Archive for 28 Abril, 2005

ARGENTINA

Argentina.jpeg

A Argentina é o país mais meridional da América do Sul, dispondo de uma superfície de 2 780 092 km2 (3 694 km de comprimento e largura a variar entre 400 km e 1 460 km) e uma população de cerca de 37 milhões de habitantes.

Faz fronteira com o Chile a Oeste e a Sul (no extremo do continente), com a Bolívia e o Paraguai a Norte e com o Brasil e o Uruguai a Este, tendo também costa atlântica a Sudeste.

É uma união federal, formada por 22 províncias, sendo Buenos Aires a capital, com uma população de cerca de 13 milhões de habitantes na sua área metropolitana. As principais cidades são Córdoba, La Matanza, Rosário, Mar del Plata, La Plata e Tucumán. A língua oficial é o castelhano.

O espanhol J. Diaz de Solis chegou ao estuário do Rio da Prata em 1516, tendo Pedro Mendoza fundado Santa Maria del Buen Aire em 1536. Após ataque dos índios, seria reconstruída em 1580, por Juan de Garay, passando a ter a denominação de Buenos Aires.

O território argentino foi dependente do vice-reino de Lima até 1776, altura em que foi criado o vice-reino do Rio da Prata. O vice-rei espanhol do Rio da Prata seria deposto em 1810, vindo José de San Martín a proclamar a independência da Argentina em 1816, no Congresso de Tucumán.

Em 1835, o general Rosas instaura uma ditadura, a qual se prolonga até 1852. Em 1880, Buenos Aires passa a ser a capital federal, iniciando-se então a chegada de numerosos emigrantes europeus.

A partir de 1930, o país entra em crise, até que, em 1946, Juan Domingo Péron inicia um período de ditadura com o apoio dos “descamisados”, as camadas mais pobres da população, beneficiando de reformas sociais, da partilha das grandes propriedades rurais e, sobretudo, da popularidade da mulher, Eva Péron.

Entrando em conflito com a Igreja Católica, acabaria por ser derrubado pelo exército em 1955. De 1955 a 1972, o país passou por uma série de governos instáveis, principalmente de cariz militar, os quais seriam também depostos por golpe militares.

Em 1973, procurou institucionalizar-se a democracia, com o regresso de Péron, na sequência das eleições presidenciais de 1973. Péron viria a ser substituído pela viúva, Isabel Péron (sua segunda mulher), criando-se contudo um clima de guerrilha que originaria novo golpe de Estado em 1976, impondo-se novamente o regime militar, liderado sucessivamente pelos generais Jorge Rafael Videla, Roberto Viola e Leopoldo Galtieri.

Na sequência da ocupação das Ilhas Malvinas (Falkland), a Argentina entrou em guerra com o Reino Unido. A forte derrota sofrida em 1982, conduziria à instauração de um regime de cariz democrático, sucedendo-se como presidentes Raul Alfonsin, Carlos Menem, após o que o país entrou num período de grave crise económica e política, de que procura actualmente sair.

Os grandes nomes da cultura no país foram: José Hernández (1834-1886), Jorge Luís Borges (1899-1986), Júlio Cortázar (1914-1984) e Ernesto Sábato (1911), todos na literatura; e, na música, Carlos Gardel (1887-1935) e Astor Piazzola (1921-1992).

“A Enciclopédia”, edição Editorial Verbo, SA / Público, 2004

[2233]

28 Abril, 2005 at 6:23 pm

JOGOS SEM FRONTEIRAS (IV)

Vencedores das Finais anuais:

1965 – Ciney (Bélgica) e Saint-Amand (França)
1966 – Eichstätt (Alemanha)
1967 – Duderstadt (Alemanha)
1968 – Siegen (Alemanha)
1969 – Wolfsburg (Alemanha) e Shrewsbury (Grã-Bretanha)
1970 – Como (Itália)
1971 – Blackpool (Grã-Bretanha)
1972 – La Chaux de Fonds (Suíça)
1973 – Ely (Grã-Bretanha)
1974 – Muotathal (Suíça)
1975 – Nancy (França)
1976 – Ettlingen (Alemanha)
1977 – Schliersee (Alemanha)
1978 – Abano Terme (Itália)
1979 – Bar-le-Duc (França)
1980 – Vilamoura (Portugal)
1981 – Dartmouth (Grã-Bretanha) e Lisboa (Portugal)
1982 – Rochefort (Bélgica)

1988 – Madeira (Portugal)
1989 – Açores (Portugal)
1990 – Jaca (Espanha)
1991 – Vigevano (Itália)
1992 – Trebic (Checoslováquia)
1993 – Kecskemet (Hungria)
1994 – Ceska Trebova (R. Checa)
1995 – Brno (R. Checa)
1996 – Kecskemet (Hungria)
1997 – Amadora (Portugal)
1998 – Szazhalombatta (Hungria)
1999 – Bolzano Südtirol (Itália)

[2232]

28 Abril, 2005 at 12:34 pm

PAUL AUSTER EM LISBOA

O escritor norte-americano Paul Auster estará em Lisboa amanhã e depois, para lançamento da nova tradução de “A música do acaso”.

Amanhã, na Culturgest, sala 2, pelas 21h30, com entrada gratuita, Auster terá oportunidade de falar sobre o caderno português que é “peça-chave” na intriga de “A Noite do Oráculo”.

No dia 30, pelas 21 horas, a FNAC do Chiado recebe a iniciativa “Universo Austeriano”, também com a presença do escritor, que terá oportunidade de falar da sua relação com a escrita e da origem das suas obras.

[2231]

28 Abril, 2005 at 8:23 am


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Abril 2005
S T Q Q S S D
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.