Archive for 10 Outubro, 2005

ÍCONES DO SÉCULO (LXV) – 1992 – WINONA RYDER

10 Outubro, 2005 at 6:06 pm Deixe um comentário

MUNDIAL 2006 (XII) – 1938

França - 1938A 3ª edição do Mundial de Futebol seria disputada em França, premiando o esforço de figuras históricas como Jules Rimet, Henri Delauney e Robert Guérin.

À partida, eram 37 os países inscritos (com destaque para 24 da Europa e 7 da América do Norte e Central); contudo, dada a instabilidade política que grassava então, apenas 21 disputariam os 14 lugares disponíveis na fase final, juntando-se aos automaticamente qualificados: o Campeão do Mundo (Itália) e o país organizador (França).

A Alemanha acabara de anexar a Áustria, inicialmente qualificada, depois de eliminar a Letónia; com a ausência da Áustria, a fase final seria disputada por apenas 15 selecções; os inventores do futebol moderno, Inglaterra, convidados para substituir os austríacos, declinariam o convite, continuando assim ausentes de uma fase final de um Mundial. Na sequência da referida anexação, parte importante da selecção alemã viria a ser constituída por jogadores austríacos.

Por seu lado, a Argentina, ambicionando receber a fase final da prova, tendo sido preterida, renunciaria à participação na prova; o Brasil seria o único representante sul-americano, sem disputar qulaquer jogo de qualificação.

As Índias Holandesas Orientais (predecessoras da Indonésia), beneficiando da desistência do Japão (em guerra com a China), seriam qualificados como únicos representantes da Ásia.

Também Cuba se qualificaria sem jogar, por desistência das equipas do seu grupo de apuramento; igual situação se verificaria com a Roménia, na sequência da desistência do Egipto.

A inscrição da Espanha (então em Guerra Civil) seria recusada. Portugal seria eliminado após a disputa de um único jogo de qualificação, em que perdeu 1-2 com a Suíça.

Na fase de apuramento, destaque para a eliminação da Jugoslávia pela Polónia e para as goleadas da Hungria à Grécia (11-1) e da Checoslováquia à Bulgária (6-0).

10 Outubro, 2005 at 1:52 pm Deixe um comentário

GOA OU O GUARDIÃO DA AURORA (II)

“O que é a memória?” A história, narrada na primeira pessoa, começa com o protagonista relembrando o dia da sua prisão em 1591, assim iniciando um flashback pela sua vida e da sua família de judeus na Índia Portuguesa do século XVI.

Trata-se de uma narrativa, que não obstante a sua aparente simplicidade, se revela a tal ponto enleante, que torna difícil ao leitor escapar à trama que o aprisiona à leitura.

Tiago é um judeu português nascido na Índia no início de 1573, mistura de indiano e europeu (que os seus olhos azuis não permitiam ocultar), que conserva como primeiras memórias a recordação do desaparecimento da mãe, apesar de parecer ter sido entretanto capaz de, por um instante, atravessar a ponte da morte para a vida, era então uma criança de quatro anos e meio.

Do seu núcleo central de “companheiros de jornada” faziam parte:

– o pai Berequias (provindo de Constantinopla, cuja família já antes, em 1507, se vira obrigada a fugir de Portugal, porque o Rei D. Manuel e outros altos responsáveis não a deixara viver livremente como judeus);

– a misteriosa, irada, irascível e obstinada irmã Sofia, com os seus mesclados traços europeus e indianos, fechada sobre si própria e o seu pequeno mundo;

– a doce amada, a hindu Tejal, cuja recordação lhe dava forças para suportar o cativeiro;

– o tio Isaac (irmão do pai), judeu converso; e

– a sua esposa, a cristã (ex-) aristocrata e por vezes crua tia Maria (ambos vivendo em Goa);

– o “pequeno mouro” Wadi, o primo muçulmano adoptado, ao mesmo tempo que era rebaptizado como Francisco Xavier (em homenagem ao missionário jesuíta que convertera dezenas milhares de hindus de Goa);

– a cozinheira hindu Nupi, que, com a repetida expressão «Os guardiães da aurora conhecem a noite melhor que ninguém», lembrava que a esperança faz sentir mais profundamente as épocas de escuridão e que é necessário que nos protejamos uns aos outros;

– a par da memória do trisavô Berequias Zarco, cabalista de Lisboa que, em 1497, fora forçadamente convertido ao cristianismo, consubstanciada por via de um manuscrito por ele escrito, descrevendo o massacre de 1506 em Lisboa, no qual 2 000 judeus convertidos foram assassinados e queimados em público.

