Archive for Outubro, 2013

U. Tomar – Centenário (V)

UT-Centenario-05

(“O Templário”, 24.10.2013)

Depois da extraordinária recuperação protagonizada na partida de estreia em provas oficiais da A. F. Santarém, em encontro disputado no Tramagal, com o desfecho final a saldar-se por um empate a quatro golos, o União de Tomar teria ainda de esperar mais de um ano até, por fim – a 7 de Novembro de 1937 –, obter a sua primeira vitória em jogos oficiais, desde a retoma da competição na temporada anterior, batendo o novel Grupo Desportivo de Matrena por 2-1.

«Os números estão longe de traduzir a marcha do jogo, porque, se todas as oportunidades de “goal” feito fossem transformadas, o resultado seria outro muito maior e sempre a favor do União. […]

O União de Tomar aguentou-se bem, ganhando merecidamente um jogo em que, durante quási todo o tempo comandou e foi superior ao adversário. […]

Os «teams» alinharam:

União: Crisógono, Raúl e Coelho; Adriano, Torrão e Nunes; Alves, Isidro, Jaime, Padeiro e Eurico.

Matrena – Lopes, Guilherme e Tomaz; José Carlos, Silva e Ferreira; Zeferino, Patrocínio, Reis, Pedrosa e Lacueva.»(1)

Premiando a boa carreira unionista na Zona Norte do Campeonato Distrital da temporada de 1940-41, em que concluíra a prova no 2.º posto, apenas atrás do G. D. Matrena, o União de Tomar apurava-se, pela primeira vez no seu historial, para o Campeonato Nacional da II Divisão (série “Província do Ribatejo”) – competição instituída em 1938-39 (depois de quatro edições “experimentais” da II Liga), portanto apenas na sua 3.ª edição.

Na sua estreia em competições de âmbito nacional, a 19 de Janeiro de 1941, o União recebia em Tomar a equipa do Águia Vilafranquense, e – não obstante a inexperiência em provas a este nível – obteria uma sensacional vitória por 5-3:

«O União de Tomar teve um baptismo auspicioso no Campeonato Nacional de Futebol (II Divisão) vencendo, merecidamente, embora vitória inesperada, o Águia de Vila Franca de Xira por 5-3.

Sob a direcção do sr. António da Silva Pereira, de Lisboa, que fazia também o seu baptismo em campeonatos desta natureza, os grupos alinharam da seguinte forma:

União de Tomar – Narciso; Santos (depois Marques) e Carmo; Gonçalves (depois Santos), Marques (depois Gonçalves) e Torrão; Inácio, Boniné, Malaquias, Barata e Firmo.

Águias de Vila Franca – Délio; António da Silva e Florentino; Vieira, Augusto Santos e Inácio Silva; Lúcio, Manuel João, Conceição, Barquinha e Pereira.»(2)

____________

(1) Cf. “Cidade de Tomar”, 14 de Novembro de 1937 – Crónica de Tónio
(2) Cf. “Cidade de Tomar”, 26 de Janeiro de 1941

27 Outubro, 2013 at 12:00 pm Deixe um comentário

O pulsar do campeonato – Taça do Ribatejo

Templario-24-10

(“O Templário”, 24.10.2013)

Em fim-de-semana de pausa nos campeonatos, para entrada em cena da(s) Taça(s) – do Ribatejo e de Portugal –, teve lugar apenas o acerto de calendário, com a realização do jogo em atraso da 1.ª jornada do Campeonato Distrital da I Divisão, que opunha U. Tomar e Torres Novas.

Confirmando-se o favoritismo da equipa torrejana – que conta por vitórias os (quatro) encontros disputados na competição –, o desfecho seria desfavorável aos unionistas, perdendo por 1-3. Uma vez mais, a formação tomarense foi penalizada por falhas de concentração, sofrendo os três golos na sequência de lances de bola parada (cantos e livres).

Já em desvantagem de dois golos ao intervalo, o União teria, no segundo tempo, algumas ocasiões de perigo junto da baliza do Torres Novas, mas continua a revelar alguma falta de tranquilidade para concretizar tais oportunidades. Como recorrentemente sucede, seria em “contra-golpe” que os visitantes marcariam o seu terceiro golo. Depois de tanto porfiar, a turma nabantina conseguiria enfim o seu “ponto de honra” já na fase final dos cinco minutos de tempo de compensação concedidos pelo árbitro.

Agora com as “contas em dia”, completa que está a quarta jornada do campeonato, o Torres Novas assumiu a liderança isolada, com 12 pontos, mais dois que o Fazendense, com o Pontével a três pontos, Amiense a quatro, e o Mação a registar já um atraso de cinco pontos. Nos lugares da parte baixa da tabela, o U. Tomar mantém o 11.º posto, com três pontos, um a mais que o Cartaxo, enquanto o duo que partilha a “lanterna vermelha”, formado por Empregados do Comércio e U. Abrantina apenas obteve um ponto.

Passando então à(s) Taça(s), começando pela Taça de Portugal, as equipas representantes do Distrito despediram-se da prova na sua 3.ª eliminatória (1/32 Final), sendo eliminadas por duas equipas da I Liga, curiosamente os dois Vitórias: o Fátima foi batido em casa, pelo Guimarães, por 0-3, tendo o Alcanenense perdido em Setúbal, por 1-3.

Na Taça do Ribatejo – disputada nesta fase inicial, em dez séries (quatro de quatro clubes cada, e seis com três concorrentes) –, que teve a ronda inaugural da sua fase de grupos, o destaque vai os desafios entre equipas do principal escalão do futebol distrital, com o Cartaxo – que tão má conta de si tem dado até agora no campeonato – a golear o U. Chamusca por 5-0, não tendo, na outra partida, Coruchense e Fazendense desfeito o nulo inicial.

De resto, cumpriu-se a lógica, com os grupos teoricamente mais cotados a fazerem valer a sua superioridade, com os primodivisionários a imporem-se, nos seguintes encontros: Benavente – Muge (5-1); At. Ouriense – Ferreira do Zêzere (4-0); Goleganense – Mação (0-4); Tramagal – Amiense (0-3); Glória do Ribatejo – Empregados do Comércio (1-3); Pontével – Samora Correia (2-1); e Mindense – Assentiz (0-1). As equipas do U. Tomar, Torres Novas e U. Abrantina folgaram nesta primeira jornada.

Nas restantes cinco partidas, entre formações da II Divisão Distrital, o U. Almeirim (guia da Zona Sul do seu campeonato, que somou o quarto triunfo em outros tantos jogos disputados nesta temporada) foi a Rio Maior golear por 5-1; o Moçarriense bateu o Porto Alto (que partilha também o comando da Zona Sul) por 4-1; o Pego ganhou 2-0 ao Atalaiense (um dos líderes da Zona Norte); o Caxarias venceu a Sabacheira (2-1); por fim, Alferrarede e Pernes (o outro guia da Zona Norte) ambos integrando a série de que faz também parte o U. Tomar) empataram a zero.

Serão apurados para os 1/8 Final da prova – no final das três jornadas desta fase –, os 10 vencedores de série, e os 6 melhores 2.º classificados, com base na aplicação de média ponderada dos pontos obtidos.

Na próxima semana está de regresso o campeonato. Na I Divisão Distrital, com a realização da quinta jornada da prova, realce para alguns prélios a suscitar particular interesse: desde logo, para os tomarenses, o União de Tomar, jogando novamente em casa, prossegue na sua série de jogos de elevado grau de dificuldade, recebendo a visita do Fazendense, agora 2.º classificado.

Por seu lado, o líder Torres Novas defronta, no seu terreno, o Pontével, ocupando um surpreendente 3.º lugar na pauta classificativa, não obstante os torrejanos sejam, de novo, favoritos.

O aparentemente “revigorado” Cartaxo é anfitrião do Coruchense; em jogos de “tripla”, o Amiense desloca-se a Assentiz, enquanto o U. Chamusca é visitado pelo At. Ouriense; e a U. Abrantina recebe o Benavente. Por fim, salvo grande surpresa, o Mação reúne amplo favoritismo na recepção aos Empregados do Comércio.

No Campeonato Nacional de Seniores, já na sua 7.ª ronda (de um total de 18 jornadas), o Fátima (3.º) joga em casa com o Caldas (6.º), enquanto o Alcanenense (5.º) recebe uma das equipas que reparte a posição de “lanterna vermelha”, Portomosense, pelo que estes dois conjuntos do Distrito poderão somar os três pontos. Mais difícil deverá ser a tarefa do Riachense (a outra formação que se posiciona no fundo da classificação), em deslocação à Lourinhã, para defrontar o Lourinhanense, actual 7.º classificado.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 24 de Outubro de 2013)

27 Outubro, 2013 at 10:00 am Deixe um comentário

The FA – 150 – Timeline

fa-150

26 Outubro, 2013 at 10:43 am Deixe um comentário

150 anos da FA (“Football Association”)

Comemoram-se hoje os 150 anos da instituição da FA (“Football Association”) em Inglaterra, a mais antiga associação de futebol do Mundo, constituída numa histórica reunião, realizada em Londres, na “Freemasons’ Tavern”, na Great Queen Street, entre os representantes de 12 clubes (11 dos quais viriam a ser os fundadores), da cidade de Londres e arredores, tendo por objectivo o estabelecimento de um código de regras para a regulação do futebol (até então praticado sob diferentes versões, de clube para clube):

  • Barnes FC
  • War Office (actual Civil Service FC, o único clube sobrevivente dos 11 fundadores que participaram na reunião inaugural de 1863, tendo celebrado também o seu 150.º aniversário em 2013)
  • Crusaders
  • Forest (de Leytonstone – posteriormente denominado Wanderers)
  • No Names (de Kilburn)
  • Crystal Palace (clube distinto do actualmente existente com a mesma denominação, que disputa esta época a “Premier League” inglesa)
  • Blackheath
  • Kensington School
  • Perceval House (de Blackheath)
  • Surbiton
  • Blackheath Proprietory School
  • Charterhouse (clube que, tendo sido representado na reunião, pelo seu capitão, declinaria a adesão à FA).

A FA instituiria, a “FA Cup” (comummente conhecida como Taça de Inglaterra – mais antiga competição de futebol do mundo) oito anos depois, a 20 de Julho de 1871, com a primeira final da competição a ser disputada a 16 de Março de 1872, com vitória dos Wanderers sobre os Royal Engineers por 1-0. Seria necessário esperar ainda mais 16 anos, para, em 1888, ter início a edição inaugural da Liga inglesa de futebol.

A propósito, celebraram-se também, precisamente anteontem, os 156 anos da fundação do mais antigo clube de futebol do Mundo, o Sheffield Foot-Ball Club.

26 Outubro, 2013 at 10:00 am Deixe um comentário

Liga Europa – 3ª Jornada – Resultados e Classificações

Grupo E
Paços Ferreira – Dnipro – 0-2
Fiorentina – Pandurii – 3-0

1º Fiorentina, 9; 2º Dnipro, 6; 3º Pandurii e Paços Ferreira, 1

Grupo H
Slovan Liberec – Sevilla – 1-1
Freiburg – Estoril – 1-1

1º  Sevilla, 7; 2º Slovan Liberec, 5; 3º Freiburg, 2; 4º Estoril, 1

Grupo I
Lyon – Rijeka – 1-0
Betis – Guimarães – 1-0

1º Betis e Lyon, 5; 3º Guimarães, 4; 4º Rijeka, 1

(mais…)

24 Outubro, 2013 at 7:25 pm Deixe um comentário

Liga dos Campeões – 3ª Jornada (Benfica – Olympiakos)

BenficaBenfica – Artur Moraes, André Almeida, Luisão, Ezequiel Garay, Siqueira, Nemanja Matić, Enzo Pérez (82m – Ruben Amorim), Nico Gaitán (82m – Rodrigo), Ola John (45m – Ivan Cavaleiro), Lima e Óscar Cardozo

OlympiakosOlympiakos – Roberto Jiménez; Leandro Salino, Kostas Manolas, Dimitris Siovas, José Holebas, David Fuster (69m – Sambou Yatabaré), Giannis Maniatis, Alejandro Domínguez (88m – Carl Medjani), Andreas Samaris, Vladimir Weiss (56m – Delvin N’Dinga) e Kostas Mitroglou

0-1 – Alejandro Domínguez – 29m
1-1 – Óscar Cardozo – 83m

Cartões amarelos – Enzo Pérez (55m) e Nico Gaitán (62m); David Fuster (36m), Vladimir Weiss (42m) e Kostas Mitroglou (59m)

Árbitro – Alberto Undiano Mallenco (Espanha)

No primeiro de dois duelos luso-helénicos que se antecipa possam vir a ser determinantes para a definição do segundo clube qualificado neste grupo, a equipa do Benfica entrou em campo “a todo o gás”: aos quatro minutos já registava três cantos a seu favor, Cardozo, na conversão de um livre, com um potente remate, obrigara Roberto, o bem conhecido guarda-redes espanhol, agora ao serviço do Olympiakos, a uma excelente defesa, a revelar grande concentração, e Luisão desperdiçara uma outra flagrante oportunidade de marcar.

Porém, o “gás” rapidamente se evaporaria, com a formação benfiquista, gradualmente, a perder ritmo de jogo, e, pior, a perder também o controlo de jogo a meio-campo, perante um opositor que, durante a primeira parte, seria sempre mais rápido, criando algumas situações de apuro – tinha tido também o golo iminente, a seu favor, logo aos cinco minutos -, até acabar mesmo por chegar ao golo.

Para o segundo tempo, com o Benfica em desvantagem no marcador, o treinador Jorge Jesus optaria por trocar Ola John por Ivan Cavaleiro, que fazia a sua estreia em jogos das competições europeias (depois de se ter estreado na equipa principal no sábado, em partida da Taça de Portugal), um jogador de características mais “explosivas”.

Mas Jesus não deve ter consultado o boletim meteorológico… a chuva que caía sobre o Estádio da Luz transformar-se-ia em dilúvio, inundando o relvado, que, até cerca de um quarto de hora do fim do encontro, esteve verdadeiramente impraticável, com a bola a parar, sistematicamente retida a cada poça de água. Durante cerca de meia hora foi impossível jogar futebol, com o jogo a transformar-se em autêntica “lotaria”, com uma imprevisibilidade constante sobre qual seria a trajectória da bola a cada chuto, e onde (ou se) se deteria na água.

O que, naturalmente, facilitava a tarefa de quem defendia, com os jogadores do Benfica, a necessitarem de construir jogadas ofensivas, numa tenaz mas inglória luta contra… a água.

Quando, enfim, nos últimos dez minutos, com a chuva, já não tão inclemente, enfim a dar alguma trégua, o relvado conseguira assegurar uma drenagem mínima para que a bola voltasse a rolar e se pudesse voltar a jogar futebol, o Benfica acabaria por ser feliz: Jesus mal tinha acabado de fazer uma dupla substituição, fazendo entrar Ruben Amorim e Rodrigo para os lugares dos dois jogadores “amarelados”, quando, na sequência de um canto (mal assinalado pelo árbitro, que, aliás teve uma arbitragem bastante contestada, com pelo menos uma grande penalidade por assinalar a favor do Benfica), o guardião Roberto teve uma das suas recorrentes saídas em falso, deixando espaço à entrada de Óscar Cardozo, que não desperdiçaria o ensejo de empatar.

Jogar-se-iam ainda mais cerca de dez minutos (incluindo o tempo de compensação), mas, com o Olympiakos então apostado em manter, no mínimo, a igualdade, a turma benfiquista já não teria engenho e arte para completar a reviravolta no marcador, deixando tudo em aberto para daqui a quinze dias, em Atenas, onde as equipas se voltarão a encontrar. E onde o Benfica terá de jogar bem mais ( e melhor) do que fez hoje, em particular no primeiro tempo.

Com o empate final – que acabou por ser porventura o mais ajustado ao que as duas equipas exibiram, no conjunto dos 90 minutos – quebraram-se duas séries: o Benfica registava sete vitórias sucessivas no Estádio da Luz em jogos nas provas europeias; por seu lado, o Olympiakos somava já 27 desafios consecutivos em competições europeias sem empate!

23 Outubro, 2013 at 8:38 pm Deixe um comentário

Liga dos Campeões – 3ª Jornada – Resultados e Classificações

Grupo A
Manchester United – Real Sociedad – 1-0
Bayer Leverkusen – Shakthar Donetsk – 4-0

1º Manchester United, 7; 2º Bayer Leverkusen, 6; 3º Shakthar Donetsk, 4; 4º Real Sociedad, 0

Grupo B
Galatasaray – København – 3-1
Real Madrid – Juventus – 2-1

1º Real Madrid, 9; 2º Galatasaray, 4; 3º Juventus, 2; 4º København, 1

Grupo C
Benfica – Olympiakos – 1-1
Anderlecht – Paris St.-Germain – 0-5

1º Paris St.-Germain, 9, 2º Olympiakos e Benfica, 4; 4º Anderlecht, 0

Grupo D
Bayern – Viktoria Plzeň – 5-0
CSKA Moskva – Manchester City – 1-2

1º Bayern, 9; 2º Manchester City, 6; 3º CSKA Moskva, 3; 4º Viktoria Plzeň, 0

Grupo E
Schalke 04 – Chelsea – 0-3
Steaua – Basel – 1-1

Chelsea e Schalke 04, 6; 3º Basel, 4; 4º Steaua, 1

Grupo F
Marseille – Napoli – 1-2
Arsenal – B. Dortmund – 1-2

1º Arsenal, B. Dortmund e Napoli, 6; 4º Marseille, 0

Grupo G
Austria Wien – At. Madrid – 0-3
FC Porto – Zenit – 0-1

1º At. Madrid, 9; 2º Zenit, 4; 3º FC Porto, 3; 4º Austria Wien, 1

Grupo H
AC Milan – Barcelona – 1-1
Celtic – Ajax – 2-1

1º Barcelona, 7; 2º  AC Milan, 5; 3º Celtic, 3; 4º Ajax, 1

23 Outubro, 2013 at 8:37 pm Deixe um comentário

Sorteio do “Play-off” de apuramento para o Mundial 2014

Acaba de realizar-se o sorteio do “play-off” de apuramento para o Mundial 2014, em futebol, no que respeita à Zona Europeia, tendo ditado os seguintes alinhamentos:

  • Portugal – Suécia
  • Ucrânia – França
  • Grécia – Roménia
  • Islândia – Croácia

Os jogos serão realizados, a duas mãos, nos próximos dias 15 e 19 de Novembro.

21 Outubro, 2013 at 12:17 pm Deixe um comentário

U. Tomar – Centenário (IV)

(“O Templário”, 17.10.2013)

Após as participações nos campeonatos da “Liga Tomarense”, na segunda metade da década de 20, o União de Tomar apenas faria a sua estreia em provas oficiais organizadas pela Associação de Futebol de Santarém no final do ano de 1936.

Na primeira jornada do Campeonato Distrital referente à temporada de 1936-37, disputada a 18 de Outubro de 1936, a equipa unionista obteria um curioso resultado, empatando 4-4 no Tramagal, culminando uma excepcional recuperação, depois de estar a perder por quatro a zero. Recuperemos alguns excertos da notícia sobre este histórico jogo:

«Após o descanso regulamentar, o jogo recomeça e Batalha, o jogador expulso, alinha de novo, pois os dirigentes do União num gesto tão leal como desportivo que muito me apraz aqui registar, de acordo com o árbitro, consentem que aquele jogador retome o seu lugar. […]

Os unionistas parece não se conformarem com o 3-0; desenvolvem grande actividade e dominam, mas a sorte não os protege e é ainda o Tramagal que, numa «fuga», marca o seu 4.º ponto.

Uma grande derrota parece avizinhar-se.

Há uma pequena modificação na linha da frente do União: Léo troca com Elísio e o ataque melhora sensivelmente. O União exerce agora forte pressão e vê os seus esforços coroados de êxito com a marcação do seu primeiro ponto por intermédio de Léo.

O Tramagal esforça-se para deter o impetuoso ataque do União mas não o consegue e a pouco e pouco vai cedendo terreno. O União insiste no ataque e Ramos alveja as redes do Tramagal com um bom pontapé; e assim, os unionistas já cheios de moral, redobram de energia e num formidável arranco conseguem enfiar mais duas bolas.

E todos estes goals marcados em menos de 20 minutos!

Os grupos estão empatados a 4 bolas, faltam poucos minutos para terminar.

Ambos procuram o ponto da vitória; a bola corre velozmente de um para outro campo, mas são inúteis mais esforços, pois o árbitro assinala o fim e o encontro termina com um empate de 4-4, com manifesta superioridade técnica e territorial do União em quási toda a segunda parte do encontro.»(1)

____________

(1) Cf. “Cidade de Tomar”, 25 de Outubro de 1936 – Crónica de Teófilo Vasco

20 Outubro, 2013 at 12:00 pm Deixe um comentário

O pulsar do campeonato – 4ª jornada

Pulsar do campeonato - 4

(“O Templário”, 17.10.2013)

Paulatinamente, à medida que o campeonato vai avançando no seu curso – e embora estejamos ainda numa fase muito prematura da prova – as equipas teoricamente mais apetrechadas vão-se instalando nos lugares de topo da pauta classificativa.

Numa jornada, a quarta, em que as equipas que jogaram em casa fizeram o pleno, vencendo todas as sete partidas disputadas, o destaque vai para o triunfo do Torres Novas frente a um outro candidato aos lugares cimeiros, Mação, por 2-0, assim como para a margem de vitória alcançada pelo At. Ouriense no encontro com o Cartaxo, impondo-se por categóricos 3-0.

Nos restantes desafios, imperou a normalidade, ou lógica do futebol, com o Fazendense a ganhar ao U. Chamusca por 2-0, o Benavente a vencer o Assentiz por 3-1, o mesmo resultado que, aliás, se verificou também no Coruchense – Empregados do Comércio e no Amiense – U. Tomar; por fim, o Pontével, a protagonizar um excelente arranque de campeonato, a derrotar a U. Abrantina por 1-0.

No que respeita mais especificamente ao União de Tomar, a iniciar uma fase em que o calendário lhe ditou uma sucessão de jogos de elevada dificuldade – depois da partida desta mais recente ronda, recebe, nas duas próximas semanas, os dois primeiros classificados, Torres Novas e Fazendense, deslocando-se de seguida a Ourém, para defrontar o At. Ouriense –, foi uma vez mais vítima das suas próprias falhas, tal como acontecera no desafio inaugural da sua participação na prova, em Pontével.

Efectivamente, sem que para tal tivesse criado caudal de jogo ou oportunidades que o justificassem, a formação de Amiais de Baixo chegaria ao intervalo já a vencer por 2-0. No início do segundo tempo, o União reduziria a desvantagem, tendo, ao longo dessa fase do encontro, pressionado mais, em busca do tento da igualdade, que contudo não conseguiria obter; ao invés, como tantas vezes sucede nestas ocasiões, acabaria por ser surpreendido com o terceiro tento do Amiense, que ditou o desfecho final do jogo.

Temos então agora, na frente da classificação, o Fazendense, que se isolou na liderança (não obstante se trate de um líder “à condição”, dependente do que os torrejanos fizerem em Tomar, no encontro que têm em atraso), com um ponto de vantagem sobre o duo formado por Torres Novas – até agora 100% vitorioso, nos três encontros já disputados, sendo a única equipa em tal posição – e Pontével. Com a vitória perante os nabantinos, o Amiense chegou-se também à frente, ocupando agora o 4.º posto, a dois pontos do guia. O Mação, derrotado nesta ronda, regista já um atraso de três pontos face ao 1.º classificado (que poderão eventualmente vir a converter-se em cinco, dependendo do tal jogo ainda por disputar).

Neste grupo da frente estarão já porventura os quatro principais candidatos ao 1.º lugar (se é que me é permitido excluir, para já, desse lote, o Pontével); depois, de entre os que estão mais abaixo, o At. Ouriense, com cinco pontos (distando outros tantos do actual líder).

Em posição intermédia, no meio da tabela, seguem já Coruchense (6.º classificado, com seis pontos), e Benavente (8.º, com quatro pontos), tantos quantos os somados por Assentiz e U. Chamusca.

Por fim, na cauda da classificação – nos lugares de risco, atendendo a que serão despromovidas entre duas a cinco equipas à II Divisão Distrital (dependendo do comportamento das equipas do distrito no Campeonato Nacional de Seniores) –, caíram já o U. Tomar (com três pontos), o Cartaxo (de forma algo surpreendente, tendo somado apenas dois pontos), e, a fechar, Empregados do Comércio e U. Abrantina, que contam somente um ponto.

Entretanto, na II Divisão Distrital, o realce vai para as equipas que, após a realização da terceira ronda, lideram as respectivas séries: a Norte, Atalaiense e Pernes repartem o comando, com sete pontos; a Sul, U. Almeirim e Porto Alto fizeram ainda melhor, registando três triunfos cada.

Na próxima semana, os campeonatos distritais sofrem uma interrupção, para disputa da 1.ª ronda da fase de grupos da Taça Ribatejo; por seu lado, as equipas do U. Tomar e do Torres Novas (integradas ambas em séries de apenas três concorrentes), as quais folgam nessa prova no seu primeiro dia, aproveitarão para acertar o calendário, com a realização do encontro que fora adiado da 1.ª jornada, então devido à participação dos torrejanos em eliminatória da Taça de Portugal.

A fechar, uma breve referência ao Campeonato Nacional de Seniores, onde as equipas que representam o distrito não foram felizes nesta jornada, com o Fátima a perder com o líder Mafra (0-1), com os mafrenses a alcançarem a sexta vitória consecutiva noutros tantos jogos disputados, enquanto o Riachense foi derrotado no seu terreno pelo Caldas (0-2), tendo o Alcanenense obtido um resultado positivo no Carregado, empatando 1-1.

O Fátima mantém-se no 3.º lugar, mas já a seis pontos do U. Leiria, enquanto o grupo de Alcanena ocupa o 5.º posto; a formação de Riachos continua a partilhar a “lanterna vermelha” com o Portomosense, com apenas um ponto, já a quatro pontos da equipa imediatamente precedente, o Torreense.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 17 de Outubro de 2013)

20 Outubro, 2013 at 10:00 am Deixe um comentário

Artigos Mais Antigos


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Outubro 2013
S T Q Q S S D
« Set   Nov »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.