Archive for 27 Novembro, 2022

O Pulsar do Campeonato – 10ª Jornada

(“O Templário”, 24.11.2022)

Registando segunda goleada sucessiva (um total de nove golos marcados nos dois últimos jogos), e beneficiando da derrota sofrida pelo Fazendense em Amiais de Baixo, o U. Tomar recuperou a posição de liderança, a par do Samora Correia, que, findo o primeiro terço da prova, mantém a invencibilidade. Se os nabantinos se destacam pelo poderio ofensivo (somando 25 tentos em dez partidas), os samorenses têm no seu reduto defensivo o ponto forte (apenas cinco golos sofridos).

Por outro lado, em função dos desfechos da 10.ª ronda, o duo da frente abriu já uma vantagem interessante, de sete pontos, em relação ao 5.º lugar, repartido entre Alcanenense e At. Ouriense. Pese embora subsistam ainda 60 pontos em disputa, novos deslizes de Mação (empate), Ferreira do Zêzere e Abrantes e Benfica (ambos derrotados) colocam-nos já a distância muito dificilmente reversível (11 pontos de atraso para maçaenses e ferreirenses; 14 no caso dos abrantinos).

Destaques – A principal nota de realce do passado fim-de-semana vai para a vitória do Amiense ante o até então líder, Fazendense, por tangencial 1-0, num embate que deu azo a muitas queixas por parte dos visitantes, quer em relação à arbitragem (qualificada de inexperiente), como à atitude dos donos da casa. Os homens dos Amiais chegaram ao golo, que ditaria o desfecho do encontro, aos 35 minutos, preciosa vantagem que tudo fizeram para preservar até final.

As duas equipas estão agora separadas, entre si, por dois pontos, distando, respectivamente, quatro e dois pontos dos guias, completando, portanto, o quarteto de principais candidatos ao título.

Como referido, o U. Tomar voltou a golear; depois do 4-0 ao Amiense, foi ganhar ao Entroncamento, face ao “lanterna vermelha”, por categórica marca de 5-1. Num confronto desnivelado, com entrada avassaladora, os unionistas rapidamente decidiram a contenda, com três tentos em pouco mais de vinte minutos (após abrirem o marcador ainda antes do quarto de hora).

Na segunda metade, a turma da cidade ferroviária, procurando dar réplica animosa, ainda reduziu para 1-3, mas os tomarenses mantiveram-se imperturbáveis, com a contagem a subir, com naturalidade, até ao 5-1 final.

Em destaque esteve também o At. Ouriense, que, pese embora alguma irregularidade, continua a somar pontos, tendo ido ganhar a Fátima, num “derby” distrital, por 3-1, contribuindo para agudizar ainda mais a periclitante posição dos fatimenses, que continuam no penúltimo lugar.

Surpresas – Atendendo ao que poderia projectar-se, em função do potencial das forças em presença, por um lado, e do respectivo desempenho recente, por outro, assinalam-se duas “meias-surpresas”, com o Cartaxo e o Águias de Alpiarça a fazer valer o factor casa, para se imporem, respectivamente, face a Ferreira do Zêzere e Abrantes e Benfica.

O Cartaxo, ganhando por 3-1, subsiste invicto em casa (registando três vitórias e dois empates), condição apenas acompanhada pelo duo da liderança. Tratou-se, no caso dos ferreirenses, do quarto desaire nos cinco últimos encontros, voltando a registar balanço negativo entre vitórias e derrotas (4-5), assim como a nível do “score” global (11-15), posicionando-se a meio da tabela.

O Águias de Alpiarça conseguiu enfim colocar termo a uma sucessão de cinco derrotas, batendo o Abrantes e Benfica por renhido 3-2, com o tento decisivo a chegar mesmo em cima do minuto 90, depois de os locais terem operado reviravolta (após terem começado por inaugurar o marcador logo aos cinco minutos de jogo). Esta foi a quarta jornada seguida sem vitória dos abrantinos, após uma série de três empates, sendo que não conseguiram ainda ganhar fora.

Confirmações – Nos restantes três desafios os resultados podem considerar-se dentro da lógica. Começando pelo inequívoco triunfo (3-0) do Samora Correia, na recepção ao Torres Novas, com a particularidade de, apenas pela segunda vez, os torrejanos terem ficado em branco (tal como sucedera nas Fazendas de Almeirim); por seu lado, os samorenses averbaram a quarta vitória em casa (apenas o Amiense tendo evitado a derrota em Samora).

Nos outros dois jogos, outros tantos nulos, entre Alcanenense e Mação, e Benavente e Salvaterrense. No primeiro caso, o facto de nenhuma das equipas se ter conseguido superiorizar, neutralizando-se, traduz-se no alargar do fosso pontual em relação aos lugares de topo da pauta classificativa; no segundo, o ponto que ambas somaram poderá vir a ser importante para as contas da manutenção, até – desde logo – em termos anímicos, por terem evitado a derrota.

II Divisão Distrital – Com o Forense de folga, aproveitou o Moçarriense para, ganhando ao Rebocho por 3-0, se isolar no comando da série A. Porventura surpreendente, atendendo à classificação dos dois clubes, terá sido a vitória (3-1) do U. Almeirim no “derby” com o Paço dos Negros; tal como não seria expectável o deslize do Espinheirense ante o Benfica do Ribatejo, não tendo conseguido melhor do que a igualdade a uma bola.

Na série B o Riachense “soma e segue” (conta seis vitórias e um empate), não obstante tenha vencido a U. Atalaiense por magro 2-1. Beneficiou ainda do desaire do Pego, batido por 3-1 pelo Vasco da Gama, para se distanciar na frente, com a turma dos Riachos a dispor de vantagem de cinco pontos sobre os pegachos. O Tramagal, ganhando na Ortiga por 4-1, ascendeu à 3.ª posição.

Campeonato de Portugal – Foi uma jornada a “zeros”, em termos de golos marcados, para os três emblemas do Distrito, a 8.ª desta competição. A derrota 0-1 do Rio Maior no terreno do imprevisto líder, Mortágua, não surpreende – até pelas recentes notícias que nos chegam, dando conta da grave situação que os jogadores do clube vêm atravessando, com vários meses de salários em atraso. Já o 1-0 registado no Loures-Coruchense não deixa de constituir também um mau indício, dado que a equipa dos arredores de Lisboa se posiciona igualmente na cauda da tabela.

O U. Santarém, empatando a zero na Sertã, obteve, ainda assim, um resultado positivo, que lhe confere, por ora, o 8.º lugar (último acima da “linha de água”) em igualdade pontual, precisamente, com o Sertanense (7.º)… mas, também com o União da Serra (9.º).

Bastante pior estão: o grupo do Sorraia (10.º, mas já com cinco pontos de atraso); e, sobretudo, os riomaiorenses, últimos classificados, ainda sem ganhar, e a 11 pontos daquele trio, o que, a não haver uma rápida inversão de rumo, se poderá traduzir numa breve passagem pelos “Nacionais”.

Antevisão – Na 11.ª ronda o foco estará, sobretudo, no grande embate Ferreira do Zêzere-U. Tomar, uma espécie de “tudo ou nada” para os ferreirenses. O Cartaxo-Samora Correia apresenta o aliciante de avaliar até que ponto os samorenses conseguirão preservar a sua campanha invicta.

Na II Divisão, destaca-se o Paço Negros-Espinheirense e, a Norte, o Tramagal-Vasco da Gama.

No Campeonato de Portugal o U. Santarém tem um importante desafio, recebendo o União da Serra; tendo o Coruchense a visita do Alcains, em que somar os três pontos se afigura muito importante; o Rio Maior volta a jogar com o (outro) líder, 1.º de Dezembro, também no seu reduto.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 24 de Novembro de 2022)

27 Novembro, 2022 at 11:00 am Deixe um comentário


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Novembro 2022
S T Q Q S S D
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.