PORTUGAL EM CHAMAS

30 Agosto, 2005 at 8:45 am 4 comentários

Quem teve a oportunidade de, ao longo do mês que agora chega ao fim, viajar pelo país, não pode ter deixado de ficar com a sensação de que “Portugal está a arder”.

O tema tem sido abordado e mediatizado até à exaustão, podendo contribuir, de alguma forma, para a sua banalização, o que teria um efeito precisamente inverso ao pretendido; em vez de se alertar consciências, poderia – caso as repetidas imagens televisivas não tenham sido também observadas “ao vivo” – começar a desenvolver-se um processo de “indiferença”.

Para além do cenário dantesco das chamas com labaredas de altura assustadora, é impossível esquecer o intenso cheiro a queimado, as cores plúmbeas do céu, as faúlhas e carumas que são transportadas pelo vento até muitos quilómetros de distância, o fumo que dificulta a respiração de forma quase asfixiante, a imagem dos bombeiros extenuados e impotentes, a inquietação, temor e estado de permanente alerta de quem se sente ameaçado, com muitas noites mal dormidas.

Ouço a referência a um estudo que aponta que cerca de 20 a 40 % dos incêndios terão origem em acção humana, seja ela dolosa ou negligente.

Ouço também os lamentos dos proprietários de madeira que referem não ter o eucalipto queimado qualquer valor comercial e que o pinheiro será também de escoamento praticamente inviável, dado o “excesso de oferta” de madeira queimada; para além de esta madeira não ter valor, haverá custos com a sua remoção: “é só prejuízo!”.

Não posso deixar de fazer algumas reflexões:

1. Há uma parte dos incêndios que são provocados pelo homem.

2. Se a madeira queimada não tem de facto valor, porquê é que isso acontece (de forma dolosa)? Com que fins?

3. No caso de incêndios provocados por negligência, como é possível que tal possa ocorrer a esta escala, estando as pessoas tão avisadas para os perigos potenciais e para as consequências da incúria? (ou será que não é ainda suficientemente conhecido que, entre 1 de Julho e 30 de Setembro, é estritamente proibido: fazer queimadas, lançar foguetes, fumar em locais densamente arborizados, lançar pontas de cigarro para fora da viatura?)

4. Mas, para além disso, a maior parte dos incêndios será ainda devida às condições climatéricas – seca extrema e temperaturas muito elevadas – associada ao desordenamento florestal. Neste caso, trata-se essencialmente de uma questão de consciência cívica que nos remete para preocupações ambientais de ordem muito mais abrangente, desde a acção do homem no alargar do buraco da camada de ozono, a emissão de gases tóxicos, o aquecimento global do planeta, …

Já é altura de reflectirmos “a sério” (e passar à acção!) sobre isto…

Entry filed under: Sociedade.

ÍCONES DO SÉCULO (XXXV) – 1978 – MARIO ANDRETTI CUBO MÁGICO PERFEITO (III)

4 comentários Add your own

  • 1. duard - Carlos Aquino  |  30 Agosto, 2005 às 5:44 pm

    Aqui no Brasil, temos assistido na televisão, a reportagens a respeito dessas queimadas em Portugal.

    É certo que a maioria dos incêndios foi provocada por ação humana.

    Mas, eu, no meu mundinho, ainda prefiro pensar que é culpa dos EUA 🙂 que não assinam aos protocolos necessários.

    Cara, não está normal a coisa.

    Portugal, 40º C ?

    Nem aqui, no meio do Brasil, chega-se a tal temperatura. Alguma coisa muito errada anda acontecendo neste nosso mundo.

    Responder
  • 2. Leonel Vicente  |  30 Agosto, 2005 às 6:30 pm

    A cada ano que passa, o clima em Portugal parece ser menos “temperado”; as 4 estações do ano são cada vez menos nítidas, com uma extensão do Inverno e do Verão (que pode ir desde Março/Abril até Outubro/Novembro), com temperaturas cada vez mais elevadas (e não apenas em Julho e Agosto, como era habitual), usualmente acima dos 30 graus e, não poucas vezes, aproximando-se ou ultrapassando mesmo os 40!

    Responder
  • 3. rui  |  13 Setembro, 2005 às 10:50 pm

    se o governo tivesse verbas para mandar limpar as florestas ja nao ardiam tantos hectares de floresta

    Responder
  • 4. rui  |  13 Setembro, 2005 às 10:50 pm

    se o governo tivesse verbas para mandar limpar as florestas ja nao ardiam tantos hectares de floresta

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Subscribe to the comments via RSS Feed


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Agosto 2005
S T Q Q S S D
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.


%d bloggers like this: