"PELOS CAMINHOS DA BLOGOSFERA" (IV)

3 Maio, 2004 at 12:39 pm

A ler, este excelente artigo sobre a “blogosfera algarvia“, no “Região Sul – Diário online” (ver texto completo em “entrada estendida”).

P. S. Novos agradecimentos, ao Politicamente Incorrecto e Palácio do Desejo.

[1270]

http://www.blogosfera-algarvia.com
Fenómeno de sucesso em 2003 também chegou ao Algarve

“Um dos maiores fenómenos do último ano chama-se blogue. Nasceu há alguns anos, mas só em 2003 conheceu o sucesso a nível nacional, fomentado pela presença de algumas figuras ilustres. No Algarve, existe igualmente uma comunidade de “bloggers” extensa e de qualidade. O Região Sul/DiáriOnline do Algarve foi conhecer este “novo mundo”.

E o que é um “blog”? A pergunta pode parecer descabida, mas a realidade é que aquele ainda é um universo desconhecido para muitos que não simpatizam com as novas tecnologias. O nome é uma abreviatura do termo “weblog” (“web”, de rede, e “log”, de diário de bordo). Trata-se, segundo Paulo Querido e Luís Ene, autores do livro “Blogs”, editado pela Centro Atlântico, de um diário em “formato electrónico” que qualquer pessoa pode criar na “net”. “Não tem de ser actualizado todos os dias, nem a cada dia corresponde uma única entrada, ‘post’ ou texto”. Uma das características que o diferencia das antigas páginas pessoas é a “interactividade”. Cada um pode fazer daquele espaço o que entender.

A blogosfera lusa começou a mostrar-se no início de 2003. As primeiras referências devem-se às crónicas de António Granado e Isabel Coutinho, no Público, e Paulo Querido, no Expresso. No final de Janeiro, os precursores da expansão “bloguística” portuguesa, a “Coluna Infame” e o “Blog de Esquerda”, representando as “modernas” Direita e Esquerda, respectivamente, pólos de discussão política, social e cultural, são destacados nos principais jornais portugueses. O País começa a tomar o pulso a esta nova “moda”. E adere, em força. As notícias reforçam-se em Abril e Maio, com a criação dos três mais influentes blogues nacionais: o “Abrupto”, do eurodeputado social-democrata José Pacheco Pereira, o “Gato Fedorento” e “O Meu Pipi” (estes que, mais tarde, seriam transpostos para TV e livro).

“Os blogues, enquanto formas individualizadas de expressão, originais e únicas, são uma voz imprescindível para se compreender o país em 2003. Eles expressam um mundo etário, social, comunicacional, cultural, político que, sendo uma continuação do mundo exterior, tem elementos ‘sui generis'”, diz, numa das suas crónicas, Pacheco Pereira. A sua presença acaba por atrair muitos outros interessados. A “revolução” segue o seu curso.

Para Paulo Querido, algarvio, colaborador do Expresso na secção Internet e autor de “O Vento Lá Fora” (“uma extensão digital de mim, o meu arquivo, a minha memória”), o êxito dos blogues explica-se com o desejo de comunicação das pessoas, facilitado pela net. “Mas mesmo assim havia uma barreira: era necessário ter alguma preparação técnica mínima para fazer uma página. Os motores editoriais dos blogues resolveram isso: qualquer pessoa que saiba escrever e utilizar um ‘browser’ pode hoje ser um autor afamado. Julgo que a grande mudança foi essa: a facilidade de editar. Porque o desejo de o fazer já existia”, sustenta.

É também por essa altura (Abril/Maio de 2003) que começam a aparecer os primeiros blogues algarvios (ou feitos por algarvios). Desde logo, aquele que atinge maior sucesso a nível nacional – o “Jaquinzinhos”, de João Caetano Dias, um “algarvio, sportinguista e liberal”, amante de fotografia (com que também vai alimentando o seu “sítio”). “Foi apenas um impulso de momento. Lia regularmente a ‘Coluna Infame’, o ‘Fumaças’ e o ‘Blog de Esquerda’ e uma noite lembrei-me de criar um blogue. Tentei chamar-lhe ‘Postas de Pescada’ mas o nome já existia. Acabei por chamar-lhe ‘Jaquinzinhos’, sem pensar muito. Também nunca acreditei que ele durasse muito tempo. Não engano ninguém. A minha visão é algarvia, sportinguista e principalmente liberal. São três adjectivos que aceito e admito serem definitivos”, diz.

A “Lâmpada Mágica”, um espaço cultural de Jorge Candeias, é outro dos primeiros “weblogs” de origem algarvia. Prestes a fazer um ano, o autor, biólogo marinho de formação, oferece um sítio de “candeias às avessas”, com especial destaque para a literatura de ficção científica. Começa a formar-se um núcleo duro, conhecendo a luz do dia blogues como o “Ene Coisas” (de Luís Ene), o “Ambliguidades” e o “Hemoglobina Pura”. Um pouco mais tarde, surge o “MacJête”, “um blog algarvi, falad em algarvi e sem almariações nem marafações”, o mais curioso de todos, o defensor de um algarvio puro (só para especialistas na língua). Contudo, desde Outubro que o “móce marafad” está inactivo.

Os blogues “políticos”…

Uma área completamente diferente, de cariz mais político, começa a formar-se com o nascimento do “Vialgarve”, alimentado por muitos jovens com opinião marcada e cunhada, a partir do espaço Alternativa, que tem ocupado páginas de Opinião de diversos jornais algarvios nos últimos anos. Alguns deles criam os seus próprios espaços. É o caso de João Nuno Neves (“Alcagoita”) e Jorge Lamy Leal (“NotaSoltas”). Dirigentes políticos da região repetem os mesmos passos: Fernando Viegas (“Al[maria]do”), Sérgio Martins (“Algarve Global”), Nuno Silva (“Quadrante”), José Graça (“Terra do Sol”), Tiago Botelho (“Laranja do Algarve”).

O chefe de gabinete de Macário Correia, presidente da Câmara Municipal de Tavira, recorda o seu primeiro contacto com a blogosfera através da imprensa e a posterior descoberta do “Abrupto”. “De seguida, aventurei-me a fazer um, através da ferramenta mais utilizada nesta área, o Blogger. E assim surgiu o “Al(maria)do”, cujo nome está escrito de forma incorrecta, intencionalmente. Trata-se de uma demonstração de afecto pelas Marias da minha família e não um sintoma de tontura ou embriaguês”, explica Fernando Viegas.

“Nunca tive um diário pessoal mas o “Al(maria)do” tem contornos que se assemelham a isso. É impossível, pelo menos para mim, ter um blogue perfeitamente identificado sem fazer referência a coisas que acontecem na minha vida. Por vezes até coisas tristes e que nos abalam profundamente, como a morte ou a doença de um familiar ou um simples momento de angústia”, diz o social-democrata, que tenta também “debater temas transversais da política ou da sociedade em que vivemos, sendo certo que é uma forma muito interessante de revelarmos a nossa opinião e de a debatermos com outras pessoas”.

Tavira é um caso especial na blogosfera, pois até a ancestral rivalidade política entre PSD e PS se espelha naqueles espaços. José Graça, socialista, criou o “Terra do Sol” para, em primeiro lugar, “partilhar a visão dos problemas e das potencialidades da Região do Algarve e do Concelho de Tavira, procurando sempre ideias novas que sejam viáveis e soluções de futuro que satisfaçam as necessidades dos algarvios e dos tavirenses com os meios e recursos disponíveis…”

“A ‘Terra do Sol’ fugiu sempre à lógica do diário pessoal, aliás, as questões mais pessoais ficam totalmente de fora. A blogosfera caracteriza-se por ser um meio muito ácido, pelo que prefiro apontar os sinais de esperança que surgem no meio do nevoeiro, alguns raios de sol que teimam em brilhar na escuridão que parece querer dominar os dias dos portugueses…”, sublinha o dirigente.

E nem o facto de ambos estarem ligados à política modifica alguma coisa. “As pessoas que me conhecem há alguns anos sabem que dentro e fora da política partidária tenho tentado manter a minha opinião sobre as coisas”, diz Fernando Viegas, que lembra a questão da Interrupção Voluntária da Gravidez, em que a sua convicção pessoal não é a mesma da do partido onde milita. Por seu lado, o autor de “Jaquinzinhos” reforça o cunho liberal do seu espaço. “As visões liberais da sociedade têm em Portugal muito pouco espaço nos media. Ser liberal é quase apontado como crime. Talvez por isso, num espaço livre como a blogosfera, abriu-se um grande espaço para este grupo de opinião”.

A comunidade “bloguística” algarvia tem outros pontos de interesse: desde o “Formiga de Langton”, um “weblog” sobre “Ciência, Complexidade, Vida Artificial, Auto-Organização, Novos Media e Sociedade”, feito por um algarvio radicado em Lisboa, até ao “Um Pouco Mais de Sul”, onde pontifica José Carlos Barros, figura ligada ao Ambiente (com passagens pelo Parque Natural da Ria Formosa e Reserva do Sapal de Castro Marim e Vila Real de Santo António), que, com as suas avalizadas opiniões, tenta mostrar ao grande público os problemas ambientais e patrimoniais de que a região padece.

Destaque-se também o “Asul”, um verdadeiro guia da cidade de Olhão para viajantes cibernautas. O autor, Asulado, escreve apaixonadamente sobre a cidade da Restauração, e ali ficamos a conhecer os principais pontos de interesse do município, a agenda e os “sabores gastronómicos”. “Local e Blogal”, de António Baeta Oliveira, nasceu em Julho e permanece actualizado, oferecendo aos leitores vasta informação sobre o concelho de Silves. Menção para um dos poucos blogues colectivos de origem algarvia, com “base” em Olhão, o “Alcabrozes”.

Um alojador com “genes algarvios”…

O weblog.com.pt é um alojador de blogues totalmente português e de “genes algarvios”. Criado por Paulo Querido, saciou a necessidade do jornalista, na altura na fase de criação do livro que publicou em conjunto com Luís Ene, autor do “Ene Coisas”, em saber mais sobre o funcionamento de motores editoriais. “Montei um no meu servidor com esse propósito. De caminho, abri-o ao público; a expectativa era cativar alguns amigos e conhecidos, nunca imaginei que se fosse tornar numa referência da blogosfera nacional”, refere. O “weblogger” algarvio perdeu muito tempo mas aprendeu bastante sobre programação. E ainda mantém a “esperança de um dia recuperar o dinheiro investido…”

No espaço semanal que mantém no Expresso, Querido escreveu há algum tempo sobre os “blogues de província, que promovem e debatem vilas e cidades do Interior, colmatando as deficiências informativas regionais”, embora não tivesse citado qualquer exemplo algarvio. “O Algarve tem alguns blogues do género, e bons. Não foram citados no Expresso porque o artigo partiu de uma experiência directa em Beja e nos jornais o espaço é finito…”, explica.

Aliás, acrescenta, “foram os blogues algarvios os primeiros a dar um cunho regional aos conteúdos. Se precisa ou não… Não estou suficientemente por dentro dos blogues algarvios para poder dizer se há carência. Sei que alguns jornais têm usado os blogues como um meio complementar – o que é bom. É mesmo o futuro”, pensa. Fernando Viegas confessa que, no seu blogue, “dá para escrever algumas coisas que não passam na comunicação social local e regional por diversas razões”.

“No ‘Al(maria)do’, o director, o editor, o chefe de redacção, o jornalista e até o fotógrafo, sou eu”, brinca, acrescentando que os seus principais objectivos passam por “saciar o gosto pela escrita, pela opinião e pelo debate de ideias e, se for possível, divertir-me e fazer amigos. Como já tenho dito muitas vezes, a blogosfera existe para nos divertirmos e não para nos agredirmos, sob a capa do anonimato, conforme já tem acontecido, infelizmente”, lamenta.

Aquele dirigente do PSD defende que a região “precisa de pessoas com ideias claras e disponibilidade para as debater e encontrar novas soluções de futuro para a região. A blogosfera trouxe sobretudo a possibilidade de opinar publicamente, nomeadamente às pessoas que não têm hipóteses de o fazer na imprensa tradicional e isso foi muito positivo”. E aconselha os directores de jornais e rádios do Algarve a procurarem na blogosfera algarvia “alguns talentos escondidos de gente anónima com ideias arrumadas, a escrever com qualidade”. “Quanto ao facto de existirem ou não blogues de intervenção local no Algarve, julgo que cada um à sua maneira acaba por fazer essa função, não se restringindo apenas a isso”, realça.

“Sou um tavirense a residir em Lisboa. Falo de Tavira quando calha, se me apetecer sem sentir qualquer obrigação de o fazer. Os blogues não nascem de obrigações de intervenção. São um acto de liberdade de quem os cria. O Algarve precisa, como qualquer região, de gente empreendedora. Se houver bons blogues regionais, óptimo. Se não houver, o problema também não é grave”, pensa João Caetano Dias.

José Graça não pretende “ocupar o lugar da imprensa regional e das rádios locais”, mas antes complementar a sua intervenção e chegar a outros leitores. O autor de “Terra do Sol” reclama, à esquerda, o surgimento de “um blogue colectivo que debata os problemas da região numa perspectiva progressista e mais dialogante”. Quanto aos “blogues de província”, o socialista é directo: “Não deve ser connosco, pois vivemos numa área metropolitana e, com excepção de Silves, as cidades são todas no litoral…”.

“A maior parte dos blogues que conheço não passam de tentativas de afirmação pessoal, manifestando uma visão muito circunscrita da realidade algarvia”, considera, aconselhando “uma visita demorada” ao blogue do jornalista do Diário de Notícias, Carlos Albino (o “SMS Jornal do Algarve”, um repositório dos pequenos postais que assina naquele semanário, onde começou a sua carreira, há algumas décadas), “para perceber melhor a sua visão algarvia do mundo e da nossa própria região”.

E o futuro da blogosfera, o que nos vai oferecer? “A avaliar pelo que se está a passar nos países que começaram antes, e onde se ‘bloga’ cada vez mais e melhor, o mesmo se vai passar em Portugal. Tecnicamente, os blogues vão naturalmente evoluir. Já há fotoblogs (para fotografias) e moblogs (que editam texto ou imagem a partir de qualquer sítio). Por outro lado, os media tradicionais vão aderindo a algumas das tecnologias em expansão na blogosfera”, analisa Paulo Querido. Também a blogosfera algarvia aguarda ansiosa por novas “atmosferas” enquanto discute o estado da região. O “cubo mágico” dos tempos actuais, como escreveu o “Al(maria)do”, está tão vivo como há um ano…

Roteiro: O Vento Lá Fora – http://pauloquerido.net; Jaquinzinhos – http://jaquinzinhos.blogspot.com; Lâmpada Mágica – http://lampadamagica.blogspot.com; Ene Coisas – http://milmaisuma.leiturascom.net; Ambliguidades – http://ambliguidades.blogspot.com; Hemoglobina Pura – http://www.hemogoblina.blogspot.com; MacJête – http://macjete.blogspot.com; Vialgarve – http://vialgarve.blogspot.com; Alcagoita – http://alcagoita.blogspot.com; NotaSoltas – http://notasoltas.blogspot.com; Al(maria)do – http://almariado.blogspot.com; Algarve Global – http://www.algarveglobal.blogspot.com; Quadrante – http://quadrante.blogspot.com; Terra do Sol – http://terradosol.blogspot.com; Laranja do Algarve – http://www.laranjadoalgarve.blogspot.com; Formiga de Langton – http://a-formiga-de-langton.blogspot.com; Um Pouco Mais de Sul – http://umpoucomaisdesul.blogspot.com; Asul – http://asul-blog.blogspot.com; Local e Blogal -http://blogal.blogspot.com; Alcabrozes – http://alcabrozes.blogspot.com; SMS Jornal do Algarve – http://smsjornaldoalgarve.blogspot.com.”

Edgar Pires

28 de Abril de 2004

[1270]

Entry filed under: Blogosfera.

PORTUGAL – NASCIMENTO DE UMA NAÇÃO (XI) EURO 2004 (XXVI) – 1984


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Twitter

  • RT @FFigueiredoCor: "O Presidente da República não se imiscui na vida interna dos partidos". Marcelo Rebelo de Sousa acabou de dizer isto h… 1 hour ago
  • @AFN1982 Sim, não deverá ir além dos 2%, o que significará, talvez, 3 ou 4 deputados... 1 hour ago
  • @AFN1982 Receio que "tudo" à direita esteja subavaliado... (ups, onde foi parar o CDS?...) 1 hour ago

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.


%d bloggers like this: