Archive for 7 Dezembro, 2004

ALBERTO CAEIRO

Conforme refere Fernando Pessoa, em carta a Adolfo Casais Monteiro, Alberto Caeiro (“surgido” ao poeta a 8 de Março de 1914) é o Mestre, inclusivamente do próprio Pessoa.

Nasceu em Lisboa em 1889, aí morrendo precocemente em 1915, vítima de tuberculose, tendo passado, não obstante, a maior parte da sua vida no campo, numa quinta no Ribatejo, onde escreveu a maioria dos seus poemas, desde o livro “O Guardador de Rebanhos” (com 30 e tal poemas escritos “a fio”), a “O Pastor Amoroso” e aos “Poemas Inconjuntos”. Aí viria a conhecer Álvaro de Campos.

De estatura média, era louro, pálido e de olhos azuis, de saúde frágil.

A sua educação restringia-se à instrução primária, “escrevendo mal o português”; órfão desde muito novo, não tendo profissão, vivia de pequenos rendimentos, com uma tia-avó.

O “mestre bucólico”, guardador de rebanhos, era um poeta naif, escrevendo poesia por pura inspiração, baseada nas sensações, com um português descuidado, com repetições com intervalos pouco espaçados, por vezes mesmo com lapsos.

[1896]

Anúncios

7 Dezembro, 2004 at 6:11 pm 1 comentário

"BLOGOSFERA" EM 2004 (VII)

Num “agitado” final de Fevereiro, também a 29, Paulo Gorjão destaca no Bloguitica (“post” 496) (e também aqui – “post” 499), a “reacção” de um editorial de um jornal de referência (o “Público”) a um texto escrito num “blogue”:

Hoje deu-se mais um pequeno passo na História da blogosfera nacional.

Ainda que em post-scriptum, um editorial de um jornal de referência reage a um texto de um blogue: José Manuel Fernandes responde a João Madureira.”

“Post” de Paulo Gorjão no Bloguítica:

Um leitor questiona por que motivo uma referência a um blogue num editorial de um jornal de referência é um momento relevante na História da blogosfera nacional.

Por uma razão muito simples: muitos dos nossos opinion-makers – muitos deles, refira-se, consumidores diários dos textos dos blogues – entendem que não devem mencionar nos seus textos os blogues. Em conversas que tive com vários amigos meus que escrevem regularmente para os jornais, já me foi dito mais de uma vez que: “é pá, não podia reagir ao que o gajo escreveu no blogue sobre o meu texto”.

Há nesta frase implícito um estatuto de menoridade naquilo que se escreve nos blogues. Por outras palavras, citar um blogue nos jornais é o mesmo que lhe estar a conferir um estatuto de seriedade que ele não tem.

Quer se queira quer não, o reconhecimento da sua qualidade e a legitimação dos blogues passa também pelas referências à sua existência na imprensa. É por isso que a referência a um blogue num editorial de um jornal é importante.

O que os mais resistentes considerarão, por sua vez, um erro…”

Nota no Editorial de José Manuel Fernandes, no “Público”

Numa reacção ao primeiro dos dois textos de opinião que escrevi sexta e sábado sobre a guerra do Iraque, João Madureira, no “blog” Causa Nossa, dá a sua resposta ao que teria sucedido se não tivesse havido guerra para também concluir que Saddam se manteria no poder e se restabeleceriam com o Iraque relações comerciais e diplomáticas normais. A sua conclusão é que é diferente: para ele estaríamos muito melhor, até porque seriam empresas francesas, alemãs e russas a fazerem os negócios. Negócios com o ditador, naturalmente. Continua de facto a ser arrepiante como pessoas que se dizem de esquerda continuam a conviver bem com tais ditadores, e como lhes parece ser indiferente o sofrimento dos povos, como era o caso do iraquiano às mãos de Saddam.”

[1895]

7 Dezembro, 2004 at 8:05 am


Autor – Contacto

Destaques

Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Dezembro 2004
S T Q Q S S D
« Nov   Jan »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.