NOVOS PAÍSES MEMBROS DA UNIÃO EUROPEIA – R. CHECA (V)

16 Abril, 2004 at 1:31 pm 2 comentários

A Bandeira Checa mantém as tradicionais cores eslavas (vermelho, branco e azul); o triângulo azul . que antes representava a Eslováquia . simboliza actualmente a Morávia. Os três territórios originais da Coroa Checa (Boémia, Morávia e a Silésia) estão também representados no escudo nacional. A Moeda do país é a .Coroa Checa..

Os Checos mais conhecidos a nível internacional são Vaclav Havel (Presidente e famoso escritor dramaturgo), os escritores Franz Kafka, Milan Kundera e Josef Skvorecky (Prémio Nobel em 1984), o realizador de cinema Milos Forman, o compositor Antonin Dvorak (.Sinfonia do Novo Mundo.), Martina Navratilova e Ivan Lendl (tenistas, naturalizados norte-americanos), Tomas Bata, famoso fabricante de sapatos, tendo também o fundador da McDonald.s (Roy Kroc) origem checa.

Os principais recursos energéticos são o carvão, linhite, caolinos, argila e grafite. As produções agrícolas mais relevantes são os cereais, batatas, fruta, produtos florestais, para além da agro-pecuária. As indústrias mais importantes são a metalurgia do ferro, maquinaria e equipamentos e veículos (Skoda).

A fechar esta breve .viagem. pela R. Checa, alguns dados estatísticos de carácter sócio-económico: PIB .per capita., 13 850 euros; Taxa de inflação, 4 %; Taxa de desemprego, 9,2 %; número de automóveis por 100 habitantes, 34; número de telemóveis por 100 habitantes, 68; número de utilizadores de Internet por 100 habitantes, 15.

Assim se conclui, ao fim de 10 meses (!) a apresentação dos 10 novos países-membros da União Europeia, com adesão plena já a partir do próximo dia 1 de Maio. Quem ousaria pensar, há 15 anos atrás, numa União Europeia a 25? Faltam apenas 15 dias!…

P. S. A propósito de cultura checa, leia-se o artigo de Alexandra Lucas Coelho, no “Público” de 10 de Abril (ver em “entrada estendida”).

[1194]

República Checa
Por ALEXANDRA LUCAS COELHO
Sábado, 10 de Abril de 2004

“No centro da nova Europa

A cultura checa inscreve-se nessa região fluida e cosmopolita a que correspondeu o Império Austro-húngaro, e que, entre a segunda metade do século XIX e a primeira do século XX, foi uma extraordinária plataforma para pensadores, criadores, vanguardas. Inscreve-se ao ponto de ainda hoje o leque de protagonistas da cultura checa ser tão flexível como um harmónio, estica e encolhe consoante os critérios – quando estica, até Freud e Rilke lá cabem; quando encolhe, nem Kafka é uma certeza.

Checo é quem nasceu no território que hoje é República Checa? Então Sigmund Freud e Rainer Maria Rilke são checos. Checo é quem fala checo? Então Freud e Rilke não são checos – mas Kafka também não. São checos os exilados que escolheram outra nacionalidade, mas até aí tinham escrito ou filmado em checo, como o romancista Milan Kundera (França) ou o cineasta Milos Forman (EUA)?

Seguindo a tradição mais assente, não vamos aqui incluir Rilke (oficialmente, “súbdito” austríaco, e escritor de língua alemã, que nasceu e passou a juventude em Praga) – mas Rilke é um dos nomes na lista de escritores checos traduzidos em Portugal que a embaixada checa em Lisboa enviou ao PÚBLICO, e que tinha como fonte o Ministério da Cultura português. Nem vamos incluir Freud (que nasceu na Morávia, uma das duas regiões da República Checa) – e aparece como checo por exemplo num site do governo checo.

Tal como Rilke ou Freud, foi em alemão que Franz Kafka escreveu. Mas ao contrário deles, Kafka passou quase toda a sua vida em Praga, onde está enterrado, e é, para todos os efeitos, o escritor de Praga – que a cidade mantém como ícone e íman.

O embaixador checo em Lisboa, Jaromir Kvapil (ver destaque), prefere dizer que Kafka é da Boémia (a outra região da República Checa). Também na Boémia nasceu o compositor Gustav Mahler, geralmente apresentado como austríaco, e que o embaixador inclui entre os checos, com uma ressalva: “Como passou toda a sua vida profissional no território da Áustria actual, ‘partilhamo-lo’ com os austríacos.”

