Archive for Abril, 2004

UNIÃO EUROPEIA A 25

Chipre.jpegeslovaquia.jpegeslovenia.jpegEstonia.jpeghungria.jpeg
letonia.jpeglituania.jpegmalta.jpegpolonia.jpegCheca.jpeg

A partir deste momento (00h00 de 1 de Maio, na Europa Central), a União Europeia integra 10 novos Estados-membros: Chipre, Eslováquia, Eslovénia, Estónia, Hungria, Letónia, Lituânia, Malta, Polónia e R. Checa – que se juntam a França, Alemanha, Itália, Bélgica, Países Baixos, Luxemburgo, Reino Unido, Irlanda, Dinamarca, Grécia, Portugal, Espanha, Áustria, Finlândia e Suécia -, passando a contar com uma população de cerca de 450 milhões de habitantes, no que constitui o maior passo da sua história, no caminho para a união dos povos europeus, num espaço de democracia multicultural e plurilinguístico.

O funcionamento das Instituições Europeias verá acrescido o seu grau de complexidade, com o acréscimo de 2/3 do número de países intervenientes nos processos de decisão; mas não apenas em termos quantitativos ou de “equilíbrio de poderes”; também qualitativamente, na medida em que os novos membros terão as suas próprias .agendas. ou pontos de interesse a .defender., impondo uma nova dinâmica política, com reflexos para todos os países-membros.

As grandes questões em debate, da “Constituição Europeia”, da Política Agrícola Comum, (da afectação) dos Fundos Estruturais, da Administração Pública, das Relações Externas, do .Euro-cepticismo., assim como da adesão ao Euro, não poderão constituir, não obstante, uma barreira intransponível a um desenvolvimento mais harmonioso desta .nova Europa., que, necessariamente, terá de se preparar para futuros alargamentos num futuro próximo…

[1261]

Anúncios

30 Abril, 2004 at 11:00 pm 1 comentário

EURO 2004 (XXV) – 1980

Fase Final (Itália)

GRUPO A
RFA – Checoslováquia – 1-0
Holanda – Grécia – 1-0
RFA – Holanda – 3-2
Checoslováquia – Grécia – 3-1
Checoslováquia – Holanda – 1-1
RFA – Grécia – 0-0

1º RFA (5); 2º Checoslováquia (3); 3º Holanda (3); 4º Grécia (1)

GRUPO B
Bélgica – Inglaterra – 1-1
Itália – Espanha – 0-0
Bélgica – Espanha – 2-1
Itália – Inglaterra – 1-0
Inglaterra – Espanha – 2-1
Itália – Bélgica – 0-0

1º Bélgica (4); 2º Itália (4); 3º Inglaterra (3); 4º Espanha (1)

3º / 4º lugar
Itália – Checoslováquia – 1-1 (8-9 na marcação de pontapés da marca de grande penalidade)

Final
RFA – Bélgica – 2-1

1º RFA
2º Bélgica
3º Checoslováquia
4º Itália
5º Holanda
6º Inglaterra
7º Espanha
8º Grécia

Campeões – Schumacher, Kaltz, Stielike, K. H. Forster, Dietz, Schuster, Briegel, H. Muller, Rummenigge, Hrubesch, Klaus Allofs, Cullman, Maier, Burdenski, Nigbur, Zewe, Martin, B. Forster, Votava, Bonhof, Zimmermann, Magath, Matthaus, Memmering, Abramczik, Borchers, Fischer, Toppmoller, Kelsch, Nickel e Dell’Haye.

Melhores marcadores – Keegan (Inglaterra), 7 golos; Fischer (Alemanha), 6 golos; Van Der Elst (Bélgica), Klaus Allofs (Alemanha) e Mavros (Grécia), 5 golos.

[1260]

30 Abril, 2004 at 7:54 pm

"A DINÂMICA DO ALARGAMENTO"

“O processo de integração dos novos membros realiza-se a vários níveis. Numa primeira fase, participam, logo a partir do primeiro dia, nas estruturas institucionais que gerem a União. Os respectivos ministros tomam decisões juntamente com os seus pares no Conselho da União Europeia, enviam os seus representantes eleitos para o Parlamento Europeu e cada um nomeia um membro da Comissão Europeia. As respectivas línguas oficiais passam a ser línguas oficiais da União.

Numa segunda fase, a sua integração é promovida pelo acesso aos programas e fundos da União em relação aos quais os recursos limitados da União são partilhados de forma a dar prioridade aos mais necessitados. No passado, tal permitiu prestar um apoio especial às regiões e aos países mais pobres da União Europeia. Para tal, foram-lhes disponibilizados 21 750 mil milhões de euros dos fundos estruturais e do Fundo de Coesão da União para o período decorrente da adesão em Maio de 2004 até ao final de 2006. Os novos membros beneficiam também do apoio aos seus agricultores ao abrigo da política agrícola comum, se bem que numa base progressiva.

A adesão à União Europeia implica deveres, obrigações e direitos. Durante as negociações de adesão, cada novo membro adoptou a legislação em vigor da União (o «acervo comunitário»).

(…)

Tal como com os alargamentos anteriores, um mecanismo de salvaguarda protege os Estados-Membros de dificuldades imprevistas decorrentes do alargamento. Esse mecanismo é extinto três anos após a adesão dos novos membros.”

“A Europa em movimento”, Comissão Europeia

[1259]

30 Abril, 2004 at 12:33 pm

"PELOS CAMINHOS DA BLOGOSFERA" (III)

A .sacana. da Catarina .foi-se embora…. e deixa-nos apenas páginas em branco. Chamo-lhe .sacana. afectuosamente. (.inspirado. no Ivan).

Continue Reading 30 Abril, 2004 at 8:30 am 5 comentários

UMBERTO ECO – O PÊNDULO DE FOUCAULT (XII)

Ora bem, o que respondem os acusados quando são postos perante estas afirmações?

Continue Reading 30 Abril, 2004 at 8:00 am

EURO 2004 (XXIV) – 1980

GRUPO 5
França – Suécia – 2-2 / 3-1
Suécia – Checoslováquia – 1-3 / 1-4
Luxemburgo – França – 1-3 / 0-3
Checoslováquia – França – 2-0 / 1-2
Luxemburgo – Checoslováquia – 0-3 / 0-4
Suécia – Luxemburgo – 3-0 / 1-1

1º Checoslováquia (10); 2º França (9); 3º Suécia (4); 4º Luxemburgo (1)

GRUPO 6
Finlândia – Grécia – 3-0 / 1-8
Finlândia – Hungria – 2-1 / 1-3
URSS – Grécia – 2-0 / 0-1
Hungria – URSS – 2-0 / 2-2
Grécia – Hungria – 4-1 / 0-0
Finlândia – URSS – 1-1 / 2-2

1º Grécia (7); 2º Hungria (6); 3º Finlândia (6); 4º URSS (5)

GRUPO 7
P. Gales – Malta – 7-0 / 2-0
P. Gales – Turquia – 1-0 / 0-1
Malta – RFA – 0-0 / 0-8
Turquia – Malta – 2-1 / 2-1
Turquia – RFA – 0-0 / 0-2
P. Gales – RFA – 0-2 / 1-5

1º RFA (10); 2º Turquia (7); 3º P. Gales (6); 4º Malta (1)

[1256]

29 Abril, 2004 at 7:00 pm 1 comentário

"O PROCESSO DO ALARGAMENTO"

“Não é de estranhar que tenham passado 15 anos desde a queda do comunismo em 1989 até a adesão à União. O processo de ajustamento para satisfazer as condições de adesão pode ser difícil e moroso.

O Reino Unido fez duas tentativas antes de aderir em 1973 juntamente com a Dinamarca e a Irlanda. A Grécia aderiu em 1981, seis anos após ter apresentado o pedido de adesão, ao passo que Espanha e Portugal aderiram em 1986 após dez anos de esforços. Já a adesão da Áustria, da Finlândia e da Suécia em 1995 foi um processo relativamente rápido.

Os novos Estados-Membros da Europa Central e Oriental tiveram que percorrer um longo caminho. Não tinham estruturas políticas, económicas e jurídicas estabelecidas que permitissem a sua rápida adesão à União. Era, por conseguinte, óbvio que o processo de adesão levaria tempo, apesar de os líderes da União terem começado a enviar sinais políticos positivos para os encorajar à adesão pouco após a queda do muro de Berlim em 1989. A primeira prioridade era ajudar os candidatos a avançarem para uma economia de mercado e para uma democracia pluralista estável. As negociações de adesão propriamente ditas só se iniciaram mais tarde, em Março de 1998.”

“A Europa em movimento”, Comissão Europeia

[1255]

29 Abril, 2004 at 1:40 pm

"PELOS CAMINHOS DA BLOGOSFERA" (II)

No Segundo Sentido, escreve Rodrigo Moita de Deus:

“Como novato na blogosfera deixei-me surpreender pela enorme quantidade de gente que escrevia bem e pensava melhor. Cristãos, judeus, brancos, pretos, amarelos, encarnados e conservadores. De todo o tipo de gente, de todo o tipo de ideias. Olho para o país e para o mundo real e pergunto onde é que eles andam? Agarrados aos computadores, presumo.”

[1254]

29 Abril, 2004 at 12:33 pm 4 comentários

Artigos Mais Antigos


Autor – Contacto

Destaques

Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Abril 2004
S T Q Q S S D
« Mar   Maio »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.