10 Outubro, 2005 at 12:38 pm Deixe um comentário

GOA OU O GUARDIÃO DA AURORA (I)

“Na colónia portuguesa de Goa, estava o século XVI a chegar ao fim, a Inquisição fazia enormes progressos na sua missão de impedir todos os «bruxos» – quer fossem nativos hindus, quer imigrantes judeus – de praticarem as suas crenças tradicionais. Os que se recusavam a denunciar outros ou a renunciar à sua fé eram estrangulados por carrascos ou queimados em autos-de-fé.

Ao viver nos limites do território colonial, a família Zarco consegue manter firmes as suas raízes luso-judaicas. Tiago e a irmã, Sofia, gozam uma infância pacífica aprendendo com o pai a ilustrar manuscritos e mergulhando no caos inebriante das festividades hindus celebradas pela sua amada cozinheira, Nupi.

Quando as crianças atingem a idade adulta, a família é destroçada quando, primeiro o pai e depois o filho, são presos pela Inquisição. Mas quem poderia tê-los traído?

De um rigor histórico notável, Goa ou O Guardião da Aurora é simultaneamente um policial histórico absorvente e, na sua profunda exploração da natureza do mal, uma poderosa reinterpretação do Othello de Shakespeare.

Na linha dos seus romances históricos anteriores – O Último Cabalista de Lisboa e Meia-Noite ou O Princípio do Mundo, traduzidos em vários países com grande sucesso tanto comercial como da crítica, Richard Zimler dá-nos um livro imaginativo, estimulante e profundamente sensível”.

É assim que nos é apresentada a obra de Richard Zimler, “Goa ou O Guardião da Aurora”, de Richard Zimler, escritor estado-unidense, naturalizado português, de que aqui apresentarei algumas notas ao longo desta semana.

10 Outubro, 2005 at 8:26 am 3 comentários

RESULTADOS FINAIS DAS ELEIÇÕES AUTÁRQUICAS

	                  Votos	          %  Mandatos Concorreu Presid. Maiorias Abs.

PS 1931508 35,84 852 307 109 100
PPD/PSD 1523420 28,26 743 245 138 129
PCP-PEV 590596 10,96 203 301 32 26
PPD/PSD.CDS-PP 497077 9,22 136 42 18 17
CDS-PP 165697 3,07 30 185 1 1
B.E. 159244 2,95 7 111 1 1
GRUPOS CIDADÃOS 133146 2,47 45 28 7 4
PPD/PSD.CDS-PP.PPM.MPT 71146 1,32 11 3 1 1
PPD/PSD.CDS-PP.PPM 56652 1,05 15 12 1 1
PCTP/MRPP 15476 0,29 – 19 – –
P.H. 5103 0,09 – 13 – –
PND 2048 0,04 – 4 – –
P.N.R. 1752 0,03 – 5 – –
PPM 1730 0,03 – 12 – –
PPD/PSD.CDS-PP.MPT 1664 0,03 2 1 – –
MPT 1589 0,03 – 4 – –
PPD/PSD.PPM 707 0,01 – 1 – –
PND.PPM 439 0,01 – 1 – –
PSN 233 0,00 – 1 – –
CDS-PP.PPD/PSD 109 0,00 2 1 – –

(via http://www.autarquicas.mj.pt/Eleicoes/Afluencia)

10 Outubro, 2005 at 12:55 am Deixe um comentário


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Outubro 2005
S T Q Q S S D
« Set   Nov »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.