Archive for 11 Maio, 2006

MUNDIAL 2006 (CXXII) – 2002

Numa parceria (organização conjunta de dois países) e num cenário (Ásia) inéditos, a Fase Final da 17ª edição do Campeonato do Mundo de Futebol, disputada em 2002 no Japão e na Coreia do Sul, acabou por traduzir-se numa final também inédita, entre os dois países com maior historial (Brasil e Alemanha)… num contexto em que, paradoxalmente, o seu favoritismo seria talvez (mais) reduzido.

Desde um Campeão do Mundo em título (França) eliminado na primeira fase, sem conseguir marcar um único golo (!), à eliminação (também nessa mesma fase inicial da prova) da Argentina, do Uruguai, Croácia, Rússia, Nigéria, Camarões… e Portugal; passando pela bem sucedida carreira de ambos os países organizadores, este foi um Mundial caracterizado pelo factor surpresa, que suscitou questões ao nível da sua calendarização e da necessidade de rever os formatos competitivos dos principais campeonatos europeus, dado o estado de desgaste físico e psicológico que algumas das principais vedetas denotaram.

O Campeonato começou por ter uma nota inicial de “espanto” logo no seu jogo inaugural, com o Campeão do Mundo (França) a ser derrotada pelo estreante Senegal, por 0-1. Nos dois jogos seguintes, os franceses não conseguiriam marcar sequer um golo, assim sendo afastados da prova, sem honra nem glória. Situação similar sucederia, no mesmo grupo, com o Uruguai, também prematuramente afastado, face à qualificação de Dinamarca e Senegal para os 1/8 Final.

O Brasil, treinado por Luís Filipe Scolari, começaria por sentir enormes dificuldades para se impor frente à Turquia, com um tangencial 2-1, obtendo não obstante o primeiro lugar no seu grupo de apuramento, após vitórias sobre China e Costa Rica.

No grupo de Portugal, a primeira surpresa foi a vitória da Coreia do Sul frente à Polónia, logo seguida de uma não menos surpreedente vitória dos EUA contra Portugal. A equipa lusa, em dia de Portugal, obteria uma concludente vitória (4-0) na partida com a Polónia, necessitando apenas de um empate no último jogo para se qualificar.

Contudo, ainda antes da meia-hora, começaria a cometer uma espécie de “hara-kiri” com a expulsão de João Pinto, por agressão ao árbitro; o empate subsistiria ainda durante 4 minutos após a selecção nacional se ver reduzida a 9 elementos, também por expulsão de Beto; quando, aos 70 minutos, os coreanos chegaram ao golo, tudo parecia perdido… e estava – não obstante o último assomo de inconformismo na derradeira fase do jogo, com 2 ou 3 oportunidades, em particular um remate de Sérgio Conceição, em cima dos 90 minutos, com a bola a passar a milímetros do que seria o golo “salvador” que nos teria permitido o “milagre” da qualificação.

Assim terminava uma decepcionante carreira de uma “geração de ouro” em que eram depositadas grandes esperanças. 16 anos depois, o “fantasma” do desastre da eliminação frente a Marrocos voltava a materializar-se de forma “dolorosa”. Coreia do Sul e EUA seguiam, inesperadamente, em frente, para os 1/8 Final.

No grupo E, a Alemanha, depois de uma goleada por 8-0 frente à Arábia Saudita e de um “insosso” empate com a Irlanda, bateria a selecção dos Camarões, que, assim, se via também afastada, suplantada pela Irlanda.

No grupo teoricamente mais forte, a Suécia e a Inglaterra impunham-se às poderosas equipas da Argentina (desta vez derrotada pelos ingleses, vingando o Mundial de 1986) e da Nigéria, com esta a decepcionar (apenas um empate frente aos ingleses).

México e Itália afastariam o 3º classificado do Mundial precedente, a Croácia.

Por fim, o outro organizador, Japão, impunha-se, também surpreendentemente, derrotando (e eliminando) a Rússia, acabando por vencer mesmo o seu grupo de apuramento, à frente da Bélgica.

Nos 1/8 Final, destaque para a clara vitória da Inglaterra contra a Dinamarca (3-0) e, em especial, para as inesperadas vitórias da Coreia do Sul (afastando a Itália), Senegal (eliminando a Suécia) e EUA (frente ao rival México, teoricamente mais poderoso). O Japão via o seu sonho abruptamente interrompido, perdendo com a Turquia. O Brasil conseguia um muito complexo apuramento frente à Bélgica, não isento de polémica.

O grande jogo dos ¼ Final opunha o Brasil e a Inglaterra, com os brasileiros a fazerem valer a sua classe frente aos ingleses, que continuam, há 4 décadas, em busca da reedição do título de 1966. EUA e Senegal viam também a sua caminhada concluída, derrotados respectivamente pela Alemanha e Turquia. Por fim, a Coreia do Sul fazia história: depois de afastar Portugal e de eliminar a Itália, conseguiria garantir o apuramento (elevando a intensidade das polémicas, no que toca a actuações de árbitros nos seus jogos) frente à Espanha, na sequência de desempate da marca de grande penalidade!… O sonho viria a acabar aos pés da selecção da Alemanha.

Depois da difícil vitória inicial frente à Turquia, e de sofrer bastante nos jogos com a Bélgica e Inglaterra, o Brasil teria de vencer novamente os turcos para alcançar a Final.

E, por fim, num jogo sem grandes primores técnicos, entre duas equipas denotando sintomas de fadiga – com Ronaldo a destacar-se, afirmando-se com os 8 golos marcados na prova, a par de grandes figuras como Rivaldo, Roberto Carlos e um “emergente” Ronaldinho –, na primeira vez em que se defrontaram, o Brasil, vencendo a Alemanha, tornava-se penta-Campeão Mundial! O capitão Cafu, primeiro jogador a disputar 3 Finais consecutivas do Campeonato do Mundo, ergueria o troféu mais ambicionado.

11 Maio, 2006 at 6:55 pm Deixe um comentário

TAÇA UEFA – RANKING CLUBES

Na sequência da vitória do Sevilla na Final da Taça UEFA, ontem realizada, esta prova passou a registar, no conjunto das 48 edições já disputadas, 31 vencedores diferentes, oriundos de 13 países.

Os grandes dominadores são os clubes dos países de maior potencial futebolístico na Europa (Itália, Espanha, Inglaterra e Alemanha), em particular a Juventus, o Inter, Barcelona, Valencia e Liverpool (todos com 3 vitórias); não obstante, foram 12 os clubes que já bisaram o triunfo na prova.

A Taça UEFA foi já conquistada pelo FC Porto (em 2003), tendo o Benfica perdido a final de 1983 (então disputada a “duas mãos”) e o Sporting, na época passada, também finalista vencido no seu próprio estádio, ante o CSKA Moscovo.

O ranking de clubes nesta prova passa a escalonar-se da seguinte forma (com base na atribuição de 3 pontos a cada vencedor, 2 pontos a cada finalista vencido e 1 ponto a cada semi-finalista):

Pos.    Clube         País  Títulos  Finalista      Finais Semi-final. Pontos
 1   Juventus         Itá      3          3	  6        1       16
 2   Inter            Itá      3          1	  4        5       16
 3   Barcelona        Esp      3          1	  4        4       15
 4   Valencia         Esp      3          1	  4        -       11
 5   B. M’Gladbach    Ale      2          2	  4        1       11
 6   Liverpool        Ing      3          -	  3        1       10
 7   Leeds            Ing      2          1	  3        2       10
 8   Tottenham        Ing      2          1	  3        1       9
 9   Parma            Itá      2          -	  2        1       7
 9   Real Madrid      Esp      2          -	  2        1       7
11   Anderlecht       Bel      1          2	  3        -       7
12   Ferencvaros      Hun      1          1	  2        2       7
13   Koln             Ale      -          1	  1        5       7
14   Feyenoord        Hol      2          -	  2        -       6
14   Goteborg         Sue      2          -	  2        -       6
16   Roma             Itá      1          1	  2        1       6
17   Arsenal          Ing      1          1	  2        -       5
17   D. Zagreb        Cro      1          1	  2        -       5
17   Zaragoza         Esp      1          1	  2        -       5
20   Bayern           Ale      1          -	  1        2       5
21   B. Dortmund      Ale      -          2	  2        1       5
21   Birmingham       Ing      -          2	  2        1       5
23   Ajax             Hol      1          -	  1        1       4
23   B. Leverkusen    Ale      1          -	  1        1       4
23   E. Frankfurt     Ale      1          -	  1        1       4
23   Newcastle        Ing      1          -	  1        1       4
23   Schalke 04       Ale      1          -	  1        1       4
28   Marseille        Fra      -          2	  2        -       4
29   Stuttgart        Ale      -          1	  1        2       4
30   FC Porto         Por      1          -	  1        -       3
30   Galatasaray      Tur      1          -	  1        -       3
30   Ipswich Town     Ing      1          -	  1        -       3
30   Napoli           Itá      1          -	  1        -       3
30   PSV              Hol      1          -	  1        -       3
30   CSKA Moscovo     Rús      1          -	  1        -       3
30   Sevilla          Esp      1          -	  1        -       3
37   AZ Alkmaar       Hol      -          1	  1        1       3
37   Brugge           Bel      -          1	  1        1       3
37   Crvena Zvezda    Sér      -          1	  1        1       3
37   Dundee United    Esc      -          1	  1        1       3
37   Hamburger        Ale      -          1	  1        1       3
37   Lazio            Itá      -          1	  1        1       3
37   Sporting         Por      -          1	  1        1       3
37   Twente           Hol      -          1	  1        1       3
45   At. Madrid       Esp      -          -	  -        3       3
46   Alavés           Esp      -          1	  1        -       2
46   Athlet. Bilbao   Esp      -          1	  1        -       2
46   Bastia           Fra      -          1	  1        -       2
46   Benfica          Por      -          1	  1        -       2
46   Bordeaux         Fra      -          1	  1        -       2
46   Celtic           Esc      -          1	  1        -       2
46   Espanyol         Esp      -          1	  1        -       2
46   Fiorentina       Itá      -          1	  1        -       2
46   London XI        Ing      -          1	  1        -       2
46   Salzburg         Áus      -          1	  1        -       2
46   Torino           Itá      -          1	  1        -       2
46   Ujpest Dosza     Hun      -          1	  1        -       2
46   Videoton         Hun      -          1	  1        -       2
46   Wolverhampton    Ing      -          1	  1        -       2
46   Middlesbrough    Ing      -          1	  1        -       2

11 Maio, 2006 at 12:38 pm Deixe um comentário

GUALDIM PAIS (I)

Gualdim Pais foi o quarto Mestre dos Templários em Portugal. Nasceu provavelmente em Amares, nos arredores de Braga, em 1118, filho de Paio Ramires, um cavaleiro nobre do Condado Portucalense, que apoiaria D. Afonso Henriques na rebelião contra a sua mãe, D. Teresa, em 1128.

Cresceu na companhia de D. Afonso Henriques, que o ordenou cavaleiro na Batalha de Ourique em 1139.

Seguiu depois em cruzada à Palestina, onde permaneceu 5 anos, distinguindo-se no cerco a Gaza.

Após o regresso, aparentemente já como Templário, combateu nas lutas pela reconquista do território entre Coimbra e Leiria, então a fronteira com as terras sob domínio Mouro.

Por volta de 1152, D. Afonso Henriques nomeou-o Comandante ou Mestre da casa da Ordem em Braga (primeiro quartel-general dos Templários).

Assumiria, quatro anos depois, em 1156, o cargo de Grande Mestre da Ordem do Templo, com a missão de defender a região entre Soure e a fronteira do Rio Tejo.

11 Maio, 2006 at 8:50 am Deixe um comentário


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Maio 2006
S T Q Q S S D
« Abr   Jun »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.