos traz boas notícias que Vos escrevo esta minha primeira e última carta.

Aqui cheguei, em Março de 1906, por nomeação de Vossa Majestade governador destas ilhas, com a incumbência . se bem a percebi e bem recordo as palavras que me dissesteis em Vila Viçosa . de mostrar ao mundo que não existe, nesta ou noutras colónias portuguesas, a ignomínia do trabalho escravo.

Como sabeis, não pedi, não desejei e não me deu qualquer satisfação tal incumbência e tal cargo. Aceitei-o para servir o meu Rei e o meu país. Contei que Vós e o Vosso Governo saberiam, à distância, avaliar a dificuldade de uma missão que consistia em fazer ver aos agricultores locais que outras formas de produção, que não o trabalho escravo, deveriam ser postas em prática, de modo a que não restassem dúvidas à Inglaterra e ao cônsul por ela para aqui nomeado que assim era ou passara a ser. Durante estes quase dois anos de missão, esforcei-me por fazer ver isto aos nossos colonos, enquanto me esforcei igualmente por fazer acreditar ao cônsul inglês que as coisas estavam a mudar, lentamente embora, mas seguramente, até ao resultado final pretendido. Quer aqui, quer em Lisboa, quer em Londres, sempre soubemos que o teste final ocorreria agora, quando . nos termos da Vossa Lei de Janeiro de 1903 . chegassem ao fim os contratos de cinco anos com os serviçais das roças, e os que o pretendessem pudessem livremente requerer e obter o seu repatriamento. (.)»..

P. S. Os excertos apresentados foram seleccionados procurando (naturalmente) não quebrar . a quem não tenha tido ainda oportunidade de ler o livro . o .suspense. próprio da intriga, plena de .reviravoltas. e com um desfecho .surpreendente..

[959]

30 Janeiro, 2004 at 6:05 pm

"EXPRESSOS DE SONHO"

Na história dos caminhos-de-ferro, alguns percursos atingiram destaque de relevo, entrando na lenda, de que são exemplo, entre outros, o “Expresso do Oriente”, o “Sud-Express” e o “Transiberiano”.

O “Expresso do Oriente” é talvez o mais famoso do mundo, com início em 1883, na sequência da fundação (em 1876), por Nagelmackers, da “Companhia Internacional dos Wagons-Lits”; fazia o percurso entre Paris e Constantinopla, sendo equipado por “carruagens-cama” e “carruagens-restaurante”, luxuosamente equipadas, tendo inspirado vários autores (de que Agatha Christie é um dos exemplos mais famosos) e histórias.

O “Sud-Express”, projecto partilhado entre a SNCF (Sociedade Nacional dos Caminhos de Ferro Franceses) e a Companhia Real dos Caminhos de Ferro Portugueses, teve a sua primeira viagem em 1887 (com partida de Calais), fazendo a ligação entre Paris e Lisboa, uma viagem de pouco mais de 24 horas, que “transportou”, nos primeiros anos do século XX, as ideias culturais e políticas das elites, para, na segunda metade do século (anos 60 e 70) ser o veículo privilegiado de ligação da vasta comunidade lusa em terras de França.

O “Transiberiano” viria a ser o comboio mais extenso do mundo, fazendo a ligação entre Moscovo e Vladivostok, tomando para tal cerca de 10 dias.

P. S. Novos agradecimentos, ao Amnésia, Prima Desblog (mostrando que começa a haver novas “alternativas” no Sapo) e Baixa Pombalina (um “blogue” com um conceito bastante interessante).

[958]

30 Janeiro, 2004 at 12:40 pm

"SPAM"

A propósito de “Spam“…

O facto de se colocar um endereço de e-mail num local público como é um “blogue” não deveria (não poderia?…) ser entendido como um “convite” a uma larga diversidade de entidades para “invadir” esse e-mail com os mais variados anúncios não solicitados, nem, na maior parte dos casos, desejados (desde os “mails nigerianos” oferecendo-nos milhões de dólares para gerirmos, ao aumento do pénis em “não sei quantos centímetros”, culminando – e isto é realmente o “cúmulo”… – nos próprios anúncios de panaceias “anti-spam”!).

O facto de o e-mail se tornar público não deveria ser entendido como forma de permissão para todo o tipo de “intrusão” não desejada.

Não existem leis que nos defendam / protejam? Não se pode “exterminar” estes fornecedores de mails não desejados?

E já nem falo dos preocupantes vírus que, regularmente, se “regeneram”… e voltam a atacar.

[957]

30 Janeiro, 2004 at 8:20 am 1 comentário

EQUADOR (IV)

.No meio da azáfama daqueles dias, recebeu a certa altura a visita de David, que se fez anunciar protocolarmente. Tinham jantado os três, em casa de Luís Bernardo, dois dias depois de ele ter recomeçado a trabalhar. À vista, fora só um jantar de amigos que celebravam o restabelecimento de um deles: David trouxera até uma garrafa de champagne francês, uma Veuve Clicquot a que Luís Bernardo, por conselho médico, não pôde fazer as devidas honras.

Ficaram os três à conversa até cerca da meia-noite, no terraço, com a mesma desprendida intimidade que sempre tinham tido, desde que as circunstâncias os tinham ali reunido e rapidamente tinham percebido que a amizade entre eles era uma forma de resistência e de ajuda mútua de que nenhum queria prescindir. David fez quase todas as despesas da conversa, falando da Índia e até, coisa rara, do seu governo no Assam. Luís Bernardo estava fascinado e, ao mesmo tempo quase angustiado, com a sua própria capacidade de estar ali a escutá-lo, ao lado de Ann, e de continuar a gostar de o ouvir, de conversar com ele, de ser seu amigo, de manter com ele uma relação de homens com idades e interesses semelhantes, ao mesmo tempo que por dentro ardia no fogo daquilo que mais violentamente pode separar dois homens: a paixão pela mesma mulher..

[956]

29 Janeiro, 2004 at 7:05 pm

"VÉU ISLÂMICO"

Em França, vão agitados os tempos no que respeita ao uso em público de símbolos religiosos, avolumando as tensões latentes entre vastas comunidades emigrantes.

Em Paris, 20 000 mulheres manifestaram-se recentemente, com os cabelos cobertos por véus tricolores, afirmando: “Também somos Franceses!”.

A motivação da proposta de lei sobre a ostentação de sinais religiosos – de iniciativa presidencial, ontem aprovada em Conselho de Ministros, a discutir no Parlamento já em Fevereiro -, atinge, em primeira análise, os 5 milhões de muçulmanos habitando em França: visa banir os sinais e roupas que manifestem “ostensivamente” a confissão religiosa, nas escolas e estabelecimentos públicos; desde logo, os tradicionais véus islâmicos, mas, também, os crucifixos de “grandes dimensões” (qual a medida aceitável?…) e o “kipa” dos judeus e, até, as “próprias barbas religiosas” (!?) – afectando, em teoria, e genericamente, também os católicos e judeus.

Numa época em que as intolerâncias religiosas grassam e são utilizadas como “arma de arremesso” a nível mundial, qual o objectivo de colocar, desta forma tão inútil, “sal nas feridas”? Será “dar razão” e protagonismo aos movimentos mais radicais.

[955]

29 Janeiro, 2004 at 8:56 am

"A TEMPESTADE"

Com interpretação de André Gago, Diogo Infante e Sandra Faleiro, peça de teatro de William Shakespeare, a partir de hoje, e até 31 de Janeiro, no Teatro Municipal São Luiz, em Lisboa.

[954]

29 Janeiro, 2004 at 8:00 am

EQUADOR (III)

.Ficou petrificado a olhar, bebendo pequenos goles daquele café quente, sem nada dizer e sem nada encontrar para dizer. Em Bombaim, tinha estudado atentamente a posição das ilhas de S. Tomé e Príncipe no mapa, tinha lido a descrição do arquipélago na última edição da Geographic Universal Encyclopedia, tinha lido tudo, e era quase nada, o que encontrara sobre as ilhas nos relatórios do Departamento da Marinha e do Foreign Office. Ficara a saber o essencial e não esperava nada de diferente. Mas, apesar disso e à medida que o HMS Durban se ia aproximando de terra e que a desesperada pequenez e solidão daquela terra se revelava sem contemplações, David Jameson não conseguia impedir-se de sentir um profundo e angustiado sentimento de derrota. No fundo de si mesmo, e ainda que sem motivos para tal, havia uma pequena luz de esperança que o mantivera de ânimo razoável naqueles longos 20 dias de travessia, com escalas em Zanzibar, na Beira, em Lourenço Marques e na Cidade do Cabo: a esperança de que as coisas não fossem tão más como se anunciavam, que a vista da ilha fosse ao menos uma imagem exuberante de vida, de trópicos, de estação aceitável para um tempo de regeneração. Mas, não: S. Tomé . a ilha e a cidade, que agora entrevia mais nitidamente . apareciam aos seus olhos sem nenhum subterfúgio nem nenhuma possibilidade de ilusões. Era um local de degredo. Um degredo, é certo, com o título honorífico de cônsul de sua Majestade Britânica, uma casa, que esperava decente, à sua espera na cidade, e as mordomias inerentes ao seu cargo. Mas isso, que para alguém em início de carreira poderia parecer até uma simples situação de passagem, um posto de trabalho num local exótico e paradisíaco, para ele, que tivera o Raj a seus pés, era um golpe humilhante e sem disfarce possível.

Sentiu uma presença ao seu lado direito: Ann tinha chegado em silêncio e viera encostar-se à amurada, olhando também terra, sem nada dizer e sem qualquer expressão no olhar.

Ela virou-se e encarou-o de frente. Cegou-o o verde dos olhos dela, teve vontade de chorar, de rojar-se a seus pés, de lhe pedir perdão pela centésima vez, de lhe pedir que partisse, de lhe suplicar que ficasse. Mas, antes que conseguisse dizer alguma coisa, ela agarrou-lhe na mão e disse-lhe tão baixinho que ele quase teve medo de não ter ouvido bem:

. Não te deixarei, David. Prometi-te que não te deixaria nunca..

[953]

28 Janeiro, 2004 at 6:55 pm

CAMPANHA PROMOCIONAL DO EURO-2004

Sou “suspeito” para falar sobre a campanha de promoção ao EURO2004, actualmente em curso: o filme promocional agora exibido nas televisões (embora inspirado no anúncio de uma marca desportiva) . o qual me parece retomar uma ideia feliz . tem por cenário, em particular, uma praça histórica de Tomar, à qual, pessoalmente, me ligam fortes laços.

De facto, acho importante divulgar que o EURO2004 .Vai jogar-se para além dos Estádios. e que .É preciso aproveitar a oportunidade para dar o nosso melhor..

Esta é, efectivamente, a questão fundamental para Portugal, muito mais do que o desempenho desportivo que a nossa Selecção possa atingir (que poderá, não obstante, se as .coisas correrem bem., constituir um óptimo lenitivo para moralizar os portugueses, elevando a sua auto-estima), o que ficará a prazo será a demonstração da capacidade de bem-fazer dos portugueses a nível organizacional: é esse o nosso grande desafio!

Voltando à campanha, mais do que atrair adeptos (os bilhetes estão praticamente esgotados.), o que importa é divulgar uma imagem de modernidade do país, que terá depois de ser confirmada, na prática, por todos nós, em particular pelas entidades que mais directamente se relacionarem com os muitos milhares de turistas que nos visitarão nos meses de Junho e seguintes (Aeroportos, Hotéis, Restaurantes, Transportes).

E é aí, precisamente, que a campanha (este filme publicitário em concreto . dirigido a nós, portugueses) me parece ter algum .excesso de ruído., que não facilitará a captação da sua mensagem essencial.

Estamos ainda a tempo de reforçar essa mensagem.

[952]

28 Janeiro, 2004 at 8:55 am

"NA MIRA DO GORDO"

O espectáculo de Jô Soares, no Grande Auditório do Centro Cultural de Belém, a partir de hoje, e até dia 31 de Janeiro.

[951]

28 Janeiro, 2004 at 8:05 am

Artigos Mais Antigos


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

  • RT @joaovale: 120M€ (mesmo descontando a taxa Mendes) depois das vendas já realizadas e de ganhar 5 dos últimos 6 campeonatos era coisa par… 12 hours ago
  • RT @MarinoPeixoto: Portuguese players’ transfer fees to English teams in the last two years: Rúben Neves: £16M Diogo Jota: £12M João Mouti… 22 hours ago
  • RT @sergiolavos: O Observador não existe para ter lucro, mas sim para fazer propaganda à agenda política dos grupos financeiros que o suste… 1 day ago

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.