Archive for Julho, 2018

Portugal Campeão da Europa de sub-19

A selecção nacional de Portugal, sob a orientação técnica de Hélio Sousa, sagrou-se hoje, pela primeira vez no seu historial – depois de ter perdido as finais de 2017, 2014 e 2003 -, Campeã da Europa de sub-19 em futebol, ao vencer na Final, disputada na Finlândia, a Itália, por 4-3, após prolongamento, depois de um empate 2-2 no final do tempo regulamentar.

2565738_w1.jpg

Este título soma-se aos anteriormente conquistados no escalão de sub-18, em 1994 e 1999. Por seu lado, a actual geração repete, no escalão de sub-19, o título europeu que obtivera há dois anos, então no escalão de sub-17, uma fantástica proeza!

Os jogadores João Filipe (“Jota”) e Francisco Trincão foram os melhores marcadores do Torneio, ambos com cinco golos.

A par de Portugal, garantiram também o apuramento para o Mundial sub-20 as selecções de Itália, França, Ucrânia e Noruega (para além do país organizador, Polónia).

29 Julho, 2018 at 11:25 pm Deixe um comentário

Geraint Thomas vence “Tour de France”

A 105.ª edição do “Tour de France”, ensombrada – ainda antes do seu arranque – pelo regresso dos “fantasmas” do doping, em especial no que respeita às dúvidas que subsistem relativamente ao vencedor da prova nos últimos anos, Christopher Froome, acabou por ter no seu companheiro de equipa, o galês Geraint Thomas, um absolutamente inesperado vencedor.

O antigo Campeão do Mundo e Olímpico (2008) de pista – por curiosidade, vencedor da Volta ao Algarve em 2015 e em 2016, prova em que foi 2.º classificado na edição deste ano) -, vencedor do Paris-Nice em 2016 e do “Dauphiné” em 2018, tinha como melhor resultado na Volta a França o 15.º lugar, averbado em 2015 e em 2016.

Este ano, desde cedo tendo assumido a liderança, envergando a “camisola amarela” – tendo vencido duas etapas consecutivas nos Alpes (11.ª e 12.º), entre elas a do Alpe D’Huez -, conseguiu resistir a todos os ataques adversários, acabando mesmo por manter a superioridade relativamente ao seu “chefe-de-fila”.

Para além de Froome, este ano relegado para o lugar mais baixo do pódio, destaque para Tom Dumoulin, com uma excelente 2.ª posição, assim como, ainda, para os repetentes no “top ten”, relativamente ao ano anterior: Romain Bardet (baixando de 3.º para 6.º lugar), Mikel Landa (de 4.º para 7.º) e Daniel Martin (de 6.º para 8.º). Também abaixo das expectativas ficou Nairo Quintana, apenas 10.º classificado, pese embora ter vencido uma das principais etapas de montanha.

Classificação geral final:

1.º Geraint Thomas (Grã-Bretanha) – Team Sky – 83h 17′ 13”
2.º Tom Dumoulin (Holanda) – Team Sunweb – a 01′ 51”
3.º Christopher Froome (Grã-Bretanha) – Team Sky – a 02′ 24”
4.º Primož Roglič (Eslovénia) – Team Lotto NL – Jumbo – a 03′ 22”
5.º Steven Kruijswijk (Holanda) – Team Lotto NL – Jumbo – a 06′ 08”
6.º Romain Bardet (França) – AG2R La Mondiale – a 06′ 57”
7.º Mikel Landa Meana (Espanha) – Movistar Team – a 07′ 37”
8.º Daniel Martin (Irlanda) – UAE Team Emirates – a 09′ 05”
9.º Ilnur Zakarin (Rússia) – Team Katusha Alpecin – a 12′ 37”
10.º Nairo Quintanta (Colômbia) – Movistar Team – a 14′ 18”

É a seguinte a lista completa dos vencedores da maior prova de ciclismo mundial:

  • 5 vitórias – Jacques Anquetil (1957, 1961, 1962, 1963 e 1964), Eddy Merckx (1969, 1970, 1971, 1972 e 1974), Bernard Hinault (1978, 1979, 1981, 1982 e 1985) e Miguel Indurain (1991, 1992, 1993, 1994 e 1995);
  • 4 vitórias – Christopher Froome (2013, 2015, 2016 e 2017)
  • 3 vitórias – Philippe Thys (1913, 1914 e 1920), Louison Bobet (1953, 1954 e 1955) e Greg Lemond (1986, 1989 e 1990)
  • 2 vitórias – Lucien Petit-Breton (1907 e 1908), Firmin Lambot (1919 e 1922), Ottavio Bottecchia (1924 e 1925), Nicolas Frantz (1927 e 1928), André Leducq (1930 e 1932), Antonin Magne (1931 e 1934), Sylvère Maes (1936 e 1939), Gino Bartali (1938 e 1948), Fausto Coppi (1949 e 1952), Bernard Thévenet (1975 e 1977), Laurent Fignon (1983 e 1984) e Alberto Contador (2007 e 2009);
  • 1 vitória – Maurice Garin (1903), Henri Cornet (1904), Louis Trousselier (1905), René Pottier (1906), François Faber (1909), Octave Lapize (1910), Gustave Garrigou (1911), Odile Defraye (1912), Léon Scieur (1921), Henri Pélissier (1923), Lucien Buysse (1926), Maurice De Waele (1929), Georges Speicher (1933), Romain Maes (1935), Roger Lapébie (1937), Jean Robic (1947), Ferdi Kubler (1950), Hugo Koblet (1951), Roger Walkowiak (1956), Charly Gaul (1958), Federico Bahamontes (1959), Gastone Nencini (1960), Felice Gimondi (1965), Lucien Aimar (1966), Roger Pingeon  (1967), Jan Janssen (1968), Luis Ocaña (1973), Lucien Van Impe (1976), Joop Zoetemelk (1980), Stephen Roche (1987), Pedro Delgado (1988), Bjarne Riis (1996), Jan Ullrich (1997), Marco Pantani (1998), Oscar Pereiro (2006), Carlos Sastre (2008), Andy Schleck (2010), Cadel Evans (2011), Bradley Wiggins (2012), Vincenzo Nibali (2014) e Geraint Thomas (2018).

A competição não se disputou nas épocas das duas Guerras Mundiais (1915 a 1918 e 1940 a 1946). Foram anuladas as classificações (7 vitórias) de Lance Armstrong nas edições de 1999 a 2005.

29 Julho, 2018 at 10:23 pm Deixe um comentário

“Encontros com os cidadãos – Os desafios da Europa” (Emmanuel Macron / António Costa)

Numa iniciativa do Governo português, realizou-se hoje, nas instalações da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, mais uma edição dos “Encontros com os cidadãos”, sob o lema “Os desafios da Europa”, com a participação do Primeiro-Ministro de Portugal, António Costa, e do Presidente da República de França, Emmanuel Macron.

Recupero de seguida algumas das principais declarações de Macron, primeiro num curto discurso, de cerca de um quarto de hora, após o que se iniciou um espaço de debate, respondendo a questões colocadas pela assistência.

O presidente francês começou por enfatizar o período excepcional que representa a existência da União Europeia no âmbito da história milenar da Europa, como uma fase única à nível de paz, liberdade e democracia, em contraste com um passado de conflitos e guerras.

Considera que a União Europeia vive uma crise democrática desde há 15 anos, pese embora o crescimento/alargamento, tendo deixado de convergir, ao invés, agravando-se a divergência entre Estados membros. Ainda assim, a União – afirma – continua a ser a única solução de futuro.

Defende que é fundamental prosseguir uma política comum em matéria de solidariedade face aos refugiados, mas sem esquecer a protecção das fronteiras.

Reforçou ainda que necessitamos de uma abordagem europeia também à nível económico; precisamos de uma Europa mais unida, mais convergente, mais solidária, em termos económicos e financeiros. Estes são os fundamentos da construção europeia, que temos de recuperar.

A concluir a sua intervenção inicial, referindo que este tipo de debates são uma boa demonstração do reforço da democracia na União Europeia, sublinhou que as eleições europeias (de 2019) são determinantes, dado que os próximos cinco anos serão cruciais para o futuro da Europa, ameaçada pela fractura dos nacionalismos extremistas, em oposição aos reformistas que visam a sua refundação.

bty

No período de perguntas e respostas, alguns dos principais pontos frisados por Macron:

  • Temos um sério desafio contra as forças extremistas que querem fracturar a Europa. Não podemos aceitar nenhum recuo da Europa, nem restrições à circulação.
  • O par França-Alemanha é condição necessária mas não suficiente para o reforço da Europa. É um duo que não deve/pode decidir pelos outros. Mas sim um tandem que tem de se articular com os outros, tendo uma grande responsabilidade em termos do futuro europeu.
  • Proposta de refundação da Europa, avançando para maior integração, abrangendo quem tiver disponibilidade para tal e sem que os outros países possam bloquear esses avanços. E a França até tem particulares responsabilidades nessa matéria, devido à reprovação da “Constituição Europeia” no referendo de 2005.
  • Assumo uma Europa a múltiplos círculos e a diferentes velocidades – na verdade, esta é a situação que, aliás, temos já há muito tempo na União Europeia. Cada círculo concêntrico deve estar aberto a acolher outros países, à medida que tal seja possível. Vejo também um círculo mais alargado, para além da União, incluindo a Rússia e a Turquia (acordos de associação).
  • Não é admissível que membros da União Europeia não partilhem dos seus valores fundacionais. Passamos muitas horas, inclusivamente noites, em negociações, em busca de compromissos, mas não podemos aceitar o que seria uma traição ao próprio projecto europeu.
  • A selecção de França deu-nos grande orgulho. Todos os jogadores, independentemente da sua origem, dão vivas à República e à França. O desporto é uma alavanca fantástica para a integração. Necessitamos transpor esse exemplo para a sociedade em termos gerais.
  • Mas não escondo que a França é hoje um país mais desigual que há 30 anos. O que fizemos no desporto temos de fazer noutras áreas, promovendo a integração e a mobilidade social. Devemos ter um mercado de trabalho muito mais integrado.
  • Precisamos de uma Europa mais sensível, mais “sensual” mesmo! Uma Europa menos burocrata, que comunique melhor. Acredito no papel da Universidade, no contributo determinante das experiências internacionais. A Europa não pode ser tão “fria”…

Macron rêve d’une Europe «sensuelle»

Macron à l’aise

Tout aussi agréable pour Emmanuel Macron et sans aucun accroc fut sa première « consultation citoyenne » organisée dans la capitale portugaise. Dans le grand auditorium de la fondation Gulbenkian, Emmanuel Macron retrouve le dispositif qu’il affectionne. Un jeu de questions-réponses sur l’avenir de l’Europe qui se veut sans détour.

Dans la salle aux deux tiers pleine, des étudiants, et surtout beaucoup d’expatriés Français à Lisbonne, l’interrogent poliment sur la gouvernance de l’Europe ou le couple franco-allemand. Un exercice sans risque pour le chef de l’État. Pas une question sur l’affaire Benalla ne lui sera posée.

Emmanuel Macron ne boude pas son plaisir. Et se laisse même aller à caresser l’idée d’une « Europe sensuelle », faite d’échanges universitaires et d’expérience de vie commune dans les différents pays. « L’Europe doit redevenir un objet politique chaud lance-t-il, il nous faut une Europe sensible et pas seulement des règles. On a créé une Europe un peu bureaucratique, il faut bien le dire. »

Un public déjà convaincu

Face à ce public courtois et déjà convaincu, Macron approfondit son idée d’une Europe à trois cercles et à plusieurs vitesses (la France occupant le « cœur du réacteur »), et en profite pour poser les jalons de la future campagne des Européennes 2019.

« Les mois qui sont devant nous sont essentiels prévient-il, ils préparent des élections décisives. Soit nous arrivons à refonder l’Europe, soit nous décidons son délitement. Ce grand clivage, c’est un débat entre les nationalistes, ceux qui sont pour la fracture européenne et les progressistes européens. »

Jamais mis en difficulté, le président a pu dérouler ses fondamentaux du discours fondateur de la Sorbonne en septembre 2017. Pour sa première « consultation citoyenne » hors de France, son hôte portugais, proeuropéen et francophile, avait bien fait les choses.

(Le Parisien – Myriam Encaoua)

27 Julho, 2018 at 3:44 pm Deixe um comentário

Campeonato da Europa de Hóquei em Patins – Final

Final – Espanha – Portugal – 6-3

3º / 4º lugar – Itália – França – 5-2

5º / 6º lugar – Suíça – Andorra – 5-3

7º / 8º lugar – Alemanha – Inglaterra – 12-6

Apuramento do 9º ao 11º lugar

Holanda – Áustria – 4-5

9º Áustria, 4; 10º Holanda, 3; 11º Bélgica, 1

Na final do Campeonato da Europa, disputada na Corunha, entre Espanha e Portugal, a equipa da casa fez por justificar a vitória, revelando extrema eficácia, ao invés de uma demasiado perdulária selecção portuguesa.

Com uma entrada muito positiva em rinque, Portugal começou por inaugurar o marcador (logo ao terceiro minuto, por intermédio de Gonçalo Alves) e poderia mesmo, nuns vinte minutos iniciais bastante bons, ter aumentado a contagem, caso tivesse conseguido concretizar algumas das várias oportunidades de que dispôs. Por seu lado, a Espanha, actuando mais na expectativa, e aproveitando as falhas contrárias, conseguiria, apenas cinco minutos volvidos, operar a reviravolta no marcador.

O resultado que se registava ao intervalo (3-1 a favor da Espanha, após a obtenção do terceiro tento, aos 22 minutos, era excessivamente penalizador para o desempenho do “cinco” português, podendo mesmo classificar-se como injusto.

As coisas mudariam de figura, no segundo tempo, logo aos sete minutos, quando a Espanha ampliou a marca para 4-1, praticamente sentenciando o desfecho desta final. Com o quinto golo, apontado três minutos depois, seria inevitável o desânimo da equipa portuguesa, ciente de que tinha pela frente, para os quinze minutos finais, uma “missão impossível”.

Não virando a cara à luta, os portugueses apenas conseguiriam atenuar ligeiramente a expressão do desaire, com os dois golos de João Rodrigues, que se sagrou o melhor marcador da prova, com um total de 24 golos apontados.

Em conclusão, uma vitória merecida da equipa que se revelou mais forte, muito eficaz no ataque, e bem organizada na defesa, com um resultado um pouco mais desnivelado do que a exibição protagonizada por cada equipa.

Nas 53 edições do Campeonato da Europa de Hóquei em Patins – que teve a sua estreia em 1926 em Herne Bay (Inglaterra) – Portugal continua a ser o país que mais vezes se sagrou Campeão (21), seguido pela Espanha (17), Inglaterra (12 – nas doze primeiras edições, até 1939) e Itália (3).

Para além dos 21 títulos conquistados (1947, 1948, 1949, 1950, 1952, 1956, 1959, 1961, 1963, 1965, 1967, 1971, 1973, 1975, 1977, 1987, 1992, 1994, 1996, 1998 e 2016), Portugal foi vice-campeão por 14 vezes (1951, 1953, 1954, 1957, 1969, 1979, 1981, 1983, 2000, 2002, 2008, 2010, 2012 e 2018), e 3.º classificado noutras 9 ocasiões (1936, 1937, 1939, 1955, 1985, 1990, 2004, 2006 e 2014); apenas por duas vezes tendo ficado em 4.º lugar (1932 e 1938).

Nas 48 edições em que participou (falhou as quatro primeiras, de 1926 a 1929 – tendo-se estreado em 1930 -, assim como a 8.ª, em 1934), somente em 1930 e 1931 (6.º classificado nas duas ocasiões) Portugal não alcançou um lugar de honra.

               Campeão      2.º      3.º      4.º      Total
Portugal          21         14        9        2        46
Espanha           17         16        6        2        41
Inglaterra        12          1        -        2        15
Itália             3         12       22        8        45
França             -          5        3        6        14
Suíça              -          2        4       12        18
Alemanha           -          2        4       10        16
Bélgica            -          1        1        5         7
Holanda            -          -        4        6        10

22 Julho, 2018 at 8:03 pm Deixe um comentário

Campeonato da Europa de Hóquei em Patins – 1/2 finais

1/2 finais

Espanha – França – 8-2
Portugal – Itália – 4-2

Apuramento do 5º ao 8º lugar

Inglaterra – Andorra – 2-8
Suíça – Alemanha – 5-5 (7-6 a.p.)

Apuramento do 9º ao 11º lugar

Bélgica – Holanda – 3-15

9º Holanda, 3; 10º Áustria, 1; 11º Bélgica, 1

21 Julho, 2018 at 10:39 pm Deixe um comentário

Campeonato da Europa de Hóquei em Patins – 1/4 de final

1/4 de final

França – Alemanha – 5-2
Itália – Andorra – 6-2
Espanha – Suíça – 10-2
Portugal – Inglaterra – 14-2

Apuramento do 9º ao 11º lugar

Áustria – Bélgica – 4-4 (2-1 g.p.)

9º Áustria, 1; 10º Bélgica, 1; 11º Holanda, 0

As meias-finais, a disputar amanhã, têm o seguinte alinhamento:

Portugal – Itália
Espanha – França

20 Julho, 2018 at 10:27 pm Deixe um comentário

Campeonato da Europa de Hóquei em Patins – 5ª jornada

Grupo A
15.07.18 – Suíça – Áustria – 5-1
15.07.18 – Andorra – Portugal – 0-11
16.07.18 – França – Andorra – 6-0
16.07.18 – Portugal – Suíça – 7-1
17.07.18 – Áustria – França – 3-14
17.07.18 – Suíça – Andorra – 2-3
18.07.18 – França – Suíça – 5-2
18.07.18 – Áustria – Portugal – 1-15
19.07.18 – Andorra – Áustria – 6-0
19.07.18 – Portugal – França – 5-4

                  Jg    V    E    D      G      Pt
1º Portugal        4    4    -    -   38 -  6   12
2º França          4    3    -    1   29 - 10    9
3º Andorra         4    2    -    2    9 - 19    6
4º Suíça           4    1    -    3   10 - 16    3
5º Áustria         4    -    -    4    5 - 40    -

Grupo B
14.07.18 – Espanha – Inglaterra – 10-1
15.07.18 – Alemanha – Holanda – 5-1
15.07.18 – Bélgica – Itália – 0-24
16.07.18 – Bélgica – Alemanha – 0-15
16.07.18 – Itália – Inglaterra – 9-4
16.07.18 – Holanda – Espanha – 2-14
17.07.18 – Inglaterra – Bélgica – 14-2
17.07.18 – Espanha – Alemanha – 7-1
17.07.18 – Holanda – Itália – 4-15
18.07.18 – Inglaterra – Holanda – 6-4
18.07.18 – Itália – Alemanha – 11-5
18.07.18 – Bélgica – Espanha – 0-22
19.07.18 – Holanda – Bélgica – 10-5
19.07.18 – Alemanha – Inglaterra – 8-4
19.07.18 – Espanha – Itália – 2-0

                  Jg    V    E    D      G      Pt
1º Espanha         5    5    -    -   55 -  4   15
2º Itália          5    4    -    1   59 - 15   12
3º Alemanha        5    3    -    2   34 - 23    9
4º Inglaterra      5    2    -    3   29 - 33    6
5º Holanda         5    1    -    4   21 - 45    3
6º Bélgica         5    -    -    5    7 - 85    -

Os 1/4 de final, a disputar amanhã, terão o seguinte alinhamento:

Portugal – Inglaterra
Itália – Andorra
Espanha – Suíça
França – Alemanha

19 Julho, 2018 at 10:37 pm Deixe um comentário

Campeonato da Europa de Hóquei em Patins – 4ª jornada

Grupo A
15.07.18 – Suíça – Áustria – 5-1
15.07.18 – Andorra – Portugal – 0-11
16.07.18 – França – Andorra – 6-0
16.07.18 – Portugal – Suíça – 7-1
17.07.18 – Áustria – França – 3-14
17.07.18 – Suíça – Andorra – 2-3
18.07.18 – França – Suíça – 5-2
18.07.18 – Áustria – Portugal – 1-15
19.07.18 – Andorra – Áustria –
19.07.18 – Portugal – França –

1º Portugal e França, 9; 3º Andorra, 3; 4º Suíça, 3; 5º Áustria, 0

Grupo B
14.07.18 – Espanha – Inglaterra – 10-1
15.07.18 – Alemanha – Holanda – 5-1
15.07.18 – Bélgica – Itália – 0-24
16.07.18 – Bélgica – Alemanha – 0-15
16.07.18 – Itália – Inglaterra – 9-4
16.07.18 – Holanda – Espanha – 2-14
17.07.18 – Inglaterra – Bélgica – 14-2
17.07.18 – Espanha – Alemanha – 7-1
17.07.18 – Holanda – Itália – 4-15
18.07.18 – Inglaterra – Holanda – 6-4
18.07.18 – Itália – Alemanha – 11-5
18.07.18 – Bélgica – Espanha – 0-22
19.07.18 – Holanda – Bélgica –
19.07.18 – Alemanha – Inglaterra –
19.07.18 – Espanha – Itália –

1º Espanha e Itália, 12; 3º Alemanha e Inglaterra, 6; 5º Holanda e Bélgica, 0

18 Julho, 2018 at 10:24 pm Deixe um comentário

Campeonato da Europa de Hóquei em Patins – 3ª jornada

Grupo A
15.07.18 – Suíça – Áustria – 5-1
15.07.18 – Andorra – Portugal – 0-11
16.07.18 – França – Andorra – 6-0
16.07.18 – Portugal – Suíça – 7-1
17.07.18 – Áustria – França – 3-14
17.07.18 – Suíça – Andorra – 2-3
18.07.18 – França – Suíça –
18.07.18 – Áustria – Portugal –
19.07.18 – Andorra – Áustria –
19.07.18 – Portugal – França –

1º Portugal e França, 6; 3º Andorra e Suíça, 3; 5º Áustria, 0

Grupo B
14.07.18 – Espanha – Inglaterra – 10-1
15.07.18 – Alemanha – Holanda – 5-1
15.07.18 – Bélgica – Itália – 0-24
16.07.18 – Bélgica – Alemanha – 0-15
16.07.18 – Itália – Inglaterra – 9-4
16.07.18 – Holanda – Espanha – 2-14
17.07.18 – Inglaterra – Bélgica – 14-2
17.07.18 – Espanha – Alemanha – 7-1
17.07.18 – Holanda – Itália – 4-15
18.07.18 – Inglaterra – Holanda –
18.07.18 – Itália – Alemanha –
18.07.18 – Bélgica – Espanha –
19.07.18 – Holanda – Bélgica –
19.07.18 – Alemanha – Inglaterra –
19.07.18 – Espanha – Itália –

1º Itália e Espanha, 9; 3º Alemanha, 6; 4º Inglaterra, 3; 5º Holanda e Bélgica, 0

17 Julho, 2018 at 10:30 pm Deixe um comentário

Campeonato da Europa de Hóquei em Patins – 2ª jornada

Grupo A
15.07.18 – Suíça – Áustria – 5-1
15.07.18 – Andorra – Portugal – 0-11
16.07.18 – França – Andorra – 6-0
16.07.18 – Portugal – Suíça – 7-1
17.07.18 – Áustria – França –
17.07.18 – Suíça – Andorra –
18.07.18 – França – Suíça –
18.07.18 – Áustria – Portugal –
19.07.18 – Andorra – Áustria –
19.07.18 – Portugal – França –

1º Portugal, 6; 2º França, 3; 3º Suíça, 3; 4º Áustria, 0; 5º Andorra, 0

Grupo B
14.07.18 – Espanha – Inglaterra – 10-1
15.07.18 – Alemanha – Holanda – 5-1
15.07.18 – Bélgica – Itália – 0-24
16.07.18 – Bélgica – Alemanha – 0-15
16.07.18 – Itália – Inglaterra – 9-4
16.07.18 – Holanda – Espanha – 2-14
17.07.18 – Inglaterra – Bélgica –
17.07.18 – Espanha – Alemanha –
17.07.18 – Holanda – Itália –
18.07.18 – Inglaterra – Holanda –
18.07.18 – Itália – Alemanha –
18.07.18 – Bélgica – Espanha –
19.07.18 – Holanda – Bélgica –
19.07.18 – Alemanha – Inglaterra –
19.07.18 – Espanha – Itália –

1º Itália, Espanha e Alemanha, 6; 4º Inglaterra, Holanda e Bélgica, 0

16 Julho, 2018 at 10:27 pm Deixe um comentário

Artigos Mais Antigos


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Julho 2018
S T Q Q S S D
« Jun   Ago »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.