Mundial 2018 – Final – França – Croácia

15 Julho, 2018 at 5:53 pm Deixe um comentário

França Croácia 4-2

França Hugo Lloris, Benjamin Pavard, Raphaël Varane, Samuel Umtiti, Lucas Hernández, Kylian Mbappé, Paul Pogba, N’Golo Kanté (55m – Steven Nzonzi), Blaise Matuidi (73m – Corentin Tolisso), Antoine Griezmann e Olivier Giroud (81m – Nabil Fékir)

Croácia Danijel Subašić, Šime Vrsaljko, Dejan Lovren, Domagoj Vida, Ivan Strinić (82m – Marko Pjaca), Ante Rebić (71m – Andrej Kramarić), Ivan Rakitić, Marcelo Brozović, Ivan Perišić, Luka Modrić e Mario Mandžukić

1-0 – Mario Mandžukić (p.b.) – 18m
1-1 – Ivan Perišić – 28m
2-1 – Antoine Griezmann (pen.) – 38m
3-1 – Paul Pogba – 59m
4-1 – Kylian Mbappé – 65m
4-2 – Mario Mandžukić – 69m

Cartões amarelos – N’Golo Kanté (27m) e Lucas Hernández (41m); Šime Vrsaljko (90m)

Árbitro – Néstor Pitana (Argentina)

Luzhniki Stadium – Moskva (16h00)

Confirmando a superioridade que – enquanto conjunto – foi evidenciando, jogo a jogo, ao longo da competição, a selecção da França sagrou-se, com justiça, Campeã do Mundo, batendo por números categóricos uma já exaurida formação da Croácia, uma digna vice-campeã.

Consciente das suas condicionantes – especialmente a nível físico, após três prolongamentos disputados -, a equipa croata entrou em campo com uma postura ofensiva, assumindo a iniciativa, procurando talvez o golo que pudesse, uma vez mais, fazer com que a força da mente se sobrepusesse à fatiga.

No quarto de hora inicial, a Croácia não permitiu à França dispor de espaços para atacar, sendo aliás remetida ao seu meio-campo defensivo.

Mas – sem que tivesse, efectivamente, passado por séria ameaça -, a turma gaulesa, sempre pragmática, muito segura, e de grande eficácia, viria a inaugurar o marcador: Griezmann marcou um livre, “bombeado” para a molhada da grande área, onde surgiu, mais alto que todos, Mandžukić, a “pentear” a bola, mas, com tal infelicidade, que a impeliu na direcção da sua própria baliza, traindo Subašić. Seria o primeiro grande erro de várias falhas que se registariam nesta final.

Ainda antes de ter construído qualquer lance de ataque, a França via-se, desde logo, a ganhar. No imediato, a Croácia manteria uma atitude positiva, com boa reacção, não abdicando da sua estratégia, prosseguindo em busca do golo. Apenas dez minutos decorridos, veria mesmo os seus esforços premiados, culminando uma excelente execução de Perišić, restabelendo o empate, num lance que tivera também início num livre.

Apesar de assumir predomínio a nível da posse de bola, tal não parecia incomodar os franceses, que mantinham a sua toada paciente, aguardando pelo erro adversário, para, no momento certo, dar a “estocada”. E o erro, ainda que involuntário, surgiria, quando, pouco depois, na sequência de um canto, no meio da aglomeração que se verificava junto da pequena área, a bola embateu na mão do mesmo Perišić, contacto sancionado com grande penalidade, que Griezmann não perdoaria, recolocando a sua equipa em vantagem.

No início da segunda parte, a Croácia procurou, então, o “tudo por tudo”, queimando os seus últimos “cartuchos”… Podia ainda ter igualado novamente a contenda, não fora a oportuna defesa de Lloris a remate de Rebić. Seria como que o “canto do cisne”.

Ainda antes de completado o primeiro quarto de hora, a França sentenciaria a partida e, consequentemente, esta final, com um exemplo típico do seu pragmatismo: um contra-ataque iniciado por Pogba, com um lançamento em profundidade para Mbappé, a bola a chegar a Griezmann, que deixou para Pogba, o qual, a dois tempos – depois de um primeiro remate contra um defesa croata, “fuzilou” as redes contrárias.

Ao rarear de disponibilidade física, somava-se a quebra anímica, o que resultaria num inevitável “baixar de braços”, consumado, apenas seis minutos depois, com o quarto tento francês – dando, então, ao marcador uma expressão excessivamente penalizadora -, num remate de meia distância de Mbappé, perante um Subašić já sem os melhores reflexos.

A falha monumental do guardião francês, ao tentar “fintar” Mandžukić, mas levando a bola a embater no pé do avançado croata, fazendo ricochete para a sua baliza, que fixaria o resultado no 4-2 final, não seria já o suficiente para dar alento a uma esgotada e algo conformada equipa croata – à qual, em boa verdade, não era legítimo “exigir” mais -, impotente para contrariar a organização francesa, que, uma vez mais se impôs.

Foi uma final não muito bem jogada, com demasiados erros graves, sem um fio de jogo definido nem lances de futebol apoiado, e até, paradoxalmente – dado o resultado – sem muitas oportunidades de golo (se atentarmos que houve um auto-golo, uma grande penalidade e um “brinde” oferecido por Lloris), em que a estratégia francesa uma vez mais saiu vencedora, face a um “plano de jogo” croata que “não dava” para 90 minutos.

Num balanço final, embora sem apresentar o futebol mais atractivo da prova, a França demonstrou ser a equipa mais solidamente organizada deste Mundial, controlando todos os desafios, nunca concedendo “espaços” aos seus adversários, não “deixando jogar” – ninguém conseguiu encontrar o “antídoto” que pudesse superá-la -, e, em termos ofensivos, de extrema eficácia; em suma, a mais forte em termos colectivos, justificando a meritória conquista do título.

Entry filed under: Mundial 2018.

Mundial 2018 – 1/2 finais Mundial 2018 – Final

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Julho 2018
S T Q Q S S D
« Jun   Ago »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

  • RT @CurtaVermelha: Os jornalistas continuam a enganar se e a dar o nome de "conferência de imprensa" a estas coisas que o Lage faz. Conferê… 45 minutes ago
  • RT @alex_slwk: Mdr le LOSC jouait encore le maintien en mai 2018 et aujourd’hui on signe Renato Sanches du Bayern en claquant 90 millions d… 46 minutes ago
  • RT @tomasrdacunha: Fernando Torres entra em campo pela última vez. Esta é a despedida de Iniesta. "Cuando volviste a tu casa, al Atlético,… 4 hours ago

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.


%d bloggers like this: