Archive for 29 Março, 2007

RALI DE PORTUGAL – ESTÁDIO ALGARVE

Resultados da “super-especial” de abertura da 41ª edição do Rali de Portugal – este ano de regresso ao calendário do Campeonato do Mundo de Ralis (após 6 anos de ausência) -, hoje disputada no Estádio do Algarve (2,03 km):

1º Marcus Gronholm - Ford Focus RS ___________ 2:05.8
2º Daniel Sordo - Citroen C4 _________________ 2:08.1
3º Sebastien Loeb - Citroen C4 _______________ 2:09.1
4º Petter Solberg - Subaru Impreza ___________ 2:09.1
5º Henning Solberg - Ford Focus RS ___________ 2:10.4
6º Mikko Hirvonen - Ford Focus RS ____________ 2:10.7
7º Chris Atkinson - Subaru Impreza ___________ 2:11.4
8º Daniel Carlsson - Citroen Xsara ___________ 2:11.5
9º Gian Luigi Galli - Citroen Xsara __________ 2:11.5
10º Toni Gardemeister - Mitsubishi Lancer ____ 2:11.9
___
17º Armindo Araújo - Mitsubishi ______________ 2:13.9
Anúncios

29 Março, 2007 at 6:47 pm Deixe um comentário

RALI DE PORTUGAL

O “regresso” das grandes estrelas (Sebastien Loeb e Daniel Sordo, ambos em Citroen C4 WRC; Petter Solberg e Chris Atkinson, em Subaru; e Marcus Gronholm e Mikko Hirvonen, em Ford), a partir de hoje, pelas 17h35m, com a “super-especial” do Estádio do Algarve (Markku Alen, Hannu Mikkola e Bjorn Waldegaard, entre outros, estarão também presentes para “abrilhantar” a festa, em carros da “sua época”, numa demonstração a ter lugar a partir das 16 horas!).

P. S. Infelizmente, as coisas começaram já a correr mal, ainda antes do início do rali; esta manhã, nos últimos testes, Armindo Araújo (vencedor da prova em 2003, 2004 e 2006) teve uma ligeira saída de estrada, provocando 4 feridos (dos quais 2 fotógrafos sofreram lesões de maior gravidade, com fracturas de perna e braço – para além de dois espectadores, um espanhol e um alemão, com ligeiras escoriações).

29 Março, 2007 at 12:34 pm 2 comentários

RALI DE PORTUGAL – 1986

A edição do Rali de Portugal de 1986 seria também marcante… pelos motivos errados.

Tudo aconteceu logo após a primeira ronda pelas classificativas de Sintra (aliás, seria mesmo na primeira prova classificativa…).

A abertura do rali (a 5 de Março de 1986), na Lagoa Azul, parecia indiciar uma competição disputada “ao rubro” – com uma lista de inscritos de nível extraordinário, a melhor de sempre -, com os 8 primeiros classificados separados por apenas 2 segundos: Henri Toivonen e Markku Alen (ambos em Lancia Delta) e Walter Rohrl (Audi Sport Quattro), com 2m15; Timo Salonen (Peugeot) e Kalle Grundel (Ford), 2m16; Massimo Biasion (Lancia), Juha Kankkunen (Peugeot) e Malcolm Wilson (MG Metro), 2m17!

Na 2ª prova especial (Peninha), Markku Alen triunfava e assumia a liderança, com 4 segundos de vantagem sobre Toivonen, Biasion e Salonen; Rohrl e Kankkunen registavam mais um segundo.

3ª troço classificativo (Sintra) e terceiro líder do rali: Biasion (vencedor desta prova especial) passava a comandar… com 1 segundo de vantagem sobre Alen, e 2 segundos sobre Toivonen! Tal como em 1984, a “esquadra” da Lancia dominava no asfalto de Sintra.

Até que…

A imensa multidão (estimada em cerca de meio milhão de pessoas!) que se aglomerava nas bermas da estrada, sem que os agentes de segurança fossem capazes de conter o ímpeto de procurar chegar o mais perto possível das máquinas, formava autênticos “muros”, numa espécie de “túnel humano” – invadindo e ocultando zonas de trajectória dos carros -, pelo meio do qual os pilotos procuravam conduzir à maior velocidade possível.

Logo no início da prova, Salonen – que, na condição de vencedor no ano anterior, “abria a estrada” – dera um toque de “raspão” num espectador; pouco depois, consumar-se-ia a tragédia.

Ainda na 1ª prova especial de classificação (Lagoa Azul), o português Joaquim Santos, ao volante de um Ford RS200, sofria um despiste, irrompendo pelo meio da multidão, provocando 33 feridos… e 2 mortes (uma mulher e o filho, de 9 anos).

A notícia correu de imediato, antecipando-se as graves consequências do acidente, ainda então desconhecidas em toda a sua amplitude; entretanto, os pilotos “de fábrica” haviam passado e disputavam já os troços seguintes (2ª e 3ª provas de classificação); foi no intervalo antes da 2ª ronda por Sintra – no reagrupamento no Autódromo do Estoril – que seriam informados do ocorrido. A excitação e nervosismo são intensos, com pilotos exaltados, a recusar-se a repetir as passagens em Sintra.

No início da tarde, os pilotos das equipas oficiais reunem-se no Hotel Estoril-Sol; já mais “a frio” – liderados por Walter Rohrl – acabam por decidir abandonar a prova, num gesto de protesto perante a impotência da organização; exararam em comunicado (lido por Henri Toivonen):

«As razões pelas quais os pilotos abaixo assinados não desejam prosseguir o Rali de Portugal são as seguintes:

1 – Como uma forma de respeito pelas famílias dos mortos e dos feridos;

2 – Trata-se de uma situação muito especial aqui em Portugal: sentimos que é impossível para nós garantir a segurança dos espectadores;

3 – O acidente no 1º troço cronometrado foi causado por um piloto que tentou evitar espectadores que estavam na estrada. Não se ficou a dever ao tipo de carro nem à sua velocidade;

4 – Esperamos que o nosso desporto possa beneficiar futuramente com esta decisão.»

Na verdade, constatava-se que era manifestamente impossível “domar” estes bólides de “Grupo B”, com potência desproporcionada face às condições da estrada. César Torres, director da prova – não podendo garantir as condições mínimas de segurança -, mais não podia fazer senão aceitar os motivos invocados pelas principais figuras, limitando-se a procurar fazer com que a prova pudesse prosseguir.

A partir daí, tivemos um “novo rali”: a segunda e terceira passagens pelos troços de Sintra eram anuladas; a competição só seria reatada no Gradil, com a disputa da vitória a resumir-se a dois pilotos, o português Joaquim Moutinho – que assumiria a liderança – e o italiano Giovanni Del Zoppo. As estradas despiram-se de público; o espectáculo estava diminuído; a festa terminara demasiado cedo; o luto ensombrava o “melhor rali do mundo”.

Com sucessivas vitórias nas provas especiais de classificação da fase inicial do rali, disputadas em asfalto, Joaquim Moutinho rapidamente consolidaria a sua posição, praticamente garantindo o triunfo final, logo na Serra da Lousã (apenas com 8 troços cronometrados disputados – de um total de 48 previstos), acumulando mais de 4 minutos de vantagem sobre Del Zoppo.

Nas etapas finais, Carlos Bica acabaria por se mostrar o piloto mais rápido na estrada, acabando por – depois de uma recuperação gradual – ultrapassar Del Zoppo na geral.

Na classificação final de uma prova tragicamente ensombrada, Joaquim Moutinho (ao volante de um Renault) tornava-se – de forma absolutamente inesperada… e indesejada – o primeiro piloto português (e único, até à data…) a vencer uma prova do Campeonato do Mundo, na categoria máxima da modalidade. A mais de 13 minutos, Carlos Bica (Lancia) garantia o segundo lugar; Del Zoppo (Fiat) terminava em terceiro, a quase 17 minutos de Moutinho; Jorge Ortigão (Toyota Corolla) concluia a prova em 4º lugar, a quase 20 minutos do primeiro.

Cerca de dois meses depois (a 2 de Maio de 1986), no Rali da Córsega, Henri Toivonen (com o seu navegador Sergio Cresto, ao volance de um Lancia Delta) era vítima de um acidente fatal (despiste numa ravina, com o carro a explodir de seguida), que levaria a que a FIA – Federação Internacional de Automobilismo colocasse termo aos carros de “Grupo B”, considerados demasiado rápidos e potentes, e consequentemente excessivamente perigosos, inadequados para provas de estrada (Toivonen fizera, pouco antes, um ensaio no Autódromo do Estoril, cumprindo uma volta à pista com um tempo que lhe daria o 6º lugar na grelha do Grande Prémio de Fórmula 1 disputado nesse ano!)…

29 Março, 2007 at 8:33 am 1 comentário


Autor – Contacto

Destaques

Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Março 2007
S T Q Q S S D
« Fev   Abr »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.