Archive for Agosto, 2006

O FLAGELO DO DOPING (VII)

2003 – O antigo Director de controlo anti-doping do Comité Olímpico Americano (entre 1991 e 2000) revela que centenas de atletas estado-unidenses – entre eles 19 campeões olímpicos, nomeadamente Carl Lewis (com 3 testes positivos) – foram controlados positivamente entre 1988 e 2000, sem que tal tenha sido divulgado;

2004 – O “Caso Balco” (laboratório farmacêutico americano) conduz à suspensão de diversos dos principais atletas estado-unidenses, entre eles o recordista mundial dos 100 metros, Tim Montgomery, e a tripla campeã olímpica Marion Jones;

2004 – Tyler Hamilton torna-se no primeiro ciclista a acusar um controlo positivo por transfusão sanguínea, nos Jogos Olímpicos e na “Vuelta” a Espanha;

2006 – A polícia espanhola detém 5 pessoas, entre as quais o Director Desportivo da equipa Liberty Seguros pela sua participação numa alargada rede de doping (“Caso Puerto”); os principais candidatos à vitória no “Tour”, Ivan Basso e Jan Ullrich (2º e 3º classificados no ano anterior) são excluídos da prova na véspera da partida;

2006 – Quatro dias após o termo do “Tour de France”, o vencedor da prova, o estado-unidense Floyd Landis acusa positivo no controlo de testosterona;

2006 – Justin Gatlin, co-recordista mundial e campeão olímpico e mundial dos 100 metros, regista teste positivo, sendo suspenso por 8 anos, devido a prática reincidente (escapando à irradiação por “colaboração com os investigadores”).

31 Agosto, 2006 at 6:10 pm 1 comentário

O FLAGELO DO DOPING (VI)

1997 – Os tenistas Mats Wilander e Karel Novacek são suspensos por 3 meses por uso de cocaína;

1998 – O “Caso Festina” faz com que toda a equipa, incluindo Richard Virenque, várias vezes vencedor do Prémio da Montanha, seja excluída do “Tour de France”;

1998 – Os jogadores do Parma são suspeitos de se encontrarem dopados por EPO;

1998 – O tenista Petr Korda é suspenso por 1 ano por controlo positivo de nandrolona;

1999 – Lance Armstrong, que viria a ser hepta-vencedor do “Tour de France” ingeriu, aquando da sua 1ª vitória na prova, em 1999 – de acordo com descoberta do Laboratório de Chatenay-Malabry em 2005 – substâncias dopantes (EPO); o estado-unidense conservaria o título em função da impossibilidade de realização de “contra-análise”;

1999 – Linford Christie, campeão olímpico dos 100 metros em 1992 acusa nandrolona, sendo suspenso por 2 anos;

2002 – Dois dirigentes da Juventus são sujeitos a investigação, suspeitos de terem ministrado substâncias nocivas; vários jogadores do clube, entre eles Zinedine Zidane, reconhecem ter ingerido creatina; o inquérito provaria a utilização de EPO e o recurso a transfusões sanguíneas; o processo teria desfecho em 2005, sem sanções, devido ao facto de a lei italiana não punir a utilização dos referidos produtos à data da infracção.

31 Agosto, 2006 at 8:40 am 1 comentário

O FLAGELO DO DOPING (V)

Ao longo dos tempos, alguns dos maiores desportistas mundiais foram envolvidos em casos de doping, em particular nas modalidades de ciclismo, atletismo, futebol e ténis:

1967 – Jacques Anquetil recusa submeter-se a um controlo anti-doping na sequência do seu record da hora em ciclismo, que não seria homologado;

1975 – Eric de Vlaeminck, múltiplo campeão do mundo de ciclo-cross é internado no serviço de psiquiatria, vítima dos produtos dopantes consumidos no decurso da sua carreira;

1976 – Lasse Viren, campeão olímpico dos 10 000 metros (à frente de Carlos Lopes) não escapa à dúvida e à controvérsia sobre alegadas práticas de transfusões sanguíneas; em sua defesa, argumentaria que o único “suplemento vitamínico” que tomava era o leite de rena… a inexistência de controlos sanguíneos à época faria perdurar a dúvida;

1988 – Pedro Delgado, o espanhol que liderava o “Tour de France”, acusa uma substância “mascarante”, permitindo ocultar o consumo de esteróides anabolizantes; não obstante, manter-se-ia em prova, acabando por obter a vitória;

1988 – O atleta canadiano Ben Johnson acusa positivo no controlo de anabolizantes na sequência da sua vitória na final dos 100 metros dos Jogos Olímpicos de Seoul; seria eliminado da prova, não sendo homologado o record mundial que estabelecera, tendo sido suspenso por 4 anos; após algumas tentativas de regresso à competição, voltaria a acusar positivo, sendo novamente suspenso;

1991 – Diego Maradona, considerado o melhor jogador de futebol do mundo, acusa cocaína num controlo anti-doping; acusaria a mesma substância em 1997, já depois de, em 1994, ter sido controlado positivamente por efedrina;

1992 – Katrin Krabbe, atleta da ex-RDA acusa positivo; após trocas das amostras utilizadas no teste e na contra-análise, não viria a ser punida, não tendo o caso sido devidamente esclarecido.

30 Agosto, 2006 at 6:09 pm 1 comentário

O FLAGELO DO DOPING (IV)

Nas edições seguintes dos Jogos Olímpicos, foram identificados:

(i) 7 casos de doping em 1972 (Munique – principalmente efedrina, um estimulante);

(ii) 11 casos em 1976 (Montreal – essencialmente anabolizantes, em vários halterofilistas);

(iii) 1980 (Moscovo) – de forma algo questionável, nenhum caso de doping foi anunciado;

(iv) 12 casos em 1984 (Los Angeles – principalmente nandrolona, um esteróide anabolizante, ingerido por halterofilistas e alguns atletas, com destaque para a grega Anna Verouli e o finlandês Martti Vainio);

(v) 10 casos em 1988 (Seoul – essncialmente furosemida, um diurético que opera como agente “mascarante” de outras substâncias proibidas, atingindo novamente o halterofilismo e, o caso mais mediático, o de Ben Johnson, vencedor da prova dos 100 metros, que acusou estanazolol, um esteróide anabolizante);

(vi) 5 casos em 1992 (Barcelona), dos quais 4 no atletismo, por norefedrina (estimulante) e clembuterol (anabolizante);

(vii) 2 casos em 1996 (Atlanta): a atleta russa Natalya Shekhodanova (estanazolol) e a búlgara Iva Prandzheva (metandienona – esteróide anabolizante);

(viii) 9 casos em 2000 (Sidney), nomeadamente 4 no halterofilismo (furosemida e estanazolol) e 3 nas lutas amadoras (nandrolona e furosemida);

(ix) 25 casos em 2004 (Atenas): 11 no halterofilismo e 2 no basebol (esteróides anabolizantes); 2 no pugilismo; 1 no remo e 1 no ciclismo feminino; e 8 no atletismo (os velocistas gregos Kostas Kenteris e Ekaterini Thanou escaparam a um controlo surpresa nas vésperas do início da prova, alegando um acidente de moto; o húngaro Adrian Annus, lançador de martelo, recusou submeter-se a controlo; o também húngaro Robert Fazekas tentou manipular a amostra; os russos Irina Korzhanenko e Anton Galkin acusaram estanazolol; Olga Shchukina (Uzbequistão) e Aleksey Lesnichiy (Bielorrussia) acusaram clembuterol).

30 Agosto, 2006 at 8:37 am 2 comentários

O FLAGELO DO DOPING (III)

Seria a morte do ciclista dinamarquês Knud Enemark Jensen nos Jogos Olímpicos de Roma (1960) – vítima de consumo excessivo de Ronicol – a despoletar o início do processo de controlo anti-doping, praticado pela primeira vez aquando dos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 1964 (porém sem que fosse efectuada divulgação dos resultados); apenas a partir de 1968 o Comité Olímpico Internacional “oficializaria” esses testes, tendo sido identificado um único caso, o do atleta sueco de pentatlo moderno Hans-Gunnar Liljenwall.

Outros dois ciclistas integram os casos de mortes por ingestão de substâncias dopantes: Tom Simpson, falecido durante a escalada do Mont Ventoux, na Volta a França em bicicleta de 1967, vítima do consumo de anfetaminas; e Marco Pantani, vencedor do “Tour de France”, morto aos 34 anos, vítima de cocaína.

Outro caso de grande polémica e controvérsia foi o de Florence Griffith Joyner, atleta estado-unidense, campeã olímpica e recordista mundial dos 100 metros, morta aos 38 anos, de crise cardíaca.

29 Agosto, 2006 at 12:31 pm Deixe um comentário

O FLAGELO DO DOPING (II)

O doping é a prática que consiste em absorver substâncias visando melhorar artificialmente as capacidades físicas ou mentais.

As principais substâncias proibidas agrupam-se nas seguintes classes de dopantes:

– Esteróides anabolizantes – Nandrolona, Estanozolol, Testosterona
– Estimulantes e anfetaminas – Cocaína, Cafeína, Efedrina
– Analgésicos narcóticos – Codeína, Morfina, Metadona
– Diuréticos e “mascarantes” – Furosemida
– Hormonas peptídicas – HCG, H, Crescimento, ACTH, Eritropoietina (EPO).

As suas origens remontam à antiguidade; não obstante, o caso mais antigo conhecido data de 1865, relativamente a nadadores na Holanda, tendo adquirido particular relevância a partir dos anos 60 do século passado.

Depois de um certo “interregno” na década de 70, a descoberta da EPO e de anabolizantes na década de 80 traduzir-se-ia numa escalada do doping, com o auge nos Jogos Olímpicos de Seoul, em 1988.

As substâncias que permitiam “mascarar” ou ocultar outras substâncias proibidas começavam a ser utilizadas numa escala de difícil quantificação, ao mesmo tempo que novas e mais sofisticadas técnicas de despistagem iam sendo gradualmente adoptadas, culminando nos 25 casos detectados nos Jogos Olímpicos de Atenas, em 2004.

29 Agosto, 2006 at 8:32 am Deixe um comentário

O FLAGELO DO DOPING (I)

Nas últimas semanas, a questão do doping voltou a estar na “ordem do dia”, contribuindo para o crescente descrédito do desporto e a suspeita generalizada – desvirtuando a “verdade desportiva” –, em particular no que respeita ao ciclismo e atletismo, modalidades bastante abaladas por sucessivos casos ao mais alto nível, envolvendo os seus principais praticantes em termos mundiais.

No período de apenas 1 mês, desde 29 de Junho a 29 de Julho, o rol é “assustador”:

– na sequência de uma investigação da “Guarda Civil Espanhola” ao laboratório de um conceituado médico (“Caso Puerto”), a 29 de Junho, Ivan Basso e Jan Ullrich (respectivamente 2º e 3º classificados do “Tour de France” em 2005, e principais candidatos à vitória em 2006), eram excluídos da prova (na véspera do seu início), por, alegadamente, serem “clientes” do referido médico, abrangendo a “rede de dopagem” um total de 56 ciclistas; sobre eles impende uma suspensão que poderá ir até 4 anos;

– entretanto, Francis Obikwelu era designado campeão europeu de atletismo, na sequência da desqualificação do britânico Dwain Chambers, vencedor da prova de 100 metros da competição disputada em Munique em 2002;

– a 12 de Julho, Natalya Sadova, campeã olímpica do lançamento do disco foi alvo de suspensão por 2 anos;

– a 27 de Julho, era anunciado que o vencedor do “Tour de France”, Floyd Landis, acusara níveis anormalmente elevados de testosterona; não obstante o estado-unidende alegar a origem fisiológica do índice de testosterona, os testes viriam a concluir pela existência de testosterona “sintética”;

– a 29 de Julho, Justin Gatlin, co-recordista mundial e campeão olímpico e mundial dos 100 metros, regista teste positivo, sendo suspenso por 8 anos, devido a prática reincidente (escapando à irradiação por “colaboração com os investigadores”).

28 Agosto, 2006 at 6:40 pm Deixe um comentário

DOSSIER BLOGOSFERA – “PSICOLOGIA ACTUAL”

Por fim, a devida referência ao dossier sobre a blogosfera publicado na revista “Psicologia Actual” de Agosto de 2006, organizado por Catarina Campos e José Manuel Fonseca (Anarca Constipado ), compreendendo os textos:

– “O porquê dos blogues” – Jorge Bacelar (“Animal”, do Blogue dos Marretas);
– “Teoria crítica da blogosfera” – “O Pornographo”;
– “Anatomia de um bloguer” – Gabriel Silva (Blasfémias);
– “A arte de blogar através dos tempos” – Filipe Nunes Vicente (Mar Salgado);
– “Babyblog” – Catarina Campos (100nada / O Meu Filho e Eu / Sociedade Anónima);
– “Engate e amor na blogosfera” – Sofia Vieira (Controversa Maresia / Passeai Flores / Sociedade Anónima);
– “Como criar um blogue” – Pedro Zany Caldeira; e
– “Blogodependência” – Pedro Zany Caldeira.

28 Agosto, 2006 at 8:56 am 2 comentários

LIGA DOS CAMPEÕES EUROPEUS

Outra memória a fixar, a do apuramento do Benfica para a fase de Grupos da Liga dos Campeões Europeus, permitindo que, pela primeira vez na história, Portugal disponha de três clubes participantes na prova máxima do futebol europeu.

Depois do empate em Viena, por 1-1, o Benfica obteve uma convincente vitória por 3-0 sobre o Austria Wien, na 2ª mão, com destaque para a actuação de Rui Costa, no seu regresso em jogos oficiais ao Estádio da Luz, e para os golos de Nuno Gomes.

Entretanto, no sorteio realizado na passada Quinta-feira, FC Porto, Sporting e Benfica (classificados no ranking da UEFA para esta competição respectivamente na 10ª, 17ª e 18ª posições) foram integradas nos seguintes Grupos:

Grupo B – Inter Milan, Bayern Munique, Sporting e Spartak Moscovo
Grupo F – Manchester United, Celtic Glasgow, Benfica e FC Copenhaga
Grupo G – Arsenal, FC Porto, CSKA Moscovo e Hamburgo
(mais…)

28 Agosto, 2006 at 8:24 am 1 comentário

CAMPEONATO DA EUROPA DE ATLETISMO

Do período de férias, estava em falta a menção à meritória presença de Portugal no Campeonato da Europa de Atletismo disputado em Gotemburgo, na Suécia (a segunda melhor de sempre, após Budapeste em 1998), com destaque para as medalhas de ouro de Francis Obikwelu nos 100 e 200 metros, com Naide Gomes a conquistar a medalha de prata no Salto em comprimento e João Vieira a alcançar a medalha de bronze na prova dos 20 Km Marcha; extra-competição, a selecção portuguesa conquistou ainda a medalha de prata por equipas na prova da Taça da Europa da Maratona.

28 Agosto, 2006 at 8:01 am 1 comentário

Artigos Mais Antigos


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Agosto 2006
S T Q Q S S D
« Jul   Set »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.