Liga dos Campeões – 5ª Jornada – Barcelona – Benfica

23 Novembro, 2021 at 10:52 pm Deixe um comentário

Barcelona – Marc-André ter Stegen, Ronald Araújo (86m – Eric García), Gerard Piqué, Clément Lenglet (86m – Sergiño Dest), Jordi Alba, Frenkie de Jong, Sergio Busquets, Nicolás “Nico” González, Yusuf Demir (66m – Ousmane Dembélé), Pablo Gavira “Gavi” e Memphis Depay

BenficaBenfica – Odysseas Vlachodimos, André Almeida, Nicolás Otamendi, Jan Vertonghen, Gilberto Moraes, Julian Weigl, João Mário (59m – Adel Taarabt), Alejandro “Álex” Grimaldo (81m – Haris Seferović), Rafael “Rafa” Silva (70m – Valentino Lazaro), Everton Soares (70m – Luís Fernandes “Pizzi”) e Roman Yaremchuk (59m – Darwin Núñez)

Cartões amarelos – Gerard Piqué (49m); Alejandro “Álex” Grimaldo (36m), João Mário (49m), Odysseas Vlachodimos (90m) e Adel Taarabt (90m)

Árbitro – Sergei Karasev (Rússia)

Se  nos ativermos à “última” imagem deste jogo – e será difícil, nos próximos tempos, esquecê-la – dir-se-ia que o Benfica perdeu uma flagrante ocasião de ganhar, em Camp Nou, ao Barcelona. Mas, na verdade, pelo que jogou, a equipa portuguesa não justificaria tal vitória; como, por outro lado, não posso (nem quero) enfileirar na espécie de “crucificação” a Seferović por tal inacreditável falhanço.

Fica até a ideia de que poderá ter tido, não uma, mas duas execuções técnicas defeituosas: primeiro, o que pareceu uma tentativa de remate (?) que não tenha saído “bem” (conforme seria pretendido), mas que resultou numa bola “picada” sobre Ter Stegen, a retirá-lo do lance; de imediato, e tendo a bola “escapado” demasiado, foi já algo “em esforço” que o suíço (apertado por um defesa contrário, a procurar fazer a “mancha”) a tentou rematar para a baliza (tocando-a apenas com a ponta da bota), acabando por sair ligeiramente ao lado do poste. Obviamente, ficou muito longe de se tratar de um exímio gesto técnico, mas, visto de fora, pode parecer muito mais fácil do que o que efectivamente teria sido.

A situação foi sobremaneira empolada, sobretudo pelas “infelizes” declarações – uma vez mais – de Jorge Jesus, confessando-se “arrasado” com essa falha (e o que ela significa), mas, ao mesmo tempo, destroçando animicamente o seu jogador, assim como, em paralelo, pelo contexto em que ocorreu (um lance no último minuto do período de compensação, que resultaria num triunfo ante o Barcelona, em Camp Nou, e, muito possivelmente, num passo determinante para o apuramento para os 1/8 de final da “Champions League”).

De facto, para além das palavras de circunstância prévias, o Benfica mostrou muito pouca ambição neste jogo, deixando transparecer, desde início, que o objectivo primordial seria o de evitar a derrota – que, a ter sucedido, o afastaria, imediatamente, da fase seguinte da competição.

Face a um Barcelona renovado, sobretudo pelo ânimo insuflado pela chegada de Xavi ao comando técnico, o Benfica passou a primeira hora a “ver jogar”, sem bola, perante o recuperar do famoso “tiki-taka” catalão, com enorme qualidade nas trocas de bola entre jovens talentos, como Nico González, Gavi ou Yusuf Demir.

Só depois desse período a equipa portuguesa conseguiria começar a libertar-se, ganhando dois cantos que levaram algum perigo à baliza contrária; o segundo deles, concluído por Otamendi, com um bom remate, a anichar a bola nas redes, seria invalidado por, alegadamente, na marcação do pontapé de canto, a bola ter desferido um arco, ultrapassando a linha de fundo, o que ninguém conseguirá atestar indubitavelmente – não tendo o VAR tido intervenção –, anotando-se o tempo decorrido entre o instante dessa suposta infracção e o epílogo da jogada.

Do outro lado, Demir rematara à trave, e Vlachodimos vira também já colocados à prova os seus reflexos, enquanto, à sua frente, a comandar todo o sector, o mesmo Otamendi ia fazendo a sua melhor exibição ao serviço do Benfica, limpando toda a zona defensiva, de forma exemplar, sem falhas, numa demonstração de personalidade, própria de quem tem já uma grande “rodagem” a este nível, de altíssima intensidade competitiva em termos internacionais, ao alcance de poucos.

Na segunda metade o Benfica começou por conseguir, de alguma forma, refrear o adversário, repartindo mais o jogo – viria inclusivamente a beneficiar de excelente oportunidade, com um forte remate de cabeça, mas que sairia enquadrado, “à figura”, de um atento Ter Stegen.

Até à entrada de Dembélé, que veio agitar as “águas”, colocando em apuros a asa esquerda da defesa benfiquista, à medida que, em simultâneo, o desgaste se começava a fazer sentir. As saídas de João Mário e, pouco depois de Rafa (mesmo que este tenha estado bastante aquém do que se poderia esperar, mais preocupado em defender do que nas suas habituais explosões em velocidade) vieram agravar ainda mais as dificuldades de contenção das investidas catalãs.

A par da soberba exibição do argentino, também o grego-alemão seria crucial para manter a baliza portuguesa em branco, com defesas à “queima-roupa” – tendo o Barcelona visto também um lance de golo não validado pelo árbitro, por fora de jogo.

Jorge Jesus saiu a chorar a vitória perdida… mas o Barcelona – uma equipa “em construção”, que se mostrou ainda algo “verde”, e distante dos níveis de confiança ideais – também se pode lamentar da sua falta de eficácia. Quando, nos minutos finais, arriscou tudo, abriu efectivamente espaços que um endiabrado Darwin podia ter aproveitado melhor (assistiu bem Seferović na tal falha incrível, mas não definiu da melhor forma noutra situação); o jogo acabaria, aliás, com Taarabt a não dar sequência a mais uma rápida transição ofensiva, preferindo congelar a bola.

No cômputo geral, um resultado que se pode considerar de algum modo ajustado face às efectivas oportunidades de que cada uma das equipas dispôs (ambas registaram três remates à baliza) e que – embora o Benfica fique dependente de terceiros (o Bayern “não pode” perder, em Munique, com o Barcelona) – poderá ter deixado, por paradoxal que pareça, mais perto do apuramento os portugueses (que, em paralelo, e desde já, mesmo no cenário menos favorável, garantiram a continuidade nas competições europeias), no pressuposto de que venham a vencer no último desafio, frente ao D. Kiev.

Entry filed under: Desporto. Tags: , , , .

O Pulsar do Campeonato – 9ª Jornada Liga dos Campeões – 5ª Jornada – Resultados e Classificações

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Novembro 2021
S T Q Q S S D
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.


%d bloggers like this: