"CRÓNICA PARA TOMAR"

20 Maio, 2006 at 9:57 am Deixe um comentário

Excertos de crónica dedicada a Tomar, escrita por um dos mais aclamados escritores mundiais, António Lobo Antunes:

“Agora, à noite, eu sozinho no silêncio da casa. Os livros tão quietos, as fotografias, os quadros, uma espécie de eternidade breve na contidão do relógio. Luzes ao longe. Escrevo, como sempre que escrevo aqui, na mesa de comer. O estádio de futebol apagado, poucas lâmpadas nos prédios. Dói-me qualquer coisa atrás dos olhos, não bem dor, uma impressão. Pela janela aberta o som dos automóveis. Em baixo, no baldio, um cão principia a chamar, entre duas oliveiras e uma ruína: uma ruína neste momento um novelo de sombras, de manhã um pedaço de muro. De quando em quando percebe-se o vento: não muito alto, um cochicho. Diz o quê? Apetecia-me que alguém cantasse, a voz de uma mulher como em Tomar, há muitos anos, andava eu na tropa. No sossego da messe dos oficiais, a meio do escuro, a voz. Sentia-me bem em Tomar. O enfermeiro do Hospital da Misericórdia, cheio de gestos. As árvores. As árvores.

Tomar. Camionetas de carreira, lado a lado, no aterro. O tribunal a cheirar a papel podre, a cartão bafiento. Funcionários alheados, arbustos que se agitavam como galinhas quando os galos as deixam, cacarejando folhas. O rio em Agosto com centenas de peixes, canivetes, só lâmina, furando a água, até à superfície, para apanharem um insecto com os dois dedos da boca: o lábio de cima o indicador, o lábio de baixo o polegar. Os olhos deles imperturbáveis, gordos. Salgueiros reflectidos, mais autênticos que os salgueiros cá fora. Alugavam-se barquinhos, remava-se entre caniços, musgos. Não só a esposa verde, tudo verde, nunca pensei que o verde fosse tantas cores, nunca pensei que no verde todas as cores do mundo. Dúzias. Qual dúzias? Mil. O retrato, com uma farda número um emprestada, para o cartão de oficial.

Salgueiros reflectidos, mais autênticos que os salgueiros cá fora. Meti-me no automóvel. Não sei porquê custou a pegar. Ou sei porquê: não tinha força para rodar a chave. Há alturas, quando os touros e as bonecas choram (não nós, claro, não nós) em que não se tem força para rodar uma chave.”

António Lobo Antunes (Crónica na Revista “Visão”, de 5 de Agosto de 2004)

Entry filed under: Tomar.

MUNDIAL 2006 (CXXVIII) – 2002 "O SEGREDO DOS TEMPLÁRIOS" (I)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Subscribe to the comments via RSS Feed


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Maio 2006
S T Q Q S S D
« Abr   Jun »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.


%d bloggers like this: