Archive for 12 Outubro, 2005

QUALIFICAÇÃO PARA O MUNDIAL 2006

Portugal acaba de vencer, na última jornada da fase de qualificação para o Campeonato do Mundo de Futebol, a Letónia, por 3-0, com 2 golos de Pauleta e 1 golo de Hugo Viana.

Numa boa exibição, redimindo-se da pobre apresentação de Sábado contra o Liechtenstein, os portugueses puderam fechar de forma condigna esta fase de qualificação e, merecidamente, festejar o apuramento, que – pela primeira vez na história – a selecção nacional consegue alcançar em duas edições consecutivas, depois do Mundial 2002.

A equipa portuguesa venceu de forma destacada o seu Grupo, com 9 vitórias e 3 empates (30 pontos), com 7 pontos de vantagem sobre o 2º e 3º classificados, respectivamente a Eslováquia e a Rússia. Portugal é a segunda selecção mais pontuada da Europa, apenas superada pela Holanda (32 pontos).

Com 35 golos marcados, Portugal é a equipa mais goleadora da Europa, a par da R. Checa; tendo sofrido 5 golos, a selecção portuguesa apenas foi superada em termos de melhor defesa, pela Sérvia e Montenegro (apenas 1 golo sofrido em 10 jogos!), França (2 golos sofridos), Holanda e Espanha (3 golos sofridos) e Suécia (4 golos).

Com 11 golos, Pauleta sagrou-se também o melhor marcador da Europa. Com os 2 golos hoje marcados, Pedro Pauleta entra na história, alcançando a marca de 42 golos pela selecção portuguesa (em 77 jogos), ultrapassando Eusébio (41 golos, em 64 jogos).

Uma palavra de apreço também para a excelente campanha da selecção portuguesa de Esperanças, liderada por Agostinho Oliveira, com 10 vitórias em 10 jogos!

Entretanto, com a conclusão da Qualificação (Fase de Grupos) na Zona Europeia, foram hoje apurados para o Mundial: a França, a Sérvia e Montenegro e a Suécia. Passa a ser portanto de 27 o número de selecções apuradas: Portugal, Alemanha, Holanda, Itália, Polónia, Inglaterra, Croácia, França, Sérvia e Montenegro, Suécia e Ucrânia; Angola, Togo, Ghana, Costa do Marfim e Tunísia; Argentina, Brasil, Paraguai e Equador; Arábia Saudita, Coreia do Sul, Irão e Japão; e EUA, México e Costa Rica.

Restam agora apenas 5 vagas por atribuir na Fase Final do Mundial: 3 selecções europeias (a apurar de entre as 6 participantes nos “play-off”); 1 a disputar entre o Bahrein e Trinidad e Tobago (4º classificado da América do Norte); 1 a disputar entre a Austrália e o Uruguai (5º classificado da América do Sul – cuja Fase de Grupos se concluiu também hoje, com destaque para a eliminação da Colômbia e do Chile).

Ficaram apuradas para os “play-off” as selecções da R. Checa, Turquia, Eslováquia, Suíça, Noruega e Espanha, que disputarão portanto entre si 3 lugares de apuramento.

Por fim, destaque para as eliminações das selecções da Roménia, Dinamarca e Grécia (o Campeão Europeu, com uma pobre campanha, terminando apenas em 4º lugar (!) do seu Grupo), Rússia e Letónia, Irlanda, Eslovénia, Áustria, Bélgica e Bulgária:

Grupo 1: 1º Holanda, 32; 2º R. Checa, 27; 3º Roménia, 25; 4º Finlândia, 16; 5º Macedónia, 9; 6º Arménia, 7; 7º Andorra, 5

Grupo 2: 1º Ucrânia, 25; 2º Turquia, 23; 3º Dinamarca, 22; 4º Grécia, 21; 5º Albânia, 13; 6º Geórgia, 10; 7º Cazaquistão, 1

Grupo 3: 1º Portugal, 30; 2º Eslováquia, 23; 3º Rússia, 23; 4º Estónia, 17; 5º Letónia, 15; 6º Liechtenstein, 8; 7º Luxemburgo, 0

Grupo 4: 1º França, 20; 2º Suíça, 18; 3º Israel, 18; 4º Irlanda, 17; 5º Chipre, 4; 6º Ilhas Faroé, 1

Grupo 5: 1º Itália, 23; 2º Noruega, 18; 3º Escócia, 13; 4º Eslovénia, 12; 5º Bielorrussia, 10; 6º Moldávia, 5

Grupo 6: 1º Inglaterra, 25; 2º Polónia, 24; 3º Áustria, 15; 4º I. Norte, 9; 5º P. Gales, 8; 6º Azerbeijão, 3

Grupo 7: 1º Sérvia e Montenegro, 22; 2º Espanha, 20; 3º Bósnia-Herzegovina, 16; 4º Bélgica, 12; 5º Lituânia, 12; 6º S. Marino, 0

Grupo 8: 1º Croácia, 24; 2º Suécia, 24; 3º Bulgária, 15; 4º Hungria, 14; 5º Islândia, 4; 6º Malta, 3

12 Outubro, 2005 at 10:55 pm 1 comentário

ÍCONES DO SÉCULO (LXVII) – 1993 – DEMI MOORE

12 Outubro, 2005 at 6:11 pm Deixe um comentário

MUNDIAL 2006 (XIV) – 1938

O contexto envolvente da Fase Final do 3º Campeonato do Mundo era já de pré-guerra; a prova não ficaria imune a efeitos da conjuntura política da época (nomeadamente na sequência da Guerra Civil de Espanha e da anexação da Áustria pela Alemanha).

O brasileiro Leónidas, apelidado de “diamante negro”, chegando a jogar descalço, seria o herói de um épico jogo entre o Brasil e a Polónia, ao marcar 4 dos golos que permitiram fixar o resultado final numa vitória dos canarinhos por 6-5, após prolongamento (apesar dos 4 golos do polaco Willimowski).

O Brasil (com Leónidas no banco, a “descansar para a Final”!…) viria a cair nas ½ finais, perante os Campeões do Mundo (Itália), que haviam já deixado pelo caminho, na eliminatória anterior, a equipa da casa, a França. Os brasileiros teriam de se satisfazer com o 3º lugar, depois de bater a Suécia.

A Hungria, facilmente vitoriosa perante as Índias Holandesas Orientais (6-0, na 1ª eliminatória), a Suíça (2-0, nos ¼ final) e a Suécia (5-1, nas ½ finais), seria o derradeiro obstáculo dos italianos no caminho para a revalidação do título, que não dariam hipóteses, triunfando por 4-2.

Seria necessário esperar 12 anos pelo Mundial seguinte…

12 Outubro, 2005 at 1:46 pm Deixe um comentário

GOA OU O GUARDIÃO DA AURORA (IV)

Regressando ao período de prisão, ao fim de um ano de cativeiro, continuava a questionar-se sobre quem o poderia ter traído.

Presente a “julgamento”, Tiago confessaria perante o Inquisidor os seus crimes: “Sou judeu, e muitas vezes pratiquei os rituais do meu povo com o meu pai”. Mas, pior do que ser judeu, o seu pai fora um“cristão-novo”.

Apesar da confissão, Tiago via-se agora confrontado com uma enigmática charada, que, remotamente, por via do seu trisavô, era afinal responsável pela sua prisão: “Falo-te durante a minha jornada – e só a ti – desde o ponto de partida até ao final. E, embora morra sempre no mesmo local, podes ouvir-me a falar do meu túmulo se prestares atenção. Quem sou eu?”.

Em Outubro de 1593, após 23 meses de cativeiro, Tiago estava decidido a revelar o nome das testemunhas que o teriam incriminado, traindo-se a si próprio, como única forma que pensava lhe poderia proporcionar a liberdade.

Confessaria mesmo que “passáramos diante da catedral dezenas de vezes sem sequer entrar para rezar, e nos recusáramos a agradecer ao Senhor as nossas refeições quando os meus tios o faziam. – Até declinámos dizer «se Deus quiser» ao falar do futuro nas conversas do dia-a-dia”.

Na sequência das suas confissões, assinara um documento com o rol dos seus crimes, mas continuava sem saber se tal significaria a morte ou a vida e a liberdade; os seus algozes apenas lhe indicavam ser aquele o único caminho para Cristo.

Tinha de se limitar a esperar…

12 Outubro, 2005 at 8:37 am Deixe um comentário


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Outubro 2005
S T Q Q S S D
« Set   Nov »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.