Archive for 23 Dezembro, 2003

10 000 AGRADECIMENTOS!

Um imenso obrigado a todos! Procurarei voltar a este “tema”, de uma forma “mais serena”, no início de Janeiro.

P. S. Para já, na “ordem do dia”, um obrigado especial ao amigo Martin Pawley, que teve a simpatia de incluir a minha série sobre o “Ano dos Blogues” nos seus 10 destaques do ano (já agora, aproveite para conhecer os restantes destaques…).

P. S. 2 – De visita pelo Cidadão Livre, aproveito para lhe pedir que me empreste o “She”, de Elvis Costello (com concertos marcados para 7 e 8 de Maio de 2004, no Coliseu do Porto e de Lisboa), que, conjuntamente com o “Quelqu’un ma dit” da Carla Bruni, são dois temas que era capaz de ficar a ouvir “indefinidamente”… Aqui ficam, então: She e Quelqu’un ma dit.

[823]

23 Dezembro, 2003 at 6:35 pm 1 comentário

2003 – ANO DOS "BLOGUES" (XXIV)

No “Público”, de 31 de Julho, escreveu Eduardo Prado Coelho, sobre os “blogues”:

“Duas realidades têm emblematizado este Verão. Não me refiro aos habituais incêndios, que permitem sempre a qualquer oposição dizer que faria melhor do que qualquer Governo, nem ao segredo de justiça, nem ao caso da Universidade Moderna, nem à demissão do chefe do Estado-Maior do Exército, que, ao que parece, “perdeu a confiança” no ministro, nem à questão da duração da prisão preventiva ou da extensão das escutas telefónicas. Também não estou a pensar na incapacidade em se encontrar armas de destruição maciça no Iraque, no sofrimento aparentemente sem saída do exército americano ou nas dificuldades de Blair envolvido numa história sinistra. Falo, sim, de duas realidades mais modestas e contudo extremamente importantes: os blogues e o chá verde.

Qualquer delas aparece como um bom “tema” para reportagem nos jornais e revistas. Fiquemos hoje pelo blogue. Ele corresponde à criação de espaços na Internet onde uma pessoa ou um grupo de pessoas se sente autorizado a escrever sobre todos os assuntos que lhe interessarem. O formato dos textos é extremamente variável, podendo ir da simples frase assassina à longa deambulação evocativa, da citação oportuna à polémica mais militante. Alguns dos autores gostam de ser identificados, outros escolhem os enredos imaginários dos pseudónimos ou heterónimos, suscitando mesmo inquéritos quase policiais. É neste âmbito que de vez em quando um jornal ou um amigo suspeita de que eu seja autor de um blogue. Devem pensar que vivo numa dimensão temporal inacessível aos humanos… Diga-se de passagem que nem mesmo leio com regularidade os blogues dos outros. Não tenho tempo.

Toda a questão está no autor do blogue “sentir-se autorizado a”. Outrora era complexa a malha das legitimações que nos permitiam ter acesso ao concorrido espaço mediático. Tínhamos de começar por tarefas modestas, agora uma recensão a um livrinho sem importância, agora um acontecimento musical, agora a reportagem de uma viagem às Maldivas. Pouco a pouco ia-se pondo à prova a capacidade de escrita, mas sobretudo mostrava-se que a nossa escrita podia ter leitores. Passávamos a uma colaboração regular e daí a uma presença assídua e responsável. O autor ia aos poucos estabelecendo um pacto de confiança com os leitores. Tinha reacções por carta ou mesmo na rua, recebia correspondência, influenciava as vendas dos livros ou discos, contribuía para encher as salas de cinema. O momento mais compensador tem a ver com o facto de nos atribuírem um glorioso papel justiceiro: o senhor, que escreve nos jornais, tem de escrever sobre esta escandaleira!

Os blogues passam por cima de tudo isto e entra-se de imediato nas matérias. Não é preciso articular muito bem os textos. Pode ser uma observação verrinosa, um comentário sardónico. Pode usar toda a agressividade que quiser, porque isso faz parte das regras do jogo. É possível que se esteja a formar uma nova forma de intervenção ou novos processos de produção e exposição do pensamento. É possível que seja um mero fenómeno de moda e que mais tarde possamos dizer: houve um verão em que só se falava em blogues, lembram-se? Mas é um facto que surgiu um novo dispositivo, uma nova maneira de participar na cena pública, um novo tom, uma outra energia. Para quem acredita que o lugar onde se escreve condiciona o que se pensa e escreve isto pode ser um verdadeiro acontecimento”.

[822]

23 Dezembro, 2003 at 6:07 pm 2 comentários

1º "POST" – TERRAS DO NUNCA – 25.06.2003

Primeiro

«E as coisas? Como vão as coisas? As coisas estão malparadas. O que quer dizer, exatamente, a Coisa? Não é a vida em geral. A Vida é tudo o que tu tocas e que te toca. Já a Coisa é outra coisa.»

O Luis Fernando Verissimo (assim, sem acentos), nem que seja em versão amputada, como é o caso, vai ser um dos visitantes involuntários mais frequentes destas Terras. Porque sim, mas também porque não. O Nelson Rodrigues tem quase tanto espaço como ele na estante. Mas, no que às Coisas diz respeito, este blogue tem tudo a ver com o Luis e nada a ver com o Nelson. Se quiserem, tomem isto como uma declaração de princípios”.

[821]

23 Dezembro, 2003 at 6:05 pm

"BLOGUES" NO SAPO (IV)

Deixo para o fim a referência a alguns outros “blogues” classificados entre os 25 mais visitados da “plataforma Sapo” e, infelizmente, como já tinha deixado entender na primeira “entrada” desta pequena série, neste caso não posso dizer “last, but not least”.

Refiro-me à tendência “voyeuristica” a que se apela, seja através do nome dos “blogues”, seja pelo seu conteúdo.

E, se no primeiro caso, não será grave, uma vez que os nomes “apelativos” são apenas um “chamariz” (de que são exemplo, “Toda nua… mas de véu”, “Safadinha e muito”, “De pernas abertas”, “Vaca podre recheada de amor”, “Strip”, “Revista nu”, “Blogfuckers” e “Seduction”), já outros, com conteúdos ofensivos, implicarão – em minha opinião – um acompanhamento de quem superintende este sistema, nomeadamente: “Fio dental”, “Na cama com” e “Vejam isto”.

Toda nua… mas de véu” – Intimista, de uma jovem.

Safadinha e muito” – Pessoal, intimista, feminino.

De pernas abertas”  De “uma rapariga simples mas com ideais”, que criou “este blog para desabafar sobre os problemas do meu dia a dia, e tentar ter algum consolo à noite”.

Vaca podre recheada de amor” – Humorístico, com alguma consistência, “heavy”.

Strip” – De anedotas.

Revista nu” – “A revista Nu é a revista mensal de arquitectura produzida pelo NUDA – Núcleo de Estudantes do Departamento de Arquitectura da Universidade de Coimbra, desde Abril de 2002″.

Blogfuckers” – Escrito por um brasileiro; com um design diferente; fala de música e cinema.

Seduction Sedutor, erótico, mas sem ultrapassar a fronteira do “mau gosto”.

Sem “link” (como facilmente se compreenderá):

“Fio dental” – Pornográfico. Todos os “posts” foram entretanto apagados, mantendo-se apenas uma “mensagem de Natal”.

“Na cama com” – Pornográfico. Já tinha sido “apagado” pelos responsáveis pela manutenção da “plataforma Sapo”; começa a republicar “posts”, sempre com o mesmo conteúdo.

“Vejam isto” – Com uma cruz suástica como distintivo, talvez de quem não tenha plena consciência do seu significado… nem do da palavra “holocausto”. Nazi, anti-semita. Triste…

A fechar, ainda mais três “blogues” de características peculiares:

Template Shop”  Propõe-se criar e oferecer “templates”. Os links recomendados são de diversas “Igrejas Evangélicas da Assembleia de Deus”, em diferentes localidades.

Os melhores mails Colectânea de mails mais ou menos humorísticos.

Anti Blog” – “O anti-cristo dos blogs, o blog para acabar com os blogs“; “Em princípio a ideia é demonstrar por absurdo a inutilidade dos blogs, mas de forma a não deixar dúvidas dessa inutilidade”. Crítica aos “blogues”.

Gostaria de poder voltar a abordar o tema “Blogues no Sapo” – de forma mais positiva – daqui a não muito tempo…

[820]

23 Dezembro, 2003 at 1:50 pm 1 comentário

"BLOGUES" NO SAPO (III)

Noutro género, nem sempre muito “entusiasmantes”, mas que poderão ser também visitados, refiro os seguintes “blogues”: Ídolos, Edição da manhã, Ficções, Joanna, L’excessive e Jardim de sonhos.

Ídolos” – Blog sobre o programa televisivo da SIC; é o líder absoluto de “audiências” neste “recanto da blogosfera”.

Edição da manhãOs Madrugadores da SIC Notícias! Como se faz uma manhã em televisão…”.

Ficções” – “Pensamentos, desabafos e confidências”, poesia intimista.

Joanna”  De uma jovem estudante.

L’excessive” – Intimista, feminino, “solitária” (?).

Jardim de sonhos” – Pessoal, intimista, feminino.

[819]

23 Dezembro, 2003 at 12:35 pm

ESTADO SOBREVIVE AO DECLÍNIO DA NAÇÃO (II)

.Essa fórmula do Estado-Nação recebeu forte alimento no rescaldo das duas guerras mundiais do século XX. Após a primeira guerra, é sobretudo o desmembramento dos grandes impérios, como o alemão, o austro-húngaro, o otomano e até o russo, que origina o fulgor e a multiplicação dos Estados-Nação no hemisfério Norte. Depois da Segunda Guerra Mundial, é o processo de auto-determinação encorajado pelas Nações Unidas que culmina com a descolonização e faz nascer o culto do Estado-Nação no hemisfério sul, no qual o Estado precede muitas vezes a construção da nação.

Mais perto do fim do século, o termo da Guerra Fria levou à unificação alemã e ao desmembramento de federações políticas como a URSS e a Jugoslávia, exacerbando nacionalismos e rivalidades étnicas e religiosas..

“Estado sobrevive ao declínio da nação” (José Medeiros Ferreira) . Notícias do Milénio

[818]

23 Dezembro, 2003 at 8:55 am

UNIÃO EUROPEIA – 1994

Ano Europeu da Alimentação.

A 1 de Janeiro, inicia-se a segunda fase da União Económica e Monetária e é criado o Instituto Monetário Europeu (IME). Entra em vigor o acordo que cria o Espaço Económico Europeu (EEE).

Em Março, os Ministros dos Negócios Estrangeiros adoptam uma decisão de compromisso que fixa as regras da tomada de decisões por maioria qualificada na perspectiva do alargamento.

Também em Março, são concluídas as negociações com vista à adesão da Áustria, da Suécia, da Finlândia e da Noruega. A Hungria apresenta o seu pedido oficial de adesão à União Europeia.

Em Abril, a Polónia apresenta o seu pedido oficial de adesão à União Europeia.

Em 24 e 25 de Junho, no Conselho Europeu de Corfu (Grécia) são assinados os actos de adesão da Áustria, da Suécia, da Finlândia e da Noruega.

Em 15 de Julho, o Conselho Europeu reúne-se em sessão extraordinária em Bruxelas; Jacques Santer é designado para suceder a Jacques Delors como Presidente da Comissão.

São assinados os acordos de comércio livre com a Estónia, a Letónia e a Lituânia.

Em Novembro, realiza-se a primeira reunião do Conselho do Instituto Monetário Europeu em Frankfurt, Alemanha. Em referendo, os cidadãos noruegueses rejeitam a adesão à União Europeia.

[817]

23 Dezembro, 2003 at 8:07 am

1994 – UEO

“O embaixador José Cutileiro é eleito secretário-geral da União Europeia Ocidental, organização com sede em Londres, criada em 1948”.

[816]

23 Dezembro, 2003 at 8:05 am

1994 – TÚNEL DA MANCHA

“É inaugurado pela Rainha Isabel II, de Inglaterra, e pelo presidente François Miterrand, de França. É uma das maiores obras de engenharia do século, ligando as cidades de Coquelles a Cheriton”.

[815]

23 Dezembro, 2003 at 8:02 am


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.