Bem ilustra este dilema de identidade o que disse o próprio Mahler, ao descrever-se como três vezes “homeless”: um boémio na Áustria, um austríaco entre alemães e um judeu pelo mundo.

Avancemos.

Música, fotografia, cinema (incluindo o de animação), património histórico e literatura são provavelmente os campos mais reconhecidos da cultura checa.

Na música, destacam-se três compositores: Bedrich Smetana (1828-1884), Antonín Dvorák (1841-1904) e Leos Janacek (1854-1928). O primeiro é considerado o pai da ópera checa.

Na fotografia, uma tradição forte, o autor mais conhecido é Josef Koudelka (1938). São dele as grandes imagens da invasão do Pacto de Varsóvia em 1968, que pôs fim à Primavera de Praga. Saiu do país pouco depois, e entrou para a Magnum em 1971. Continua activo.

Milos Forman (“Voando Sobre um Ninho de Cucos”) é o mais famoso autor do cinema checo – marcado ainda nos anos 60 por nomes como Vera Chytilova e Jiri Menzel (que ganhou um Óscar com a adaptação de “Comboios Rigorosamente Vigiados”, a obra de Bohumil Hrabal, disponível em edição da Caminho).

Da escola checa de animação – os portugueses descobriram-na com Vasco Granja -, refiram-se três autores de três gerações: o pioneiro Jiri Trnka (1910-1969), o surrealista Jan Svankmajer (1934) e Jiri Barta (1948), discípulo contemporâneo de Trnka.

Território de rica e longa história, a República Checa tem 12 sítios inscritos na Lista de Património Mundial da Unesco: centro histórico de Praga; centro histórico de Cesk Krumlov; centro histórico de Tel; a igreja de romaria de São João Nepomuceno em Édár nad Sázavou; o centro histórico de Kutná Hora (com a igreja de Santa Bárbara e a catedral da Ascenção de Nossa Senhora); a região cultural de Lednice – Valtice; a povoação histórica de Holaöovice; os jardins e o castelo de Krom; o castelo em Litomyöl; a coluna da Santíssima Trindade em Olomouc; a casa residencial de Tugendhat em Brno; e o bairro judeu e a basílica de S. Procópio em Trebíc.

Além de Kafka e de Kundera (múltiplas edições disponíveis em Portugal), há mais alguns autores checos traduzidos a destacar. Começando por Václav Havel (dramaturgia e ensaio), de quem o Teatro Nacional D. Maria II representou há meses duas peças, com encenação de Jorge Listopad, também ele escritor e dramaturgo checo, que veio para Portugal como exilado.

Bohumil Hrabal (1914-1997) tem três livros traduzidos na Afrontamento (“A Terra Onde o Tempo Parou”, “Eu que Servi o Rei de Inglaterra”, “Uma Solidão Demasiado Ruidosa”), além da edição da Caminho que já referimos. De Ivan Klíma (1931) e de Josef Skvorecky (1924), dois dos autores vivos mais conhecidos, há, respectivamente, “Amor e Desencanto” (Bertrand) e “O Engenheiro das Almas” (Dom Quixote). Recuando no tempo, do autor de ficção científica/fantástica Karel Capek (1890-1938) há mais do que um título disponível, e de Jaroslav Hasek (1883-1923) várias versões da sua obra de culto, “O Valente Soldado Svejk”. Do político Artur London (1915-1986) – checo, judeu, comunista, lutou na guerra civil de Espanha, esteve preso no campo de concentração de Büchenwald, chegou a ser vice-ministro dos estrangeiros na Checoslováquia, foi preso pelo regime, acabou por partir para França – a Bertrand publicou “A Confissão”.

Jan Neruda (1834-1891) – autor marcante do nacionalismo checo – e Jaroslav Seifert (1901-1986) – o poeta checo que ganhou o Nobel – não têm livros disponíveis em Portugal.”

[1194]

Entry filed under: Novos países União Europeia.

25 DE ABRIL – "A CAPITAL" EURO 2004 (XV) – 1972

2 comentários

  • 1. Rui MCB  |  16 Abril, 2004 às 2:59 pm

    Excelente trabalho Leonel

  • 2. joao  |  6 Maio, 2004 às 4:15 pm

    este site devia ter as bandeiras nos novos países Europeus


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Abril 2004
S T Q Q S S D
« Mar   Maio »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.


%d bloggers like this: