UMBERTO ECO – O PÊNDULO DE FOUCAULT (XIV)

2 Maio, 2004 at 12:40 pm

“Golpe de teatro, e desta vez passa-se ao drama épico. Em Abril de 1310 quinhentos e cinquenta Templários pedem para ser ouvidos em defesa da Ordem, denunciam as torturas a que tinham sido submetidos os confessos, negam e demonstram que são inconcebíveis todas as acusações.

Mas o rei e Nogaret sabem do seu ofício. Alguns Templários retractam-se?

Melhor, então têm de ser considerados reincidentes e perjuros, ou então relapsos – terrível acusação naqueles tempos – porque negam obstinadamente o que já tinham admitido. Pode-se até perdoar a quem confessa e se arrepende, mas não a quem não se arrepende porque renega a confissão e diz, com perjúrio, que não tem nada de que se possa arrepender. Cinquenta e quatro retractantes perjuros são condenados à morte.

É fácil pensar na reacção psicológica dos outros presos. Quem confessa, fica vivo na cadeia, e enquanto há vida há esperança. Quem não confessa, ou pior, quem se retracta, vai para a fogueira. Os quinhentos retractantes ainda vivos retractam-se da retractação.

O cálculo dos arrependidos foi o que vingou, porque em 1312 os que não tinham confessado foram condenados a prisão perpétua enquanto os confessos foram perdoados.

Passam mais três anos, no fim chega-se a um acordo com o papa, e a 19 de Março de 1314, no adro de Notre-Dame, Molay é condenado à morte. Ao ouvir esta sentença, Molay tem um acesso de dignidade. Tinha esperado que o papa lhe permitisse negar as culpas, sente-se traído. Sabe muito bem que se se retractar agora será ele também perjuro e reincidente. O que se passa no seu coração, ao fim de quase sete anos a aguardar julgamento? Encontra a coragem dos seus maiores? Decide que, já que se vê destruído, com a perspectiva de acabar os seus dias emparedado vivo e desonrado, mais vale enfrentar uma boa morte? Protesta a inocência dele e dos seus irmãos. Os Templários cometeram um único crime, diz ele: por cobardia e vileza traíram o Templo. Ele não entrará no jogo.

Ao pôr do sol, Molay e Charnay são queimados.

A tradição pretende que o grão-mestre antes de morrer profetizou a ruína dos seus perseguidores. Com efeito o papa, o rei e Nogaret morreriam em menos de um ano.”

[1268]

Entry filed under: Livro do mês.

REVISTA DA SEMANA PORTUGAL – NASCIMENTO DE UMA NAÇÃO (XI)


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.


%d bloggers like this: