Archive for 14 Outubro, 2003

Memória Virtual

Memória Virtual… porque é assim mesmo que a vejo (esta página).

Depois de 3 meses e meio no blogger / blogspot, o aaanumberone adquire uma “nova casa” e um “novo nome”; procurarei fazer entretanto a transferência dos textos anteriores.

A orientação continuará a ser a mesma: ter como objectivo prioritário a divulgação do que de melhor for acontecendo em Portugal e no Mundo.

Sejam bem-vindos!

[400]

14 Outubro, 2003 at 9:28 am 4 comentários

"NOVA CASA"

aaanumberone termina aqui!

“Renasce” agora mesmo numa “nova casa”, com um novo nome: “Memória Virtual”.

Aguardo a sua visita.

Obrigado a todos.

[399]

14 Outubro, 2003 at 8:59 am 1 comentário

“MANAGER” (II) – FIXAR OBJECTIVOS, ACOMPANHAR E CONTROLAR, AVALIAR OS RESULTADOS

Um objectivo corresponde à declaração específica de um determinado resultado esperado, devendo ser claro, realista, devidamente quantificado e tendo um prazo de execução definido.

Exercer um controlo sobre o trabalho de um colaborador é inerente à responsabilidade hierárquica; caso não possa ser exercido, a autoridade será necessariamente colocada em causa.

Mas exercer o controlo é também, e talvez sobretudo, apoiar e aconselhar na tomada de acções correctivas. Passa portanto pela existência prévia de objectivos fixados com precisão, assim como por ferramentas e meios que permitam medir/comparar a situação atingida com o resultado pretendido, culminando na adopção de medidas correctivas, de forma a minimizar os desvios face ao objectivo.

O controlo, sendo um meio de avaliação, deve ter também um papel “formador”, contribuindo para a melhoria do desempenho.

A fase de avaliação dos resultados deverá compreender duas etapas: auto-avaliação por parte do próprio colaborador; apreciação do responsável hierárquico, incidindo necessariamente sobre os resultados e não sobre a pessoa.

Em reuniões com colaboradores, de forma a assegurar uma comunicação eficaz, é fundamental: manter uma escuta recíproca, deixar falar o colaborador; ser paciente; manter a calma; não criticar; colocar questões; sublinhar os pontos de acordo; identificar os pontos de desacordo, discuti-los e negociá-los.

[398]

14 Outubro, 2003 at 8:04 am

O TRABALHO (III)

Podemos, ao invés, interrogar-nos sobre o que faríamos se ficássemos .libertos. (todos) de ter uma actividade profissional.

Seria errado pensar que talvez apenas uma relativamente pequena parte da população utilizaria esse .novo tempo livre. para se instruir, para aprender, para inovar, inventar um .novo mundo.; e que, uma parte relevante da população mundial não faria nada mais que .preguiçar. indefinidamente (optando pela via da .facilidade. e, consequentemente, da .mediocridade.)?

Será legítima a interrogação se a “sociedade”, pelos constrangimentos que determina . impondo ao homem uma espécie de trabalho .compulsivo. . terá acabado por .fazer a agulha., orientando-nos de forma a contornar a que seria eventualmente a tendência .natural. do género humano?

[397]

14 Outubro, 2003 at 7:44 am 2 comentários

O TRABALHO (II)

Apesar de, em 1900, o trabalho ocupar cerca de um terço da vida e, hoje, apenas cerca de 20 % (considerando os fins-de-semana, férias e feriados), passou a ser visto como um prolongamento da existência, a concretização (forma de .realização.) da vida, um meio de expressão pelo qual nos tornamos assimiláveis aos outros, sem o qual nos sentiríamos excluídos socialmente.

Mas a realidade efectiva é que o trabalho nos acompanha muito para além das instalações físicas em que é desenvolvido, ocupando parte muito relevante das nossas mentes.

Em determinadas actividades, demasiadamente absorventes, entra-se num ciclo, simultaneamente .virtuoso. e .vicioso.: por um lado, numa sociedade que se fundamentará na .meritocracia., o bom desempenho traduz-se em feedback (reconhecimento), re-alimentando, por sua vez, a necessidade de continuar a .investir. e a progredir na carreira (com subsequente .acréscimo. de reconhecimento); por outro, tal gera uma engrenagem da qual é difícil à pessoa individual conseguir libertar-se, a .vontade. / .necessidade. (de afirmação pessoal) tem reflexos numa espiral de dedicação ou envolvimento, cada vez mais consumidora de tempo e de disponibilidade mental.

A sobrevalorização do papel do trabalho, a competitividade exacerbada, fez-nos esquecer (!?) que uma sociedade, para se desenvolver, necessita também de outra coisas, desde a participação social activa, às actividades familiares, ao cultivar de um ciclo de amizades, até à vertente amorosa e, in fine, pessoal.

[396]

14 Outubro, 2003 at 7:20 am 1 comentário

O TRABALHO (I)

… Continuando a falar e a reflectir sobre o trabalho…

O trabalho nasceu como uma actividade que produz riqueza.

Não obstante, no mundo grego, era visto de forma negativa (como um .mero conjunto de esforços físicos.), sendo a .nobreza. associada à intelectualidade dos .amantes da sabedoria. (filósofos).

A Reforma instigou uma passagem aos valores associados ao trabalho, desenvolvendo a ideia de uma ética do .labor.. Com Adam Smith, surge o conceito geral do trabalho como origem de todas as riquezas.

No Século XIX, Hegel e Marx defenderam uma concepção do trabalho como um valor central da actividade humana, permitindo ao homem atingir a sua realização.

Transformou-se entretanto também num sistema de distribuição de direitos sociais; esperamos dele um rendimento, uma função social, uma ocupação.

Nos dias de hoje, o trabalho corresponde ao preenchimento de uma função num sistema, sendo nomeadamente as funções de integração social e de acesso a um status social fortemente perturbadas por situações de desemprego.

[395]

14 Outubro, 2003 at 7:19 am

1949 – DUAS ALEMANHAS

“Criada, em 8 de Maio, a República Federal da Alemanha (RFA), tendo como chanceler o cristão-democrata Konrad Adenauer. A República Democrática Alemã (RDA) será criada a 7 de Outubro, na zona de ocupação soviética, liderada por Otto Grotewohl.”

[394]

14 Outubro, 2003 at 7:18 am


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

  • RT @InvictosSomos: Nadie ha ganado más Balones de Oro (5) que él. Nadie ha ganado más Botas de Oro (6) que él. Nadie tiene mejor promedio g… 1 hour ago
  • RT @MundoMaldini: Biscotto entre franceses y rumanos e Italia eliminada. España-Francia y Alemania-Rumanía semifinales de la Eurocopa sub… 2 hours ago
  • RT @2010MisterChip: NO. Nadie se merece quedar fuera así. Y ojo que no critico a franceses y rumanos. Yo habría hecho lo mismo en su lugar… 2 hours ago

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.