Archive for 7 Junho, 2008

Hiilary Clinton apoia Barack Obama

Está finalmente encerrado o processo de nomeação do candidato Democrata às eleições presidenciais nos EUA.

Hillary Clinton declarou hoje o seu apoio a Barack Obama, colocando termo à sua campanha, e apelando à unidade do Partido em torno do candidato.

Anúncios

7 Junho, 2008 at 10:17 pm Deixe um comentário

EURO 2008 – Grupo A – 1ª jornada

PortugalTurquia2-0

E, tenho já de começar a retractar-me, e ainda bem! A abrir, uma excelente vitória de Portugal!

Numa partida jogada a ritmo intenso, sempre a alta velocidade, Portugal assumiu desde início a condição de favorito, procurando de forma constante o golo, quase sufocando a equipa turca, de que é melhor exemplo a sucessão de quatro cantos consecutivos, por volta dos 40 minutos.

Algo ansiosa, por vezes precipitada, sem conseguir manter a calma necessária para construir jogadas estruturadas, a equipa portuguesa conseguiria, não obstante, criar várias situações de perigo, com a bola a embater por três vezes nos ferros da baliza do guarda-redes turco: primeiro, aos 37 minutos, com um fantástico remate cruzado de Cristiano Ronaldo, com Demirel a tocar ainda na bola, desviando-a para o poste esquerdo da baliza; de seguida, aos 50 minutos, já depois de Simão ter sido carregado em falta à entrada da área – com o árbitro a dar a lei da vantagem -, a bola sobrou para Nuno Gomes, que rematou ao poste; e, finalmente, o mesmo Nuno Gomes a cabecear à barra, iam decorridos 65 minutos.

Já depois de ter visto uma jogada de golo não validada pelo árbitro (aos 17 minutos), Pepe conseguiria mesmo marcar, a cerca de meia-hora do fim do encontro. Uma excelente combinação, tabelando com Nuno Gomes, isolando-se na área turca e, frente a Demirel, não obstante ser ainda “abalroado” por um defesa turco, com muita calma, a conseguir desviar a bola do alcance do guarda-redes.

Mesmo a perder, a Turquia – sempre muito passiva, como que incapaz de reagir ao turbilhão em que a equipa portuguesa a envolvera – manteve a toada de expectativa e de risco mínimo, apenas lançando esporádicos contra-ataques. Apenas aos 73 minutos, Ricardo, sempre bastante seguro, teria uma intervenção mais apertada, para, aos 81 minutos, num outro ataque perigoso, a bola sair ligeiramente ao lado da baliza portuguesa.

A finalizar o jogo – e já depois de Scolari ter dado, por via das 3 substituições efectuadas, claros sinais de que o fundamental era preservar a vitória – Portugal, na sequência de uma excelente iniciativa de Cristiano Ronaldo (um contra-ataque rapidíssimo, abrindo para João Moutinho, desmarcado no centro da área, o qual, não conseguindo visar a baliza, teria ainda tempo de assistir Raul Meireles, que, liberto à direita, empurrou para o fundo da baliza), conseguiria assim alcançar finalmente o golo da tranquilidade… que lhe conferiu uma vitória plenamente justa, a par da liderança do Grupo. Pode consultar a classificação aqui.

Portugal Ricardo, Bosingwa, Ricardo Carvalho, Pepe, Paulo Ferreira, Petit, João Moutinho, Deco (92m – Fernando Meira), Cristiano Ronaldo, Simão (82m – Raul Meireles) e Nuno Gomes (68m – Nani)

Turquia Volkan Demirel, Hamit Altıntop (75m – Semih Şentürk), Servet Çetin, Hakan Balta, Gökhan Zan (55m – Emre Aşık), Kazım Kazım, Emre Belözoglu, Mehmet Aurélio, Mevlüt Erdinç (45m – Sabri Sarıoğlu), Tuncay Sanlı e Nihat Kahveci

1-0 – Pepe – 61m
2-0 – Raul Meireles – 93m

“Melhor em campo” – Pepe

Amarelos – Kazım Kazım (4m), Gökhan Zan (51m), Sabri Sarıoğlu (72m)

Árbitro – Herbert Fandel (Alemanha)

Stade de Genève – Genève (19h45)

7 Junho, 2008 at 9:38 pm 1 comentário

Portugal-Turquia – Minuto a minuto

Para acompanhar aqui.

7 Junho, 2008 at 8:11 pm Deixe um comentário

EURO 2008 – Grupo A – 1ª jornada

SuíçaR. Checa0-1

Na partida inaugural do EURO 2008, repetiu-se o arranque da precedente edição da prova, com a equipa da casa (Suíça) a ser derrotada, perdendo frente à R. Checa por 0-1.

Assumindo a condição de favorita (única equipa que, em 2004, venceu todos os jogos da Fase Grupos), a R. Checa começou por controlar o jogo, mas rapidamente a Suíça conseguiria restabelecer o equilíbrio.

Beneficiando da sua frieza e eficácia, a R. Checa tiraria partido de alguns infortúnios da equipa suíça, que perderia Alexander Frei no final da primeira parte, devido a lesão aparentemente grave, vendo ainda Vonlanthen rematar à trave, já na recarga a um primeiro remate com muito perigo, culminando com a reclamação de uma grande penalidade, ao minuto 94, não sancionada pelo árbitro (com um jogador checo a desviar a trajectória da bola com o braço). Ao invés, a selecção dirigida por Karel Brückner aproveitaria a única grande oportunidade de golo, convertida por Svěrkoš , que entrara a substituir Koller.

Num jogo bastante táctico, em que ambas as equipas revelaram algum respeito mútuo, um resultado com o seu quê de penalizador para a Suíça, pela superioridade consentida pela R. Checa, que, não obstante, prossegue a sua senda de vitórias.

Suiça Diego Benaglio, Stephan Lichtsteiner (75m – Johan Vonlanthen), Patrick Müller, Philippe Senderos, Ludovic Magnin, Valon Behrami (84m – Eren Derdiyok), Gökhan Inler, Gelson Fernandes, Tranquillo Barnetta, Alexander Frei (45m – Hakan Yakin) e Marco Streller

R. Checa Petr Čech, Zdeněk Grygera, Tomáš Ujfaluši, David Rozehnal, Marek Jankulovski, Tomáš Galásek, Libor Sionko (83m – Stanislav Vlček), David Jarolím (87m – Radoslav Kováč), Jan Polák, Jaroslav Plašil e Jan Koller (55m – Václav Svěrkoš)

0-1 – Svěrkoš – 70m

“Melhor em campo” – Ujfaluši

Amarelos – Magnin (58m), Vonlanthen (75m) e Barnetta (94m)

Árbitro – Roberto Rosetti (Itália)

Estádio St. Jakob-Park – Basileia (17h00)

7 Junho, 2008 at 6:53 pm Deixe um comentário

EURO 2008 – Pontapé de saída

Depois do que aconteceu no EURO 2004, com o absolutamente inesperado triunfo da Grécia, a atitude mais prudente seria mesmo a de revelar os “prognósticos só no fim”.

Mas, assumindo um pouco o risco, à partida para a principal competição europeia de futebol – e quando estamos a cerca de meia hora do seu início – há um lote de selecções que reunem algum favoritismo: as tradicionais Itália, França, Espanha, Holanda e Alemanha (não obstante não ter vencido nenhum dos 6 jogos que disputou desde que, em 1996, se sagrou Campeã da Europa), a que aqui junto também a R. Checa. Se tivesse de apostar apenas numa, a minha opção (enquanto equipa favorita) recairia na Espanha.

Quanto a Portugal, em condições normais – e não obstanta a reconhecida classe de alguns dos seus jogadores, com Cristiano Ronaldo ostentando, a priori, o estatuto de estrela maior desta prova (como gostaria de a ver confirmada!…) – não deverá “entrar nestas contas”.

Nas quatro presenças anteriores em Fases Finais do Campeonato da Europa de Futebol (1984, 1996, 2000 e 2004), a equipa portuguesa sempre conseguiu ultrapassar a fase de grupos, tendo inclusivamente, nas 3 últimas edições, vencido o seu Grupo de apuramento (sendo aliás a única selecção que alcançou esta proeza). O historial de Portugal é muito bom, registando um 2º lugar, 2 terceiros e um 5º, com a particularidade de ter atingido os 1/4 Final em 1996, as 1/2 Finais em 2000 e a Final em 2004.

Infelizmente, receio que esta sucessiva tendência ascensional não tenha continuidade este ano. Mais, atrevo-me a antecipar que Portugal poderá inclusivamente não vencer nenhum dos jogos da presente edição… Oxalá tenha de vir a “retratar-me”!

Desde logo, porque – em minha opinião, contrariamente ao que se poderá comummente supor – a equipa portuguesa está integrada num Grupo difícil: uma das mais fortes candidatas ao título, a R. Checa, uma equipa fogosa como a da Turquia, e a Suíça, um dos países organizadores, com o que de dificuldade acrescida tal poderá implicar no último jogo da fase de qualificação.

Depois, porque Portugal – com uma sofrível campanha na fase de apuramento, praticamente sempre em “serviços mínimos” – se apresenta com uma equipa desequilibrada, com notórias insuficiências. Ao exacerbado protagonismo e mediatismo de Cristiano Ronaldo (com inevitáveis repercussões a nível da necessária concentração) contrapõe-se a ausência de um efectivo “ponta-de-lança”; o excesso de extremos é acompanhado por uma linha média com jogadores demasiado fatigados ou fora de forma (João Moutinho ou Petit, por exemplo), ou com falta de ritmo competitivo (como é o caso de Deco).

São muitas as incógnitas no início deste EURO. Conseguirá Cristiano Ronaldo – no termo de uma tão magnífica como extenuante época – estar ao seu nível? Terá Deco adquirido entretanto o ritmo necessário para que possa assumir em plenitude o seu papel de pautar o jogo de Portugal? Poderá João Moutinho resistir ao cansaço e afirmar-se como vector determinante do meio-campo? Estará Bosingwa na forma que apresentou durante o ano, como elemento municiador de ataque, provocando desequilíbrios?

Com o incansável apoio dos emigrantes portugueses – num primeiro jogo que considero decisivo, em que a vitória será imprescindível -, têm a palavra os “Viriatos”!

Para acompanhar, “ao minuto”, via Twitter.

7 Junho, 2008 at 4:30 pm 1 comentário


Autor – Contacto

Destaques

Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

  • RT @RuiMCB: Começa outra fase importante da história do clube. Eleições para todos os órgãos a 8 de setembro. Quem não gosta de quem já apa… 9 hours ago
  • RT @pedro_sales: não foi o tão alegado ataque externo que derrubou bdc, mas a forma disparatada como desbaratou, num ano, um apoio esmagado… 9 hours ago
  • RT @simongerman600: #Map shows the countries with the largest foreign currency reserves. In #Asia the rich countries love stockpiling forei… 12 hours ago

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.