Archive for Abril, 2014

Liga dos Campeões – 1/2 Finais (2ª mão)

                                  2ª mão    1ª mão     Total
Chelsea - At. Madrid                1-3       0-0       1-3
Bayern - Real Madrid                0-4       0-1       0-5

Numa noite de luxo do Real Madrid, exponenciando a força do seu contra-ataque, em flagrante contraste com o tão estranho como total descontrolo do Bayern (e ainda mesmo antes de ter sofrido o segundo golo) – com uma atitude extremamente agressiva da parte dos seus jogadores, num comportamento deplorável do ainda Campeão Europeu em título, parecendo desconhecer por completo o conceito de fair-play, com uma entrada assassina de Dante sobre Cristiano Ronaldo, a justificar vermelho directo (que ficou por mostrar por parte de Pedro Proença) e uma severa sanção disciplinar, assim como a atitude inaceitável de Ribéry (agressão a um adversário), que devia ter sido também expulso – a equipa de Carlo Ancelotti deu uma lição táctica à de Pep Guardiola.

Cristiano Ronaldo, com dois golos (os dois primeiros do jogo tinham sido apontados por Sergio Ramos), culminou, no momento do primeiro tento, o seu 15.º nesta edição da Liga dos Campeões (record absoluto), uma magnífica campanha na prova – traduzida pela imagem de felicidade pura estampada no rosto na sua comemoração -, com o seu segundo golo (quarto do Real), a constituir-se verdadeiramente na “cereja no topo do bolo”, num lance de magnífica execução, a fazer passar a bola por baixo da barreira, com Manuel Neuer pregado ao relvado, sem sequer esboçar reacção.

O árbitro, Pedro Proença, teve muitas dificuldades em lidar com o jogo (a atitude dos jogadores do Bayern, em particular) durante a primeira parte, tendo falhado na cor do cartão exibido a Dante, e na falta de sanção (também expulsão) a Ribéry, e tendo sido excessivamente tolerante – corria o risco de o jogo não ter chegado ao fim, se tivesse mostrasse os cartões amarelos devidos, mas a culpa seria exclusivamente do Bayern, que não dignificou o estatuto que ostenta. O amarelo que retira Xabi Alonso da Final de Lisboa acabou por tornar-se notoriamente desproporcionado em relação à tolerância revelada perante as atitudes dos jogadores da equipa alemã (que pareceu não ser também capaz de colocar à distância regulamentar na formação da barreira, nomeadamente em dois livres perigosos, já no final da partida, o segundo dos quais acabaria por resultar no quarto golo da equipa espanhola). A segunda parte acabaria por ser bem mais tranquila e pacífica, contando com a colaboração dos jogadores, depois de terem serenado, também em função do facto de Pep Guardiola ter assumido, ao intervalo, que o jogo (e a eliminatória) tinham sido já perdidos na meia-hora inicial…

***

Depois de na, primeira mão, em Madrid, ter conseguido manietar as jogadas ofensivas do At. Madrid e de ter inclusivamente inaugurado o marcador na partida disputada em Londres, o Chelsea acabaria por ser incapaz de travar a sensacional reacção dos colchoneros, que, a partir do momento em que alcançaram o golo do empate, adquiriram níveis de confiança que os tornaram insuperáveis, sem que a formação inglesa tivesse, a partir daí, a capacidade de voltar a assumir o domínio do jogo.

Teremos assim, no próximo dia 24 de Maio, no Estádio da Luz, uma fantástica Final da Liga dos Campeões Europeus, com uma invasão espanhola, para o derby de Madrid, entre Real e Atlético, com os primeiros em busca da 10.ª Taça dos Campeões, e os segundos, no regresso a uma Final, 40 anos depois, à procura do primeiro título máximo a nível europeu. Uma Final, em Lisboa, com a presença de quatro portugueses: de um lado, Cristiano Ronaldo, Pepe e Fábio Coentrão; do outro, Tiago, com os dois últimos a “regressar a casa”.

30 Abril, 2014 at 9:35 pm Deixe um comentário

Lançamento do livro “União de Tomar – 100 Anos de História [1914-2014]“

Roll-up
3 de Maio de 2014, pelas 16h30, no Café Paraíso, em Tomar

30 Abril, 2014 at 3:15 pm Deixe um comentário

Exposição do Centenário e Apresentação do livro – Convite

Convite Exposição e Livro União Tomar

29 Abril, 2014 at 3:15 pm Deixe um comentário

Vasco Graça Moura (1942-2014)

vgm-0360

Partiu hoje o poeta, o tradutor, o ensaísta, o cronista, um dos idealizadores (com Mega Ferreira) da “EXPO 98”, o político – que, há cinco anos, tive oportunidade de conhecer pessoalmente -, o intelectual que, lutando pelas suas convicções, defendeu, até ao fim, a língua portuguesa. A minha admiração por isso.

27 Abril, 2014 at 8:40 pm Deixe um comentário

U. Tomar – Centenário (XXX)

Centenario - 30

(“O Templário”, 24.04.2014)

Prosseguimos hoje com a recuperação de mais algumas memórias da brilhante conquista do título de Campeão Nacional da II Divisão, da época de 1973-74, na empolgante Final disputada em Coimbra, a 23 de Junho, com o triunfo do União de Tomar sobre o Sporting de Espinho, por 4-3.

«Com grande entusiasmo e da melhor maneira para os tomarenses, principiou esta final, pois na jogada inaugural, conseguiram adiantar-se no marcador, por intermédio de Bolota, depois dum centro primoroso de Pavão. Os espinhenses sem acusarem o infortúnio, organizaram o seu jogo e volvidos apenas 7 minutos, conseguiram igualar a partida, dando-se assim novamente, com as equipas à procura do vencedor desta final.

Adoptaram as duas turmas sistemas diferentes: o Sporting de Espinho tentando, com passes curtos e envolventes, enlear a defesa tomarense, o União de Tomar, com passes longos para os extremos a aproveitar a velocidade destes, preferindo o contra ataque rápido. Deu mais resultado o sistema adoptado pelos tomarenses, pois conseguiram ainda durante os primeiros 45 minutos, a obtenção de mais dois golos. O segundo, na transformação de uma grande penalidade, por João Carlos e o terceiro novamente por Bolota.

Com o resultado em 3-1, favorável aos tomarenses, estes abrandaram o andamento, aproveitaram os espinhenses, ao ponto de, por duas vezes, estarem à beira de marcar. […]

Os espinhenses lançaram-se ao ataque na ânsia de reduzirem a diferença e, deste momento de inspiração espinhense beneficiou a turma tomarense, pois apenas com três minutos decorridos, aumentou a sua vantagem para 4-1. Mais um golo da autoria de Bolota, em tarde bastante inspirada. Com uma diferença de três golos a seu favor, os tomarenses procuraram então a retenção de bola tentando não se deixar surpreender pela organização espinhense. Telé, aos 83 minutos, reduz a diferença, conseguindo ainda este jogador, aos 86 minutos, marcar mais um golo, dando assim, à partida, até final, um verdadeiro clima de emoção e de grande expectativa.

Findo o encontro, foram os vencedores vibrantemente aclamados pela sua falange de apoio que durante o encontro não deixou de os incitar a aplaudir.»(1)

«Com razoável assistência, em que dominava o entusiasmo das falanges de apoio, defrontaram-se duas turmas com futebol de diferente concepção. O União de Tomar, mais maduro, apoiado e objectivo; o Espinho, mais rápido e com base no valor individual das suas unidades, menos prático, por isso, a exigir uma capacidade física que não é possível encontrar ao cabo de tão longo campeonato. […]

A velocidade dos primeiros 45 minutos havia-se perdido, entretanto. Tomar, descansado com a vantagem obtida, limitou-se a segurar as surtidas do adversário, congelando o esférico. […]

Apesar de uma ou duas incursões à área nabantina, não se alterou, porém, o resultado. O União de Tomar acabou por se sagrar campeão. Nele se distinguiram João Carlos, Pavão, Raul Águas, Bolota e Camolas e, no Espinho, Simplício, Meireles, Ferreira da Costa, Augusto, Telé e Malagueta.»(2)

____________

(1) Cf. “Cidade de Tomar”, 29 de Junho de 1974 – Crónica de F. N. (Fonseca Nogueira)
(2) Cf. “A Bola”, 24 de Junho de 1974 – Crónica de Álvaro Perdigão

27 Abril, 2014 at 12:00 pm Deixe um comentário

O pulsar do campeonato – 23ª jornada

Pulsar - 23

(“O Templário”, 24.04.2014)

O principal destaque da 23.ª jornada do Campeonato Distrital da I Divisão, disputada na passada Sexta-feira Santa, vai para o claro triunfo do União de Tomar sobre o U. Chamusca, por 3-0, que lhe possibilitou garantir matematicamente, desde já – e ainda com três rondas por disputar –, o objectivo crucial para a época, o da manutenção no principal escalão, culminando uma temporada absolutamente tranquila, sem as aflições e o sofrimento dos dois anos anteriores.

De facto, desde a jornada do fim-de-semana anterior do Campeonato Nacional de Seniores, ficou também matematicamente garantido que – e isto no pior dos cenários –, poderão ser despromovidas ao Distrital de Santarém, no máximo, apenas duas equipas do Distrito (dado que Alcanenense e Fátima não poderão ser já alcançados pelo “lanterna vermelha” da respectiva série dessa competição, o Portomosense). O que, consequentemente, significa que, no limite, poderiam ter de vir a ser despromovidos quatro clubes da I à II Divisão Distrital (isto apenas no tal pior cenário, altamente improvável, de descerem do Nacional duas equipas do Distrito – nesta altura Alcanenense e Fátima têm a manutenção praticamente garantida, necessitando de somar apenas dois pontos, quando faltam disputar ainda quatro jornadas; e até o próprio Riachense, com uma sensacional recuperação, tem ainda em aberto todas as possibilidades de poder evitar tal descida, caso em que seriam apenas duas as equipas a despromover no Distrital).

Resumindo, e voltando ao início, o União de Tomar, somando 34 pontos em 23 jornadas, dispõe agora de uma vantagem de 11 pontos sobre o 11.º classificado (precisamente o seu adversário nesta jornada, U. Chamusca), pelo que não poderá já baixar do 10.º posto na classificação final (poderá aliás, no pior dos casos, vir a necessitar de um único ponto para garantir uma posição nos nove primeiros).

Por outro lado – colocada que foi de parte a possibilidade de poder vir a chegar ainda à 5.ª posição –, esta ronda foi bastante positiva para os unionistas, também pela conjugação de resultados de outras partidas, com os desaires caseiros de Pontével (0-1, perante o líder, At. Ouriense, que somou a 10.ª vitória consecutiva!) e Mação (0-2, ante o Amiense), que lhe possibilitam maior margem de segurança em ordem à preservação do 6.º lugar, dado que dispõem agora de uma vantagem de seis pontos face a estes dois concorrentes, com os Empregados do Comércio a sete pontos.

Na frente da tabela, para além do triunfo do At. Ouriense, realce para a vitória do Coruchense em Torres Novas (2-1), que permite à turma do Sorraia manter a distância de quatro pontos, subsistindo assim ainda alguma esperança em eventuais deslizes do guia (com a já referida difícil saída até Amiais de Baixo, e a recepção, na derradeira ronda, ao Fazendense).

A formação de Fazendas de Almeirim aproveitou aliás o desaire dos torrejanos para, vencendo em Benavente (3-2), trocar de posição, ascendendo ao 3.º lugar, embora sem poder acalentar maiores aspirações, focando provavelmente as suas atenções na Final da Taça do Ribatejo, a disputar no próximo dia 1 de Maio, no Entroncamento, curiosamente, contra o… At. Ouriense.

Um resultado que deixa a turma de Benavente em situação ainda mais delicada na pauta classificativa, no antepenúltimo lugar (não obstante a apenas um ponto do U. Chamusca, e a três do Cartaxo), uma posição indesejável, que – de forma análoga ao que sucedeu com o União de Tomar na época passada – poderá significar ter de ficar dependente da manutenção das três equipas do Distrito no Campeonato Nacional de Seniores para alcançar a permanência na I Divisão Distrital.

Por seu lado, Assentis e U. Abrantina – ambos goleados em casa, respectivamente por 0-3 ante o Cartaxo, e 1-5 frente aos Empregados do Comércio, em partida que tinha sido antecipada – afundam-se cada vez mais na cauda da classificação, começando a desenhar-se como cenário de mais forte probabilidade o de o grupo de Assentiz (com um atraso já de cinco pontos em relação ao Benavente) acompanhar o da U. Abrantina na descida à II Divisão Distrital.

Nesse escalão, com os empates entre Rio Maior e U. Santarém (2-2) e Atalaiense e Ferreira do Zêzere (1-1) e o triunfo do Pego ante o Barrosense (3-0), tudo ficou – concluída que está a primeira volta (cinco jornadas) desta fase de apuramento de Campeão –, mais “embrulhado”, sem prejuízo de o Rio Maior se ter isolado na liderança, mas com um único ponto de vantagem sobre o Barrosense, dois em relação ao U. Santarém, quatro sobre o Pego, cinco face ao Atalaiense, com o Ferreira do Zêzere, na última posição, com um atraso de seis pontos.

Voltando ao Campeonato Nacional de Seniores, depois de três rondas em que as equipas do Distrito tinham registado empates em todos os jogos disputados, conseguiram desta feita a proeza de saírem as três vitoriosas, com destaque para o sensacional triunfo do Riachense nas Caldas (anterior líder), por 1-0, tendo o Alcanenense (vencendo o Carregado por 2-1) e o Fátima (ganhando ao Portomosense por 2-0) dado também uma ajuda à turma de Riachos, que, pela primeira vez, sobe acima dos lugares de despromoção automática, ascendendo ao antepenúltimo lugar, posição que, a manter-se, se traduzirá na disputa de um “play-off” de manutenção.

Na próxima jornada do Distrital, antepenúltima do calendário da prova, os dois primeiros parecem ter compromissos “acessíveis”, recebendo, respectivamente, o Benavente (At. Ouriense) e o Pontével (Coruchense); mas haverá outros embates de interesse, como o Fazendense-Amiense, União de Tomar-Mação (no qual estará em disputa directa o 6.º lugar), e o U. Chamusca-Assentis, que poderá vir a ser determinante na definição do destino de ambos.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 24 de Abril de 2014)

27 Abril, 2014 at 10:00 am Deixe um comentário

40 anos

Sophia-25-4
(Sophia de Mello Breyner Andresen – 27.04.1974 – via)

25 Abril, 2014 at 4:40 pm Deixe um comentário

«União de Tomar, 100 anos de história» – Entrevista à Rádio Hertz

(via Rádio Hertz)

24 Abril, 2014 at 9:18 pm Deixe um comentário

Liga Europa – 1/2 Finais (1ª mão) – Benfica – Juventus

BenficaBenfica – Artur, Maxi Pereira, Luisão, Ezequiel Garay, Siqueira, André Gomes (82m – Ivan Cavaleiro), Lazar Marković, Enzo Pérez, Miralem Sulejmani (60m – André Almeida), Rodrigo e Óscar Cardozo (62m – Lima)

JuventusJuventus – Gianluigi Buffon, Martín Cáceres, Leonardo Bonucci, Giorgio Chiellini, Andrea Pirlo, Stephan Lichsteiner, Paul Pogba, Claudio Marchisio, Kwadwo Asamoah, Carlos Tévez (82m – Pablo Osvaldo) e Mirko Vučinić (65m – Sebastian Giovinco)

1-0 – Ezequiel Garay – 3m
1-1 – Carlos Tévez – 73m
2-1 – Lima – 84m

Cartões amarelos – André Gomes (34m), Artur (71m) e André Almeida (88m); Pogba (45m)

Árbitro – Cüneyt Çakır (Turquia)

Enfrentando um adversário poderosíssimo, a fazer um campeonato verdadeiramente “à parte” em Itália (8 pontos de vantagem sobre a Roma, 22 em relação ao 3.º classificado, Napoli, com as equipas de Milão, Inter e AC Milan, respectivamente a 34 e a 39 pontos!), o Benfica – agora finalmente aureolado com o título de Campeão Nacional, já virtualmente garantido – teve uma entrada em jogo de sonho, quando, apenas com dois minutos decorridos, na sequência de um pontapé de canto, Garay, de cabeça, deu a melhor sequência, desviando a bola do alcance do guardião italiano, Buffon, inaugurando o marcador.

Sem poder contar com os lesionados Gaitán, Fejsa e Salvio, três elementos fulcrais na manobra da equipa, o golo logo a abrir constituiria decisivo tónico para uma excelente exibição do colectivo benfiquista durante o primeiro tempo, não dando grandes oportunidades ao adversário de criar perigo.

Contudo, na etapa complementar do desafio, começando a indiciar alguns sinais de desgaste, o Benfica foi perdendo o controlo do jogo, começando a ser ameaçado por sucessivas investidas da Juventus. A equipa portuguesa ia procurando resistir, mas começara já a adivinhar-se o golo… que acabaria por surgir já próximo da meia hora.

Entretanto já o Benfica tivera razões de queixa da arbitragem, ao não assinalar uma notória grande penalidade, com o árbitro a pecar também no critério disciplinar, bastante largo para os jogadores da equipa italiana.

Desta forma, acabaria por ser com alguma felicidade que o Benfica chegaria, a cerca de cinco minutos do termo da partida, ao segundo golo, numa magnífica execução do Lima, proporcionando à turma portuguesa um excelente triunfo, com a formação italiana a sofrer o primeiro desaire na presente edição da prova (nas eliminatórias anteriores, ante Trabzonspor, Fiorentina e Lyon,  nos seis encontros disputados, apenas cedera um único empate).

Uma vitória que poderá significar o abrir do caminho para a 10.ª final europeia do historial do Benfica, a qual seria disputada… em Turim. Antes disso, a formação portuguesa terá de deslocar-se a Turim, sabendo que terá de registar concentração máxima e, se possível, marcar, para alcançar tal objectivo, no que seria um fantástico reeditar da campanha do ano passado, em que atingiu também a Final.

24 Abril, 2014 at 8:56 pm Deixe um comentário

Liga Europa – 1/2 Finais (1ª mão)

Benfica – Juventus – 2-1
Sevilla – Valencia – 2-0

Também nas 1/2 Finais da Liga Europa o equilíbrio promete ser a nota dominante, pese embora a posição vantajosa adquirida pelo Sevilla, sendo que o Benfica, com uma vitória feliz, mas com o handicap de ter consentido um golo em casa, terá de aplicar-se a fundo em Turim, para poder alcançar a sua 10.ª final europeia.

24 Abril, 2014 at 8:55 pm Deixe um comentário

Artigos Mais Antigos


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Abril 2014
S T Q Q S S D
« Mar   Maio »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.