Archive for 24 Julho, 2007

MPB.pt (III) – CHICO BUARQUE (2 de Junho de 2006)

“Não sou uma unanimidade. Eu sou apreciado por muitos brasileiros e detestado por outros. Devo dar constantemente motivos para isso. De cada vez que eu estou a trabalhar, a lançar um disco, a lançar um livro, ganho simpatias e antipatias: amizades desconhecidas, para mim, e inimizades que não sei muito bem de onde vêm. Isso é natural. Um artista não pode pensar em agradar a todos. Principalmente estando em actividade, estando vivo. Depois que morre fica um pouco mais próximo disse que se chamou de unanimidade, que é o cemitério… A unanimidade é o cemitério dos artistas. Essa frase, de qualquer forma, não é generosa. Pelo contrário. Se alguém diz: «aquele sujeito é uma unanimidade», é o primeiro passo para alguém levantar a mão e dizer: «é o cacete! Eu acho ele uma porcaria». Enfim, é óbvio que não existe isso, nem poderia existir. […]

Olha, sinceramente, eu não vivo preocupado com isso, com o facto de ser ou não ser famoso. Eu gosto de viver para trabalhar. Trabalho para fazer as coisas que eu necessito fazer, que eu amo fazer: as músicas, canções. Enquanto estou a fazer essas músicas, me sinto vivo e actuante. Depois que elas estão feitas, é claro que você gosta de ser apreciado. Quando lança um disco ou um romance – o que seja – ganha admiradores e detractores. Você gosta que a sua música seja apreciada. Agora, não pode ficar pensando nisso quando cria – pensando a quem é que você vai agradar – nem depois que cria – ficar pensando: a quem é que eu agradei? Isso só serve para inchar a pessoa. Você não cria mais nada, fica satisfeito consigo próprio. Isso é uma bobagem. O artista tem que pensar em criar, sempre. […]

Há, sem dúvida, menos interesse do que havia pela música mesmo, pela cultura. As pessoas se preocupam menos com isso hoje do que há trinta anos atrás. Mas eu também não sou saudosista. Não sou de ficar reclamando disto e daquilo, não. Às vezes, fico lamentando que um garoto de vinte anos tenha hoje menos interesse em ler Dostoievski do que tinha a minha geração. Eu não era um garoto esquisito, um garoto estranho. Eu convivia com as pessoas da minha idade e gostava disto e daquilo. É uma pena que hoje eles não conheçam, porque isso faria bem a eles. […]

Gosto do mundo em que vivo. Eu vivo a dizer: isto aqui está pior e não sei o quê mas eu quero o mundo como ele é. Se eu pudesse alterar, modificar alguma coisa, eu o faria. Não posso. Eu posso dizer: isso está pior do que estava antes e tal, mas eu gosto da vida e quero viver. Cada vez mais. Não sinto que a idade me pese. Não sinto, na verdade, a idade que eu tenho. Aliás, acho uma injustiça ter sessenta e dois anos. Acho isso uma safadeza.”

MPB.pt, Carlos Vaz Marques, Edições Tinta-da-china, Dezembro 2006

24 Julho, 2007 at 8:39 am Deixe um comentário


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Julho 2007
S T Q Q S S D
« Jun   Ago »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.