Archive for 21 Fevereiro, 2005

FUTURISMO – "MANIFESTO FUTURISTA"

O Futurismo revelou-se como uma vertente do Modernismo, tendo sido introduzido em 1909 por Filippo Marinetti, com o seu “Manifesto Futurista”, caracterizando-se pela exaltação da velocidade, energia e da força, a par de uma inquestionável crença no progresso científico-tecnológico, anunciando paralelamente uma nova concepção estética, simbolizada por exemplo no automóvel, projectando-se no futuro.

MANIFESTO FUTURISTA (Publicado em 20 de Fevereiro de 1909, no “Le Figaro”)

1. Nós queremos cantar o amor ao perigo, o hábito da energia e da temeridade.

2. A coragem, a audácia, a rebelião serão elementos essenciais de nossa poesia.

3. A literatura exaltou até hoje a imobilidade pensativa, o êxtase, o sono. Nós queremos exaltar o movimento agressivo, a insónia febril, o passo de corrida, o salto mortal, o bofetão e o soco.

4. Nós afirmamos que a magnificência do mundo se enriqueceu de uma beleza nova: a beleza da velocidade. Um automóvel de corrida com o seu cofre enfeitado com tubos grossos, semelhantes a serpentes de hálito explosivo… um automóvel rugidor, que parece correr sobre a metralha, é mais bonito que a Vitória de Samotrácia.

5. Nós queremos glorificar o homem que segura o volante, cuja haste ideal atravessa a Terra, lançada também numa corrida sobre o circuito da sua órbita.

6. É preciso que o poeta prodigalize com ardor, esforço e liberdade, para aumentar o entusiástico fervor dos elementos primordiais.

7. Não há mais beleza, a não ser na luta. Nenhuma obra que não tenha um carácter agressivo pode ser uma obra-prima. A poesia deve ser concebida como um violento assalto contra as forças desconhecidas, para obrigá-las a prostrar-se diante do homem.

8. Nós estamos no promontório extremo dos séculos!… Por que haveríamos de olhar para trás, se queremos arrombar as misteriosas portas do Impossível? O Tempo e o Espaço morreram ontem. Já estamos vivendo no absoluto, pois já criamos a eterna velocidade omnipotente.

9. Queremos glorificar a guerra – única higiene do mundo –, o militarismo, o patriotismo, o gesto destruidor dos libertários, as belas ideias pelas quais se morre e o desprezo pela mulher.

10. Queremos destruir os museus, as bibliotecas, as academias de toda a natureza, e combater o moralismo, o feminismo e toda a vileza oportunista e utilitária.

11. Cantaremos as grandes multidões agitadas pelo trabalho, pelo prazer ou pela sublevação; cantaremos as marés multicores e polifónicas das revoluções nas capitais modernas; cantaremos o vibrante fervor nocturno dos arsenais e dos estaleiros incendiados por violentas lutas eléctricas; as estações esganadas, devoradoras de serpentes que fumam; as fábricas penduradas nas nuvens pelos fios contorcidos de suas fumaças; as pontes, semelhantes a ginastas gigantes que cavalgam os rios, faiscantes ao sol com um luzir de facas; os piróscafos aventurosos que farejam o horizonte, as locomotivas de largo peito, que pateiam sobre os trilhos, como enormes cavalos de aço enleados de carros; e o voo rasante dos aviões, cuja hélice freme ao vento, como uma bandeira, e parece aplaudir como uma multidão entusiasta.

[2092]

Anúncios

21 Fevereiro, 2005 at 6:06 pm 1 comentário

ERRO DE PREVISÃO

Aqui o tinha escrito na Sexta-feira: no cenário actual, qualquer exercício de previsão estaria inevitavelmente propenso ao erro.

Em relação às estimativas que aqui tinha apresentado, a principal falha foi a da votação do CDS-PP, que havia sobrestimado (10 %, face a uma votação efectiva de 7,3 %).

Depois, relativamente ao PSD, para uma previsão de 30 %, a votação real quedou-se pelos 28,7 %. Desvios que terão sido parcialmente justificados pela redução do nível de abstenção.

Já no que respeita aos partidos de esquerda, quase acertava nas votações do PS (45,0 %, face a uma previsão de 44,5 %) e da CDU (7,6 %, em relação a uma previsão de 7 %). Finalmente, alguma surpresa na expressão do crescimento do peso eleitoral do BE (6,4 %, face a uma previsão de 5,5 %).

A nível de mandatos, o PS (com os actuais 120 eleitos, que poderão ainda subir entre 1 a 3 deputados, na emigração) supera a minha previsão mais optimista (117 eleitos); inversamente, face a uma estimativa mínima de 79 deputados para o PSD, os eleitos são apenas de 72 (podendo ainda subir entre 1 a 3 deputados).

No que respeita à CDU, tinha apontado um intervalo entre 10 a 12, aquém do resultado efectivo (14 eleitos).

O CDS-PP, para o qual tinha estimado um intervalo entre 14 e 20, quedou-se pelos 12 eleitos.

Finalmente, o BE, com os seus 8 eleitos, a situar-se no limite máximo do intervalo que tinha previsto (6 a 8 deputados).

As principais variações a nível distrital face às minhas previsões foram as seguintes:

– Aveiro – PS elegendo um 8º deputado, em detrimento do CDS-PP
– Braga – CDU a conseguir eleger o seu “cabeça-de-lista”
– C. Branco – PS, conquistando o 4º deputado, em desfavor do PSD
– Faro – Tinha uma previsão entre 4 e 5 deputados para o PS, que atingiu os 6, em prejuízo do PSD e do CDS
– Lisboa – CDU a conquistar um deputado (o seu 5º) ao PSD
– Porto – CDU não chegou ao 3º eleito, empatando a 2 com o CDS e BE
– Santarém – PS elegendo o 6º deputado, em detrimento do CDS
– Vila Real – Previsão de 3/2 para o PSD, com o resultado a inverter-se a favor do PS
– Madeira – PS a eleger o 3º deputado, em prejuízo do PSD

[2091]

21 Fevereiro, 2005 at 2:12 pm

"ESTADO DE GRAÇA"

José Sócrates já o deveria saber, mas as intervenções de ontem à noite de responsáveis da CDU, do Bloco de Esquerda e de comentadores como Marcelo Rebelo de Sousa ou António Barreto, não deixam grandes margens para dúvidas…

O “estado de graça” do futuro Governo será muito limitado, devendo esgotar-se praticamente no imediato. Terá sobre si “os olhos”, não só de toda a oposição e dos analistas políticos, mas também dos mais de 2,5 milhões de portugueses que ontem votaram PS.

Numa conjuntura que não se apresenta fácil, é um grande desafio o que se coloca a José Sócrates, o de ser capaz de se fazer rodear de ministros competentes, com capacidade de decisão, fugindo à lógica “aparelhística”, não hesitando em recorrer a independentes quando tal for o mais indicado. Para lá disto, nomes como o de António Vitorino são absolutamente indispensáveis para conferir credibilidade ao futuro Governo.

Terá Sócrates a capacidade de nos surpreender?

[2090]

21 Fevereiro, 2005 at 8:45 am 2 comentários


Autor – Contacto

Destaques

Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Fevereiro 2005
S T Q Q S S D
« Jan   Mar »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.