Archive for 24 Março, 2007

EURO-2008 (QUALIF.) – PORTUGAL – BÉLGICA

PortugalBélgica4-0

A equipa portuguesa (privada de Deco, por lesão; e de Simão Sabrosa, a cumprir um jogo de suspensão) entrou em campo com boa atitude, procurando construir jogo ofensivo, com os belgas – desde início… tal como “prometido” – a recorrer com insistência à falta, de alguma forma procurando “intimidar” os mais criativos jogadores portugueses, com destaque para o dinamismo de Quaresma.

Apenas cerca dos 20 minutos de jogo, a Bélgica surgiria, pela primeira vez, com algum perigo, à área da equipa nacional. Entretanto, Portugal continuava a atacar, ao mesmo tempo que, por algumas vezes, ia tentando rematar de longe.

Passada a meia hora de jogo, notava-se alguma dificuldade nas transições ofensivas, com João Moutinho a jogar algo recuado; e, inversamente, Nuno Gomes isolado na frente. Os belgas apenas procuravam manter o nulo no marcador, quando, a finalizar o primeiro tempo, ficou por assinalar uma grande penalidade a favor de Portugal, com Cristiano Ronaldo a ver o cartão amarelo por reclamar.

Logo no início da segunda parte, Portugal criava duas oportunidades de golo, mas não conseguia converter. Mas, apenas com 7 minutos, com João Moutinho a subir no terreno, provocando desequilíbrios, Nuno Gomes não teve dificuldade em empurrar a bola para a baliza, inaugurando o marcador.

Para, logo de seguir, numa excelente iniciativa de Quaresma, o guarda-redes belga a não chegar à bola, surgindo nas costas Cristiano Ronaldo, a cabecear para a baliza deserta, fazendo o 2-0.

Procurando reagir, na Bélgica entrou Sterchele… que, na sua primeira jogada, desperdiçou escandalosamente o golo, completamente isolado e já com Ricardo fora do lance.

Mas o melhor momento da noite estava ainda para chegar! Aos 69 minutos, num lance de magia, Quaresma, descaído sobre o lado direito (ainda fora da área) rematou “de trivela”, em arco, cruzado para o poste mais distante, com a bola a sobrevoar o guarda-redes belga e a anichar-se no fundo da baliza; como primeiro golo na selecção, uma jogada para recordar para sempre!

No duelo “particular” entre Cristiano Ronaldo e Stijnen, o português cirandou à entrada da área, driblando os adversários, rodando o pé sobre a bola, acabando por rematar, com o guarda-redes belga a consentir o quarto golo português.

Stijnen viria ainda, já no último minuto, a negar (por duas vezes!) o que teria sido o quinto golo português…

Portugal dava – dentro do campo – a melhor resposta às polémicas que rodearam este jogo, criadas pelo comportamento dos belgas (primeiro com Stijnen a “ameaçar” Ronaldo, e, à chegada ao aeroporto de Lisboa, com escaramuças com oso jornalistas portugueses). Uma categórica vitória, com uma goleada, relançando as suas hipóteses de apuramento, ao mesmo tempo que praticamente afasta a Bélgica dessa luta.

Já depois do termo do jogo, um gesto bonito: o abraço entre Ronaldo e Stijnen!

Portugal – Ricardo; Miguel, Ricardo Carvalho, Jorge Andrade e Paulo Ferreira; Petit (76m – Fernando Meira), Tiago, Quaresma (70m – Nani), João Moutinho e Cristiano Ronaldo (78m – Hugo Viana); Nuno Gomes

Bélgica – Stijnen, Hoefkens (64m – Sterchele), Clement, Van Buyten, Van der Heyden, Fellaini, Mudingayi, De Man, Defour, Martens (56m – Chatelle) e Mbo Mpenza (80m – Van Damme)

1-0 – Nuno Gomes – 52m
2-0 – Cristiano Ronaldo – 55m
3-0 – Quaresma – 69m
4-0 – Cristiano Ronaldo – 75m

Cartões amarelos – Cristiano Ronaldo (45m); Hoefkens (15m), De Man (38m), Fellaini (58m), Van Damme (88m)

Árbitro – Kyros Vassaras (Grécia)

Na jornada de hoje da Fase de Qualificação para o “EURO 2008”, destaque para a grande surpresa da derrota da Sérvia no Cazaquistão (a primeira vitória de sempre desta selecção em jogos do Campeonato Europeu), e para a “humilhante” goleada sofrida pela Grécia, em casa, frente ao seu grande rival, Turquia (1-4) – numa partida em que os gregos começaram por ganhar vantagem, logo aos 5 minutos; a Alemanha conseguiu uma excelente vitória (2-1) na R. Checa; a Inglaterra não conseguiu desfazer o nulo em Israel; a Noruega foi derrotada em casa (1-2) pela Bósnia-Herzegovina; noutro jogo entre equipas candidatas ao apuramento, a Roménia conseguiu empatar a zero na Holanda.


GRUPO A             Jg  V  E  D   G   Pt
1º Polónia      Polónia   6  4  1  1 11-5  13
2º Finlândia    Finlândia   5  3  2  -  7-2  11
3º Portugal     Portugal   5  3  1  1 12-3  10
4º Sérvia       Sérvia   5  3  1  1  7-3  10
5º Bélgica      Bélgica   6  2  1  3  4-6   7
6º Cazaquistão   Cazaquistão   6  1  2  3  3-8   5
7º Arménia      Arménia   4  -  1  3  0-5   1
8º Azerbaijão   Azerbaijão   5  -  1  4  1-13  1

6ª jornada
24.03.07 – Polónia – Azerbaijão – 5-0
24.03.07 – Cazaquistão – Sérvia – 2-1
24.03.07 – Portugal – Bélgica – 4-0

(mais…)

24 Março, 2007 at 10:54 pm Deixe um comentário

PORTUGAL NO MUNDIAL DE RÂGUEBI

A selecção portuguesa de râguebi conseguiu alcançar hoje uma proeza histórica (o maior feito em 103 anos da modalidade em Portugal), ao garantir o apuramento para a Fase Final do Campeonato do Mundo de Râguebi, a disputar em França (e, também, numa iniciativa inédita, numa cidade da Escócia, Edimburgo, e noutra do País de Gales, Cardiff) de 7 de Setembro a 20 de Outubro.

Para conseguir ser a primeira selecção amadora a garantir a presença no Mundial, a equipa portuguesa teve de eliminar – no último jogo de apuramento – a selecção do Uruguai. Depois da vitória na 1ª mão por 12-5, hoje, em Montevideu, Portugal chegou a estar a perder por 0-6; chegou depois ao empate a 6-6; o Uruguai, com um ensaio passou o resultado para 11-6; a que Portugal respondeu da melhor forma, chegando aos 11-12. A cerca de 15 minutos do termo da partida, novo ensaio do Uruguai colocava o marcador (final) em 18-12… e Portugal com apenas 1 ponto de vantagem na eliminatória!

Portugal junta-se a Inglaterra (actual Campeã do Mundo), França, Escócia, Irlanda, País de Gales, Itália, Roménia e Geórgia (9 representantes europeus); Austrália, Nova Zelândia, I. Fiji, Samoa e Tonga (5 selecções da região da Oceânia); África do Sul e Namíbia (de África); EUA e Canadá (da América do Norte); Argentina (da América do Sul); e Japão (representante da Ásia), no lote de 20 países finalistas, os quais serão agrupados da seguinte forma:

Grupo A – Inglaterra, África do Sul, Samoa, EUA e Tonga

Grupo B – Austrália, P. Gales, I. Fiji, Canadá e Japão

Grupo C – N. Zelândia, Escócia, Itália, Roménia e Portugal

Grupo D – França, Irlanda, Argentina, Geórgia e Namíbia.

Apenas os dois primeiros de cada grupo serão apurados para os 1/4 Final da prova.

Portugal começará por defrontar (a 9 de Setembro, em St. Etiénne) a Escócia; a 15 jogará com a N. Zelândia (em Lyon); a 19 defrontará, em Paris, a Itália; finalizando a fase de grupos, a 25 de Setembro, em Toulouse, frente à Roménia.

Considerado o terceiro evento desportivo mundial (após os Jogos Olímpicos e o Campeonato Mundial de Futebol), o Mundial de Râguebi deverá ser visto por 2,4 milhões de espectadores (nos Estádios), com uma audiência estimada de cerca de 4 biliões, por via de 250 canais de televisão em todo o mundo.

24 Março, 2007 at 8:25 pm Deixe um comentário

ZERZENAY TADESSE

Atleta da Eritreia, virtualmente desconhecido (4º classificado no ano passado), entra na história ao encerrar o “reinado” do etíope Kenenisa Bekele nos Campeonatos do Mundo de Cross; depois de 10 títulos consecutivos de Campeão do Mundo nos últimos 5 anos (nas provas curta e longa), Bekele desistiu na prova hoje disputada no Quénia, quando seguia em 2º lugar, a cerca de 1 km da meta (quando os dois atletas seguiam já isolados na frente da corrida).

Zerzenay Tadesse sagrou-se assim como novo Campeão do Mundo, com uma categórica vitória (em que, depois de ter ficado para trás, teve forças para recuperar o atraso para Bekele e ultrapassá-lo), numa prova em que o melhor português foi Paulo Guerra (3º, 4º e 6º classificado em edições anteriores, no seu período “áureo”, em que se sagrara também Campeão Europeu), desta vez em 49º lugar (ainda assim, o 5º melhor atleta europeu).

Por equipas, Portugal concluiu a competição em 10º lugar – 2ª melhor da Europa (numa prova em que países como a Espanha e a França não conseguiram terminar com o número mínimo de atletas… tal como a grande desilusão Etiópia, com 5 desistências entre os seus 9 participantes, com o seu melhor atleta a terminar apenas em 14º). Numa prova dominada – como habitualmente – pelos africanos, o Quénia, a “correr em casa” arrasou a concorrência, com os 6 atletas que contavam para a classificação a terminarem nos 8 primeiros lugares (só deixou escapar o 7º lugar… e o título individual, para Zerzenay Tadesse!); seguiram-se as selecções de Marrocos, Uganda, Eritreia, Qatar, Tanzânia, Ruanda, Grã-Bretanha, Austrália, Portugal, EUA, Japão e Brasil.

No sector feminino, a holandesa (de origem queniana) Lornah Kiplagat conquistou o título (bisando o já anteriormente obtido, em 2005), com a campeã nacional Jessica Augusta a ser a melhor portuguesa, em 12º lugar (melhor atleta de origem europeia). Por equipas, a Etiópia “salvou” a sua honra, assegurando o título mundial, à frente de Quénia e Marrocos.

24 Março, 2007 at 6:26 pm Deixe um comentário

UNIÃO EUROPEIA – 50 ANOS (XIV) – CONSTITUIÇÃO EUROPEIA

O Tratado Constitucional Europeu, aprovado em 2004 pelos líderes da União Europeia (assinado em 29 de Outubro), tem por objectivo substituir e unificar os antigos Tratados da União Europeia, reunindo num único texto o conjunto de todos os anteriores textos fundamentais e de direitos dos cidadãos europeus: Tratados da União Europeia, Jurisprudência da União Europeia e do Conselho da Europa, outras convenções internacionais subscritas pela União Europeia ou pelos seus Estados-membros, Convenção Europeia dos Direitos do Homem, Carta Social Europeia e Carta Comunitária dos Direitos Sociais Fundamentais dos Trabalhadores.

Carece – previamente à sua adopção – de ratificação pelos Estados-membros, por via parlamentar ou através de referendo, processo actualmente num impasse, na sequência das votações negativas nos referendos em França e na Holanda.

Estrutura-se em 4 partes:

– Parte I – Disposições fundamentais – Compreende as disposições que definem a União Europeia, os seus objectivos, competências, processos de decisão e instituições.

– Parte II – Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia. Inclui 7 capítulos: Dignidade, Liberdades, Igualdade, Solidariedade, Cidadania, Justiça e Disposições Finais.

– Parte III – Políticas da União – As políticas e as acções da União Europeia.

– Parte IV – Cláusulas finais – Referência nomeadamente aos procedimentos de adopção e revisão desta Constituição.

Visa estabelecer regras mais simples e mais eficientes para a tomada de decisão na União Europeia – por maioria qualificada, na maior parte dos casos.

Cria também um novo cargo, de “Ministro dos Negócios Estrangeiros”, para conduzir a Política Externa e de Segurança Comum (PESC), chefiar o novo serviço diplomático, presidir o Conselho das Relações Externas e vice-presidir a Comissão Europeia.

Para saber mais: http://europa.eu.int/constitution.

24 Março, 2007 at 10:57 am 1 comentário


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Março 2007
S T Q Q S S D
« Fev   Abr »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.