PAULA MOURA PINHEIRO (I)

18 Janeiro, 2004 at 12:00 pm 2 comentários

Na conjuntura depressiva que atravessamos, há ainda – felizmente – quem consiga apresentar e disseminar uma atitude de positivismo.

Na “nova” Grande Reportagem, agora (desde final de Novembro) distribuída ao Sábado com o Diário de Notícias, Paula Moura Pinheiro assina uma página intitulada “Dias Imperfeitos”, na qual, semana após semana, tenho sentido – como se de um “bálsamo” se tratasse – uma vontade de inverter a atmosfera negativa que se apoderou de Portugal.

Sempre com uma mensagem positiva, de esperança, dizendo-nos que somos nós (todos) que temos de fazer com que as coisas menos boas mudem, lutando contra o “fado português”.

Numa breve resenha de alguns dos textos publicados desde 29 de Novembro, refiro os seguintes destaques:

29 Novembro – “BEBER NA FONTE – O que tem a América a ensinar aos europeus?”

É consolador regressar aos textos fundadores das aventuras em que estamos mergulhados. Os que fundaram a grande nação americana. Os que fundaram o sonho de uma União Europeia“.

Sobre as dificuldades de aprovação da “Constituição Europeia”, a autora recomenda-nos: “Leiam a Declaração de Independência… leiam as fabulosas Memórias de Jean Monnet“.

6 Dezembro – “GENTE SINGULAR – Portugueses: como tirar partido de sermos isto?”

Mesmo se as circunstâncias nos pregaram a partida de termos nascido isto. Portugueses. Um povo cujo desporto nacional é a autoflagelação… Tomemos, finalmente, o facto de qualquer português, em querendo, se poder sentir em casa em grande parte do planeta… No nosso melhor, sabemos ver, sabemos ligar-nos, sabemos escutar as razões ditas e as vozes interiores dos outros.”

27 Dezembro – “LER OS NÚMEROS DE OUTRA MANEIRA – E que tal um pouco de reconhecimento? Bom 2004!”

A propósito das tão propaladas estatísticas relativas aos mais variados aspectos, tantas vezes apresentando tendências negativas, Paula Moura Pinheiro conclui: “… Por isso, é importante que, de vez em quando, olhemos também para trás, para o nosso passado. Para o lugar de onde viemos. Para que possamos reconhecer o que, em tão pouco tempo, já andámos. A depressão é o luxo da abundância. Dêmos graças por tudo aquilo de que gozamos. E comprometamo-nos ao nosso melhor.”

Obrigatório ler!

[926]

Entry filed under: Sociedade.

REVISTA DA SEMANA PAULA MOURA PINHEIRO (II)

2 comentários

  • 1. Rui MCB  |  18 Janeiro, 2004 às 11:15 pm

    Não podia estar mais de acordo Leonel! Bem lembrado! Isso e o Portugueses Excelentíssimos do Fernando Alves na TSF… (Domingo 12h?)

  • 2. Paulo Madeira Caixinha  |  29 Março, 2004 às 11:30 pm

    Tenho de concordar, por isso inscrevi-me num partido político para tentar fazer a diferença, acho que as pessoas em geral deviam fazer o mesmo, embora apareçam apenas normalmente uns cabeças de cartaz, um partido político é muito mais do que isso, há muitos milhares de pessoas em Portugal que fazem parte dos partidos.


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.


%d bloggers like this: