NOVOS PAÍSES MEMBROS DA UNIÃO EUROPEIA – POLÓNIA (IV)

11 Março, 2004 at 8:14 am 3 comentários

No ano de 1983, dá-se nova visita ao país do Papa João Paulo II, enquanto que Lech Walesa é distinguido com o Prémio Nobel da Paz, quando se encontrava preso. Pouco depois, uma amnistia libertaria os presos políticos. Em Julho do mesmo ano, é declarado o estado de emergência.

Em 1985, depois de o Tribunal declarar três membros da polícia culpados do assassinato do sacerdote Jerzy Popiluszka (defendor do .Solidariedade.), Jaruzelski demite-se do cargo de primeiro-ministro, tornando-se Presidente do Conselho de Estado. As mudanças políticas na União Soviética proporcionaram uma aceleração do processo de democratização polaco.

Em 1987, o Papa João Paulo II realiza a sua terceira viagem à Polónia; em Novembro, realizam-se as primeiras eleições livres, pronunciando-se o povo a favor da democratização da Polónia.

Em Fevereiro de 1989, o Governo reconhece legalmente o .Solidariedade., dando início às reformas políticas e económicas no país. A 17 de Maio, o Parlamento aprova a legalização da Igreja Católica. A 4 de Junho, representantes do .Solidariedade. vencem as eleições, frente aos comunistas.

A 19 de Julho, Jaruzelski é eleito presidente executivo, aceitando um governo de coligação dirigido pelo .Solidariedade.; pela primeira vez no pós-guerra, um país do bloco de leste europeu tinha um governo não comunista.

Em 1990, Jaruzelski renuncia ao cargo; a 9 de Dezembro, Lech Walesa ganha as primeiras eleições presidenciais directas. O país acordava um plano de recuperação com o FMI e solicitava a adesão ao Conselho da Europa, iniciando relações com a Comunidade Económica Europeia.

Seguiu-se um período de instabilidade governamental, com vários governos, na sequência de diversas alterações em termos de coligações políticas. Em 1995, Lech Walesa perderia as presidenciais para o candidato comunista, Alexander Kwasniewski que, não obstante, decidiu prosseguir as reformas económicas.

Em 1997, um partido originário do antigo .Solidariedade. venceria as eleições com uma maioria relativa, obrigando a aliança governamental com partido de direita. O programa do novo governo estabelecia como prioridade a adesão à NATO (concretizada em 1998, juntamente com a Hungria e R. Checa), assim como a adesão à União Europeia, adoptando um programa de privatizações das empresas estatais.

[1078]

Entry filed under: Novos países União Europeia.

NOVOS PAÍSES MEMBROS DA UNIÃO EUROPEIA – POLÓNIA (III) INTOLERÁVEL!

3 comentários

  • 1. Jose Antonio  |  13 Maio, 2004 às 8:16 pm

    Gostaria de ser informado quais e quantos paises
    fazem parte da União Européia.
    Obrigado.
    José

  • 2. Bráulio Serrão  |  22 Maio, 2004 às 4:22 pm

    Gostaria de saber quabdo é que a França entrou para a União Europeia (U.E)

  • 3. Bráulio Serrão  |  22 Maio, 2004 às 4:22 pm

    Gostaria de saber quando é que a França entrou para a União Europeia (U.E)
    Obrigado.
    Serrão


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.


%d bloggers like this: