“BLOGOSFERA” EM 2004 (XI)

11 Dezembro, 2004 at 8:30 am

Depois do “entusiasmo mediático” do Verão de 2003, os “blogues” quase tinham “desaparecido” dos meios de comunicação tradicionais.

Paulo Pena, em artigo na revista “Visão” (edição de 15 a 21 de Abril) volta a “colocá-los no mapa”, a propósito do seu papel na convocação da militância política (artigo com o título “SMS – Militância sem Fios” – “As mensagens escritas e os blogs ajudaram a derrotar o PP espanhol e a divulgar as últimas manifestações contra a guerra em Portugal. São novos meios de agitprop, que vieram para ficar”.

Em tempos que já lá vão, convocar uma manifestação dava muito trabalho. Era preciso escrever um panfleto e imprimi-lo aos milhares (a esquerda sempre teve um problema insolúvel com a ecologia…). Havia então que organizar a sua distribuição, o que implicava muitas mãos dispostas a repetir o mesmo gesto, nas ruas, à porta do metro, à saída das faculdades, nos portões das fábricas. Ou então, se havia dinheiro, a mensagem podia figurar em cartazes, colados por brigadas nocturnas, com uma mistela pouco saudável de soda cáustica, água e farinha. Hoje, só os curandeiros menos abastados usam destas técnicas. Uma manifestação pode nascer a partir de um telemóvel: «Não à guerra! manif. dia 20, 15H30, Lrg. Camões, Lx, Pr. Batalha, Porto. Manda para os telemóveis dos teus amigos

(ver mais em entrada estendida).

Há 1 ano no Memória Virtual – Solidariedade – AMI
(artigo de Paulo Pena, na Revista “Visão”)

“Os blogs

Não é só na ATTAC que «há troca de informações sem hierarquia» nem «centros de decisão». Acompanhando o alastrar da Internet e dos telemóveis, o mundo dos fazedores de política cresceu. Seja na forma como se mobilizam manifestantes seja na discussão. Os blogs portugueses viveram o seu apogeu quando a guerra do Iraque monopolizava, e encarniçava, os debates. E conseguiram liderá-los.

A Coluna Infame nasceu para combater a «hegemonia cultural da esquerda». Era um ponto de encontro para «conservadores, liberais e independentes». Os seus responsáveis já escreviam em jornais (Pedro Mexia e Pedro Lomba vinham das páginas do DN Jovem, e o primeiro escrevia críticas literárias no DNA, enquanto João Pereira Coutinho assinava uma crónica semanal em O Independente). Hoje, depois de muitos posts e do encerramento intempestivo da Coluna Infame (http://acolunainfame.blogspot.com), os três escrevem regularmente sobre política, e ganharam novas tribunas. Os dois Pedros escrevem no primeiro caderno do Diário de Notícias e João Pereria Coutinho «transferiu-se» para o Expresso.

Esta disputa esquerda-direita, feita por novos protagonistas, tanto em idade como em notoriedade, levou o decano dos nomes sonantes da blogosfera portuguesa, Pacheco Pereira, a denunciar uma mudança: «Não havia antes hegemonia da ‘direita’ e agora há da ‘esquerda’. (…) Mais do que a política, mudou o estilo e a dimensão, e uma sensação que a blogosfera é agora mais hostil do que cozy», escreveu o eurodeputado no seu blog (http://abrupto.blogspot.com).

Esta é a face mais visível da capacidade de intervenção política dos blogs. Uma tomada de posição pode ter uma réplica imediata. Por isso, as polémicas entre os blogs depressa alastraram ao mundo dos jornais impressos. As suas opiniões passaram a ser estudadas e publicadas. E os seus autores tornaram-se concorrentes dos comentadores habituais. «Nós fazemos o combate pela agenda mediática, é essa a função de um blog», afirma Daniel Oliveira, do Barnabé.

Um exemplo: Nuno Ramos de Almeida conheceu as biografias dos três japoneses sequestrados no Iraque, e a notícia da sua iminente libertação, através da rede mundial da ATTAC, muito antes de qualquer notícia dos jornais.

‘Self-media’

No Barnabé foram dados à estampa, em primeira mão, os manuscritos de Manuela Ferreira Leite no debate parlamentar sobre o Programa de Estabilidade e Crescimento. «A possibilidade de cada um se tornar emissor de informações democratiza a comunicação», elogia Ulisses Garrido.

O fenómeno self-media, em que cada um produz a informação que quer, acessível até para os info-excluídos, ganhou fama mundial antes das manifestações de Madrid. Howard Dean foi o seu primeiro beneficiário, nas primárias dos democratas americanos.

«A campanha de Dean mudou as regras do jogo», ao introduzir métodos inovadores de «auto-organização», explica Howard Rheingold autor do livro Smart Mobs: A Nova Revolução Social, em entrevista à Business Week. No fundo, o «fenómeno Dean» desencadeou-se através de uma sensação de «proximidade» que a Internet possibilitou a vários dos seus apoiantes. Descentralizando as acções de campanha, Dean conseguiu chegar mais longe que qualquer outro dos seus adversários, e com menos custos.

O fenómeno teve, no entanto, um epílogo: Dean perdeu. «Mandar um jovem de 23 anos da Califórnia falar a agricultores do Iowa não é eficaz.» Ou seja, o sucesso do «voluntariado Dean» acabou por ser a sua maior fraqueza, a «descoordenação», explica Rheingold.

Por isso, até agora, os bons exemplos desta nova agitprop, são momentos que exigiam respostas rápidas. Em Espanha, a Telefónica calcula que na véspera das eleições espanholas o número de SMS subiu 20 % (cerca de 500 mil). No dia do escrutínio, o aumento foi de 40 % (um milhão de mensagens escritas).”

[1903]

Entry filed under: "Blogosfera" em 2004.

RICARDO REIS – POESIA "BLOGOSFERA" EM 2004 (XII)


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Dezembro 2004
S T Q Q S S D
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.


%d bloggers like this: