Archive for 13 Julho, 2006

"SYD" BARRETT

Roger Keith “Syd” Barrett (6 de Janeiro de 1946 – 7 de Julho de 2006)

Um dos fundadores dos Pink Floyd, que – mesmo depois de deixar o grupo – continuou a inspirar temas como “Shine On Crazy Diamond” de “I Wish You Were Here”, morreu na Sexta-feira passada, com 60 anos – conforme anunciado anteontem – devido a complicações decorrentes de diabetes de que padecia nos últimos anos.

Barrett nasceu em Cambridge, Inglaterra, de uma família de classe média bem sucedida, sendo o mais novo de cinco irmãos, adquirindo a alcunha de “Syd” quando tinha 15 anos, como referência a um velho baterista de Cambridge, Sid Barrett.

Os Pink Floyd (originalmente chamados “The Tea Set,” “The Abdabs,” “The Screaming Abdabs,” e “The Megadeaths” antes de Syd ter entrado e criado o nome “The Pink Floyd Sound” mais tarde então “The Pink Floyd”) formaram-se em 1965. É geralmente reconhecido que ele derivou o nome de “Pink Floyd” justapondo os primeiros nomes de Pink Anderson e Floyd Council que ele tinha lido numa nota de capa por Paul Oliver num LP de 1962 de Blind Boy Fuller LP (Philips BBL-7512): “Curley Weaver e Fred McMullen”.

Em “The Piper At The Gates Of Dawn” (1967), gravado ao mesmo tempo e nos estúdios ao lado do local onde foi gravado Sargent Peppers dos Beatles, Syd Barrett compôs 8 dos 11 temas do álbum. Barrett editaria ainda dois álbuns a solo, após a saída dos Pink Floyd, o primeiro, em 1970, “The Madcap Laughs”.

Uma verdadeira influência, profundamente original, muito inglês. A sua poesia tem algo de rima infantil – estou-me a lembrar do tema “The Gnome” por exemplo -, tinha um som na guitarra distinto e original.

Dos melhores compositores da pop britânica, David Bowie diz que foi um dos primeiros que ouviu cantar com sotaque inglês. Embora em alguns momentos do primeiro álbum demonstre a fraqueza do seu estado de espírito, mesmo assim há um lirismo nas suas composições que tem momentos de grande qualidade: a adaptação de um poema de James Joyce “Golden Hair” é um bom exemplo disso. Acho que deviam ouvi-lo e apreciar a sua contribuição, profundamente original.

(texto de Carlos Paixão da Costa, um amigo “especialista em música”, que fez questão de evocar o desaparecimento de uma figura de referência do panorama musical da segunda metade do século XX, evocação a que aqui me associo).
(mais…)

13 Julho, 2006 at 6:34 pm 2 comentários

“PROCESSO DE BOLONHA" (VII)

Trata-se, em termos práticos, da adopção do modelo “3+2″:

– três anos de primeiro ciclo (correspondendo à noção de “licenciatura” e conferindo portanto o grau de licenciado);

– seguido – para o estudante que opte por prosseguir os estudos – de dois anos de segundo ciclo (correspondendo à noção de “Mestrado”, conferindo o grau de “Mestre”), devendo compreender um curso de especialização, constituído por um conjunto organizado de unidades curriculares e uma dissertação de natureza científica ou um trabalho de projecto, originais e especialmente realizados para este fim, ou um estágio de natureza profissional, objecto de relatório final, a que corresponde um mínimo de 35 % do total dos créditos deste ciclo de estudos; conforme referido, subsiste a possibilidade de o segundo ciclo poder ser estruturado de forma a que o primeiro ano constitua um curso complementar à formação do primeiro ciclo (modelo “3+1+1″);

– a conclusão da carreira académica traduzir-se-á ainda num terceiro ciclo de estudos – pressupondo a elaboração de uma tese original, adequada à natureza do ramo de conhecimento ou da especialidade –, conferindo o grau associado ao “Doutoramento”.

Como princípio geral, o primeiro ciclo deverá assegurar a aquisição de competências necessárias ao exercício de uma actividade; ou seja, deverá proporcionar, após a conclusão de três anos de estudos superiores, o acesso ao mercado de trabalho.

Para os cursos em que se verifique serem necessários 4 anos de formação para a obtenção das competências necessárias ao exercício da profissão, deverão as mesmas ser adquiridas por via da frequência de cursos complementares ao 1º ciclo, os quais poderão constituir o primeiro ano do 2º ciclo.

O modelo “3+2″ é também o adoptado pela generalidade dos principais países, nomeadamente na Áustria, Dinamarca, Finlândia e França. Em Espanha, encontrava-se em estudo a opção entre este modelo e o “4+1″; a Irlanda prevê os modelos “4+1″ e “3+2″; na Holanda, prevê-se a possibilidade de opção entre o “3+2″ e o “3,5+1,5″. A Itália instituiu o modelo “1+2+2″. Por fim, no Reino Unido, o modelo deverá consistir num “3+1″.

13 Julho, 2006 at 8:47 am Deixe um comentário


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Julho 2006
S T Q Q S S D
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.