Archive for 17 Outubro, 2003

"MANAGER" (V) – MOTIVAR

Não se “nasce motivado”, pode “ser-se motivado”!

As responsabilidades, a consideração, a promoção, as possibilidades de desenvolvimento pessoal, a informação e a autonomia são factores de motivação, desenvolvendo a satisfação no trabalho.

Um aumento salarial, só por si, não será necessariamente um factor de motivação, mas principalmente um elemento para evitar a desmotivação.

Em regra, ninguém fará esforços adicionais a não ser que esses esforços lhe confiram valor aos próprios olhos do interessado; assim como não fará esforços se não perceber a relação entre a medida desse esforço e o que recebe em compensação; tal como não fará esforços se se sentir incapaz de realizar o que é pretendido.

Colocar em acção um adequado modelo de motivação possibilitará ao colaborador “apropriar-se” do seu próprio trabalho, assumir novas responsabilidades, desenvolver a sua auto-confiança e auto-estima e aumentar a sua pró-actividade.

Tal deverá proporcionar à entidade ganhos a nível de actividade, inovação, entusiasmo e dinamismo.

Finalmente, o processo pressupõe também a emissão de sinais de reconhecimento positivo pelos resultados atingidos pelos colaboradores.

P. S. Mais agradecimentos, à Espuma dos dias e ao Cidadão livre.

[416]

17 Outubro, 2003 at 7:14 pm

"RETENÇÃO" vs. "PROMOÇÃO AUTOMÁTICA" – Comentários

Para além dos comentários directos no Memória Virtual, recebi adicionalmente alguns comentários via mail, dos quais saliento o do Fumaças e d’O Carimbo.

Diz o Fumaças a propósito do tema em debate:

“Muito sucintamente, acho que o facto de quase não existir possibilidade de reprovação é uma das principais causas da degradação do sistema de ensino.

Quer pelo facto de os alunos se desleixarem, quer pelos professores os deixarem passar por ser difícil, moroso e penalizador para eles chumbar um aluno (quase que necessitam de “meter” requerimento ao ministro para este autorizar!)”.

O Carimbo preparou um longo mas pertinente comentário, de que procurarei referir as passagens que me pareceram mais relevantes:

“Quanto às suas reflexões sobre o trabalho, o “manager” e as promoções, parecem-me interessantes e lembro que já foquei algumas das questões que aborda: post 10 – sobre o cruzamento de informação (24/07/03); post 61 – sobre o desemprego (28/08/03); post 66 – sobre o desemprego (04/09/03) e post 97 – sobre a avaliação do desempenho (29/09/03).

Quanto à questão que me coloca sobre a aplicação ao ensino da confrontação retenção vs promoção automática – a nível escolar essa questão não se coloca. Só há uma opção: “conseguir aprovação em todas as disciplinas com a melhor nota possível”. A reprovação só é opção se o estudante não desejar terminar os seus estudos. A avaliação de um estudante baseia-se apenas no cumprimento de critérios que foram estabelecidos à priori pelo professor. Quem cumprir esses critérios obtém a nota correspondente e ponto final. Não há necessidade de comparar dois alunos com a mesma nota e estabelecer uma diferenciação em função de outros parâmetros, os quais, não estando definidos à priori, serão sempre injustos e, provavelmente, subjectivos.

Depois de os estudantes iniciarem uma licenciatura, já não têm limitações administrativas (leia-se: vagas) à sua progressão.

Essa situação só se altera quando o estudante termina ou abandona os estudos e procura um lugar no mercado de trabalho. Daqui em diante o limite de vagas passará a ser uma constante da sua vida profissional.

Assim, parece-me lógico que os patrões ou as chefias estipulem critérios de produtividade e qualidade no serviço e no relacionamento humano. Se existirem vários elementos a merecer a promoção, existem duas possibilidades. Se essa promoção corresponder apenas a uma regalia financeira, sem grande alteração do serviço que vinha sendo desempenhado pelo funcionário, poderá ser proposto pelo empregador uma distribuição dessa regalia (aquela que a empresa, pública ou privada, puder pagar) pelos empregados que mereceriam a promoção. Se a promoção corresponder à ascensão a um cargo (único) de direcção, torna-se necessário encontrar parâmetros de desempate.

No fundo, o que deve garantir as promoções nas carreiras profissionais deve ser o mérito, o qual deve ser avaliado em termos de produtividade, qualidade (do serviço e do relacionamento humano) e CAPACIDADE DE INICIATIVA”.

[415]

17 Outubro, 2003 at 12:30 pm

ÁFRICA – DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI (II)

A comunidade internacional, em particular os países (“ricos”) do hemisfério Norte têm uma obrigação urgente, de forma a evitar que se repitam situações como as do genocídio no Ruanda em 1994.

Mas o desenvolvimento de África é uma tarefa de longo prazo, que pressupõe, por um lado, uma muito maior abertura dos mercados dos países industrializados à produção de origem africana, essencialmente agrícola (actualmente, condicionados pelas medidas proteccionistas europeias e americanas); por outro lado, o investimento na escolaridade deverá ser uma prioridade máxima (constituindo a Tunísia um exemplo a seguir).

E, se nos recordarmos que, no início da década de 60, a situação da Ásia Oriental (para além do Japão) era similar à africana, o êxito daqueles países será um sinal de que não é impossível que a África entre na rota do desenvolvimento.

A finalizar, para além das responsabilidades dos países “desenvolvidos” em termos de apoio a conceder, os povos africanos têm também um papel essencial a cumprir, em particular pela adopção de práticas de “boa governação”; já hoje, países como o Senegal ou o Botswana provam que o desenvolvimento e a segurança são possíveis na África sub-sahariana.

[414]

17 Outubro, 2003 at 12:29 pm

BAILADO – "PEDRO E INÊS"

Com coreografia de Olga Roriz, pela Companhia Nacional de Bailado, dias 17 e 18, às 21h, no Teatro Camões, no Parque das Nações, em Lisboa.

[413]

17 Outubro, 2003 at 6:55 am

ÁFRICA – DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI (I)

O subdesenvolvimento estrutural africano tem sido sistematicamente acompanhado por guerras e conflitos étnicos, desde a África Ocidental (Serra Leoa, Libéria e, ultimamente, Costa do Marfim), à região dos Grandes Lagos (Ruanda, Burundi, o Congo e a R. D. Congo), passando pelo “Corno de África” (Sudão, Somália, guerra entre a Etiópia e a Eritreia) e pela África Austral (Angola e Zimbabwe).

Os recursos petrolíferos e mineiros têm acabado por consubstanciar paralelamente um obstáculo ao controlo da violência, agravando os problemas económicos; acresce o grave problema da Sida, com particular incidência na África Austral.

Se, até agora, os dramas africanos não tiveram impacto significativo sobre a segurança a nível mundial, será de recear que a “implosão” de África possa ter consequências nefastas para o equilíbrio mundial.

A violência do continente poderá acabar por ser exportada, como tem acontecido no Médio Oriente, por via de movimentos terroristas já estabelecidos. O êxodo de refugiados em fuga das guerras e das doenças acelerará os movimentos de populações em direcção ao Norte. Dificilmente estas catástrofes, afectando 800 milhões de pessoas, deixarão de ter repercussões externas.

[412]

17 Outubro, 2003 at 6:53 am

1950 – "APARTHEID"

“As autoridades da África do Sul legalizam o “apartheid”, regime de segregação racial sistemática, que só será abolido em 1994″.

“Notícias do Milénio”, publicação dos jornais do “Grupo Lusomundo”, Julho de 1999

[411]

17 Outubro, 2003 at 6:51 am


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.