Archive for 8 Junho, 2006

MUNDIAL 2006 (CXXXII)

Grupo 7
S. Marino – Sérvia e Montenegro – 0-3 / 0-5
Bélgica – Lituânia – 1-1 / 1-1
Bósnia Herzegovina – Espanha – 1-1 / 1-1
Lituânia – S. Marino – 4-0 / 1-0
Espanha – Bélgica – 2-0 / 2-0
Bósnia Herzegovina – Sérvia e Montenegro – 0-0 / 0-1
Lituânia – Espanha – 0-0 / 0-1
Bélgica – Sérvia e Montenegro – 0-2 / 0-2
Espanha – S. Marino – 5-0 / 6-0
Bélgica – Bósnia Herzegovina – 4-1 / 0-1
Sérvia e Montenegro – Espanha – 0-0 / 1-1
S. Marino – Bélgica – 1-2 / 0-8
Bósnia Herzegovina – Lituânia – 1-1 / 1-0
S. Marino – Bósnia Herzegovina – 1-3 / 0-3
Sérvia e Montenegro – Bélgica – 0-0 / 2-0
Sérvia e Montenegro – Lituânia – 2-0 / 2-0

1º Sérvia e Montenegro, 22; 2º Espanha, 20; 3º Bósnia-Herzegovina, 16; 4º Bélgica, 12; 5º Lituânia, 10; 6º S. Marino, 0

Grupo 8
Malta – Suécia – 0-7 / 0-6
Croácia – Hungria – 3-0 / 0-0
Islândia – Bulgária – 1-3 / 2-3
Hungria – Islândia – 3-2 / 3-2
Suécia – Croácia – 0-1 / 0-1
Croácia – Bulgária – 2-2 / 3-1
Malta – Islândia – 0-0 / 1-4
Suécia – Hungria – 3-0 / 1-0
Islândia – Suécia – 1-4 / 1-3
Bulgária – Malta – 4-1 / 1-1
Malta – Hungria – 0-2 / 0-4
Croácia – Islândia – 4-0 / 3-1
Bulgária – Suécia – 0-3 / 0-3
Hungria – Bulgária – 1-1 / 0-2
Croácia – Malta – 3-0 / 1-1

1º Croácia, 24; 2º Suécia, 24; 3º Bulgária, 15; 4º Hungria, 14; 5º Islândia, 4; 6º Malta, 3

Play-off
Noruega – R. Checa – 0-1 / 0-1
Espanha – Eslováquia – 5-1 / 1-1
Suíça – Turquia – 2-0 / 2-4

8 Junho, 2006 at 6:16 pm Deixe um comentário

PERSPECTIVAS PARA UMA NOVA ESCOLA – OS DESAFIOS DA SOCIEDADE DIGITAL GLOBAL

Realiza-se amanhã, 9 de Junho, pelas 18 horas, na Galeria Fernando Pessoa do CENTRO NACIONAL de CULTURA, na Rua António Maria Cardoso, 68 (ao Chiado), em Lisboa, uma Conferência sob o título

«Perspectivas para uma Nova Escola – os desafios da sociedade digital global», por Carlos Araújo Alves, autor do blogue Ideias Soltas, cujos textos incidem, particularmente, na análise e reflexão sobre temas como Gestão Cultural, Educação, Cultura, Ensino Artístico e a sua integração no ensino regular, integrada no lançamento do livro de Vitor Oliveira Jorge, «CULTURA LIGHT», produto das diversas comunicações proferidas no âmbito da última Mesa-redonda com o mesmo título, realizada na Faculdade de Letras da Universidade do Porto nos dias 22 e 23 de Abril de 2005.

8 Junho, 2006 at 1:58 pm Deixe um comentário

"APOSTAS PARA O MUNDIAL"

1. Brasil (1) – 9/4
2. Inglaterra (10) – 7/1
3. Alemanha (19) – 7/1
4. Argentina (9) – 8/1
5. Itália (13) – 8/1
6. Holanda (3) – 12/1
7. França (8) – 12/1
8. Espanha (5) – 16/1
9. Portugal (7) – 22/1
10. R. Checa (2) – 33/1
11. Suécia (16) – 33/1
12. México (4) – 40/1
13. Croácia (23) – 50/1
14. Costa Marfim (32) – 66/1
15. Ucrânia (45) – 66/1
16. EUA (5) – 80/1
17. Polónia (29) – 100/1
18. Paraguai (33) – 100/1
19. Suíça (35) – 100/1
20. Sérvia e Montenegro (44) – 100/1
21. Equador (39) – 125/1
22. Austrália (42) – 125/1
23. Japão (18) – 150/1
24. Coreia Sul (29) – 150/1
25. Tunísia (21) – 200/1
26. Irão (23) – 250/1
27. Ghana (48) – 250/1
28. Costa Rica (26) – 350/1
29. Arábia Saudita (34) – 500/1
30. Angola (57) – 500/1
31. Togo (61) – 500/1
32. Trinidad e Tobago (47) – 750/1

(entre parêntesis, a posição no ranking da FIFA)

Se o futebol tivesse lógica, o Brasil seria o Campeão do Mundo incontestado. Parece ter tudo para se tornar Hexa-Campeão”, com uma equipa recheada de grandes estrelas, como Ronaldinho Gaúcho, Ronaldo, Adriano, Káká, Robinho, Roberto Carlos, entre muitos outros. Quase que se poderia dizer que “nem valeria a pena disputar a prova”…

Contudo, não sendo uma “ciência exacta”, as indicações provenientes da bolsa de apostas (dados de “Ladbrokes”) são meras tendências de favoritismo que, na maior parte dos casos, acaba por não ter tradução em termos práticos.

Por cada 4 euros apostados no Brasil, caso este se sagrasse efectivamente Campeão, o apostador obteria um retorno de 9 euros. Mas, e se o Brasil não for afinal tão favorito como parece? Se, numa prova caracterizada por um elevado grau de aleatoriedade, as suas “estrelas” tiverem um dia de “desacerto”?… Ou, se, com uma equipa de eminente pendor ofensivo, se esquecer de defender, como aconteceu, por exemplo, no Mundial de 1982? A minha aposta para este Mundial não é o Brasil!

Nesta tabela, os restantes principais favoritos são as tradicionais potências do futebol: Inglaterra (com uma cotação eventualmente algo “distorcida” pelo número de apostadores britânicos), Alemanha (beneficiando do “factor casa”), Argentina, Itália, Holanda, França, Espanha… e Portugal (com cada aposta de 1 euro, a “pagar” 22 euros, em caso de vitória), encerrando-se a lista dos 10 primeiros com a R. Checa (que ocupa o 2º lugar do ranking da FIFA!).

Mas, à semelhança do EURO 2004, a “grande surpresa” pode acontecer: vinda da Suécia, Croácia… ou da Sérvia e Montenegro (com uma cotação de 100 para 1!), equipa que, na fase de apuramento, e um pouco à semelhança do que fizera a Grécia, apenas sofreu um único golo!

E, porque não – aposta mais “arrojada” -, de África, em particular da Costa do Marfim?

8 Junho, 2006 at 12:37 pm Deixe um comentário

“TOMAR", DE JOSÉ-AUGUSTO FRANÇA (IX)

“Mas Tomar, que não teve prejuízo grave com o terremoto de 1755, recebeu benefício industrial no período pombalino e logo depois, fundindo, em 1771, a antiga fábrica de meias de seda com uma fábrica de chapéus de 59, numa unidade só, e, em 1788, o empreendedor Jácome Ratton aqui implantaria uma fábrica de fiação de algodão por compra da de meias de seda, com elaboração em 94, e associando-se em complicada tramóia a um técnico, francês também, Thimothée Verdier, que deixaria descendência na cidade – embora tenha tido intervenção suspeita durante a primeira invasão francesa, que lhe valeu ser expulso do país, ou «setembrizado».

Ratton já tinha então deixado, há muito, a empresa que, tendo tido ao princípio questões de interesses com a Ordem de Cristo (de que Ratton era cavaleiro), sempre por causa das águas motoras da indústria, em 1816 estava na mão de um italiano, imigrado também, Schiappa Pietra, que teria igualmente descendência nabantina.

[…]

Porque outra indústria se desenvolveria em Tomar, ali se centralizando, e foi a indústria do papel que, no Prado (onde houvera ferrarias antigas, já em 1504) e na Matrena (onde já em 1327 havia moinhos de moer farinha, e em 1595 se dera alvará para fabrico de vidro) tiveram renome, com o mesmo Pietra e seu descendente, por aliança, no sítio, que foi João Casquilho; e ainda em Porto Cavaleiros, em 1876, se produziu papel até aos anos 1920, a certa altura nas mãos de Torres Pinheiro, e mais Marianaia onde houvera lagares da Ordem, numa unidade que o Prado absorveu em 1879 e só fechou em 1971, na crise que sobre esta indústria desabou.”

Tomar – «Thomar Revisited», José-Augusto França, Editorial Presença, 1994, p. 22

8 Junho, 2006 at 8:54 am Deixe um comentário


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Junho 2006
S T Q Q S S D
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.